Opinião

Jesus profetiza a destruição do templo de Jerusalém

diario da manha

Ten­do sa­í­do do Tem­plo, Je­sus ca­mi­nha­va e os dis­cí­pu­los se apro­xi­ma­vam de­le pa­ra fa­zê-lo ob­ser­var as cons­tru­ções do Tem­plo. Um dos seus dis­cí­pu­los lhe dis­se: “Mes­tre, vê que pe­dras e que cons­tru­ções!”

E co­mo al­guns fa­la­vam a res­pei­to do Tem­plo que era or­na­do de be­las pe­dras e do­na­ti­vos, Je­sus dis­se-lhes: “Vês tu­do is­to, to­das es­tas gran­des cons­tru­ções? Em ver­da­de vos di­go: di­as vi­rão em que não fi­ca­rá pe­dra so­bre pe­dra que não se­ja der­ru­ba­da!”

(Evan­ge­lhos de: Ma­teus, cap. 24, vv. 1 e 2 – Mar­cos, cap. 13, vv. 1 e 2 – Lu­cas, cap. 21, vv. 5 e 6).

 

O tem­plo de Je­ru­sa­lém foi a con­cre­ti­za­ção de um de­se­jo do rei Da­vi, que pro­vi­den­ci­ou tu­do pa­ra que o seu fi­lho Sa­lo­mão pu­des­se cons­truí-lo.

O tem­plo de Je­ru­sa­lém foi edi­fi­ca­do por Sa­lo­mão (1005 a.C.), de­pois re­cons­tru­í­do por Za­ro­ba­bel (515 a.C.) e, pos­te­rior­men­te, res­tau­ra­do por He­ro­des, o Gran­de, a par­tir de 20 a.C..

O pri­mei­ro tem­plo de Je­ru­sa­lém foi cons­tru­í­do no cu­me do Mon­te Mo­riá, on­de Abra­ão ofe­re­ceu Isa­que co­mo sa­cri­fí­cio, mas foi des­tru­í­do por Na­bu­co­do­no­sor II, rei da Ba­bi­lô­nia, em 587 a.C. (2Reis, 25; 2Crô­ni­cas,36 e Je­re­mi­as, 52).

O se­gun­do tem­plo foi re­cons­tru­í­do de­pois que os ju­deus re­tor­na­ram do ca­ti­vei­ro da Ba­bi­lô­nia. 500 anos de­pois, o tem­plo, des­gas­ta­do por cau­sas na­tu­ra­is e ata­ques de ini­mi­gos, foi res­tau­ra­do por He­ro­des, o Gran­de, ten­do sua res­tau­ra­ção con­cluí­da em 64 d.C. No en­tan­to, em 70 d.C, o tem­plo foi des­tru­í­do por Ti­to, fu­tu­ro im­pe­ra­dor de Ro­ma, e até os di­as atu­ais não mais foi re­cons­tru­í­do.

Se­gun­do o his­to­ri­a­dor Flá­vio Jo­se­fo, em sua obra Guer­ra dos Ju­deus (VI, 9.3), cer­ca de 1.100,000 ha­bi­tan­tes fo­ram as­sas­si­na­dos du­ran­te o ata­que ro­ma­no a Je­ru­sa­lém. Je­sus sa­bia que a ci­da­de se­ria de­vas­ta­da no ano 70 d.C e por is­so dis­se: “Não fi­ca­rá pe­dra so­bre pe­dra que não se­ja der­ru­ba­da (Lu­cas, 21:6).

A du­as des­tru­i­ções do tem­plo co­in­ci­dem com as du­as des­tru­i­ções de Je­ru­sa­lém, ci­da­de que foi ber­ço da fé em Deus, or­ga­ni­za­da co­mo ci­da­de há 2.600 anos a.C. e fun­da­da por Sem, Fi­lho de Noé. No en­tan­to, foi pal­co de atro­ci­da­des con­tra os que fa­la­vam em no­me de Deus. Je­ru­sa­lém pros­se­gue co­mo sen­do pon­to de con­fli­tos re­li­gi­o­sos, em­bo­ra se­ja a ci­da­de sa­gra­da dos ju­deus, cris­tã­os e mul­çu­ma­nos.

O his­to­ri­a­dor Flá­vio Jo­se­fo nar­ra a res­pei­to da res­tau­ra­ção do tem­plo de Je­ru­sa­lém por He­ro­des, o Gran­de ou o idu­meu, no ano 20 a.C., e o des­cre­ve com sin­gu­lar pre­ci­são em sua obra His­tó­ria dos He­breus (CPAD, Li­vro Dé­ci­mo Quin­to, ca­pí­tu­lo 14):

“He­ro­des em­pre­gou mil car­re­tas pa­ra tra­zer as pe­dras, re­u­niu to­do o ma­te­ri­al, es­co­lheu dez mil ope­rá­rios dos me­lho­res e so­bre eles cons­ti­tu­iu mil sa­cri­fi­ca­do­res, ves­ti­dos às su­as cus­tas, in­te­li­gen­tes e prá­ti­cos nos tra­ba­lhos de pe­drei­ro e car­pin­tei­ro. […] A fren­te des­se so­ber­bo edi­fí­cio pa­re­cia a de um pa­lá­cio re­al; as du­as ex­tre­mi­da­des de ca­da fren­te eram mais bai­xas que o cen­tro e es­se cen­tro era tão al­to que os que es­ta­vam em fren­te do tem­plo ou que pa­ra lá se di­ri­gi­am, po­di­am vê-lo, em­bo­ra es­ti­ves­se mui­to lon­ge, de vá­rios es­tá­di­os, mes­mo. A ar­qui­te­tu­ra dos pór­ti­cos era qua­se se­me­lhan­te ao res­to; vi­am-se ta­pe­ça­rias es­ten­di­das de di­ver­sas co­res, ador­na­das de flo­res de púr­pu­ra, com co­lu­nas en­tre elas, nas cor­ni­jas, das qua­is pen­di­am ra­mos de vi­dei­ra de ou­ro, com seus ca­chos e su­as fo­lhas tão bem tra­ba­lha­dos que nes­sas obras, tão ri­cas, a ar­te na­da fi­ca­va a de­ver à na­tu­re­za”.

Pas­to­ri­no, (Sa­be­do­ria do Evan­ge­lho, vol. 7) tam­bém ci­ta Flá­vio Jo­se­fo (Bel­lum Ju­dai­cum, 5, 5, 6):

“Tu­do o que ha­via no ex­te­ri­or do tem­plo ale­gra­va os olhos, en­chia de ad­mi­ra­ção e fas­ci­na­va o es­pí­ri­to: era to­do co­ber­to de lâ­mi­nas de ou­ro tão es­pes­sas que, des­de o al­vo­re­cer, se fi­ca­va tão ofus­ca­do quan­to pe­los pró­prios rai­os so­la­res. Dos la­dos em que não ha­via ou­ro, tão bran­cas eram as pe­dras que es­sa mas­sa so­ber­ba pa­re­cia, de lon­ge, aos es­tran­gei­ros que o não co­nhe­ci­am, uma mon­ta­nha co­ber­ta de ne­ve”.

Ain­da se­gun­do Pas­to­ri­no, Jo­se­fo (Bell. Jud. 5.5.1-2 e Ant.Jud. 15.11-3) in­for­ma que o tem­plo foi des­tru­í­do em “9 de agos­to de 70 e que Ti­to fez tu­do pa­ra sal­var o tem­plo da des­tru­i­ção”. Con­tu­do, as or­dens de Ti­to pa­ra pre­ser­var o tem­plo fo­ram de­sa­ten­di­das por­que os sol­da­dos es­ta­vam en­ra­i­ve­ci­dos con­tra os ju­deus. “De­pois que uma to­cha, lan­ça­da por um sol­da­do, ini­ciou o in­cên­dio” que se pro­pa­gou ra­pi­da­men­te, Ti­to na­da mais fez pa­ra evi­tar a des­tru­i­ção do tem­plo. Es­sa ver­são his­tó­ri­ca po­de pa­re­cer sus­pei­ta pa­ra li­vrar o go­ver­no ro­ma­no da res­pon­sa­bi­li­da­de da des­tru­i­ção do tem­plo, cen­tro de fé dos ju­deus, mas es­sa hi­pó­te­se não pa­re­ce plau­sí­vel por­quan­to mais ex­pres­si­va foi a de­vas­ta­ção de Je­ru­sa­lém, ci­da­de sa­gra­da dos ju­deus.

Ao sa­ir do tem­plo, os dis­cí­pu­los de Je­sus ad­mi­ra­ram a sua res­tau­ra­ção. Na épo­ca de Je­sus, o tem­plo ain­da es­ta­va em re­for­mas e cons­tru­ções, as qua­is se­ri­am con­cluí­das no ano 64.

Os evan­ge­lhos não re­ve­lam qual dis­cí­pu­lo se di­ri­giu ao Mes­tre pa­ra elo­gi­ar as pe­dras e as cons­tru­ções do tem­plo, mas de­ve­ria ser dis­cí­pu­lo pró­xi­mo.

Ao pro­fe­ti­zar a des­tru­i­ção do tem­plo de Je­ru­sa­lém, Je­sus não des­con­si­de­rou a en­ge­nha­ria ou a ar­qui­te­tu­ra de seu tem­po, mas ta­ci­ta­men­te quis res­sal­tar o tem­plo do es­pí­ri­to que é in­des­tru­tí­vel e é on­de se de­ve er­guer o al­tar res­plan­de­cen­te de uma con­sci­ên­cia pa­ci­fi­ca­da pe­lo de­ver mo­ral cum­pri­do.

O tem­plo de Je­ru­sa­lém res­tau­ra­do por He­ro­des foi uma ma­no­bra pa­ra con­quis­tar a sim­pa­tia do po­vo de Is­ra­el pa­ra seu rei­na­do e não por­que es­ta­va dis­pos­to a ho­me­na­ge­ar o Deus de Abra­ão. Ele não ti­nha le­gi­ti­mi­da­de ju­dai­ca e que­ria com­pen­sar es­se fa­to por meio de uma ma­jes­tá­ti­ca ho­me­na­gem à fé is­ra­e­li­ta.

Ao lon­go da es­ca­la­da evo­lu­ti­va ter­re­na, o ser hu­ma­no sem­pre con­si­de­rou a im­por­tân­cia de de­mons­trar sua fé por meio de ima­gens, tem­plos, ri­tu­ais e pro­ce­di­men­tos ex­ter­nos que pu­des­sem agre­gar mais de­vo­tos. Con­tu­do, quan­to mais evo­luí­do é o es­pí­ri­to, mai­or se­rá a ne­ces­si­da­de de uma vi­da in­te­ri­or in­ten­sa e con­dig­na com sua na­tu­re­za eter­na e in­des­tru­tí­vel.

A de­vas­ta­ção do tem­plo de Je­ru­sa­lém, o mais be­lo e sig­ni­fi­ca­ti­vo tem­plo re­li­gi­o­so cons­tru­í­do pe­la ar­qui­te­tu­ra hu­ma­na ao lon­go da his­tó­ria, bem re­pre­sen­ta uma men­sa­gem da Lei Na­tu­ral de Ado­ra­ção aos que cul­tuam Deus so­men­te pe­las apa­rên­cias, bus­can­do su­as gló­rias e am­bi­ções. No ano 70, seis anos de­pois de sua con­clu­são, em 64, o tem­plo foi des­tru­í­do por uma re­be­li­ão de sol­da­dos ro­ma­nos que se re­vol­ta­ram con­tra os ju­deus que não as­si­mi­la­ram a fé que de­fen­di­am.

O rei Ecle­sias­tes, fi­lho do rei Da­vi, cri­ti­ca os atos pe­la vai­da­de que so­men­te cau­sam la­men­ta­ções (Ecle­sias­tes, 1:1-18). Con­for­me as pa­la­vras de Je­sus a res­pei­to da des­tru­i­ção do tem­plo de Je­ru­sa­lém, tu­do que fi­zer­mos em no­me da vai­da­de não per­ma­ne­ce­rá, “não fi­ca­rá pe­dra so­bre pe­dra que não se­ja der­ru­ba­da”.

 

(Emí­dio Sil­va Fal­cão Bra­si­lei­ro é edu­ca­dor, es­cri­tor e ju­ris­ta. Mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia Go­i­a­ni­en­se de Le­tras e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

 

 

Comentários