Opinião

A “mente” mente, o “presente” não existe!

diario da manha

O “pre­sen­te” se­ria o in­ter­va­lo, um “ins­tan­te” ín­fi­mo, en­tre o fu­tu­ro e o pas­sa­do, um áti­mo, mi­lhões, bi­lhões, tri­lhões de ve­zes mais rá­pi­do do que “um pis­car de olhos”, um de­co­lar de mos­ca e is­to, to­do mun­do sa­be, es­tá mais que sa­cra­men­ta­do, ofi­ci­a­li­za­do e é, ló­gi­co, en­si­na­do no ber­ço, nas es­co­las e uni­ver­si­da­des, en­tre­tan­to, eu acho, ali­ás, te­nho cer­te­za, ab­so­lu­ta, o pre­sen­te não exis­te, não exis­te ne­nhum in­ter­va­lo, ne­nhum “ins­tan­te”, ne­nhum “pre­sen­te”, ain­da mais, “cons­tan­te­men­te pre­sen­te”, en­tre o fu­tu­ro e o pas­sa­do, o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor con­cor­da? Pois é, es­sa con­cep­ção de, ou, do pre­sen­te, “den­tro” do tem­po, in­ter­va­lan­do, in­ter­ca­lan­do, in­ter­me­di­an­do o pas­sa­do e o fu­tu­ro, é uma “in­ven­ção”, só po­de ser, sei lá, co­lo­co na con­ta das im­pro­ba­bi­li­da­des, mas, só sei que é mui­to fá­cil cons­ta­tar a “sua” ine­xis­tên­cia, a ine­xis­tên­cia do tal de pre­sen­te, pois, se ten­ta­mos cap­tá-lo, ló­gi­co, com o ve­lo­cís­si­mo pen­sa­men­to, ele, mis­te­ri­o­sa­men­te, de­sa­pa­re­ce e ime­di­a­ta­men­te, ins­tan­ta­ne­a­men­te, “re­a­pa­re­ce” – al­guns di­rão: co­mo, se nem se­quer hou­ve­ra de­sa­pa­re­ci­do? – “no”, ou, “co­mo”, pas­sa­do e, tal­vez, se­ja por is­to, exa­ta­men­te por is­to, que o mag­ní­fi­co idi­o­ma por­tu­guês, a nos­sa “lín­gua”, de­no­mi­ne, de­sig­ne, “cha­me”, es­ta par­te, do nos­so “or­ga­nis­mo men­tal”, apro­pria­da­men­te, ou, me­lhor, mui­tís­si­mo apro­pria­da­men­te, de “men­te”, sim, do ver­bo men­tir, afi­nal, uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da nos­sa “men­te” é “men­tir”, mas, co­mo, a men­te min­ta, tam­bém, pa­ra nos pro­te­ger, pro­cu­ra­rei ser cor­dial, afi­nal, o seu no­me, “men­te”, já a de­nun­cia, o es­cre­vi­nha­dor não pre­ci­sa fi­car re­pe­tin­do tro­ca­di­lhos, no tí­tu­lo, até, to­le­ra-se, ain­da mais se a fi­na­li­da­de for atra­ir lei­to­res, até con­vém, tu­do bem, vá lá, mas, ri­mar, com men­te da­qui, men­te da­li, de lá e aco­lá é fá­cil, es­tou sen­do in­de­li­ca­do, en­tão, uti­li­zar-me-ei da pa­la­vra de­for­ma­do­ra sim, a men­te adul­te­ra, de­for­ma as “coi­sas”, os ob­je­tos, os acon­te­ci­men­tos e, ló­gi­co, há far­tís­si­mo ma­te­ri­al, por­quan­to, os ci­en­tis­tas já pro­va­ram que sub­je­ti­va­mos, ex­pe­ri­men­ta­mos, “ob­ser­va­mos”, “ab­sor­ve­mos”, as ima­gens, co­res, tons, sons, odo­res, in­ten­si­da­des, gos­tos, for­mas, ló­gi­co, atra­vés da vi­são, au­di­ção, ol­fa­to, pa­la­dar e ta­to, mas, a imen­sa, ali­ás, imen­sís­si­ma mai­o­ria das coi­sas, dos ob­je­tos, sub­je­ti­va­dos, a “men­te” tra­ta de en­vi­ar, mui­to ve­loz­men­te, pa­ra o in­con­sci­en­te, pa­ra o be­le­léu, pa­ra a “Li­xei­ra”, pa­ra o es­que­ci­men­to e, é bom re­gis­trar, com a ho­di­er­na cor­re­ria do no­vo mi­lê­nio, is­to es­tá fi­can­do ca­da vez pi­or, ali­ás, es­tá es­cri­to, até nos li­vros sa­gra­dos, não nos lem­bra­mos, nem se­quer do nos­so ros­to, quan­do dei­xa­mos o es­pe­lho, cla­ro, se pu­dés­se­mos olhar pa­ra nós, não su­por­ta­rí­a­mos, en­tre­tan­to, in­con­sci­en­te­men­te, ins­tin­ti­va­men­te, ine­xo­ra­vel­men­te, du­ran­te to­das as nos­sas vi­das – de, no má­xi­mo, mí­se­ros 100 ani­nhos, ou, se­ja, 1.200 mes­es – achan­do que o nos­so mun­do é o mais ver­da­dei­ro do uni­ver­so, to­da­via, en­tre­tan­to, ape­sar dis­so tu­do, de to­dos os pro­ces­sos men­tais, aqui re­la­ta­dos e, pi­or, o blá-blá-blá do es­cre­vi­nha­dor, o que ele acha, ou, dei­xa de achar, a ver­da­de, ver­da­dei­ra, é que a vi­da é um fe­nô­me­no ma­ra­vi­lho­so, um ver­da­dei­ro “pre­sen­te” e, se hou­ver, mes­mo, de fa­to, a eter­ni­da­de, o “pre­sen­te eter­no”, es­pe­ro, an­seio, que nes­ta eter­ni­da­de, Deus nos fa­ça “pre­sen­tes”. Até.

 

(Hen­ri­que Gon­çal­ves Di­as, jor­na­lis­ta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais