Opinião

Brasil não precisa de novas áreas para produzir

diario da manha

Se no pas­sa­do a im­plan­ta­ção de la­vou­ras e pas­ta­gens pra­ti­ca­men­te em to­do o Pa­ís exi­gia des­ma­ta­men­to des­me­di­do, ho­je a pro­du­ção ocu­pa lu­gar atra­vés dos ín­di­ces de pro­du­ti­vi­da­de. A me­di­da exi­ge do pro­du­tor me­nos área, mas ele te­rá, to­da­via, que uti­li­zar mé­to­dos de cor­re­ção de so­lo com a adu­ba­gem, se­men­tes me­lho­ra­das, uso de dro­nes pa­ra evi­tar des­per­dí­ci­os de fer­ti­li­zan­tes, água, re­cur­sos hu­ma­nos mais ha­bi­li­ta­dos, en­tre ou­tros itens.

A efi­ci­ên­cia dos bra­si­lei­ros na pro­du­ção de grãos e ole­a­gi­no­sas é con­si­de­ra­da da mai­or re­le­vân­cia pe­los agro­pe­cu­a­ris­tas atu­a­li­za­dos. E eles se dis­se­mi­nam ra­pi­da­men­te. O pre­si­den­te do Gru­po Agro­ce­res, Fer­nan­do An­tô­nio Pe­rei­ra, tem uma abor­da­gem es­pe­cí­fi­ca. Os de­sa­fi­os e pers­pec­ti­vas do mer­ca­do de grãos pa­ra a ca­deia pro­du­ti­va de su­í­nos me­re­cem de sua par­te um ca­pí­tu­lo es­pe­ci­al.

A “efi­ci­ên­cia” é di­da­ti­ca­men­te ex­pli­ca­da por ele. Se­gun­do Fer­nan­do Pe­rei­ra “os pro­du­to­res de grãos não pre­ci­sam cres­cer a área agrí­co­la, mas ape­nas tra­ba­lhar os ín­di­ces de pro­du­ti­vi­da­de exis­ten­tes”. A pro­du­ção bra­si­lei­ra cres­ceu mais de 166%, ín­di­ce con­si­de­ra­do no­tá­vel pe­lo lí­der do Gru­po Agro­ce­res. Es­ses ín­di­ces são ob­ti­dos com o uso da tec­no­lo­gia, uso mai­or de in­su­mos, en­tre eles se­men­tes me­lho­ra­das, fer­ti­li­zan­tes, cor­re­ti­vos e de­fen­si­vos agrí­co­las.

As pers­pec­ti­vas bra­si­lei­ras são po­si­ti­vas, o que ele atri­bui a al­guns fa­to­res. En­tre eles, o cres­ci­men­to da ren­da da po­pu­la­ção nos paí­ses em fa­se de de­sen­vol­vi­men­to, mai­or con­su­mo de ali­men­tos, ur­ba­ni­za­ção ace­le­ra­da na Chi­na, on­de ocor­re for­te mi­gra­ção do cam­po pa­ra as ci­da­des. “São mais de 20 mi­lhões de pes­so­as mi­gran­do a ca­da ano”, sa­li­en­ta.

Os fun­dos de in­ves­ti­men­tos em com­mo­di­ti­es agrí­co­las fa­vo­re­cem a ca­deia do agro­ne­gó­cio do Bra­sil, “por­que es­ses pa­péis in­ter­fe­rem nos pre­ços, cons­ti­tu­em no­vi­da­des no se­tor”, ob­ser­va. O biocom­bus­tí­vel e o pe­tró­leo ao apre­sen­ta­rem al­te­ra­ções os pre­ços, o mi­lho, en­tre ou­tros grãos pa­ra bi­o­com­bus­tí­veis, so­bem ou bai­xam, por­que es­tão in­ter­li­ga­dos no con­tex­to, es­cla­re­ce. A ex­plo­são de­mo­grá­fi­ca é ou­tro item que fa­vo­re­ce a quem pro­duz ali­men­tos.

São pou­cas as áre­as agri­cul­tá­veis dis­po­ní­veis no mun­do e o Bra­sil dis­põe de mais de 400 mi­lhões de hec­ta­res dis­po­ní­veis, além de áre­as e pas­ta­gens não uti­li­zá­veis. Sem es­ta­be­le­cer eu­fo­ria, Fer­nan­do Pe­rei­ra tra­ça um per­fil po­si­ti­vo pa­ra a pro­du­ção agro­pe­cu­á­ria. Com re­la­ção ao mi­lho, por exem­plo, a pro­du­ção mun­di­al é de 839,7 mi­lhões de to­ne­la­das. Pa­ra a so­ja, a pro­du­ção é de 267,6 mi­lhões de to­ne­la­das.

O con­su­mo mun­di­al de mi­lho é de 853,8 mi­lhões de to­ne­la­das e de 261,0 mi­lhões de to­ne­la­das pa­ra a so­ja.

O ris­co de de­sa­bas­te­ci­men­to é ze­ro em sua opi­ni­ão e sua pers­pec­ti­va é a de que o vo­lu­me de ex­por­ta­ções se­rá o prin­ci­pal de­ter­mi­nan­te de pre­ço no mer­ca­do in­ter­no. Ele vê pos­si­bi­li­da­de de al­gu­ma que­da de de­man­da in­ter­na­ci­o­nal pa­ra ali­men­ta­ção ani­mal. Há ain­da a pos­si­bi­li­da­de de au­men­to in­fla­cio­ná­rio, ame­a­çan­do o cres­ci­men­to na­ci­o­nal, es­ti­ma­do em 4%.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agro­pe­cu­á­rio pe­la His­tra­dut, em Tel Aviv, Is­ra­el, e au­tor do li­vro O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te)

Comentários