Opinião

Quando Hemingway salvou uma livraria da fúria dos nazistas em Paris

diario da manha

Na épo­ca do Im­pé­rio, to­do li­te­ra­to que mi­li­ta­va nas le­tras bra­si­lei­ras ti­nha um so­nho: – Ir à Pa­ris; ali­ás, o fran­cês era a se­gun­da lín­gua da eli­te in­te­lec­tu­al bra­si­lei­ra, pois Pa­ris era con­si­de­ra­da a Me­ca da cul­tu­ra uni­ver­sal

Os anos de 1899 a 1902 po­dem ser con­si­de­ra­dos co­mo o apo­geu da bel­le-épo­que pa­ri­sien­se quan­do a al­ta so­ci­e­da­de era do­mi­na­da pe­la no­bre­za e qua­se to­dos os ho­mens e mu­lhe­res usa­vam cha­péus, aque­les com o in­de­fec­tí­vel bi­go­de e as mu­lhe­res com sai­as com­pri­das até o chão. Ah! Usa­vam som­bri­nhas e ben­ga­las nos pas­sei­os pe­las ave­ni­das, prin­ci­pal­men­te na Champs-Elysé­es.

A dé­ca­da de 1920 foi a épo­ca de efer­ves­cên­cia cul­tu­ral de Pa­ris, com o Im­pres­sio­nis­mo (Mo­net e Re­noir), a fa­se ver­de-ro­sa de Pi­cas­so, o Fau­vis­mo (Ma­tis­se), o Cu­bis­mo (Pi­cas­so e Bra­que), Da­dais­mo (Tza­ra) e o sur­re­a­lis­mo (Bre­ton e Sar­tre) e foi, tam­bém, por es­ta épo­ca que fo­ram lan­ça­dos as du­as obras li­te­rá­ri­as mais im­por­tan­tes do sé­cu­lo – Em Bus­ca do Tem­po Per­di­do e Ulysses, res­pec­ti­va­men­te de Mar­cel Proust e Ja­mes Joyce.

Foi no fi­nal des­ta dé­ca­da (1921) que o es­cri­tor nor­te­a­me­ri­ca­no Er­nest He­mingway de­sem­bar­cou em Pa­ris na com­pa­nhia da es­po­sa Had­ley; gra­ças à in­di­ca­ção de um seu ami­go e con­ter­râ­neo, o es­cri­tor – Sherwo­od An­der­son, o ca­sal se hos­pe­dou no Ho­tel Ja­cob et d´An­gle­ter­re, na rue Ja­cob, nr. 44, bem no co­ra­ção da ri­ve ga­u­che (la­do es­quer­do do rio Se­na), per­to da Igre­ja St-Ger­main-des-Prés; de­pois o ca­sal se mu­dou pa­ra um apar­ta­men­to na Rue Car­di­nal Le­mo­i­ne. nr. 74.

Uma das ma­nei­ras de se man­ter em Pa­ris, en­quan­to pro­je­ta­va se tor­nar  es­cri­tor  era en­vi­ar ar­ti­gos, co­mo free-lan­ce,  pa­ra o Jor­nal “To­ron­to Star” do Ca­na­dá (de on­de re­ce­bia 75 dó­la­res men­sais); foi por aque­la épo­ca que He­mingway co­nhe­ceu du­as mu­lhe­res, am­bas nor­te­a­me­ri­ca­nas,  que ti­ve­ram mui­ta in­flu­ên­cia na sua vi­da cul­tu­ra em Pa­ris : Sylvia Be­ach e Ger­tru­des Stein; tra­ço, em rá­pi­das pin­ce­la­das o per­fil das du­as.

Sylvia Be­ach (1887/1962) che­gou a Pa­ris em 1917, quan­do abriu uma li­vra­ria, ini­ci­al­men­te na rue Du­puytren , nú­me­ro 8, pa­ra a qual ela deu o no­me pom­po­so de “Shakes­pe­a­re and Com­pany”, po­rém, al­gum tem­po de­pois se mu­dou pa­ra um lo­cal mais es­pa­ço­so, na rue L´Ode­on, nr. 12; nes­ta li­vra­ria, Sylvia além de ven­der li­vros es­cri­tos no idi­o­ma in­glês, em­pres­ta­va-os me­di­an­te um pa­ga­men­to men­sal, cos­tu­me her­da­do  de ou­tra li­vra­ria  “La Mai­son des Amis des Li­vres – A ca­sa dos ami­gos dos li­vros”, si­tu­a­da não mui­to dis­tan­te da­li, de pro­pri­e­da­de da fran­ce­sa Adri­en­ne Mon­ni­er e que aca­bou se tor­nan­do sua ami­ga pa­ra sem­pre.

O di­fe­ren­ci­al de ou­tras li­vra­ri­as da­que­le tem­po é o fa­to dos cli­en­tes, ao in­vés de com­pra­rem os li­vros, “pe­ga­vam-nos em­pres­ta­dos”, me­di­an­te um pa­ga­men­to men­sal.

No seu li­vro “Pa­ris é uma Fes­ta, E. He­mingway. Ed. Ber­trand Bra­sil, 9a. edi­ção, 2007” He­mingway tra­ça um per­fil da sua ami­ga Sylvia Be­ach:

– Sylvia ti­nha um ros­to vi­vaz e agu­do, olhos cas­ta­nhos vi­vos co­mo os de um ani­mal­zi­nho e ale­gres com os de uma me­ni­na e, co­ro­an­do sua tes­ta al­ti­va, ca­be­los cas­ta­nhos on­du­la­dos que ela pen­te­a­va pa­ra trás e man­ti­nha cor­ta­dos abai­xo das ore­lhas e na li­nha da go­la da ja­que­ta de ve­lu­do mar­rom que usa­va sem­pre. Ti­nhas be­las per­nas e era ge­ne­ro­sa, jo­vi­al e in­te­res­sa­da; ama­va brin­car e fo­fo­car. Ja­mais ne­nhu­ma pes­soa foi mais sim­pá­ti­ca co­mi­go.

Co­mo po­de­mos ob­ser­var por es­te per­fil que He­mingway tra­çou da ami­ga Sylvia, ele, co­mo era seu cos­tu­me, não dei­xou de “ad­mi­rar as su­as per­nas”.

Ger­tru­de Stein (1874/1946) che­gou a Pa­ris em 1903 na com­pa­nhia do seu ir­mão Leo e fo­ram mo­rar em um apar­ta­men­to lo­ca­li­za­do na rue Fleu­rus, 27; Ger­tru­des, fi­lha de fa­mí­lia de mi­li­o­ná­rios nos Es­ta­dos Uni­dos,  foi ten­tar a car­rei­ra li­te­rá­ria em Pa­ris e Leo que era aman­te da ar­te mo­der­na,  aca­bou con­ta­mi­nan­do-a; no fi­nal da sua vi­da, seu apar­ta­men­to mais pa­re­cia um mu­seu, com obras de Bra­que, Ma­tis­se, Van Gogh, Pi­cas­so, Mo­net e mui­tos ou­tros

Em 1909 Ger­tru­des e Leo re­par­ti­ram o acer­vo que acu­mu­la­ram e Ali­ce Toklas (ou­tra pren­da­da es­cri­to­ra) foi mo­rar com ela, tor­nan­do-se sua “es­po­sa”, quan­do Ger­tru­des pas­sou a pro­du­zir e “in­ven­tar” uma no­va lin­gua­gem na es­cri­ta, o ain­da o pou­co co­nhe­ci­do pra­xis ou “es­cri­ta au­to­má­ti­ca” co­mo ela a de­no­mi­na­va.

Du­ran­te mui­to tem­po Stein e sua com­pa­nhei­ra Ali­ce vi­ve­ram nes­te en­de­re­ço, o qual se tor­na­ria len­dá­rio e um  im­por­tan­te pon­to de en­con­tro de  ami­gos pa­ra “to­ma­rem chá” e dis­cu­ti­rem li­te­ra­tu­ra, co­mo Pi­cas­so, Ma­tis­se, Bra­que,  Apo­li­nai­re, Ez­ra Pound, Ja­mes Joyce, Er­nest He­mingway, F. So­cott Fitzge­rald, John dos Pas­sos e mui­tos ou­tros.

Ger­tru­des era, re­al­men­te, ge­ni­al e pa­ra ci­tar ape­nas uma das su­as obras “Au­to­bi­o­gra­fia de Ali­ce Toklas”, li­vro fun­da­men­tal da van­guar­da dos anos 10,20 e 30 do sé­cu­lo XX, on­de ela con­ta co­mo jo­vens ar­tis­tas (pin­to­res) e es­cri­to­res, vin­dos do mun­do in­tei­ro, se en­con­tra­ram em Pa­ris.

O in­con­tes­tá­vel era o fa­to da li­vra­ria “Shakes­pe­a­re and Com­pany” tor­nou-se o pon­to de en­con­tro dos in­te­lec­tu­ais es­tran­gei­ros que vi­vi­am em Pa­ris na­que­la épo­ca e Miss Stein e He­mingway eram “ha­bi­tué” da li­vra­ria e lá to­dos se co­nhe­ci­am, prin­ci­pal­men­te no fi­nal das tar­des quan­do dis­cu­ti­am li­te­ra­tu­ra; He­mingway tor­nou-se o mai­or ami­go de Sylvia; veio a guer­ra e He­mingway se alis­tou co­mo vo­lun­tá­rio e, um dia, após o seu ter­mi­no, ele vol­tou pa­ra “sal­var Sylvia e sua li­vra­ria do ju­go dos na­zis­tas”.

Dei­xo que Sylvia con­te o que acon­te­ceu, co­mo ela nar­rou no seu li­vro au­to­bi­o­gráf­co  (Shakes­pe­a­re and Com­pany – Uma Li­vra­ria na Pa­ris do en­tre guer­ras, Sylvia Be­ach, 1959).

“A li­be­ra­ção de Pa­ris es­ta­va qua­se com­ple­ta, nos­so quar­tei­rão, per­to do Jar­dim de Lu­xem­bur­go, foi um dos úl­ti­mos a se li­vrar da ocu­pa­ção, ain­da se ou­vi­am mui­tos ti­ros na rue L ´Ode­on e já es­tá­va­mos can­sa­das da­qui­lo quan­do, um dia, uma fi­lei­ra de ji­pes su­biu a rua e pa­rou em fren­te da li­vra­ria. Ou­vi gri­tos – Sylvia!, è He­mingway! É He­mingway, gri­ta­va Adri­en­ne. Des­ci cor­ren­do as es­ca­das e de­mos um en­con­trão, ele me abra­çou e me gi­rou no ar, sob aplau­sos de quem es­ta­va na rua e nas ja­ne­las.

Su­bi­mos, ele es­ta­va de uni­for­me, cha­mus­ca­do e en­san­guen­ta­do, uma me­tra­lha­do­ra lar­ga­da no chão. Quis sa­ber se ha­via al­go que pu­des­se fa­zer por nós, pe­di­mos que en­fren­tas­se os fran­cos ati­ra­do­res na­zis­tas em ci­ma dos te­lha­dos das ca­sas da rua. Ele le­vou sua com­pa­nhia de ji­pes pa­ra os te­lha­dos. Fo­ram os úl­ti­mos ti­ros que ou­vi­mos na rue L ´Ode­on.  Ele par­tiu com a in­cum­bên­cia de li­ber­tar, dis­se-nos, com ca­ra de ga­lho­fa   – A ade­ga do Ho­tel Ritz “.

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

 

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais