Opinião

Recuperação de vidas

diario da manha

As­so­cia­ção No­va Es­pe­ran­ça, em San­ta He­le­na de Go­i­ás, é re­fe­rên­cia na re­cu­pe­ra­ção de de­pen­den­tes e al­co­o­lis­tas, unin­do es­pi­ri­tua­li­da­de, bo­as prá­ti­cas de aten­di­men­to e aco­lhi­men­to, es­tru­tu­ra fí­si­ca ade­qua­da e vo­lun­ta­ria­do de­di­ca­do em ga­ran­tir exis­tên­cia, ma­nu­ten­ção e de­sen­vol­vi­men­to da co­nhe­ci­da Fa­zen­di­nha No­va Es­pe­ran­ça.

Con­sci­en­tes de que a res­pon­sa­bi­li­da­de de so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma da dro­ga e do ál­co­ol não é ape­nas do go­ver­no, mas sim de to­da a so­ci­e­da­de or­ga­ni­za­da, a di­o­ce­se de Ja­taí e um gru­po de mem­bros ati­vos da co­mu­ni­da­de de San­ta He­le­na – mu­ni­cí­pio do su­des­te go­i­a­no – cri­a­ram a As­so­cia­ção No­va Es­pe­ran­ça, uma co­mu­ni­da­de te­ra­pêu­ti­ca des­ti­na­da à re­cu­pe­ra­ção de de­pen­den­tes quí­mi­cos e al­có­o­la­tras. Há 20 anos a Fa­zen­da No­va Es­pe­ran­ça de San­ta He­le­na de Go­i­ás, cha­ma­da ca­ri­nho­sa­men­te de Fa­zen­di­nha, re­ce­be jo­vens e adul­tos adic­tos ori­un­dos de to­da a par­te do Bra­sil, in­de­pen­den­te de con­vic­ções po­lí­ti­cas, re­li­gi­o­sas ou ní­vel so­ci­o­e­co­nô­mi­co. Seus ob­je­ti­vos são re­cu­pe­rar e re­in­te­grar os in­ter­nos ao con­ví­vio so­ci­al e fa­mi­liar sa­u­dá­vel.

O pro­je­to foi mon­ta­do há 20 anos, em uma fa­zen­da de 5,5 al­quei­res, com a cons­tru­ção do Cen­tro Te­ra­pêu­ti­co No­va Es­pe­ran­ça. Os tra­ba­lhos fo­ram ini­ci­a­dos, em 1997, com a dis­po­si­ção de 12 va­gas. Lo­go pas­san­do pa­ra 24 in­ter­na­ções e, em 2008, am­pli­an­do pa­ra 50 va­gas. Com o tra­ba­lho da equi­pe de vo­lun­tá­rios que pro­cu­ra ar­re­ca­dar do­a­ções e in­cen­ti­vos pa­ra a ma­nu­ten­ção e a me­lho­ria do aten­di­men­to e da in­fra­es­tru­tu­ra do cen­tro te­ra­pêu­ti­co, ho­je, a Fa­zen­da No­va Es­pe­ran­ça tem ca­pa­ci­da­de pa­ra aten­der 60 in­ter­nos.

“Ini­cia­mos o vo­lun­ta­ria­do da equi­pe de Go­i­â­nia pa­ra vi­a­bi­li­zar re­cur­sos. Co­me­ça­mos com a mon­ta­gem de um ba­zar per­ma­nen­te da pe­chin­cha com rou­pas e cal­ça­dos no­vos e se­mi­no­vos, aces­só­rios e ob­je­tos de de­co­ra­ção. Com o au­men­to da pro­cu­ra por in­ter­na­ções na Fa­zen­di­nha e a ne­ces­si­da­de so­ci­al dos úl­ti­mos tem­pos, am­pli­a­mos nos­sos tra­ba­lhos na bus­ca de re­cur­sos pa­ra re­a­li­za­ção de me­lho­ri­as fí­si­cas e na ma­nu­ten­ção da qua­li­da­de e vo­lu­me de pro­du­tos ali­men­tí­ci­os e de lim­pe­za pa­ra ga­ran­tir o re­ce­bi­men­to de mais in­ter­nos, man­ten­do a qua­li­da­de das ações de re­cu­pe­ra­ção que são de­sen­vol­vi­das na No­va Es­pe­ran­ça. Ho­je, nos­so con­ta­to jun­to às em­pre­sas e lo­jas é pe­ri­ó­di­co. É uma for­ma de ter­mos par­cei­ros cons­tan­tes na lu­ta que a ca­da dia cres­ce.”, des­ta­ca a che­fe do vo­lun­ta­ria­do em Go­i­â­nia, Vâ­nia Ma­ra Cra­vei­ro.

Uma das mais re­cen­tes con­quis­tas da Fa­zen­da No­va Es­pe­ran­ça de San­ta He­le­na de Go­i­ás é a cons­tru­ção de uma ca­pe­la em su­as de­pen­dên­cias. “O tra­ba­lho re­a­li­za­do no cen­tro te­ra­pêu­ti­co é ecu­mê­ni­co, po­rém tra­ba­lhar a es­pi­ri­tua­li­da­de na re­cu­pe­ra­ção des­ses jo­vens e ho­mens é fun­da­men­tal, fer­ra­men­ta in­dis­pen­sá­vel pa­ra seu for­ta­le­ci­men­to e en­fre­ta­men­to das di­fi­cul­da­des de ca­da dia e de sua in­ser­ção na so­ci­e­da­de. For­ta­le­ce­mos o cor­po, a men­te e o es­pí­ri­to pa­ra que es­te­jam pre­pa­ra­dos pa­ra o en­fren­ta­men­to do mun­do, pa­ra a con­quis­ta de uma no­va vi­da lá fo­ra”, en­fa­ti­za Ita­mar La­na, mé­di­co e di­re­tor do cen­tro de re­cu­pe­ra­ção.

Cons­tru­í­da com do­a­ções de em­pre­sas e co­la­bo­ra­do­res no­vos e per­ma­nen­tes da As­so­cia­ção, a ca­pe­la tem pro­je­to as­si­na­do pe­la ar­qui­te­ta Shir­lei Bit­tar e pai­nel do ar­tis­ta plás­ti­co Lu­iz Olin­to – con­tri­bui­ções vo­lun­tá­rias. A inau­gu­ra­ção se­rá re­a­li­za­da no pró­xi­mo do­min­go, dia 25, com a pre­sen­ça de in­ter­nos, fa­mí­lias, co­la­bo­ra­do­res e co­mu­ni­da­de. “Agra­de­ce­mos, imen­sa­men­te, pe­las con­tri­bui­ções e es­for­ços. O que ve­jo é um apoio que cres­ce de uni­ão e so­li­da­ri­e­da­de pa­ra ame­ni­zar um pro­ble­ma que já se tor­nou de sa­ú­de pú­bi­ca em nos­so pa­ís: a adic­ção. A ca­pe­la re­pre­sen­ta o for­ta­le­ci­men­to do es­pí­ri­to pa­ra o en­fren­ta­men­to da ba­ta­lha e mais um es­pa­ço de aco­lhi­men­to na jor­na­da da re­cu­pe­ra­ção”, afir­ma a co­or­de­na­do­ra da Fa­zen­da No­va Es­pe­ran­ça, Car­lin­da La­na Ri­bei­ro.

A fi­lo­so­fia de tra­ba­lho apli­ca­da pe­la As­so­cia­ção No­va Es­pe­ran­ça ba­seia-se na la­bor­te­ra­pia (tra­ba­lho e dis­ci­pli­na), na psi­co­te­ra­pia, na es­pi­ri­tua­li­da­de e nas ati­vi­da­des de es­por­te e la­zer apoi­a­dos nos 12 pas­sos apli­ca­dos pe­lo AA (Al­có­o­li­cos Anô­ni­mos) e pe­lo NA (Nar­có­ti­cos Anô­ni­mos), nos 12 pas­sos pa­ra o cris­tão e nos 12 prin­cí­pios de Amor-Exi­gen­te. O tra­ta­men­to é sem me­di­ca­ção, to­tal­men­te vol­ta­do pa­ra a re­cu­pe­ra­ção dos in­ter­nos cen­tra­da na for­ma­ção de um no­vo ho­mem, ofe­re­cen­do-lhes con­di­ções de se man­te­rem só­bri­os, em uma vi­da dig­na, re­in­te­gran­do-se à so­ci­e­da­de e à fa­mí­lia. O tra­ta­men­to é de nove mes­es e a par­tir do quin­to mês é ini­ci­a­do tra­ba­lho de res­so­ci­a­li­za­ção. “As fa­mí­lias tam­bém são acio­na­das a par­ti­ci­pa­rem da mu­dan­ça que acon­te­ce du­ran­te a in­ter­na­ção. É fei­to tra­ba­lho jun­to aos gru­pos de apoio, que ofe­re­cem con­di­ções pa­ra a re­es­tru­tu­ra­ção fa­mi­liar”, des­ta­ca Ita­mar La­na.

 

(Ady Pa­trí­cia Aze­ve­do So­a­res, co­la­bo­ra­do­ra)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais