diario da manha

Com o cres­ci­men­to da mé­dia da ex­pec­ta­ti­va de vi­da nos úl­ti­mos anos, a po­pu­la­ção ido­sa au­men­tou em sua pro­por­ção, e em de­cor­rên­cia des­se au­men­to, po­de­mos per­ce­ber o cres­ci­men­to de ca­sos de do­en­ças que afe­tam a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va. Den­tre es­sas po­de­mos des­ta­car uma das mais co­nhe­ci­das, que é o Alzhei­mer.

O Alzhei­mer cau­sa pro­ble­mas prin­ci­pal­men­te na me­mó­ria, o que afe­ta o com­por­ta­men­to e con­ví­vio so­ci­al, pos­te­rior­men­te. O di­ag­nós­ti­co quan­do fei­to no iní­cio da do­en­ça, al­guns con­jun­tos de sin­to­mas que pro­vo­ca al­te­ra­ções do fun­cio­na­men­to cog­ni­ti­vo po­dem ser ali­vi­a­dos atra­vés do uso de me­di­ca­men­tos. O di­ag­nós­ti­co pre­co­ce des­ta si­tu­a­ção, tem um pa­pel fun­da­men­tal no tra­ta­men­to. Ape­sar de ter me­di­ca­men­tos e ati­vi­da­des es­pe­ci­fi­cas pa­ra fa­se da do­en­ça, es­tes po­dem for­ne­cer es­se alí­vio tem­po­ra­ria­men­te, po­rém, o Alzhei­mer é uma en­fer­mi­da­de in­cu­rá­vel.

A do­en­ça po­de sur­gir a par­tir da ida­de de 60 anos com al­guns sin­to­mas que po­dem pas­sar des­per­ce­bi­dos de iní­cio, mas com a de­ge­ne­ra­ção mais pro­fun­da, al­gu­mas ta­re­fas que an­tes eram sim­ples, pas­sam a ter cer­ta di­fi­cul­da­de ge­ran­do in­ter­fe­rên­cias nas ati­vi­da­des di­á­rias da pes­soa afe­ta­da e dos de­mais en­vol­vi­dos em seu con­tex­to fa­mi­liar e so­ci­al.

Abor­dan­do do pon­to de vis­ta fi­si­o­ló­gi­co, a do­en­ça de Alzhei­mer são es­pé­ci­es de le­sões ce­re­bra­is que al­te­ram as pla­cas se­nis de­cor­ren­tes da pro­te­í­na be­ta-ami­loi­de, quan­do as al­te­ra­ções po­dem ser ob­ser­va­das, a mai­o­ria de­las já es­tão ins­ta­la­das an­tes dos sin­to­mas de­men­cia­is. As áre­as mais atin­gi­das são em boa par­te, os neu­rô­ni­os res­pon­sá­veis pe­la me­mó­ria. Ci­en­tis­tas sa­bem ho­je que o acú­mu­lo anor­mal de pro­teí­nas ocor­re mui­to ce­do no pro­ces­so de ins­ta­la­ção do Alzhei­mer no cé­re­bro e a do­en­ça co­me­ça a mos­trar si­nais pe­lo me­nos uma dé­ca­da an­tes de os sin­to­mas apa­re­ce­rem.

De acor­do com um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia (ABN), apon­tou que da­qui dez anos o Bra­sil te­rá uma po­pu­la­ção de mais de 60 anos de ida­de de qua­se 24 mi­lhões, dos qua­is uma par­ce­la bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va es­tá ex­pos­ta a de­sen­vol­ver do­en­ças crô­ni­cas, en­tre elas a do­en­ça de Alzhei­mer.

Por­tan­to, uma ten­dên­cia mui­to im­por­tan­te da mai­or par­te das pes­qui­sas so­bre Alzhei­mer es­tá mu­dan­do de di­re­ção e se con­cen­tran­do em con­ter a do­en­ça an­tes que os sin­to­mas se ma­ni­fes­tem – não só com dro­gas, mas tam­bém com me­di­das de es­ti­lo de vi­da mais se­gu­ras e me­nos dis­pen­di­o­sas que pre­en­cher sis­te­ma­ti­ca­men­te uma re­cei­ta de dro­ga du­ran­te 10 ou 20 anos.

 

(Gu­ti­erry San­tos, gra­du­an­do em Bi­o­lo­gia / Eimy Ba­tis­ta, psi­có­lo­ga)

tags:

Comentários