Opinião

(Opinião) Como a OAB dá um título para que não está qualificada pra exercer a profissão?

diario da manha

Um ca­so ocor­ri­do na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, en­vol­ven­do ad­vo­ga­da e ju­iz da 2ª Va­ra de Fa­mí­lia da Co­mar­ca de For­ta­le­za on­de o ma­gis­tra­do diz que ad­vo­ga­da não es­tá ca­pa­ci­ta­da pa­ra exer­cer a pro­fis­são” me cha­mou mui­to a aten­ção e, ima­gi­no, de ou­tros co­le­gas do Di­rei­to e, até, da so­ci­e­da­de em ge­ral. O ju­iz de di­rei­to te­ria re­pre­en­di­do a ad­vo­ga­da em ra­zão de que es­ta, após inú­me­ras ten­ta­ti­vas de des­pa­char pe­di­dos de tu­te­la de ur­gên­cia, sem­pre re­ce­bia a in­for­ma­ção de que não se­ria pos­sí­vel, mes­mo que aguar­das­se por ho­ras no fó­rum. “O ma­gis­tra­do es­ta­va mui­to ocu­pa­do”.

O ca­so em ques­tão en­vol­ve pe­di­do de guar­da de dois me­no­res que, su­pos­ta­men­te, eram vi­o­len­ta­dos pe­la mãe. Inú­me­ras fo­ram as ten­ta­ti­vas de des­pa­char com o ju­iz, se­gun­do se afir­ma. Ha­vi­am pe­di­dos de tu­te­la de ur­gên­cia pro­to­co­la­do des­de no­vem­bro. Nes­te in­ter­reg­no, uma das cri­an­ças veio a fa­le­cer em ra­zão de pro­ble­mas de sa­ú­de.

Não há no­tí­cias mais de­ta­lha­das da exis­tên­cia de vín­cu­lo quan­to ao não aten­di­men­to aos pe­di­dos de tu­te­la e o fa­le­ci­men­to da cri­an­ça. Ocor­re que, em um ato de de­sa­ba­fo (pro­va­vel­men­te), a ad­vo­ga­da en­trou em con­ta­to com a ser­ven­tia quan­do sou­be do fa­le­ci­men­to da cri­an­ça, in­di­can­do que a de­mo­ra da­que­la va­ra, do ju­iz e dos ser­ven­tuá­rios te­ria oca­si­o­na­do o fa­le­ci­men­to da cri­an­ça.

Em oca­si­ão de uma au­diên­cia, o Ju­iz in­ter­pe­la a ad­vo­ga­da so­bre as afir­ma­ções que ha­via fei­to so­bre o “ne­xo do fa­le­ci­men­to” à mo­ro­si­da­de da ser­ven­tia e do pró­prio ju­í­zo. A ad­vo­ga­da ao se ex­pli­car, che­ga às lá­gri­mas, emo­cio­na­da com o fa­le­ci­men­to de um dos me­no­res. Não des­men­te e não cen­su­ra as afir­ma­ções de que te­ria pro­pa­ga­do so­bre vín­cu­lo en­tre a trá­gi­ca mor­te e a mo­ro­si­da­de do ju­í­zo.

Na se­quên­cia o ma­gis­tra­do faz du­ras crí­ti­cas e ex­tra­po­la. Al­guns pon­tos me­re­cem des­ta­que, tal co­mo a afir­ma­ção de que a ad­vo­ga­da “tem ida­de pra ser fi­lha de­le”, que a ad­vo­ga­da se­ria “ima­tu­ra, in­gê­nua e com pou­ca vi­vên­cia na prá­ti­ca”, que o ad­vo­ga­do não po­de se en­vol­ver “emo­cio­nal­men­te” com o pro­ces­so, que ela te­ria “se quei­ma­do com ele” e com to­dos os de­mais cu­ja his­tó­ria ele com­par­ti­lhas­se e, por fim, que não en­ten­dia co­mo a OAB dá um tí­tu­lo pa­ra al­guém que não es­tá qua­li­fi­ca­da pa­ra exer­cer a pro­fis­são.

Al­gu­mas con­si­de­ra­ções:

A pou­ca ida­de de um ad­vo­ga­do ja­mais vai di­zer so­bre sua com­pe­tên­cia, ver­da­dei­ra de­vo­ção ou qua­li­da­de téc­ni­ca de sua atu­a­ção. O con­trá­rio tam­bém é ver­da­dei­ro. In­fe­liz co­lo­ca­ção do ma­gis­tra­do. Não há per­ti­nên­cia. Não há hi­e­rar­quia en­tre ma­gis­tra­dos, pro­mo­to­res e ad­vo­ga­dos (art. 6, EO­AB), ca­ben­do-lhe um tra­ta­men­to dig­no, res­pei­to­so e ur­ba­no. A úni­ca dis­tin­ção se dá pe­las fun­ções que exer­cem em prol da con­cre­ti­za­ção da jus­ti­ça aos ju­ris­di­cio­na­dos. Aos ad­vo­ga­dos, a in­dis­pen­sa­bi­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção da jus­ti­ça, sen­do in­vi­o­lá­vel por seus atos e ma­ni­fes­ta­ções quan­do no exer­cí­cio da pro­fis­são (Art. 133, CF).

Em bre­ve aná­li­se aca­dê­mi­ca, im­por­tan­te lem­brar que em­bo­ra in­vi­o­lá­vel (imu­ni­da­de do ad­vo­ga­do), seus atos e ma­ni­fes­ta­ções po­dem cons­ti­tu­ir ca­lú­nia ou de­sa­ca­to (in­jú­ria e di­fa­ma­ção, não – §2, art. 7°, EO­AB).

A pou­ca vi­vên­cia da prá­ti­ca, re­al­men­te, po­de ser de­ter­mi­nan­te quan­to à pos­tu­ra em al­gu­mas si­tu­a­ções, prin­ci­pal­men­te àque­les que atuam no con­ten­cio­so, re­a­li­zan­do au­diên­cias, ati­va­men­te no pro­ces­so. No en­tan­to, mes­mo inex­pe­ri­en­te, ha­ve­rá ga­na e uma gran­de sen­si­bi­li­da­de quan­to à per­cep­ção da enor­me di­fe­ren­ça na vi­da da­que­las pes­so­as, seus cli­en­tes. Pou­ca li­qui­dez nes­tes sen­ti­men­tos e mais con­cre­tu­de nes­ta per­cep­ção.

Quan­to ao en­vol­vi­men­to emo­cio­nal com o pro­ces­so, tam­bém dis­cor­do. Pos­so ser voz me­nor den­tre ou­tros co­le­gas, eu sei. O ad­vo­ga­do, re­al­men­te, não de­ve se emo­cio­nar com o pro­ces­so. Afi­nal, ele é frio, for­mal, in­fle­xí­vel. Mas de­ve acre­di­tar no que atua. Ter pai­xão. Emo­ção que não po­de ce­gar ou ser­vir de ne­bli­na. Im­põe-se ao pro­fis­si­o­nal in­te­li­gên­cia emo­cio­nal, mas não au­sên­cia de en­vol­vi­men­to.

Em da­do mo­men­to, ain­da, é di­to à ad­vo­ga­da que ela ha­via “se quei­ma­do” com ele. E o mes­mo acon­te­ce­ria quan­do com­par­ti­lhas­se tais fa­tos aos de­mais co­le­gas (re­fe­rin­do-se aos ma­gis­tra­dos das de­mais va­ras da co­mar­ca, pro­va­vel­men­te). Ora, não de­ve o ad­vo­ga­do te­mer o de­sa­gra­do da au­to­ri­da­de quan­to à atu­a­ção pro­fis­si­o­nal. Não de­ve te­mer, se­quer, even­tual im­po­pu­la­ri­da­de (art. 31, §2°, EO­AB). Sua atu­a­ção de­ve ser, por­tan­to, des­te­mi­da, al­ti­va e ba­li­za­da com o que ga­ran­te o Es­ta­tu­to da OAB e pre­co­ni­za o Có­di­go de Éti­ca.

Por fim, a OAB não con­ce­de tí­tu­los. O Es­ta­tu­to da OAB (Lei Fe­de­ral 8.906/94) re­la­ci­o­na re­qui­si­tos a se­rem cum­pri­dos por aque­le que pre­ten­de ins­cre­ver-se co­mo ad­vo­ga­do. É ne­ces­sá­rio o cum­pri­men­to dos re­qui­si­tos do at. 8, EO­AB e ter seu pe­di­do de­fe­ri­do (se cum­pri­do).

A fa­la do ma­gis­tra­do é des­res­pei­to­sa. Ofen­si­va. Ten­ta afas­tar o fo­co da mai­or crí­ti­ca (mo­ro­si­da­de e fal­ta de aten­di­men­to ao ad­vo­ga­do). Con­trá­ria às pos­tu­ras que ma­gis­tra­dos têm im­pri­mi­do Bra­sil afo­ra. Re­ce­bo aos mon­tes men­sa­gens de alu­nos que, em es­ta­dos di­fe­ren­tes, re­gis­tram pla­cas e ori­en­ta­ções que ju­í­zes in­di­cam até na por­ta de seu ga­bi­ne­te “En­tre sem ba­ter”, “Nú­me­ro de what­sapp pa­ra ca­sos de emer­gên­cia”, en­tre ou­tros.

A pro­pó­si­to, não ca­be aos ser­vi­do­res ou ao pró­prio ju­iz cri­ar em­ba­ra­ços (co­mo agen­da­men­tos ou de­sig­na­ção de di­as es­pe­cí­fi­cos pa­ra aten­di­men­to) quan­to ao aces­so do ad­vo­ga­do (art. 7, VI­II, EO­AB), que de­pen­de­ria tão so­men­te de res­pei­tar a or­dem de che­ga­da de even­tua­is co­le­gas que ti­ves­sem an­te­ce­dên­cia na in­ten­ção de tra­tar di­re­ta­men­te com o ma­gis­tra­do.

O des­res­pei­to fi­nal, que cha­ma a aten­ção ao ou­vir o áu­dio, se dá quan­do o ma­gis­tra­do es­bra­ve­ja que não quer mais ou­vir o que a ad­vo­ga­da tem a di­zer, quan­do a co­le­ga ten­ta jus­ti­fi­car ao fi­nal da gra­va­ção. Ca­bia a prer­ro­ga­ti­va do uso da pa­la­vra pe­la or­dem, ca­bí­vel jus­ta­men­te pa­ra re­pli­car acu­sa­ção ou cen­su­ra que fo­rem fei­tas ao ad­vo­ga­do quan­do em seu exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal (art. 7, XVII, EO­AB).

Res­pei­to às prer­ro­ga­ti­vas do ad­vo­ga­do é Lei, não fa­vor e tam­pou­co pri­vi­lé­gio. Se di­an­te de um abu­so por par­te do ad­vo­ga­do, ca­be ao ma­gis­tra­do ofi­ci­ar ao Con­se­lho Sec­ci­o­nal com­pe­ten­te (se in­fra­ção dis­ci­pli­nar, do lo­cal do fa­to) pa­ra que atue de ofí­cio. Ou mes­mo, re­pre­sen­tar dis­ci­pli­nar­men­te.

 

(Sa­vio Cha­li­ta, mes­tre em Di­rei­to, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio e do Cen­tro Pre­pa­ra­tó­rio Ju­rí­di­co (CPJUR) nas dis­ci­pli­nas de Éti­ca Pro­fis­si­o­nal, Es­ta­tu­do da OAB e Di­rei­to Elei­ro­ral. Au­tor de vá­ri­as obras ju­rí­di­cas)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais