Opinião

Da escravidão para a liberdade: a Páscoa brasileira

diario da manha

Nes­ta se­ma­na vi­ve­mos um dos mo­men­tos mais im­por­tan­tes do ca­len­dá­rio li­túr­gi­co-re­li­gi­o­so, prin­ci­pal­men­te pa­ra o ju­daís­mo e pa­ra o cris­tia­nis­mo. Os ju­deus co­me­mo­ram, na Pás­coa, a fu­ga do po­vo de Is­ra­el da es­cra­vi­dão no Egi­to. Após 210 anos de es­cra­vi­dão, a Bí­blia re­ve­la que Deus re­ve­lou a Moi­sés que era sua in­ten­ção li­ber­tar o po­vo do Egi­to e le­vá-lo pa­ra ha­bi­tar a ter­ra de Is­ra­el, ou se­ja, a ter­ra pro­me­ti­da.

A fes­ta de Pes­sah, as­sim cha­ma­da pe­los ju­deus, é a pas­sa­gem de uma si­tu­a­ção de es­cra­vi­dão pa­ra a li­ber­da­de. Já pa­ra o cris­tia­nis­mo a Pás­coa é si­nô­ni­mo da pas­sa­gem de Cris­to da mor­te pa­ra a vi­da.  A res­sur­rei­ção do Cris­to apon­ta, se­gun­do o cris­tia­nis­mo, pa­ra uma no­va vi­da.

Se­ja no ju­daís­mo, se­ja no cris­tia­nis­mo, a Pás­coa se re­ves­te de sim­bo­lis­mos mar­can­tes: pas­sa­gem da es­cra­vi­dão pa­ra a li­ber­da­de; da mor­te pa­ra a vi­da; das tre­vas pa­ra a luz.

A par de sa­u­dar a to­dos nes­te mo­men­to de es­pe­ran­ça, per­mi­to-me usar es­ses sim­bo­lis­mos pa­ra fa­zer re­fe­rên­cia à so­ci­e­da­de em que vi­ve­mos.

Mor­te, es­cra­vi­dão, tre­vas são pa­la­vras que po­dem as­si­na­lar a si­tu­a­ção de ca­ma­das con­si­de­rá­veis da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra que vi­vem em es­ta­do de po­bre­za. A má dis­tri­bui­ção de ren­da e a fal­ta de aces­so à edu­ca­ção são os dois in­di­ca­ti­vos mai­o­res des­sa si­tu­a­ção.

O Bra­sil, a par dos avan­ços que têm ocor­ri­do nas úl­ti­mas dé­ca­das, tem apre­sen­ta­do, ain­da, uma gran­de de­si­gual­da­de na dis­tri­bui­ção de ren­da e ele­va­dos ní­veis de po­bre­za.

A de­si­gual­da­de so­ci­al im­põe ao pa­ís o de­sa­fio de en­fren­tar uma he­ran­ça de in­jus­ti­ça so­ci­al, que ex­clui par­te sig­ni­fi­ca­ti­va de sua po­pu­la­ção do aces­so a con­di­ções mí­ni­mas de dig­ni­da­de e ci­da­da­nia.

A an­gús­tia da po­bre­za é evi­den­ci­a­da nos mo­men­tos de men­di­cân­cia que ain­da pre­sen­ci­a­mos pe­las ru­as de nos­sas ci­da­des; apa­re­ce, tam­bém, na for­ma­ção de fa­ve­las e in­vas­ões, on­de po­dem ser vis­tas ce­nas cor­tan­tes de cri­an­ças des­nu­tri­das; apa­re­ce na au­sên­cia de tra­ba­lho e na au­sên­cia do que fa­zer pa­ra sa­nar a fo­me.

Es­se é um es­ta­do de pe­nú­ria que aco­me­te gran­des con­tin­gen­tes po­pu­la­cio­nais que, so­ci­al­men­te, se en­cai­xam, sim­bo­li­ca­men­te, nas pa­la­vras que le­van­ta­mos nos pri­mei­ros pa­rá­gra­fos des­te tex­to: es­cra­vi­dão, tre­vas e mor­te.

Não po­de­mos dei­xar de lem­brar que, re­cen­te­men­te, o Bra­sil pas­sou por um pe­rí­o­do de eu­fo­ria na me­lho­ria de vi­da de sua po­pu­la­ção.

Es­se pe­rí­o­do foi des­cri­to com pre­ci­são aca­dê­mi­ca pe­lo eco­no­mis­ta Mar­ce­lo Ne­ri, do Cen­tro de Po­lí­ti­cas So­ci­ais (CPS) da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV), no Rio, ao lan­çar, em mar­ço de 2012, o li­vro “A No­va Clas­se Mé­dia: o La­do Bri­lhan­te da Ba­se da Pi­râ­mi­de”. Ne­ri re­u­niu, or­ga­ni­zou e con­den­sou os es­tu­dos do Cen­tro de Po­lí­ti­cas So­ci­ais so­bre a emer­gên­cia da clas­se mé­dia po­pu­lar no Bra­sil.

Des­cre­veu os for­tes mo­men­tos de as­cen­são so­ci­al, des­de o bo­om de con­su­mo do pla­no Cru­za­do, pas­san­do pe­lo Pla­no Re­al e a fa­se a par­tir do ano de 2004.

Ne­ri afir­ma que a me­lho­ra do Pla­no Cru­za­do, de tris­te me­mó­ria, foi fu­gaz. Já o Pla­no Re­al pro­por­ci­o­nou um sal­to per­ma­nen­te, com a pro­por­ção dos bra­si­lei­ros na clas­se C, ou clas­se mé­dia, pas­san­do de 32% pa­ra 37,5%.

Em 2012, a clas­se C re­pre­sen­ta­va 55% da po­pu­la­ção. E Ne­ri pre­via que em 2014 ela che­gas­se a 60%. De fa­to, es­se con­tin­gen­te pas­sou de 62,7 mi­lhões de pes­so­as em 2005, pa­ra 103 mi­lhões em 2012.

Aí veio a cri­se, co­mo an­te­ci­pa­ra o so­ci­ó­lo­go Ru­dá Ric­ci, que apon­ta­va a ne­ces­si­da­de de uma re­for­ma tri­bu­tá­ria con­se­quen­te pa­ra que aque­le qua­dro con­ti­nu­as­se.  De re­pen­te, fo­mos sur­pre­en­di­dos com man­che­tes co­mo “Cri­se eco­nô­mi­ca po­de vol­tar a co­lo­car o Bra­sil no ma­pa da fo­me”.

Se en­tre 2004 e 2016 28,6 mi­lhões de bra­si­lei­ros saí­ram da po­bre­za, em 2016 en­tre 2,5 mi­lhões e 3,6 mi­lhões de pes­so­as vol­ta­ram a vi­ver abai­xo do li­miar de po­bre­za.

Após o iní­cio da cri­se eco­nô­mi­ca, 8,6 mi­lhões de bra­si­lei­ros pas­sa­ram a vi­ver com me­nos de ¼ do sa­lá­rio mí­ni­mo por mês. A po­pu­la­ção com ren­da de até ½ sa­lá­rio mí­ni­mo che­gou a 36,6 mi­lhões de pes­so­as.

Em de­zem­bro de 2017, a Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais (SIS), di­vul­ga­da pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IB­GE), apon­ta­va que 12,1% da po­pu­la­ção do pa­ís vi­via na mi­sé­ria. O nú­me­ro de jo­vens que não es­tu­dam nem tra­ba­lham, a cha­ma­da ge­ra­ção “nem nem”, che­gou a 25,8% em 2016. O de­sem­pre­go, sa­be­mos to­dos nós, atin­giu ní­veis al­tís­si­mos.

Sin­te­ti­zan­do o qua­dro que vi­ve­mos, o ex­cluí­do so­ci­al é um es­cra­vo da mi­sé­ria, não por cul­pa de­le, mas por uma con­tin­gên­cia so­ci­al; vi­ve nas tre­vas do anal­fa­be­tis­mo, que o im­pe­de de en­xer­gar qual­quer pers­pec­ti­va de me­lho­ra de vi­da, além de por­tar uma ver­da­dei­ra in­vi­si­bi­li­da­de no con­tex­to so­ci­al que o cer­ca.

Que o es­pí­ri­to de es­pe­ran­ça pas­co­al nos im­pul­si­o­ne, ca­da um na sua área de res­pon­sa­bi­li­da­de, a pen­sar­mos um Bra­sil ple­no de ci­da­da­nia pa­ra to­dos os seus fi­lhos.

 

(Lú­cia Vâ­nia é Se­na­do­ra (PSB), Pre­si­den­te da Co­mis­são de Edu­ca­ção do Se­na­do e jor­na­lis­ta)

 

tags:

Comentários