Opinião

Opinião: Finlândia, qualidade de vida que nem ousamos sonhar

diario da manha

A Fin­lân­dia, na­ção des­co­nhe­ci­da pa­ra mui­ta gen­te, é um pa­ís nór­di­co si­tu­a­do no nor­te da Eu­ro­pa, sur­pre­en­deu o mun­do pe­la qua­li­da­de de vi­da atri­bu­í­da pe­la ONU, de pri­mei­ro no ranking glo­bal. O pa­ís, pa­ra quem não sa­be, faz fron­tei­ra com a Su­é­cia, Rús­sia e com a No­ru­e­ga. A sua ca­pi­tal é Hel­sin­que. Mais de 5,3 mi­lhões de pes­so­as vi­vem na Fin­lân­dia. É o oi­ta­vo mai­or pa­ís da Eu­ro­pa em ex­ten­são e o me­nor da Uni­ão Eu­ro­péia. A lín­gua ma­ter­na de qua­se to­da a po­pu­la­ção é o fin­lan­dês.

A Fin­lân­dia foi apre­sen­ta­da pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das ao mun­do, na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, co­mo a me­lhor do mun­do em qua­li­da­de de vi­da em seu Re­la­tó­rio Anual de Fe­li­ci­da­de. O es­tu­do, re­a­li­za­do pe­lo De­par­ta­men­to de Pes­qui­sa de Fe­li­ci­da­de de Co­pe­nha­gue pa­ra as Na­ções Uni­das, le­va em con­si­de­ra­ção va­ri­á­veis co­mo o pro­du­to in­ter­no bru­to, as­sis­tên­cia so­ci­al, ex­pec­ta­ti­va de vi­da, li­ber­da­de, ge­ne­ro­si­da­de, au­sên­cia de cor­rup­ção e qua­li­da­de de vi­da dos imi­gran­tes.

Os fin­lan­de­ses es­tão en­tre os “me­lho­res do mun­do” por­que se sa­em bem nos cam­pos so­ci­al, eco­nô­mi­co, po­lí­ti­co e edu­ca­cio­nal. E apre­sen­tam is­so com or­gu­lho. O ins­ti­tu­to de es­ta­tís­ti­ca fin­lan­dês tem uma se­ção cha­ma­da Fin­lân­dia, en­tre as me­lho­res do mun­do que co­le­ta de­ze­nas de es­tu­dos in­ter­na­cio­nais em que ocu­pam os pri­mei­ros car­gos.

As po­si­ções di­an­tei­ras do ranking mu­dam pou­co. Nos úl­ti­mos dois anos, o top10 foi ocu­pa­do pe­los mes­mos paí­ses, em­bo­ra com al­gu­mas mu­dan­ças de po­si­ção, se­gun­do o El Pa­ís. A Fin­lân­dia, por exem­plo, foi a quin­ta em 2017, e es­te ano mu­dou-se pa­ra oTop 10 do ranking mun­di­al de fe­li­ci­da­des da ONU em 2018: Fin­lân­dia, No­ru­e­ga, Di­na­mar­ca, Is­lân­dia, Su­í­ça, Ho­lan­da, Ca­na­dá, No­va Ze­lân­dia, Su­é­cia, Aus­trá­lia. Se des­ta­ca no PIB per ca­pi­ta, aju­da so­ci­al, ex­pec­ta­ti­va de vi­da, li­ber­da­de pa­ra to­mar de­ci­sões, ge­ne­ro­si­da­de, per­cep­ção de cor­rup­ção e di­fe­ren­ça em re­la­ção aos va­lo­res de ta­be­la mais bai­xos.

O re­la­tó­rio de 2018 en­fa­ti­zou a fe­li­ci­da­de dos imi­gran­tes dos 117 paí­ses es­tu­da­dos e con­clui que es­tes atin­gem o ní­vel de fe­li­ci­da­de do pa­ís pa­ra o qual se mu­dam. Não só os fin­lan­de­ses são os mais fe­li­zes de acor­do com o es­tu­do, mas seus imi­gran­tes tam­bém são fe­li­zes.

Pa­ra Eva Han­nikai­nen, im­pren­sa e cul­tu­ra as­so­cia­da da Em­bai­xa­da da Fin­lân­dia em Ma­dri, a cha­ve pa­ra a fe­li­ci­da­de fin­lan­de­sa é a con­fi­an­ça, tan­to en­tre seus ha­bi­tan­tes quan­to seus po­lí­ti­cos. “É uma so­ci­e­da­de mui­to tran­spa­ren­te com mui­tas po­lí­ti­cas de apoio so­ci­al”. “Além dis­so, é um pa­ís mui­to se­gu­ro e igua­li­tá­rio”. Es­tas são al­gu­mas das ra­zões pe­las qua­is os fin­lan­de­ses se con­si­de­ram tão fe­li­zes. Uma so­ci­e­da­de sem gran­des de­si­gual­da­des.

“Des­de o nas­ci­men­to da Fin­lân­dia co­mo pa­ís, há cem anos, os dois pi­la­res da so­ci­e­da­de fo­ram igual­da­de e edu­ca­ção”, diz Han­nikai­nen. Foi o pri­mei­ro pa­ís eu­ro­peu que con­ce­deu o di­rei­to de vo­tar às mu­lhe­res, em 1906, e em su­as úl­ti­mas elei­ções, três dos oi­to can­di­da­tos dos prin­ci­pa­is par­ti­dos eram mu­lhe­res. Na Es­pa­nha, ne­nhum dos prin­ci­pa­is par­ti­dos a ní­vel na­ci­o­nal pro­pôs uma mu­lher co­mo can­di­da­ta.

A Fin­lân­dia é um dos três paí­ses com me­nor de­si­gual­da­de de gê­ne­ro no mun­do, de acor­do com o Fó­rum Eco­nô­mi­co Mun­di­al. Além dis­so, co­mo a mai­o­ria dos paí­ses nór­di­cos, ele tem uma lon­ga li­cen­ça de pa­ter­ni­da­de que po­de du­rar até seis mes­es.

pri­mei­ro lu­gar, que an­te­rior­men­te ocu­pa­va a No­ru­e­ga.

Na es­fe­ra eco­nô­mi­ca, se­gun­do o Unicef, a Fin­lân­dia é o se­gun­do pa­ís do mun­do com me­nor de­si­gual­da­de en­tre as cri­an­ças. Os fin­lan­de­ses fo­ram os in­ven­to­res, nos anos 30, do po­pu­lar ber­ço com rou­pas, fral­das e aces­só­rios que o go­ver­no ofe­re­ce às fa­mí­lias com re­cém nas­ci­dos e que ago­ra mui­tos paí­ses es­tão im­por­tan­do. Além dis­so, es­te pa­ís é o quar­to com a me­nor ta­xa de po­bre­za no pla­ne­ta.

Cer­ta­men­te vo­cê já ou­viu em mais de uma oca­si­ão a fra­se “Fin­lân­dia tem o me­lhor sis­te­ma edu­ca­cio­nal do mun­do”. Não é um cli­chê: de acor­do com o Fó­rum Eco­nô­mi­co Mun­di­al,  o en­si­no pri­má­rio fin­lan­dês é o me­lhor do mun­do, en­quan­to o en­si­no uni­ver­si­tá­rio es­tá em ter­cei­ro lu­gar. “A edu­ca­ção não é uma ques­tão de di­nhei­ro na Fin­lân­dia”, re­for­ça Han­nikai­nen. “É grá­tis até o ba­cha­re­la­do, e não há uni­ver­si­da­des pri­va­das”.

Além dis­so, de acor­do com Han­nikai­nen, a idéia de que a edu­ca­ção não ter­mi­na com um ba­cha­re­la­do ou uni­ver­si­da­de pe­ne­trou pro­fun­da­men­te na so­ci­e­da­de. “O trei­na­men­to é al­go que de­ve ser da­do ao lon­go da vi­da, e é en­co­ra­ja­do tan­to em ca­sa co­mo com for­ma­ção con­tí­nua tan­to em em­pre­sas co­mo em ad­mi­nis­tra­ções”. Os adul­tos fin­lan­de­ses ocu­pam o ter­cei­ro lu­gar no ranking da Or­ga­ni­za­ção de Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nô­mi­co (OC­DE) no co­nhe­ci­men­to de Lin­gua­gem e Ma­te­má­ti­ca.

Boa sa­ú­de, em­bo­ra a nos­sa se­ja me­lhor. Uma das va­ri­á­veis que a ONU con­si­de­ra em seu es­tu­do anual so­bre a fe­li­ci­da­de é a ex­pec­ta­ti­va de vi­da.

A Fin­lân­dia tem um sis­te­ma de sa­ú­de pú­bli­ca, mas com um co-pa­ga­men­to em to­dos os seus ser­vi­ços. Os pa­ci­en­tes têm de pa­gar cui­da­dos pri­má­rios, in­ter­na­ções hos­pi­ta­la­res, emer­gên­cias e me­di­ca­men­tos pres­cri­tos.

Ou­tra ra­zão pe­la qual exis­te uma gran­de con­fi­an­ça en­tre os fin­lan­de­ses, de acor­do com Han­nikai­nen, é se­gu­ran­ça. E não tem na­da a ver com a du­re­za de seus cor­pos po­li­ci­ais e su­as do­res. Pe­lo con­trá­rio: a Fin­lân­dia é, de acor­do com os da­dos do Ins­ti­tu­to Eu­ro­peu de Es­ta­tís­ti­ca, um dos paí­ses eu­ro­peus com me­nos per­cus­são per ca­pi­ta: 140 por 100.000 pes­so­as.

No en­tan­to, de acor­do com o Fó­rum Eco­nô­mi­co Mun­di­al, a Fin­lân­dia é o pa­ís mais se­gu­ro do mun­do pa­ra vi­a­jar. O Ín­di­ce de Paz Glo­bal 2017, ela­bo­ra­do pe­lo Ins­ti­tu­to de Eco­no­mia e Paz, in­clui-o en­tre os paí­ses mais pa­cí­fi­cos do pla­ne­ta.

Em­bo­ra o sis­te­ma de sa­ú­de se­ja um pi­lar fun­da­men­tal na sa­ú­de, não é tu­do, e a Fin­lân­dia se des­ta­ca em ou­tros as­pec­tos. Aci­ma de tu­do, em re­la­ção à na­tu­re­za e ao meio am­bi­en­te: é o pa­ís ter­cei­ro em to­do o mun­do em ter­mos de qua­li­da­de do ar e o pa­ís com a mai­o­ria das flo­res­tas na Eu­ro­pa.

Pe­lo se vê, pa­ra nós bra­si­lei­ros é mui­ta ou­sa­dia so­nhar com um pa­ís do por­te da Fin­lân­dia. On­de os fin­lan­de­ses so­bres­sa­em, é jus­ta­men­te a nos­sa fra­que­za: edu­ca­ção, se­gu­ran­ça, sa­ú­de, pre­ser­va­ção am­bien­tal, igual­da­de, pre­con­cei­to e ho­nes­ti­da­de. E pen­sar que dis­po­mos de po­ten­ci­al de ter­ras, re­cur­sos hí­dri­cos, be­le­zas na­tu­ra­is e um po­vo ale­gre. Uti­li­zei de in­for­ma­ções do El Pa­ís, de Ma­dri, pa­ra com­ple­men­ta­ção do pre­sen­te ar­ti­go.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la pe­la His­tra­dut, em Tel Aviv, Is­ra­el, e au­tor do li­vro O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais