Opinião

Leitura e poder

diario da manha

O ato de ler e uma prá­ti­ca so­ci­al das mais im­por­tan­tes na so­ci­e­da­de atu­al. O mun­do é nar­ra­do so­bre a óti­ca do sig­no lin­guís­ti­co. O co­nhe­ci­men­to é re­ve­ren­ci­a­do na for­ma es­cri­ta e a aqui­si­ção dar-se-á por meio da lei­tu­ra. Ao fa­lar da im­por­tân­cia do ato de ler pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de um po­vo, Go­e­the evi­den­cia que “O de­clí­nio da li­te­ra­tu­ra in­di­ca o de­clí­nio de uma na­ção”. In­fe­liz­men­te não es­ta­mos nem no ní­vel do de­clí­nio de lei­tu­ra. Nós so­mos exor­di­ais em lei­tu­ra, é o que ates­ta um re­la­tó­rio di­vul­ga­do pe­lo Ban­co Mun­di­al. Se­gun­do a or­ga­ni­za­ção, os es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros po­dem de­mo­rar mais de 260 anos pa­ra atin­gir o ní­vel de pro­fi­ci­ên­cia em lei­tu­ra dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos.

Dois sé­cu­los e seis dé­ca­das re­pre­sen­tam um tem­po abis­mal e de­no­ta a re­al e pres­su­ro­sa ne­ces­si­da­de

de que nós pre­ci­sa­mos fa­zer al­go. É im­pos­sí­vel pen­sar em de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal com a mé­dia de lei­tu­ra dos bra­si­lei­ros, 2,88 li­vros por anos, é ri­dí­cu­la pe­ran­te a mé­dia de lei­tu­ra chi­le­na, 5,4 li­vros ao ano, só pa­ra fi­car no con­ti­nen­te la­ti­no ame­ri­ca­no.

A nar­ra­ti­va oral foi du­ran­te mui­to tem­po o prin­ci­pal meio pa­ra so­ci­a­li­za­ção do co­nhe­ci­men­to so­ci­al­men­te pro­du­zi­do. Con­tu­do o sur­gi­men­to da es­cri­ta re­pre­sen­ta um mar­co na his­tó­ria do ho­mem mo­der­no. Es­se pe­rí­o­do é de­fi­ni­do co­mo o ín­te­rim de tran­si­ção en­tre a his­tó­ria e a pré-his­tó­ria. A pro­to es­cri­ta que nas­ce no fim do pe­rí­o­do Ne­o­lí­ti­co, re­pre­sen­ta o ini­cio ru­di­men­tar do tem­po em que o ho­mem es­cre­ve. Mas é com os su­mé­rios por meio da es­cri­ta cu­nei­for­me, re­ce­beu es­se no­me por que era fei­to por meio de ob­je­tos em for­ma­to de cu­ia, e jun­ta­men­te com os hi­e­ro­glí­fi­cos egíp­cios que te­mos os re­gis­tros mais re­mo­tos de es­cri­ta com sig­ni­fi­ca­do. O ho­mem es­cre­ve há pou­co tem­po, cer­ca de 3000 anos a. C, se com­pa­ra­do ao sur­gi­men­to do ho­mem mo­der­no na Ter­ra, por vol­ta de 200 mil atrás, nos­sa his­tó­ria sob o pla­ne­ta deu-se a mai­or par­te do tem­po sem a es­cri­ta. Po­rém mes­mo que re­cen­te em ter­mos his­tó­ri­cos, a es­cri­ta e con­se­quen­te­men­te a lei­tu­ra pos­si­bi­li­ta­ram avan­ços ini­ma­gi­ná­veis. Ho­je a mai­or par­te do co­nhe­ci­men­to so­ci­al­men­te pro­du­zi­do e ra­ti­fi­ca­do, es­tá so­bre as ba­ses do có­di­go es­cri­to e o aces­so a ele dar-se-á por meio da lei­tu­ra. Ler é po­der.

A lei­tu­ra co­mo prá­ti­ca so­ci­al não po­de ser pen­sa­do fo­ra do olhar crí­ti­co do ma­te­ri­a­lis­mo di­a­lé­ti­co. Co­mo ins­tru­men­to in­ven­ta­do, sua prá­ti­ca é so­ci­al e mo­ral­men­te re­gu­la­da. Por is­so pre­ci­sa­mos ga­ran­tir as clas­ses po­pu­la­res o di­rei­to a lei­tu­ra nos mais va­ri­a­dos gê­ne­ros li­te­rá­rios, ci­en­tí­fi­cos e etc.

Pa­ra que acon­te­ça uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma no qua­dro da fal­ta de lei­tu­ra em Bru­zun­dan­gas é ne­ces­sá­rio que exis­ta um pac­to na­ci­o­nal pe­lo de­sen­vol­vi­men­to da lei­tu­ra. Sa­be­mos que pou­co in­te­res­sa as clas­ses po­lí­ti­cas des­se pa­ís, o de­sen­vol­vi­men­to de uma so­ci­e­da­de crí­ti­ca e par­ti­ci­pa­ti­va, por is­so é nos­sa mis­são con­quis­tar es­se di­rei­to a for­ça. De­fen­der a cri­a­ção de mo­der­nas bi­bli­o­te­cas nas pe­ri­fe­rias ur­ba­nas e ru­ra­is, fo­men­to a pro­gra­mas po­pu­la­res de bol­sas pu­bli­ca­ções vol­ta­das a es­cri­to­res não pu­bli­ca­dos, bi­bli­o­te­cas iti­ne­ran­tes são ações que de­ve­mos em­pre­en­der de for­ma pre­men­te. Além dis­so de­ve­mos co­brar a des­ti­na­ção de re­cur­sos pe­cu­ni­á­rios a pro­fes­so­res pa­ra que eles se­jam os fo­men­ta­do­res da po­lí­ti­ca de lei­tu­ra e es­cri­ta nes­se pa­ís.

É evi­den­te que um pa­ís não se faz ape­nas com li­vros, tam­bém é im­pos­sí­vel edi­fi­car um na­ção jus­ta com uma equâ­ni­me dis­tri­bui­ção de ri­que­zas sem eles, mas os li­vros são um bom pre­tex­to pa­ra co­mu­ni­ca­ção en­tre as pes­so­as, “Na mi­nha vi­da ain­da pre­ci­so de dis­cí­pu­los, e se os meus li­vros não ser­vi­ram de an­zol, fa­lha­ram a sua in­ten­ção. O me­lhor e es­sen­cial só se po­de co­mu­ni­car de ho­mem pa­ra ho­mem.” Fri­e­drich Ni­etzsche

 

(Eder­gê­nio Vi­ei­ra, po­e­ta e edu­ca­dor na Re­de Mu­ni­ci­pal de En­si­no de Aná­po­lis)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais