Opinião

Nossa gratidão aos cientistas e às ciências

diario da manha

Eu sou mui­to gra­to aos gran­des ho­mens da his­tó­ria e  das ci­ên­cias, a to­dos os ci­en­tis­tas que tor­na­ram a vi­da, a so­ci­e­da­de e es­te mun­do me­lho­res. Mui­tos são os be­ne­fí­ci­os, mui­to me­lho­res se tor­na­ram as con­di­ções de sa­ú­de e da vi­da, gra­ças ao he­ro­ís­mo, à de­di­ca­ção, à per­ti­ná­cia, à ou­sa­dia e in­te­li­gên­cia de ho­mens da ci­ên­cia e da tec­no­lo­gia, do pas­sa­do e do pre­sen­te.

As­sim ocor­re, as­sim aflo­ra mi­nha gra­ti­dão quan­do vêm-me à me­mó­ria os fei­tos da­que­les sá­bi­os da an­ti­ga Gré­cia, co­mo o fo­ram Pi­tá­go­ras, Eu­cli­des, Aris­tó­te­les, Só­cra­tes, Pla­tão; en­tre tan­tos ou­tros, nos  sé­cu­los e sé­cu­los an­tes de cris­to. Dan­do um gran­de sal­to na his­tó­ria, co­mo es­que­cer as con­tri­bui­ções de um Ga­li­leu Ga­li­lei, de um Co­pér­ni­co.

Só pa­ra re­fres­car nos­sa me­mó­ria, Ni­co­lau Co­pér­ni­co e Ga­li­leu fo­ram os pre­cur­so­res do he­li­o­cen­tris­mo. De­mons­tra­ção ci­en­tí­fi­ca do sol co­mo cen­tro do uni­ver­so, e não a ter­ra co­mo de­fen­dia o achis­mo da igre­ja ca­tó­li­ca da épo­ca. Po­de-se afir­mar que es­te era um dos dog­mas da igre­ja. Uma ver­da­de (pa­ra a igre­ja) que não acei­ta­va con­tes­ta­ção e dú­vi­da. Ou se acei­ta­va co­mo ver­da­de de­fi­ni­ti­va ou era jul­ga­do pe­lo san­to ofí­cio (in­qui­si­ção), com ris­co de pe­na de mor­te por in­ci­ne­ra­ção. Ha­via uma du­pla fi­na­li­da­de: exe­cu­ção e cre­ma­ção. Ao que su­ge­re o pro­ces­so, os pe­ca­dos eram quei­ma­dos no mes­mo for­no. To­más de Tor­que­ma­da foi um gran­de in­qui­si­dor da épo­ca .

O pró­prio Ga­li­leu foi pro­ces­sa­do e con­de­na­do, ca­so per­sis­tis­se com sua te­o­ria do sol co­mo cen­tro do uni­ver­so. Não em  2ª  ou 4ª  ins­tân­cia, co­mo se dá aqui no Bra­sil.  Era  jus­ti­ça de grau úni­co, so­be­ra­na e de­fi­ni­ti­va. Ga­li­leu es­ca­pou do bra­sei­ro por­que ele ab­ju­rou de sua te­se em pú­bli­co. Ele ne­gou sua des­co­ber­ta pa­ra os ho­mens da lei, no ca­so, das leis ca­nô­ni­cas ou dog­má­ti­cas da igre­ja  ca­tó­li­ca. Foi li­ber­to, mas sob li­ber­da­de vi­gi­a­da. Foi pro­i­bi­do de pre­gar su­as idei­as na épo­ca.

Gior­da­no Bru­no, foi ou­tro te­ó­lo­go e pen­sa­dor que não te­ve a mes­ma sor­te. Era de­le, na épo­ca, a te­o­ria do in­fi­ni­to. Deus e o cos­mo são in­fi­ni­tos. Pa­ra ele ca­da ser nes­te uni­ver­so de na­tu­re­za bi­o­ló­gi­ca ou não, ti­nha uma ener­gia in­te­ri­or a que cha­ma­va al­ma ou es­pí­ri­to. Ele con­tra­ri­a­va al­guns câ­no­nes e dog­mas da igre­ja. Não re­nun­ciou às su­as idei­as e foi con­de­na­do pe­la san­ta in­qui­si­ção e quei­ma­do vi­vo. Um hor­ror!

Ele foi de um ca­rá­ter e es­pí­ri­to so­crá­ti­cos. Mor­reu fi­el ás su­as idei­as e tes­es.

Dan­do mais um sal­to na his­tó­ria, o exem­plo de Isa­ac Newton (1643-1727) com o es­tu­do das  leis da gra­vi­da­de e da ma­te­má­ti­ca. Um ou­tro  ci­en­tis­ta e fi­lo­so­fo por que te­nho uma ad­mi­ra­ção é o Im­ma­nu­el Kant (1724-1804). Ele é au­tor das obras crí­ti­cas da ra­zão pu­ra e crí­ti­cas da ra­zão prá­ti­ca. Um da­do sig­ni­fi­ca­ti­vo na vi­da e tra­ba­lho des­ses ci­en­tis­tas, a par­tir do sé­cu­lo XVI­II, foi a des­vin­cu­la­ção com as cren­ças, “ver­da­des” e im­po­si­ções da igre­ja. Ao me­nos no cam­po das ci­ên­cias, a mai­o­ria dos es­ta­dos eram lai­cos, sem in­ter­fe­rên­cia de di­re­tri­zes de cu­nho re­li­gi­o­so, bem re­i­te­ra­do, pe­lo me­nos na se­a­ra das ci­ên­cias, por­que no cam­po po­lí­ti­co mui­tas na­ções ain­da so­fri­am as in­ge­rên­cias da igre­ja. Fa­zen­do um tram­po­lim pa­ra o sé­cu­lo XIX, três fo­ram as gran­des in­ven­ções que mu­da­ram pa­ra sem­pre a vi­da das pes­so­as e da so­ci­e­da­de. São a ele­tri­ci­da­de, a te­le­fo­nia e o au­to­mó­vel. Não ver­da­de a ele­tri­ci­da­de foi uma des­co­ber­ta, o te­le­fo­ne e o au­to­mó­vel du­as in­ven­ções. Há que se di­fe­ren­ci­ar uma in­ven­ção, a ro­da por exem­plo, de um acha­do ou des­co­ber­ta, a gra­vi­da­de por exem­plo.

Al­gu­mas pa­la­vras so­bre es­ses gran­des ci­en­tis­tas. Gra­ham Bell foi o bri­tâ­ni­co da  in­ven­ção do te­le­fo­ne, em 1876. Além de in­ven­tor foi em­pre­sá­rio do ra­mo, ele fun­dou a cia Bell. O au­to­mó­vel, em­bo­ra te­nha ha­vi­do quem re­gis­tras­se pa­ten­te an­te­rior­men­te, quem de fa­to cri­ou e se tor­nou em­pre­sá­rio e fa­bri­can­te foi o ame­ri­ca­no Hen­ri Ford. A po­pu­la­ri­za­ção do car­ro e a sua  co­mer­cia­li­za­ção se dão  mes­mo em 1900, ou se­ja, já nos al­bo­res do sé­cu­lo XX. Já a ele­tri­ci­da­de, co­mo a co­nhe­ce­mos, e de­la uti­li­za­mos nos di­as de ho­je, se tor­na aces­sí­vel pa­ra uso do­més­ti­co e in­dus­tri­al por vol­ta de 1880.

Três fo­ram os ci­en­tis­tas nes­sa con­tri­bui­ção: Ni­co­la Tes­la, Tho­mas Al­va Edi­son e Wes­thi­nhou­se. Pa­ra ser jus­to es­ses três per­so­na­gens, Tes­la, Edi­son e Wes­ting­hou­se fo­ram a um só tem­po ci­en­tis­tas e em­pre­sá­rios do ra­mo (1880-1891).

Sem des­cer a por­me­no­res, a cu­ri­o­si­da­de que se es­ta­be­le­ceu nes­sa épo­ca foi a de­no­mi­na­da guer­ra das cor­ren­tes. Na­da mais do que a pre­fe­rên­cia de um e ou­tro in­ven­tor pe­la cor­ren­te con­tí­nua ou al­ter­na­da. E por que des­sa cha­ma­da guer­ra? A cor­ren­te al­ter­na­da (CA) era con­si­de­ra­da mui­to mais pe­ri­go­sa do que a cor­ren­te con­ti­nua (CC). Mas lo­go em se­gui­da, tu­do se pa­ci­fi­cou e quem lu­crou foi to­da a hu­ma­ni­da­de. Até  ho­je e sem­pre, co­mo ima­gi­nar o mun­do sem ele­tri­ci­da­de?

No sé­cu­lo XX te­mos dois gi­gan­tes das ci­ên­cias que eu des­ta­ca­ria, Al­bert Eins­tein, au­tor da lei da re­la­ti­vi­da­de. Step­hen Hawking (1942-2018) au­tor da te­o­ria das cor­das e es­tu­di­o­so dos bu­ra­cos ne­gros.

En­fim e co­mo con­clu­são, eu me de­cla­ro gra­to a to­dos es­ses gê­ni­os ci­en­tis­tas, que tan­to bem e qua­li­da­de de vi­da dei­xa­ram pa­ra a hu­ma­ni­da­de. Te­nho cer­te­za que to­dos, nu­ma bre­ve re­fle­xão , ao lem­brar, tam­bém têm no ín­ti­mo sua eter­na gra­ti­dão por es­ses ben­fei­to­res, que me­re­cem o nos­so ga­lar­dão e um acen­to eter­no no pan­te­ão dos he­róis da hu­ma­ni­da­de.    Mar­ço/2018

 

(Jo­ão Jo­a­quim, mé­di­co, ar­ti­cu­lis­ta DM. fa­ce­bo­ok/ jo­ão jo­a­quim de oli­vei­ra  www.drjo­ao­jo­a­quim.blog­spot.com – What­sApp (62)98224-8810)

Comentários