Opinião

A contribuição da agricultura na sustentabilidade

diario da manha

Quan­do fa­la­mos so­bre sus­ten­ta­bi­li­da­de, au­to­ma­ti­ca­men­te pen­sa­mos em meio am­bi­en­te. Sus­ten­ta­bi­li­da­de tem, sim, co­ne­xão com meio am­bi­en­te, mas vai mui­to além. Ser sus­ten­tá­vel es­tá re­la­ci­o­na­do a per­mi­tir que to­da a so­ci­e­da­de me­lho­re seu pa­ta­mar de bem-es­tar e con­su­mo, sem com­pro­me­ter as ge­ra­ções fu­tu­ras. Com is­so, di­ze­mos que a sus­ten­ta­bi­li­da­de se di­vi­de em um tri­pé com­pos­to pe­los vi­es­es eco­nô­mi­co, so­ci­al e am­bien­tal.

Es­te é um te­ma em al­ta: pre­o­cu­pa­ção com o li­xo que pro­du­zi­mos e o des­ti­no que da­mos a ele, aque­ci­men­to glo­bal, re­cur­sos hí­dri­cos, po­bre­za, po­lu­i­ção e uma po­pu­la­ção que não pa­ra de cres­cer. Se­gun­do da­dos di­vul­ga­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), em 2017, a po­pu­la­ção mun­di­al era for­ma­da por 7,6 bi­lhões de pes­so­as, e a ex­pec­ta­ti­va é que es­te nú­me­ro cres­ça pa­ra 8,6 bi­lhões em 2030. Ou se­ja, um au­men­to de 1 bi­lhão de ha­bi­tan­tes em 13 anos. Tam­bém em 2030, a ONU pre­vê que a so­ci­e­da­de pre­ci­sa­rá de 35% a mais de ali­men­to, 40% a mais de água e 50% a mais de ener­gia.

Es­tes te­mas ge­ram pre­o­cu­pa­ção em to­dos os se­to­res da in­dús­tria e com a agri­cul­tu­ra não po­de­ria ser di­fe­ren­te. Nes­te con­tex­to, “equi­lí­brio” é a cha­ve pa­ra ter­mos um pla­ne­ta me­lhor. De­ve­mos pen­sar, in­ves­tir e agir, ten­do co­mo fo­co o uso res­pon­sá­vel e con­sci­en­te dos re­cur­sos na­tu­ra­is, agre­gan­do va­lor aos nos­sos pro­du­tos, re­for­çan­do os la­ços com nos­sos par­cei­ros e cli­en­tes e res­pei­tan­do as co­mu­ni­da­des em que atua­mos.

Pen­san­do nis­so de for­ma in­te­gra­da, che­ga­mos ao pon­to cen­tral do tex­to. Qual é a con­tri­bui­ção da agri­cul­tu­ra pa­ra aju­dar a me­lho­rar es­ses as­pec­tos e tor­nar o pla­ne­ta me­lhor? Qual é a par­ti­ci­pa­ção do agro­ne­gó­cio?

Mui­to além de man­ter bo­as prá­ti­cas agrí­co­las, a in­dús­tria aju­da a en­tre­gar mais pro­du­ti­vi­da­de, com so­lu­ções que per­mi­tem aos agri­cul­to­res uti­li­za­rem es­pa­ços de ter­ra me­no­res, me­nos água e ener­gia, res­pei­tan­do a bi­o­di­ver­si­da­de e re­du­zin­do des­per­dí­ci­os – es­se é o con­cei­to de agri­cul­tu­ra mo­der­na, pau­ta­da em tec­no­lo­gia di­gi­tal no cam­po e uso de bi­o­tec­no­lo­gia. Po­de­mos ci­tar co­mo exem­plo os trans­gê­ni­cos que, adap­ta­dos às ne­ces­si­da­des e par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da re­gi­ão do Bra­sil, aju­dam a po­ten­ci­a­li­zar a pro­du­ção, re­sul­tan­do em co­lhei­tas me­lho­res, com mais ali­men­tos dis­po­ní­veis e res­pei­tan­do a se­gu­ran­ça ali­men­tar e nu­tri­cio­nal.

Uma das for­mas uti­li­za­das pe­los agri­cul­to­res pa­ra li­dar com os de­sa­fi­os de ad­mi­nis­trar os pro­ble­mas hí­dri­cos que afe­tam su­as la­vou­ras, por exem­plo, é o plan­tio de se­men­tes to­le­ran­tes à se­ca – o que se tor­nou pos­sí­vel gra­ças aos avan­ços do me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co de plan­tas e da bi­o­tec­no­lo­gia. Em re­gi­ões on­de a ir­ri­ga­ção não é pos­sí­vel, es­sas se­men­tes per­mi­tem que as cul­tu­ras re­sis­tam me­lhor ao es­tres­se cau­sa­do pe­las chu­vas li­mi­ta­das e ir­re­gu­la­res. Ou­tros exem­plos são o plan­tio di­re­to (sis­te­ma de ma­ne­jo do so­lo em que a pa­lha e res­tos de ou­tras cul­tu­ras são man­ti­dos no so­lo pa­ra sua pre­ser­va­ção) e a agri­cul­tu­ra de con­ser­va­ção (uti­li­zar o so­lo, pro­cu­ran­do man­ter ou me­lho­rar sua fer­ti­li­da­de, de mo­do a man­ter sua com­po­si­ção, es­tru­tu­ra e bi­o­di­ver­si­da­de na­tu­ral).

Es­sas ações são ex­ce­len­tes exem­plos das prá­ti­cas sus­ten­tá­veis que os agri­cul­to­res ado­tam em su­as fa­zen­das pa­ra cu­i­dar me­lhor da ter­ra e do ali­men­to que de­la sai. Po­rém, pre­ci­sa­mos ter em men­te que um pla­ne­ta sus­ten­tá­vel pre­ci­sa de ações glo­bais e de co­la­bo­ra­ção pa­ra equi­li­brar os as­pec­tos “so­ci­al, eco­nô­mi­co e am­bien­tal”, e que ca­da um de nós po­de e pre­ci­sa fa­zer a sua par­te.

 

(Da­ni­elly Croc­co, for­ma­da em Co­mér­cio Ex­te­ri­or, cer­ti­fi­ca­da pe­lo Le­an Six Sig­ma Mas­ter Black Belt e lí­der de Sus­ten­ta­bi­li­da­de e Res­pon­sa­bi­li­da­de So­ci­al da Mon­san­to pa­ra Amé­ri­ca do Sul)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais