Opinião

Brasil: o País do futuro presente

diario da manha

Es­ta­mos per­di­dos, de­so­ri­en­ta­dos, de­sor­ga­ni­za­dos, tal­vez sem es­pe­ran­ça ou ex­pec­ta­ti­vas, por que di­go is­so, por­que bas­ta olhar pa­ra nos­sa so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra atu­al e nos­sa pes­qui­sa elei­to­ral pre­si­den­ci­á­vel. Lem­bran­do-se do gran­de his­to­ri­a­dor do sé­cu­lo XX Eric Hobs­bawm e pa­ra­fra­se­an­do-o: con­ti­nua­mos vi­ven­do a era dos ex­tre­mos. De um la­do a po­pu­la­ção pe­de de vol­ta um con­de­na­do por cor­rup­ção, do ou­tro um de­pu­ta­do de car­rei­ra que nun­ca fez na­da pe­la po­pu­la­ção, a não ser en­ri­que­ci­men­to, e tal­vez ili­ci­ta­men­te, ten­do co­mo so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas bra­si­lei­ros ar­mar to­da a po­pu­la­ção co­mo no ve­lho oes­te ou ma­tar to­dos os ban­di­dos que pa­re­ce ser o mais gra­ve, pois tal­vez além das cri­an­ças não so­bre nin­guém.

Pa­re­ce que nós bra­si­lei­ros não gos­ta­mos mui­to do de­ba­te, da boa e ve­lha dis­cus­são, do ba­te pa­po e da tro­ca de idei­as pa­ra al­can­çar so­lu­ções pos­sí­veis. Gos­ta­mos mes­mos é da vi­o­lên­cia por vi­o­lên­cia, es­pan­car por es­pan­car, ma­tar por ma­tar, por quê? Ah não in­te­res­sa, me­re­cia. De tu­do is­so sur­ge às fra­ses idi­o­tas: ban­di­do bom é ban­di­do mor­te, sem­pre que ou­ço is­so eu pe­ço a de­fi­ni­ção de ban­di­do. Qua­is ban­di­dos que­re­mos mor­tos? O ne­gro, po­bre, fa­ve­la­do ou tam­bém que­re­mos os bran­cos, ri­cos, mo­ra­do­res de su­as man­sões? Aque­les que des­vi­am mi­lhões dos co­fres pú­bli­cos e ma­tam mi­lhões nas fi­las dos hos­pi­tais.

Não con­si­go en­ten­der nos­sa so­ci­e­da­de, pois po­lí­ti­cos des­vi­am mi­lhões, bi­lhões e são re­e­lei­tos, pe­los mes­mos que que­rem os ban­di­dos mor­tos.

Fi­ca cla­ra a nos­sa fal­ta de lei­tu­ra e pes­qui­sa que é al­go na­tu­ral do ser hu­ma­no. A pes­qui­sa faz par­te da nos­sa cons­tru­ção so­ci­al pa­ra o mí­ni­mo pro­ble­ma do co­ti­dia­no. Na lei­tu­ra de uma bu­la de me­di­ca­men­to, na pes­qui­sa de pre­ços na com­pra se­ma­nal. A lei­tu­ra é fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de uma so­ci­e­da­de, não ve­mos uma pro­pos­ta só­li­da, plau­sí­vel e re­al pa­ra edu­ca­ção. Não é a toa que ain­da so­mos um pa­ís com al­to ín­di­ce de anal­fa­be­tis­mo e com um nú­me­ro ab­sur­do de alu­nos e alu­nas uni­ver­si­tá­rios anal­fa­be­tos fun­cio­nais.

A OC­DE (Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nô­mi­co) apon­tou que le­va­re­mos 260 anos pa­ra equi­pa­rá o ní­vel de qua­li­da­de de lei­tu­ra dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros com os es­tu­dan­tes de paí­ses mais ri­cos. Ab­sur­do? Ab­sur­do é dar au­la em fa­cul­da­de e o alu­no não con­se­guir ler e en­ten­der um tex­to de sim­ples com­pre­en­são, ab­sur­do é ter alu­nos no 9º ano que não ler e mui­to me­nos es­cre­ve.

Se­gun­do pes­qui­sa do Estadão in­di­ca que o bra­si­lei­ro lê ape­nas 4,96 li­vros por ano – des­ses, 0,94 são in­di­ca­dos pe­la es­co­la e 2,88 li­dos por von­ta­de pró­pria. Do to­tal de li­vros li­dos, 2,43 fo­ram ter­mi­na­dos e 2,53 li­dos em par­tes. A mé­dia an­te­ri­or era de 4 li­vros li­dos por ano. Os da­dos in­te­gram a quar­ta edi­ção da Pes­qui­sa Re­tra­tos da Lei­tu­ra no Bra­sil.

A Exame aponta o ín­di­ce de bra­si­lei­ros que pre­fe­re ler no seu tem­po li­vre caiu de 36% en­tre 2007 pa­ra 28% em 2011. É o que apon­ta a pes­qui­sa Re­tra­tos da Lei­tu­ra no Bra­sil, di­vul­ga­da pe­lo Ins­ti­tu­to Pró-Li­vro. O es­tu­do tem co­mo ob­je­ti­vo iden­ti­fi­car os há­bi­tos e as pre­fe­rên­cias dos lei­to­res bra­si­lei­ros. As­sis­tir te­le­vi­são con­ti­nua sen­do a ati­vi­da­de pre­fe­ri­da e foi es­co­lhi­da por 85% dos en­tre­vis­ta­dos. Em se­gui­da apa­re­cem es­cu­tar mú­si­ca ou rá­dio (52%), des­can­sar (51%) e re­u­nir-se com ami­gos e a fa­mí­lia (44%). Ca­da en­tre­vis­ta­do es­co­lheu até cin­co op­ções.

É des­ta for­ma que a mai­o­ria da po­pu­la­ção se pro­duz en­quan­to agen­te so­ci­al, ela­bo­ran­do seu pró­prio co­nhe­ci­men­to po­pu­lar. Di­an­te de tu­do is­so, per­ce­be­mos que nos paí­ses mais avan­ça­dos o sa­ber co­mum da po­pu­la­ção é mais apro­fun­da­do, seus pro­je­tos são mais ela­bo­ra­dos, ao se com­pa­rar com o Bra­sil.

Pre­ci­sa­mos de ho­mens e mu­lhe­res que te­nham pro­pos­tas ver­da­dei­ras e só­li­das pa­ra o que sem­pre é te­ma de cam­pa­nha, edu­ca­ção, sa­ú­de e se­gu­ran­ça.

Pre­ci­sa­mos re­pen­sar a nos­sa pos­tu­ra, nos­sos pen­sa­men­tos, re­pen­sar a nos­sa mo­ral. Pre­ci­sa­mos lu­tar con­tra a nos­sa ig­no­rân­cia, nos­so jei­ti­nho bra­si­lei­ro que não tem nos le­va­do a lu­gar ne­nhum.

Nes­se mo­men­to tão im­por­tan­te pa­ra to­dos nós é ne­ces­sá­rio, um pou­co de re­fle­xão, dis­cus­são e um bom di­a­lo­go.

Não po­de­mos dis­cu­tir ape­nas en­tre o con­de­na­do e o can­di­da­to sem pro­pos­ta, ana­li­se­mos ou­tras can­di­da­tu­ras.

Du­ran­te 450 o bra­sil foi pres­sio­na­do a co­pi­ar o mo­de­lo eu­ro­peu, há 50 anos tem co­pia­do o dos Es­ta­dos Uni­dos. En­tão per­ce­be­mos que ago­ra que os EUA e a Eu­ro­pa es­tão em pro­fun­da cri­se, o bra­sil es­tá so­zi­nho con­si­go mes­mo e é obri­ga­do a de­sen­vol­ver seu pró­prio mo­de­lo que po­de ser va­li­o­so pa­ra o mun­do in­tei­ro.

Pa­ra o “pa­ís do fu­tu­ro” co­mo sem­pre foi di­to, o fu­tu­ro che­gou.

 

(Fran­cis­co Ne­to, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio e psi­ca­na­lis­ta)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais