Opinião

Celg, Enel e a mudança cultural

diario da manha

Os es­tu­di­o­sos das or­ga­ni­za­ções nos en­si­nam o quan­to é di­fí­cil mu­dar a cul­tu­ra das em­pre­sas. É di­fí­cil pe­lo fa­to das pes­so­as, no âm­bi­to das or­ga­ni­za­ções, se­rem re­sis­ten­tes ao no­vo. Me­xer na cul­tu­ra de­las é mu­dar cren­ças, ri­tu­ais – en­fim: as nor­mas da ins­ti­tu­i­ção.

A ad­mi­nis­tra­ção co­mo ci­ên­cia que  é nos en­si­na que as em­pre­sas têm dois am­bi­en­tes – o ex­ter­no e o in­ter­no. So­bre es­te úl­ti­mo às or­ga­ni­za­ções tem con­tro­le; so­bre aque­le pri­mei­ro, não. Ve­ja­mos dois exem­plos. As em­pre­sas con­tro­lam seu qua­dro de pes­so­al por­que es­te es­tá no am­bi­en­te in­ter­no de­las, mas não con­tro­la o con­cor­ren­te que es­tá no seu am­bi­en­te ex­ter­no. Mais um exem­plo: a or­ga­ni­za­ção con­tro­la seu en­di­vi­da­men­to in­ter­no, mas não con­tro­la as tur­bu­lên­cias  ex­ter­nas ad­vin­das da eco­no­mia.

A par­tir daí vem uma im­por­tan­te con­clu­são: as em­pre­sas pa­ra não irem a fa­lên­cia de­vem ne­ces­sa­ria­men­te se ade­quar ao am­bi­en­te ex­ter­no que as ro­deia. Em­pre­sas fei­tas pa­ra du­rar são aque­las fle­xí­veis às mu­dan­ças am­bien­tais.

Pos­to is­so, vol­te­mos às ques­tões cul­tu­ra­is que en­vol­vem as or­ga­ni­za­ções. Ve­ja-se a me­ta­mor­fo­se da fa­le­ci­da es­ta­tal Celg e a em­pre­sa que es­ta se trans­for­mou: a Enel, Pri­va­da. Du­as em­pre­sas, dois mun­dos com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes um do ou­tro.

Na­ve­gan­do nas águas tran­qui­las de uma em­pre­sa es­ta­tal a ve­lha cul­tu­ra da Celg se man­te­ve imu­tá­vel por mais de três dé­ca­das. Nes­se con­tex­to im­pe­ra­va in­ter­na­men­te a cren­ça do apa­dri­nha­men­to po­lí­ti­co, dos in­sub­sti­tu­í­veis car­re­ga­do­res de pi­a­no, dos do­nos de área e, por que não di­zer das fa­mo­sas “pa­ne­las”.

Nes­se pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção tes­te­mu­nhei “in­sub­sti­tu­í­veis” eter­nos do­nos de de­par­ta­men­tos, su­pe­rin­ten­dên­cias e as­ses­so­rias der­re­te­rem que nem sor­ve­te an­te a bru­tal mu­dan­ça cul­tu­ral que foi es­sa pri­va­ti­za­ção. Apa­ga­ram-se as fo­guei­ras das vai­da­des ali­men­ta­das por uma ins­ti­tu­i­ção car­co­mi­da pe­la má ges­tão fa­ci­li­ta­do­ra da mai­or pra­ga do ser­vi­ço pú­bli­co bra­si­lei­ro: a cor­rup­ção. Nes­se con­tex­to, a fo­guei­ra das vai­da­des fo­men­ta­va a iner­cia cul­tu­ral. En­tra­va e saia go­ver­no a en­gre­na­gem con­ti­nu­a­va sem­pre a mes­ma.

Não te­nham dú­vi­das de que a pri­va­ti­za­ção da ou­tro­ra mai­or em­pre­sa de Go­i­ás pro­vo­cou uma ra­di­cal mu­dan­ça no am­bi­en­te ex­ter­no da ins­ti­tu­i­ção. O dis­cur­so fa­la­cio­so do Es­ta­do pro­du­tor de “ener­gia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to” (de­sen­vol­vi­men­to pa­ra quem? Pa­ra en­cher os bol­sos dos em­prei­tei­ros com  su­as obras so­bre­di­men­ci­o­na­das?) ce­deu seu lu­gar pa­ra uma em­pre­sa mul­ti­na­ci­o­nal cu­ja exis­tên­cia ge­ra em tor­no do lu­cro. E as­sim mu­dan­ças no am­bi­en­te ex­ter­no pro­vo­cam mu­dan­ças no am­bi­en­te in­ter­no. Com is­so, a cul­tu­ra dos in­sub­sti­tu­í­veis  e da in­for­ma­li­da­de se me­ta­mor­fo­se­ou na cul­tu­ra do pro­fis­si­o­na­lis­mo em bus­ca de re­sul­ta­dos.

Ape­nas uma ob­ser­va­ção fi­nal: a ele­va­ção no pa­ta­mar da ges­tão cer­ta­men­te le­va­rá aos lu­cros da Enel.  Es­sa em­pre­sa fez em mes­es aqui­lo que o Es­ta­do não re­a­li­zou por mais de trin­ta anos. Nun­ca se es­que­çam: a fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca do go­ver­no em im­ple­men­tar mu­dan­ças na Celg le­vou a pri­va­ti­za­ção da sua mai­or em­pre­sa. Co­mo  já dis­se   es­te es­cri­ba em ou­tros es­cri­tos: cri­ou-se um no­vo pac­to não es­cri­to de de­pen­dên­cia – qual se­ja: a de que a ele­va­ção da efi­ci­ên­cia da or­ga­ni­za­ção con­du­zi­rá aos lu­cros. Lu­cros que se­rão ex­por­ta­dos da pe­ri­fe­ria do ca­pi­ta­lis­mo,Go­i­ás, pa­ra a me­tró­po­le ita­li­a­na. Ci­en­te dis­so, as ur­nas ci­da­dã­os!

 

(Sa­la­ti­el So­a­res Cor­reia, en­ge­nhei­ro, ba­cha­rel em Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas, mes­tre em Pla­ne­ja­men­to Ener­gé­ti­co. É au­tor, en­tre ou­tros li­vros, de A Cons­tru­ção de Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais