Opinião

Conta PJ: há obrigações fiscais para o empreendedor?

diario da manha

De fa­to, é im­pres­cin­dí­vel ter uma con­ta ban­cá­ria ex­clu­si­va pa­ra a mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra de uma em­pre­sa, a fa­mo­sa Con­ta PJ. Mas, pa­ra mui­tos em­pre­en­de­do­res, es­ta ação nem sem­pre es­tá cla­ra no pro­ces­so de aber­tu­ra de uma em­pre­sa.

Por mais que o em­pre­sá­rio não te­nha pa­trão ou mui­tos co­la­bo­ra­do­res, é ne­ces­sá­rio que as in­for­ma­ções re­fe­ren­tes à com­pra e ven­da de pro­du­tos e ser­vi­ços, se­jam en­tre­gues à Re­cei­ta Fe­de­ral re­gu­lar­men­te. Ou se­ja, pa­ra re­a­li­zar o con­tro­le fis­cal e fi­nan­cei­ro da em­pre­sa, é ne­ces­sá­rio abrir es­ta con­ta à par­te.

A con­ta ju­rí­di­ca se­rá es­pe­cí­fi­ca pa­ra que seus cli­en­tes re­a­li­zem pa­ga­men­tos e pa­ra que a em­pre­sa mo­vi­men­te sa­lá­ri­os, re­pas­se aos for­ne­ce­do­res e etc. E to­da es­ta mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra de­ve ser in­for­ma­da na De­cla­ra­ção de In­for­ma­ções Eco­nô­mi­co-fis­cais da Pes­soa Ju­rí­di­ca (DIPJ).

Com o au­xí­lio da con­ta ban­cá­ria de pes­soa ju­rí­di­ca, o con­ta­dor te­rá aces­so a to­do o his­tó­ri­co da con­ta e, as­sim, evi­tar que dé­bi­tos aca­bem se mis­tu­ran­do. Além dis­so, or­ga­ni­zan­do des­ta for­ma, fi­ca mui­to mais fá­cil fa­zer o fe­cha­men­to do mês.

Co­mo to­da em­pre­sa é obri­ga­da a emi­tir e con­sul­tar No­tas Fis­cais ele­trô­ni­cas (NFes) e No­tas Fis­cais de Ser­vi­ço ele­trô­ni­cas (NFSes), to­dos os da­dos ne­ces­sá­rios, des­de o va­lor to­tal até o va­lor do fre­te, im­pos­tos, en­tre ou­tros, de­vem es­tar dis­po­ní­veis pa­ra o con­ta­dor res­pon­sá­vel.

É só com tu­do is­to em mãos, além da re­la­ção de pa­ga­men­tos aos for­ne­ce­do­res, que o em­pre­en­de­dor con­se­gue re­a­li­zar o fe­cha­men­to de mês de for­ma rá­pi­da e equi­li­bra­da. Com tec­no­lo­gi­as de in­te­li­gên­cia de da­dos e do­cu­men­tos fis­cais co­mo a Ar­qui­vei, to­das as NFes, NFSes e CTes (no ca­so de tran­spor­te) são con­sul­ta­das e fi­cam dis­po­ní­veis pa­ra vi­su­a­li­za­ção, downlo­ad e re­la­tó­rios, o que con­tri­bui ain­da mais pa­ra que er­ros e in­con­sis­tên­cias pos­sam ocor­rer.

Ho­je em dia, não é mais tão di­fí­cil con­se­guir aces­so a uma con­ta ban­cá­ria de pes­soa ju­rí­di­ca. In­clu­si­ve, mui­tos ban­cos já vi­a­bi­li­zam es­ta aber­tu­ra on­li­ne. Há, ain­da, so­lu­ções on­li­ne que são ver­da­dei­ras ali­a­das dos em­pre­en­de­do­res, no sen­ti­do de des­bu­ro­cra­ti­zar pro­ces­sos e dei­xar a em­pre­sa em or­dem.

É im­por­tan­te lem­brar, ain­da, que, atu­al­men­te, pra­ti­ca­men­te to­do o pro­ces­so fis­cal é fei­to ele­tro­ni­ca­men­te. Des­de a emis­são de NFe, até es­cri­tu­ra­ções do Sped e en­vio de ou­tras in­for­ma­ções ao Go­ver­no.

Além de bai­xar a NFe com­ple­ta, tec­no­lo­gi­as de ges­tão co­mo o Ar­qui­vei tam­bém fa­zem a Con­fe­rên­cia de Sped, dei­xan­do a em­pre­sa tran­qui­la com re­la­ção ao que foi en­tre­gue ao Go­ver­no, por exem­plo. É tam­bém uma for­ma de ga­ran­tir que as obri­ga­ções es­tão sen­do cum­pri­das à ris­ca.

Por­tan­to, ca­so sua em­pre­sa ain­da uti­li­ze uma con­ta ban­cá­ria de pes­soa fí­si­ca, é ne­ces­sá­rio aten­tar-se e re­gu­lar tal si­tu­a­ção o quan­to an­tes. Ao “mis­tu­rar” os pa­tri­mô­ni­os, a em­pre­sa mas­ca­ra os re­sul­ta­dos e is­to po­de ge­rar a in­ter­pre­ta­ção de uma so­ne­ga­ção de im­pos­tos.

Um bom pro­fis­si­o­nal de con­ta­bi­li­da­de é fun­da­men­tal pa­ra aju­dá-lo a cum­prir tais obri­ga­ções. Con­te com ele.

 

(Yas­min Ama­ral, ca­ta­li­sa­do­ra de cres­ci­men­to da Ar­qui­vei)

 

tags:

Comentários