Opinião

Estagiários: o caminho para descobrir novos talentos numa empresa

diario da manha

Al­gu­mas em­pre­sas pos­su­em es­ta­gi­á­rios, mas não sa­bem tra­ba­lhar es­tra­te­gi­ca­men­te com ta­len­tos. Quan­do se fa­la so­bre is­so, des­ta­ca­mos a ca­pa­ci­da­de, com­pe­tên­cias, ha­bi­li­da­des e ati­tu­des que os jo­vens pos­su­em e po­dem de­sen­vol­ver nu­ma cor­po­ra­ção, ca­so te­nham dis­po­ni­bi­li­da­de e mo­ti­va­ção.

No en­tan­to, a evo­lu­ção des­sas qua­li­da­des vai de­pen­der mui­to do in­te­res­se da pes­soa. Uma das coi­sas que po­de aju­dar o es­ta­gi­á­rio atin­gir o su­ces­so é bus­car fa­zer além do que ou­tros fa­zem. No en­tan­to, nun­ca dei­xan­do de la­do a ques­tão da éti­ca e sem­pre pen­san­do fa­zer as coi­sas da ma­nei­ra cor­re­ta. Es­sas ati­tu­des po­si­ti­vas po­dem ser com­pa­ra­das a se­men­tes que vão sen­do plan­ta­das aos pou­cos. E quem plan­ta coi­sas bo­as, co­lhe bons re­sul­ta­dos.

Uma coi­sa po­de-se afir­mar: não adi­an­ta a em­pre­sa ter vá­rios es­ta­gi­á­rios ta­len­to­sos e não sa­ber tra­ba­lhar com eles. Ho­je, ca­so o em­pre­ga­dor não te­nha uma cul­tu­ra or­ga­ni­za­cio­nal bem de­fi­ni­da, não irá adi­an­tar quem irão con­tra­tar ou que­rer re­ter em seu qua­dro de co­la­bo­ra­do­res.

Des­de o pro­ces­so de re­cru­ta­men­to e se­le­ção, é ne­ces­sá­rio que a mar­ca da em­pre­sa se­ja tra­ba­lha­da. As­sim quan­do o es­ta­gi­á­rio for con­tra­ta­do ele sa­be­rá co­mo é a or­ga­ni­za­ção. Ca­so con­trá­rio, tem­po, di­nhei­ro e cre­di­bi­li­da­de se­rão per­di­dos. Mes­mo se o es­ta­gi­á­rio for ta­len­to­so, ca­so ele não es­te­ja ali­nha­do à em­pre­sa, ne­nhum trei­na­men­to irá sur­tir efei­to be­né­fi­co.

So­men­te quan­do se re­a­li­za o pro­ces­so de Re­cru­ta­men­to e Se­le­ção ali­nha­do com a mar­ca da em­pre­sa, os es­ta­gi­á­rios, que se tor­na­rem fu­tu­ros co­la­bo­ra­do­res, vão con­se­guir trans­mi­tir pa­ra o mer­ca­do, co­mo tam­bém pa­ra o pú­bli­co in­ter­no, o ver­da­dei­ro va­lor da mar­ca. Is­so só é fei­to quan­do as pos­si­bi­li­da­des de cres­ci­men­to e in­ves­ti­men­to são trans­mi­ti­das de ma­nei­ra tran­spa­ren­te. Des­sa for­ma, con­quis­ta-se con­fi­an­ça e boa vi­si­bi­li­da­de boa pa­ra a ins­ti­tu­i­ção.

É im­por­tan­te fri­sar que de­sen­vol­ver es­ta­gi­á­rios não é per­da de tem­po, co­mo mui­tas em­pre­sas pen­sam. Um ta­len­to é uma pes­soa com no­va dis­po­si­ção, com um gás no­vo. Eles po­dem tra­zer idei­as que vão agre­gar mui­to à equi­pe. Nun­ca per­mi­te o se­guin­te pen­sa­men­to: “Es­ta­gi­á­rio dá tra­ba­lho, não que­ro aqui.”

Além de tra­ze­rem tra­zer no­vos co­nhe­ci­men­tos, os es­ta­gi­á­rios são fu­tu­ros co­la­bo­ra­do­res em de­sen­vol­vi­men­to. Tam­bém se­rá al­guém que te­rá a sua em­pre­sa e o re­cru­ta­dor co­mo re­fe­ren­ci­ais. Eles não são pa­ra sim­ples­men­te “ser­vir o ca­fé” e, sim, sim pa­ra co­lo­car a mão na mas­sa, apren­der e cres­cer.

A em­pre­sa po­de ter uma pe­dra pre­ci­o­sa em mãos, po­rém, cor­re o ris­co de não ter tem­po em la­pi­dá-la e, con­se­quen­te­men­te, per­dê-la pa­ra um con­cor­ren­te. Os re­cru­ta­do­res pre­ci­sam sem­pre pen­sar e re­fle­tir so­bre es­ta pos­si­bi­li­da­de.

 

(Li­via Mar­ques, psi­có­lo­ga clí­ni­ca e or­ga­ni­za­cio­nal. Pos­sui MBA em ges­tão de pes­so­as e pós-gra­du­an­da em TCC)

tags:

Comentários