Opinião

Existe uma herança genética para a violência?

diario da manha

A he­ran­ça ge­né­ti­ca é a pre­dis­po­si­ção pa­ra ad­qui­rir ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes à do or­ga­nis­mo que o ge­rou. A va­ri­a­ção bi­o­ló­gi­ca, ne­ces­sá­ria à evo­lu­ção das es­pé­ci­es atra­vés da se­le­ção na­tu­ral, de­cor­re da com­bi­na­ção en­tre có­di­gos ge­né­ti­cos dos pro­ge­ni­to­res.

Pes­qui­sas re­cen­tes in­di­cam que é pos­sí­vel a he­ran­ça ge­né­ti­ca de lem­bran­ças e que fa­to­res am­bien­tais po­dem in­flu­en­ciar a bi­o­lo­gia atra­vés de mo­di­fi­ca­ções “epi­ge­né­ti­cas”, que al­te­ram a ex­pres­são dos ge­nes, mas são sua se­quên­cia de nu­cle­o­tí­de­os. As­sim, cri­an­ças con­ce­bi­das em áre­as de con­fli­to ten­dem a her­dar e trans­mi­tir ge­nes res­pon­sá­veis por sen­ti­men­tos co­mo me­do ou ou­tros trau­mas, sa­ben­do-se que as mo­di­fi­ca­ções epi­ge­né­ti­cas são im­por­tan­tes pa­ra pro­ces­sos co­mo o de­sen­vol­vi­men­to e a de­sa­ti­va­ção de có­pi­as de cro­mos­so­mo X em mu­lhe­res.

Por ou­tro la­do, pes­qui­sas tam­bém mos­tram que o DNA (áci­do de­so­xir­ri­bo­nu­clei­co) não tem a ex­clu­si­vi­da­de de trans­mi­tir as ca­rac­te­rís­ti­cas ge­né­ti­cas en­tre di­fe­ren­tes ge­ra­ções. Ca­rac­te­rís­ti­cas he­re­di­tá­rias tam­bém são trans­mi­ti­das por pro­teí­nas ce­lu­la­res co­nhe­ci­das co­mo his­to­nas.

A epi­ge­né­ti­ca são mo­di­fi­ca­ções do ge­no­ma que são her­da­das pe­las ge­ra­ções fu­tu­ras, mas que não al­te­ram a se­quên­cia do DNA. Pes­qui­sas in­di­cam que há­bi­tos da vi­da e o am­bi­en­te so­ci­al em que uma pes­soa es­tá in­se­ri­da po­dem mo­di­fi­car os seus ge­nes. Par­tin­do des­sas com­pro­va­ções ci­en­tí­fi­cas po­de-se su­ge­rir que nos di­as atu­ais con­vi­ve­mos en­tre pes­so­as que car­re­gam con­si­go ca­rac­te­rís­ti­cas he­re­di­tá­rias com­por­ta­men­tais ad­qui­ri­das de nos­sos an­te­pas­sa­dos mais re­mo­tos e que po­dem ter si­do ge­ra­das por cau­sas am­bien­tais, co­mo trau­mas ex­tre­mos pro­vo­ca­dos por si­tu­a­ção de con­fli­tos bé­li­cos ou opres­sões po­lí­ti­cas.

Se­me­an­do a luz da ci­ên­cia so­bre as som­bras te­ne­bro­sas do fa­na­tis­mo, creio ser pos­sí­vel tra­çar um pa­ra­le­lo en­tre epi­ge­né­ti­ca e as di­re­tri­zes do Ca­li­fa­do pro­pos­to pe­lo lí­der ra­di­cal is­lâ­mi­co, Abu al-Baghda­di, fun­da­dor do gru­po ter­ro­ris­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Pa­ra al-Baghda­di, a ins­ti­tu­i­ção de um Ca­li­fa­do, sis­te­ma de go­ver­no ini­ci­a­do lo­go após a mor­te do pro­fe­ta Mao­mé, vi­sa res­ta­be­le­cer a uni­da­de ára­be, sob a sua li­de­ran­ça, pois, se­gun­do ele, a par­tir de um ras­tre­a­men­to ge­ne­a­ló­gi­co des­co­briu-se que é um des­cen­den­te na li­nha­gem ge­né­ti­ca de Mao­mé.

Por ób­vio que es­sa afir­ma­ção es­tá mais pró­xi­ma de uma as­tú­cia char­la­ta­nis­ta, um ex­pe­di­en­te re­cor­ren­te da gran­de mai­o­ria dos lí­de­res re­li­gi­o­sos, que se au­to­pro­cla­mam “en­vi­a­dos de Deus”. To­da­via, ana­li­san­do pe­los mé­to­dos cru­éis com que o Es­ta­do Is­lâ­mi­co eli­mi­na seus opo­si­to­res – os re­ais e os ima­gi­ná­rios, con­se­quên­cia de uma in­sa­ni­da­de mór­bi­da e fa­na­tis­mo re­li­gi­o­so – é pos­sí­vel, sim, re­tro­ce­der à he­ran­ça epi­ge­né­ti­ca de al­guns dos mais abo­mi­ná­veis an­te­pas­sa­dos que ins­ti­tu­í­ram o ter­ror na re­gi­ão do Ori­en­te Mé­dio.

An­tes, po­rém, é pre­ci­so es­cla­re­cer que es­sa re­gi­ão nem sem­pre foi vis­ta co­mo uma ter­ra de in­ci­vi­li­za­dos ra­di­cais ou fa­ná­ti­cos. No sé­cu­lo VII, quan­do a ci­vi­li­za­ção ára­be co­me­çou a se ex­pan­dir, en­con­trou um le­ga­do mi­le­nar de ci­vi­li­za­ção e de cul­tu­ra. Com is­so, apro­vei­tou pa­ra acres­cen­tar a sua pró­pria con­tri­bui­ção, fa­zen­do avan­çar no cam­po das ci­ên­cias, ar­tes, fi­lo­so­fia, li­te­ra­tu­ra e re­li­gi­ão. Os ca­li­fa­dos eram ao mes­mo tem­po gran­des ad­mi­nis­tra­do­res e cons­tru­to­res, além de pro­te­to­res ge­ne­ro­sos das le­tras e ar­tes. Su­as cor­tes es­ta­vam sem­pre re­ple­tas de po­e­tas, mú­si­cos, li­te­ra­tos, ci­en­tis­tas e ar­tis­tas.

A pri­mei­ra tra­du­ção de Aris­tó­te­les te­ve seu pe­so pa­go em di­a­man­tes. Em 830 foi es­ta­be­le­ci­do em Bag­dá a Ca­sa da Sa­be­do­ria com aca­de­mia ci­en­tí­fi­ca, em ob­ser­va­tó­rio e uma bi­bli­o­te­ca pú­bli­ca. Quan­to Bag­dá foi des­tru­í­da pe­los mon­gó­is, ha­via 36 bi­bli­o­te­cas pú­bli­cas. Es­se pa­tri­mô­nio cul­tu­ral foi trans­mi­ti­do ao Oci­den­te por in­ter­mé­dio da Es­pa­nha, im­pul­si­o­nan­do as­sim o re­nas­ci­men­to das le­tras e das ci­ên­cias na Eu­ro­pa.

O Ori­en­te Mé­dio vi­nha sen­do, as­sim, a fon­te de ci­vi­li­za­ções bri­lhan­tes e su­ces­si­vas por mais de 40 sé­cu­los. En­tre­tan­to, por vol­ta do sé­cu­lo XII, os bár­ba­ros ini­ci­a­ram as su­as in­vas­ões pe­la re­gi­ão. Es­tes, po­rém, pa­re­ci­am ci­vi­li­za­dos se com­pa­ra­dos com os as­sas­si­nos fri­os que par­ti­ram do cen­tro da Ásia, se­me­an­do a des­tru­i­ção por oi­to sé­cu­los nas ter­ras ilu­mi­na­das do Ori­en­te Mé­dio.

Es­ses cri­mi­no­sos cru­éis fo­ram Geng­his-Khan e seus tár­ta­ros, Ta­mer­lão e seus mon­gó­is, Os­mam e seus tur­co­ma­nos. Geng­his Khan con­quis­tou o im­pé­rio mais vas­to da his­tó­ria, do Mar Ne­gro ao Mar da Chi­na. Ne­nhu­ma fé, ne­nhum ide­al o gui­a­va; mas, tão so­men­te, o de­se­jo de des­tru­ir e ma­tar. Nas ci­da­des ocu­pa­das, os pri­si­o­nei­ros eram jo­ga­dos em cal­dei­ras chei­as de água fer­ven­te ou cor­ta­dos aos pe­da­ços ou ser­ra­dos em dois ou en­ter­ra­dos vi­vos. Mui­tas des­sas prá­ti­cas são atu­al­men­te uti­li­za­das pe­los in­te­gran­tes do Es­ta­do Is­lâ­mi­co, co­mo as de­ca­pi­ta­ções e o en­ter­ra­men­to de mu­lhe­res e cri­an­ças cur­das, após se­rem es­tu­pra­das.

O sa­dis­mo de Geng­his-Khan foi su­pe­ra­do pe­la cru­el­da­de de Ta­mer­lão. No cer­co de Si­vas, fez es­ma­gar sob os ca­va­los mil cri­an­ças que os cer­ca­dos en­vi­a­ram pa­ra ten­ta­rem sen­si­bi­li­zá-los. Atu­al­men­te, o Es­ta­do Is­lâ­mi­co mas­sa­cra as cri­an­ças cris­tãs, in­clu­si­ve, con­for­me ima­gens di­vul­ga­das, mui­tos de­les se di­ver­tem chu­tan­do re­cém-nas­ci­dos co­mo se fos­sem um jo­go de fu­te­bol.

Os lou­cos san­gui­ná­rios de Ta­mer­lão fo­ram su­ce­di­dos pe­los tur­co­ma­nos. Eram fe­ro­zes até mes­mo en­tre os in­te­gran­tes da pró­pria fa­mí­lia. Sa­lim I fez mas­sa­crar, por re­ceio de ri­va­li­da­de, dois ir­mãos e vá­rios pri­mos. Sa­lim II fez exe­cu­tar dois fi­lhos. Amu­rat III man­dou as­sas­si­nar cin­co ir­mãos. A cru­el­da­de dos tur­co­ma­nos so­bre­vi­vi até os di­as de ho­je, co­mo se cons­ta­ta nas agres­sões con­tra os po­vos cur­dos.

A par­tir des­sas in­cur­sões e des­tru­i­ções o Ori­en­te Mé­dio nun­ca mais se res­ta­be­le­ceu, ten­do se­gui­do em no­vas in­vas­ões de co­lo­ni­za­do­res eu­ro­peus, a par­tir da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, até os di­as atu­ais.

Atu­al­men­te, os con­fli­tos que se su­ce­de­ram à pri­mei­ra in­va­são do Ira­que pe­las for­ças de co­a­li­zão li­de­ra­das pe­los Es­ta­dos Uni­dos, após a in­va­são do Kuwait por Sad­dam Hous­sein, têm ad­qui­ri­do pro­por­ções que, pe­los mé­to­dos em­pre­ga­dos, re­me­tem às nar­ra­ti­vas his­tó­ri­cas dos pe­rí­o­dos das in­vas­ões de Geng­his-Khan e de Ta­mer­lão. A fri­e­za e a cru­el­da­de do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co só são ex­pli­ca­das sob uma abor­da­gem de he­ran­ça atá­vi­ca que os re­me­te a an­te­pas­sa­dos de ge­ra­ções que re­mon­tam ao pri­mi­ti­vis­mo hu­ma­no.

De­sa­for­tu­na­da­men­te, no mes­mo ter­re­no em que se de­sen­vol­ve es­se te­a­tro dos hor­ro­res, on­de, ao que pa­re­ce, os ho­mens agem de acor­do com su­as he­ran­ças ge­né­ti­cas de an­ces­tra­is cru­éis e san­gui­ná­rios, é, ao mes­mo tem­po, rein­ven­ta­do um no­vo am­bi­en­te de trau­mas pa­ra as fu­tu­ras ge­ra­ções. As cri­an­ças que ho­je so­bre­vi­vem em áre­as de con­fli­to, co­mo Ira­que e Sí­ria, es­tão sub­me­ti­das ao trau­ma ex­tre­mo do me­do e do pa­vor ca­pa­zes de ex­tra­ir-lhes qua­is­quer pos­si­bi­li­da­des de sen­ti­men­to de so­li­da­ri­e­da­de, al­tru­ís­mo, com­pai­xão, afe­to, so­ci­a­bi­li­da­de. Es­ses fa­to­res am­bien­tais, em um ce­ná­rio de mor­te, dor, pa­vor, fo­me, se­de, en­fer­mi­da­des, são po­ten­ci­al­men­te pro­pí­cios a in­flu­en­cia­rem na for­ma­ção bi­op­si­co­ló­gi­ca atra­vés de mo­di­fi­ca­ções epi­ge­né­ti­cas.

É sem­pre sa­lu­tar acre­di­tar na pos­si­bi­li­da­de de um mun­do me­lhor, por in­ter­mé­dio da me­lho­ria do ser hu­ma­no com o seu po­ten­ci­al cri­a­dor e trans­for­ma­dor. To­da­via, é pre­ci­so su­pe­rar as bar­rei­ras que nos im­pe­lem a re­tro­ce­der­mos aos nos­sos mais re­mo­tos e ini­ci­ais es­tá­gios de vi­da.

Tal­vez, em um bre­ve fu­tu­ro, a ci­ên­cia se­ja ca­paz de cor­ri­gir es­se ge­ne da mal­da­de que in­sis­te em nos acom­pa­nhar, atra­vés de su­ces­si­vas ge­ra­ções, e que faz dos se­res hu­ma­nos cri­a­tu­ras tão de­su­ma­nas.

 

(Ma­no­el L. Be­zer­ra Ro­cha, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta – mlbe­zer­ra­ro­[email protected])

Comentários