Opinião

Falsos médicos: fraudes e crimes contra a vida

diario da manha

En­tre os mui­tos pro­ble­mas na área da Sa­ú­de, o Bra­sil tem en­fren­ta­do su­ces­si­vos ca­sos de mor­tes de pa­ci­en­tes e de­nún­cias so­bre a atu­a­ção de fal­sos mé­di­cos.

As for­mas de exer­cí­cio ile­gal da pro­fis­são en­vol­vem tam­bém mé­di­cos em si­tu­a­ção ir­re­gu­lar, a exem­plo de es­tran­gei­ros ou bra­si­lei­ros for­ma­dos em me­di­ci­na no ex­te­ri­or que exer­cem a pro­fis­são sem ter cum­pri­do as exi­gên­cias le­gais de re­va­li­da­ção e re­co­nhe­ci­men­to de di­plo­ma es­tran­gei­ro pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção. Ou­tros pro­fis­si­o­nais, não-mé­di­cos, sem gra­du­a­ção em Me­di­ci­na, que são de­nun­ci­a­dos por exe­cu­tar atos que são pri­va­ti­vos dos mé­di­cos, pro­ce­di­men­tos di­ag­nós­ti­cos e te­ra­pêu­ti­cos res­tri­tos ao exer­cí­cio da Me­di­ci­na ou que atuam no cam­po de es­pe­cia­li­da­des mé­di­cas re­co­nhe­ci­das pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na.

Há tam­bém ca­sos de mé­di­cos de­vi­da­men­te re­gis­tra­dos no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na (CRM) que aco­ber­tam al­gu­ma si­tu­a­ção de exer­cí­cio ile­gal da me­di­ci­na. Por exem­plo, quan­do são co­ni­ven­tes com a atu­a­ção de fal­so mé­di­co, ou for­ne­cem seus da­dos e/ou do­cu­men­tos pes­so­ais pa­ra a atu­a­ção de um pro­fis­si­o­nal ir­re­gu­lar.

Quan­to ao mo­dus ope­ran­di, mui­tos dos fal­sos mé­di­cos “clo­nam” os da­dos pes­so­ais, uti­li­zam no­me e nú­me­ro de CRM e até fal­si­fi­cam do­cu­men­tos de mé­di­cos le­gal­men­te re­gis­tra­dos no CRM e se fa­zem pas­sar pe­lo mé­di­co ver­da­dei­ro. Al­guns che­gam a ser con­tra­ta­dos por ser­vi­ços de sa­ú­de e por ou­tros em­pre­ga­do­res. Há aque­les que atuam em “con­sul­tó­rios” par­ti­cu­la­res ou na ven­da de ates­ta­dos mé­di­cos (pa­ra jus­ti­fi­car dis­pen­sa em tra­ba­lho) e na ven­da de re­cei­tas mé­di­cas (ge­ral­men­te de me­di­ca­men­tos de uso con­tro­la­do).

Os pa­ci­en­tes cor­rem sé­rios ris­cos ao se­rem aten­di­dos pe­los não mé­di­cos. Um exem­plo: um fal­so of­tal­mo­lo­gis­ta que, em ver­da­de, é um op­to­me­tris­ta (pro­fis­si­o­nal res­pon­sá­vel pe­la re­a­li­za­ção de me­di­ções de am­pli­tu­de vi­su­al) po­de­ria, por des­co­nhe­ci­men­to, não di­ag­nos­ti­car de­ter­mi­na­das do­en­ças dos pa­ci­en­tes, agra­van­do-as.

Um ca­so que cha­mou aten­ção da mí­dia re­cen­te­men­te en­vol­veu uma mu­lher que fa­le­ceu após um pro­ce­di­men­to es­té­ti­co em um apar­ta­men­to de al­to pa­drão no Rio de Ja­nei­ro, co­nhe­ci­do co­mo o ca­so do Dr. Bum­bum. Es­te foi o es­to­pim pa­ra acen­der a dis­cus­são so­bre os ris­cos que os pa­ci­en­tes bra­si­lei­ros cor­rem com a atu­a­ção “pi­ra­ta” de al­guns pro­fis­si­o­nais. O pro­fis­si­o­nal em ques­tão era mé­di­co, mas apre­sen­ta­va ir­re­gu­la­ri­da­de em sua ins­cri­ção pe­ran­te o CRM, além de ter as­su­mi­do ris­co des­ne­ces­sá­rio ao re­a­li­zar pro­ce­di­men­to in­va­si­vo em lo­cal não ha­bi­li­ta­do, quer se­ja, seu pró­prio apar­ta­men­to.

Tem-se co­nhe­ci­men­to de al­gu­mas uni­ver­si­da­des que fal­si­fi­cam di­plo­mas de Me­di­ci­na, co­lo­can­do em ris­co a po­pu­la­ção de paí­ses co­mo Bra­sil e Ar­gen­ti­na. Fal­sos di­plo­mas, por exem­plo, ex­pe­di­dos na Bo­lí­via têm fa­ci­li­ta­do gol­pes. Há pro­mes­sa de fun­cio­ná­rios de cer­tas ins­ti­tu­i­ções pa­ra es­tu­dan­tes que não que­rem ter­mi­nar o cur­so e vê­em fa­ci­li­da­des na ob­ten­ção do tí­tu­lo de mé­di­co. Mui­tos con­se­guem in­clu­si­ve a apro­va­ção no Re­va­li­da do CRM e tra­ba­lham no sis­te­ma pú­bli­co de sa­ú­de.

Va­le fri­sar que a pes­soa que exer­ce a Me­di­ci­na sem es­tar qua­li­fi­ca­do e au­to­ri­za­do pa­ra a pro­fis­são po­de­rá res­pon­der cri­mi­nal­men­te e ci­vil­men­te pe­los atos ile­gais co­me­ti­dos. Pe­lo atu­al Có­di­go Pe­nal bra­si­lei­ro, é cri­me o exer­cí­cio ile­gal da me­di­ci­na, pre­vis­to no ar­ti­go 282 e a pe­na é de seis mes­es a dois anos de de­ten­ção.

Ade­mais, es­ses pro­fis­si­o­nais que cau­sa­rem da­nos po­de­rão res­pon­der por ho­mi­cí­dio e le­são cor­po­ral. Se­rá que o cri­me re­al­men­te com­pen­sa?

 

(San­dra Fran­co, con­sul­to­ra ju­rí­di­ca es­pe­cia­li­za­da em Di­rei­to Mé­di­co e da Sa­ú­de, pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to da Sa­ú­de e Res­pon­sa­bi­li­da­de Mé­di­co-Hos­pi­ta­lar da OAB de São Jo­sé dos Cam­pos (SP), pre­si­den­te da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Di­rei­to Mé­di­co e da Sa­ú­de, mem­bro do Co­mi­tê de Éti­ca da Unesp pa­ra pes­qui­sa em se­res hu­ma­nos e dou­to­ran­da em Sa­ú­de Pú­bli­ca)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais