Opinião

Medellín em gotas - 13ª - Concepção cristã da paz

diario da manha

Fa­lan­do da “con­cep­ção cris­tã da paz”, a II Con­fe­rên­cia Ge­ral do Epis­co­pa­do La­ti­no-ame­ri­ca­no e Ca­ri­be­nho de Me­del­lín re­co­nhe­ce que “a re­a­li­da­de des­cri­ta cons­ti­tui uma ne­ga­ção da paz (uma si­tu­a­ção de an­ti­paz), tal co­mo a en­ten­de a tra­di­ção cris­tã”.

Os par­ti­ci­pan­tes da Con­fe­rên­cia des­ta­cam três no­tas que ca­rac­te­ri­zam a con­cep­ção cris­tã da paz.

  1. “A paz é, an­tes de mais na­da, obra da jus­ti­ça (Gau­di­um et Spes – GS 73); ela su­põe e exi­ge a ins­tau­ra­ção de uma or­dem jus­ta (Pa­cem in Ter­ris – PT 167; Po­pu­lo­rum Pro­gres­sio – PP 76) na qual to­dos os se­res hu­ma­nos pos­sam re­a­li­zar-se co­mo se­res hu­ma­nos, on­de sua dig­ni­da­de se­ja res­pei­ta­da, su­as le­gí­ti­mas as­pi­ra­ções sa­tis­fei­tas, seu aces­so à ver­da­de re­co­nhe­ci­do e sua li­ber­da­de pes­so­al ga­ran­ti­da. Uma or­dem na qual os se­res hu­ma­nos não se­jam ob­je­tos, se­não agen­tes de sua pró­pria his­tó­ria”.

Que uto­pia bo­ni­ta! É a So­ci­e­da­de do Bem Vi­ver e do Bem Con­vi­ver, que to­dos e to­das nós bus­ca­mos; é o Rei­no de Deus que to­dos e to­das nós que­re­mos que acon­te­ça na his­tó­ria do ser hu­ma­no e do mun­do!

Por­tan­to – di­zem os bis­pos – “on­de exis­tem in­jus­ti­ça, de­si­gual­da­de en­tre os se­res hu­ma­nos e as na­ções, aten­ta-se con­tra a paz (Men­sa­gem de Pau­lo VI, 01/01/1968)”. E ain­da: “A paz, na Amé­ri­ca La­ti­na (e Ca­ri­be), não é a sim­ples au­sên­cia de vi­o­lên­cias e de der­ra­ma­men­to de san­gue. A opres­são exer­ci­da pe­los gru­pos de po­der po­de dar a im­pres­são de que a paz e a or­dem es­tão sen­do man­ti­das, mas na re­a­li­da­de, não se tra­ta se­não do ‘ger­me con­tí­nuo e ine­vi­tá­vel de re­be­li­ões e guer­ras’” (Ib.).

A paz “não se con­se­gue se­não cri­an­do uma or­dem no­va que ‘com­por­te uma jus­ti­ça mais per­fei­ta en­tre os se­res hu­ma­nos’ (PP 76). Nes­se sen­ti­do, o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral do ser hu­ma­no, a pas­sa­gem de con­di­ções me­nos hu­ma­nas pa­ra con­di­ções mais hu­ma­nas é o no­me no­vo da paz”.

  1. “A paz é, em se­gun­do lu­gar, uma ta­re­fa per­ma­nen­te (GS 78). A co­mu­ni­da­de hu­ma­na re­a­li­za-se no tem­po e es­tá su­jei­ta a um mo­vi­men­to que im­pli­ca cons­tan­te­men­te em mu­dan­ças de es­tru­tu­ra, trans­for­ma­ções de ati­tu­des, con­ver­são de co­ra­ções”.

Re­pa­rem: em Me­del­lín, os bis­pos co­lo­cam as “mu­dan­ças de es­tru­tu­ra”, em pri­mei­ro lu­gar. E a Igre­ja, ho­je? Tem es­sa ma­nei­ra de ver a re­a­li­da­de?

Os par­ti­ci­pan­tes da Con­fe­rên­cia afir­mam ain­da: “A ‘tran­qui­li­da­de da or­dem’, se­gun­do a de­fi­ni­ção agos­ti­nia­na da paz, não é, por­tan­to, pas­si­vi­da­de nem con­for­mis­mo. Não é, tam­pou­co, al­go que se ad­qui­ra de uma vez por to­das, é o re­sul­ta­do de um con­tí­nuo es­for­ço de adap­ta­ção às no­vas cir­cun­stân­cias, às exi­gên­cias e de­sa­fi­os de uma his­tó­ria em mu­ta­ção. Uma paz es­tá­ti­ca e apa­ren­te po­de ser al­can­ça­da com o em­pre­go da for­ça; uma paz au­tên­ti­ca im­pli­ca lu­ta, ca­pa­ci­da­de in­ven­ti­va, con­quis­ta per­ma­nen­te (Cf. Pau­lo VI, ib.)”.

De­cla­ram, pois: “A paz não se acha, há que cons­truí-la. O cris­tão é um ar­te­são da paz (Mt 5,9). Es­ta ta­re­fa, da­da a si­tu­a­ção des­cri­ta aci­ma, re­ves­te-se de um ca­rá­ter es­pe­ci­al, em nos­so con­ti­nen­te; por is­so, o Po­vo de Deus na Amé­ri­ca La­ti­na (e Ca­ri­be), se­gui­do o exem­plo de Cris­to, de­ve­rá en­fren­tar com au­dá­cia e va­len­tia o ego­ís­mo, a in­jus­ti­ça pes­so­al e a co­le­ti­va”.

Re­pa­rem no­va­men­te: “com au­dá­cia e va­len­tia”! A Igre­ja tem ho­je “es­sa au­dá­cia e es­sa va­len­tia”?

  1. “A paz é, fi­nal­men­te, fru­to do amor (GS 78), ex­pres­são de uma re­al fra­ter­ni­da­de en­tre os se­res hu­ma­nos. Fra­ter­ni­da­de tra­zi­da por Cris­to, prín­ci­pe da paz, ao re­con­ci­li­ar to­dos os se­res hu­ma­nos com o Pai. A so­li­da­ri­e­da­de hu­ma­na não po­de ser re­a­li­za­da se­não em Cris­to, que dá a paz que o mun­do não po­de dar (cf. Jo 14,27). O amor é a al­ma da jus­ti­ça. O cris­tão que tra­ba­lha pe­la jus­ti­ça so­ci­al de­ve cul­ti­var sem­pre a paz e o amor em seu co­ra­ção”. Re­pa­rem, mais uma vez: “o amor é a al­ma da jus­ti­ça”!

En­fim, os par­ti­ci­pan­tes da Con­fe­rên­cia re­co­nhe­cem: “A paz com Deus é o fun­da­men­to úl­ti­mo da paz in­te­ri­or e da paz so­ci­al… Por is­so mes­mo, on­de a paz so­ci­al não exis­te, on­de há in­jus­ti­ças, de­si­gual­da­des so­ci­ais, po­lí­ti­cas, eco­nô­mi­cas e cul­tu­ra­is, re­jei­ta-se o dom da paz do Se­nhor; mais ain­da, re­jei­ta-se o pró­prio Se­nhor (Mt 25,31-46)”.

Co­mo são atu­ais as pa­la­vras de Me­del­lín so­bre a “con­cep­ção cris­tã da paz”! São pa­la­vras pro­fé­ti­cas que pre­ci­sam ser me­di­ta­das e, so­bre­tu­do, vi­vi­das! “A paz es­te­ja com vo­cês!”. É a sa­u­da­ção de Je­sus de Na­za­ré! Se­ja­mos cons­tru­to­res da ver­da­dei­ra paz!

 

(Mar­cos Sas­sa­tel­li, fra­de do­mi­ni­ca­no, dou­tor em Fi­lo­so­fia (USP) e em Te­o­lo­gia Mo­ral (As­sun­ção – SP), pro­fes­sor apo­sen­ta­do de Fi­lo­so­fia da UFG E-mail: mpsas­sa­tel­[email protected] )

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais