Opinião

“O Brasil não é um País sério”

O Bra­sil es­tá pas­san­do por uma das mais gra­ves cri­ses de sua his­tó­ria. Te­mos um dé­fi­cit fis­cal de R$ 140 bi­lhões, um mo­de­lo pre­vi­den­ci­á­rio in­vi­á­vel a mé­dio pra­zo, um sis­te­ma po­lí­ti­co fa­li­do, uma edu­ca­ção de pés­si­ma qua­li­da­de. Cer­ca de 140 pes­so­as mor­rem por dia em hos­pi­tais e pos­tos de sa­ú­de pú­bli­cos, a mai­o­ria por fal­ta de aten­di­men­to. Uma in­fra­es­tru­tu­ra (tran­spor­tes, ener­gia, re­cur­sos hí­dri­cos) de­fi­cien­te, que en­ca­re­ce a pro­du­ção de bens, 27 mi­lhões de de­so­cu­pa­dos, uma in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca que ini­be in­ves­ti­men­tos, mais de 63.000 bra­si­lei­ros fo­ram as­sas­si­na­dos em 2017. Até quan­do su­por­ta­re­mos es­se es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca?

Em 45 di­as, te­re­mos elei­ções pa­ra car­gos do exe­cu­ti­vo (pre­si­den­te e go­ver­na­do­res) e pa­ra o le­gis­la­ti­vo (se­na­do­res, de­pu­ta­dos fe­de­ra­is e de­pu­ta­dos es­ta­du­ais). Gran­de par­te da po­pu­la­ção an­seia por mu­dan­ças e trans­for­ma­ções ur­gen­tes. Já não aguen­ta­mos mais a cor­rup­ção en­dê­mi­ca, o des­per­dí­cio de di­nhei­ro pú­bli­co, os pri­vi­lé­gios dos agen­tes pú­bli­cos. Re­cen­te­men­te a pre­si­den­te do STF, de­cla­rou que: “O ci­da­dão de­ve es­tar can­sa­do de to­dos nós”, re­fe­rin­do-se aos ocu­pan­tes das nos­sas ins­ti­tu­i­ções re­pu­bli­ca­nas. Trá­gi­ca e ver­da­dei­ra cons­ta­ta­ção. Mas o pró­prio po­der ju­di­ci­á­rio apro­vou um au­men­to de 16% no sa­lá­rio da ma­gis­tra­tu­ra, ale­gan­do que es­tão na pe­nú­ria (sic). Com­pa­ran­do: o sa­lá­rio mé­dio men­sal da clas­se tra­ba­lha­do­ra gi­ra em tor­no de R$ 2.200,00 en­quan­to “ape­nas” o au­xí­lio mo­ra­dia dos ju­í­zes é de R$ 4.700,00. Até quan­do acei­ta­re­mos pri­vi­lé­gios com di­nhei­ro pú­bli­co?

Ve­xa­mes con­ti­nuam acon­te­cen­do di­a­ria­men­te. O lí­der nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to pa­ra pre­si­den­te foi jul­ga­do, con­de­na­do e es­tá pre­so. No en­tan­to, seu par­ti­do cla­ra­men­te zom­ba da lei. Sa­be­dor que o sis­te­ma ju­rí­di­co tem re­cur­sos “ad in­fi­ni­tum”, pro­cu­ra en­ga­nar o elei­tor, usan­do de to­das as ar­ti­ma­nhas pa­ra pos­ter­gar ao má­xi­mo a de­ci­são do TSE, a res­pei­to da ele­gi­bi­li­da­de do “can­di­da­to” pre­si­di­á­rio. Uma si­tu­a­ção no mí­ni­mo cons­tran­ge­do­ra pa­ra o nos­so pro­ces­so elei­to­ral. Até quan­do aguen­ta­re­mos es­sa (in)jus­ti­ça?

“O Bra­sil não é um Pa­ís sé­rio”, a fra­se bem co­nhe­ci­da e atri­bu­í­da a Char­les de Gaul­le, na ver­da­de não é de­le. En­tre 1961 e 1963, Bra­sil e Fran­ça ti­ve­ram um con­ten­cio­so, bar­cos fran­ces­es vi­nham pes­car la­gos­tas na cos­ta bra­si­lei­ra. Uma ten­são mi­li­tar se es­ta­be­le­ceu en­tre os dois paí­ses. Em meio à pen­den­ga, Mo­rei­ra da Sil­va, can­tor, lan­çou um sam­ba in­ti­tu­la­do “A la­gos­ta é nos­sa”, que sa­ti­ri­za­va a si­tu­a­ção. Um di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro que par­ti­ci­pa­va das con­ver­sa­ções com os fran­ces­es, ou­vin­do o sam­ba, pro­fe­riu en­tão a fra­se, que se tor­nou fa­mo­sa.

Até quan­do con­ti­nu­a­re­mos a fa­zer pia­das com si­tu­a­ções sé­rias?

 

(Cel­so Trac­co, eco­no­mis­ta e es­cri­tor, au­tor do li­vro Às Mar­gens do Ipi­ran­ga – a es­pe­ran­ça em so­bre­vi­ver nu­ma so­ci­e­da­de de­si­gual)

tags:

Comentários