Opinião

O que o futuro nos trará

diario da manha

Aos cin­co anos de ida­de, nas­ci­do na ci­da­de mi­nei­ra de São Lou­ren­ço, Hei­tor Gur­gu­li­no de Sou­za caiu de uma pon­te e foi sal­vo por um sur­do que a tu­do as­sis­tia. Ga­nhou di­rei­to a uma vi­da exem­plar co­mo ci­da­dão e edu­ca­dor e ago­ra co­me­mo­rou em Bra­sí­lia, en­tre ami­gos e fa­mi­lia­res, os seus pri­mei­ros 90 anos.

Gur­gu­li­no, sem­pre acom­pa­nha­do da es­po­sa Lí­li­an, é pre­si­den­te do Ca­pí­tu­lo Bra­si­lei­ro do Clu­be de Ro­ma e pre­si­den­te da Aca­de­mia Mun­di­al de Ar­te e Ci­ên­cia (WA­AS). Foi du­ran­te 10 anos rei­tor da Uni­ver­si­da­de das Na­ções Uni­das, em Tó­quio, e ho­je é mem­bro da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Edu­ca­ção. Com es­ses tí­tu­los é fá­cil su­por os seus tra­ba­lhos em fa­vor do fu­tu­ro da hu­ma­ni­da­de, com a pri­o­ri­da­de de­vi­da à edu­ca­ção.

De­pois de lan­çar em 1972 o li­vro “Li­mi­tes do Cres­ci­men­to”, o Clu­be de Ro­ma pres­ti­giou a edi­ção de “2052 – Uma pre­vi­são glo­bal pa­ra os pró­xi­mos 40 anos’, do au­tor no­ru­e­guês Jor­gen Ran­gers, que tem um bem ela­bo­ra­do tra­ba­lho em lín­gua por­tu­gue­sa, já em nos­sas prin­ci­pa­is bi­bli­o­te­cas. Ele é um es­pe­cia­lis­ta em Es­tra­té­gia Cli­má­ti­ca e es­te­ve no Bra­sil, a con­vi­te do nos­so Se­na­do, pa­ra nos aler­tar so­bre os cui­da­dos que de­ve­mos ter com o nos­so fu­tu­ro.

Ba­se­a­do em pes­qui­sas mui­to bem es­tru­tu­ra­das e em tra­ba­lhos de di­ver­sos eco­no­mis­tas, ci­en­tis­tas e ou­tros pro­fis­si­o­nais pre­o­cu­pa­dos com o bem-es­tar da hu­ma­ni­da­de, o li­vro de Jor­gen Ran­gers ori­en­ta so­bre co­mo li­dar com ques­tões im­por­tan­tes no fu­tu­ro, ou se­ja: as con­se­quên­cias das mu­dan­ças cli­má­ti­cas, o pe­ri­go da fal­ta de co­mi­da e de ener­gia, a ele­va­ção no ní­vel das emis­sões de ga­ses do efei­to es­tu­fa que vem pro­vo­can­do o au­men­to das tem­pe­ra­tu­ras glo­bais etc.

Ao apon­tar as ques­tões cen­tra­is, que po­dem le­var, ao que au­tor cha­ma de “re­vo­lu­ção da sus­ten­ta­bi­li­da­de”, ele se de­bru­ça na aná­li­se de te­mas co­mo sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta, cres­ci­men­to eco­nô­mi­co, de­mo­cra­cia, har­mo­nia ge­ra­ci­o­nal e cli­ma. Mas faz um aler­ta: não po­de­mos es­pe­rar que ocor­ra um pro­gres­so ime­di­a­to. Afi­nal, as mu­dan­ças sis­tê­mi­cas, que in­flu­en­ciam a vi­da da so­ci­e­da­de, pre­ci­sam de um bom tem­po pa­ra se­rem im­plan­ta­das.

A for­ça do li­vro “2052 – Uma pre­vi­são glo­bal pa­ra os pró­xi­mos 40 anos” es­tá, prin­ci­pal­men­te, nas pre­vi­sões dos pro­ble­mas mun­di­ais, e nas pos­sí­veis so­lu­ções. Pa­ra Jor­gen Ran­gers, a po­pu­la­ção tem so­bre­car­re­ga­do os re­cur­sos do pla­ne­ta, pro­vo­can­do co­lap­sos em al­guns se­to­res. Por is­so, ele fa­la da ne­ces­si­da­de de in­ves­ti­men­tos ex­tras pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­du­tos, sub­sti­tui­ção de sis­te­mas que já se apre­sen­tam es­go­ta­dos, con­ser­to de ins­ta­la­ções da­ni­fi­ca­das e adap­ta­ções de in­fra­es­tru­tu­ras pa­ra pro­te­ger con­tra fu­tu­ros da­nos cli­má­ti­cos.

O au­tor do li­vro tam­bém dis­cor­re so­bre a es­tag­na­ção do con­su­mo no mun­do, che­gan­do a ad­mi­tir que ha­ve­rá que­da em al­guns lu­ga­res. E si­na­li­za que, pa­ra pre­ve­nir au­men­to dos de­sas­tres na­tu­ra­is – on­das de ca­lor, en­chen­tes, au­men­to do ní­vel do mar e ven­tos for­tes -, o mun­do te­rá que ele­var, pro­por­ci­o­nal­men­te, os in­ves­ti­men­tos glo­bais, que po­de­ri­am che­gar a 36% do PIB mun­di­al. Se­rá que os paí­ses es­ta­ri­am dis­pos­tos a as­su­mir es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de?

Nu­ma aná­li­se fria, a pre­vi­são dos des­do­bra­men­tos glo­bais até 2052 é até som­bria, mas não ca­tas­tró­fi­ca. No fi­nal do li­vro, Jor­gen Ran­gers de­mons­tra o seu de­se­jo de que é pos­sí­vel “cri­ar um mun­do mui­to me­lhor”. E ape­la pa­ra que os go­ver­nan­tes fa­çam sua par­te, e com is­so des­min­tam as su­as pre­vi­sões, tor­nan­do-as in­cor­re­tas.

 

(Ar­nal­do Niski­er, da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras, pre­si­den­te do Ciee-RJ e Dou­tor  em Edu­ca­ção pe­la UERJ)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais