diario da manha

Ima­gens im­pres­sio­nan­tes re­gis­tra­das em mar­ço des­te ano mos­tran­do a for­ça das águas em me­tró­po­les co­mo São Pau­lo, Be­lo Ho­ri­zon­te, Rio de Ja­nei­ro e em nos­sa ca­pi­tal Go­i­â­nia evi­den­ci­a­ram o gra­ve pro­ble­ma da fal­ta de dre­na­gem ur­ba­na. Mas o pro­ble­ma, in­fe­liz­men­te, não se res­trin­ge às gran­des ci­da­des. Mu­ni­cí­pios pe­que­nos tam­bém têm se de­pa­ra­do com es­se dra­ma. Em Go­i­ás, por exem­plo, Pi­re­nó­po­lis e Ci­da­de de Go­i­ás, pa­ra ci­tar ape­nas du­as, já ti­ve­ram que re­cons­tru­ir par­te de sua in­fra­es­tru­tu­ra ur­ba­na de­vi­do a es­tra­gos pro­vo­ca­dos por en­chen­tes e ala­ga­men­tos.

Nes­ses mu­ni­cí­pios me­no­res, mui­tas ve­zes, a fal­ta de re­cur­sos pa­ra re­a­li­za­ção de obras de dre­na­gem ur­ba­na aca­ba tor­nan­do-se um agra­van­te. Nes­se sen­ti­do, a con­tri­bui­ção e o en­vol­vi­men­to da ini­ci­a­ti­va pri­va­da po­dem aju­dar, e mui­to, mu­dan­do pa­ra me­lho­rar a re­a­li­da­de de mo­ra­do­res co­mo na Rua San­ta Bár­ba­ra, em Pi­re­nó­po­lis, por exem­plo.

Por dé­ca­das, o lo­cal so­freu com en­chen­tes e ala­ga­men­tos por fal­ta de uma es­tru­tu­ra ade­qua­da de dre­na­gem. Mas nes­se úl­ti­mo pe­rí­o­do chu­vo­so foi di­fe­ren­te. Obras re­a­li­za­das pe­lo Eco­Re­sort San­ta Bár­ba­ra trou­xe­ram tran­qui­li­da­de pa­ra os mo­ra­do­res da Rua San­ta Bár­ba­ra e vi­as ad­ja­cen­tes.

Fo­ram im­plan­ta­das ao lon­go da via vá­ri­as  bo­cas de lo­bo pa­ra uma me­lhor cap­ta­ção da en­xur­ra­da ge­ra­da pe­las chu­vas. Tam­bém fo­ram cons­tru­í­dos cer­ca de 450 me­tros de ga­le­rias plu­vi­ais e uma ba­cia de ga­bi­ão com (pa­re­des fei­tas de pe­dras pre­sas por uma te­la de aço) com de­graus que vi­sam amor­te­cer a ve­lo­ci­da­de das águas, pa­ra que es­tas che­guem ao Cór­re­go da Pra­ta sem cau­sar ne­nhum pre­ju­í­zo am­bien­tal.

Vi­ve­mos a era da co­la­bo­ra­ção, do com­par­ti­lha­men­to de res­pon­sa­bi­li­da­des e re­sul­ta­dos. Por is­so o que ocor­reu na Rua San­ta Bár­ba­ra é um bom exem­plo de co­mo se­tor pri­va­do, so­ci­e­da­de ci­vil e po­der pú­bli­co po­dem ser unir pa­ra me­lho­rar os ser­vi­ços e a qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as. E por fa­lar em co­la­bo­ra­ção, va­le lem­brar que a po­pu­la­ção pre­ci­sa dar a sua to­dos os di­as, cu­i­dan­do ade­qua­da­men­te do li­xo, ou­tro fa­tor que con­tri­bui pa­ra o pro­ble­ma de en­chen­tes e ala­ga­men­tos.

As ci­da­des his­tó­ri­cas, em par­ti­cu­lar, re­ser­vam gran­des de­sa­fi­os, pois nes­ses es­pa­ços é pre­ci­so mui­to ze­lo com pro­je­tos e in­ter­ven­ções ur­ba­nas pa­ra que não ha­ja des­ca­rac­te­ri­za­ção ou qual­quer ti­po de pre­ju­í­zo ao pa­tri­mô­nio his­tó­ri­co.

Por­tan­to, qual­quer que se­ja o pro­ble­ma ela tem im­pac­tos a to­dos, por­tan­to, é pre­ci­so da par­ti­ci­pa­ção de to­dos pa­ra so­lu­cio­ná-los.

 

(Ju­li­a­na Mes­qui­ta, ar­qui­te­ta)

Comentários