Opinião

Reforma trabalhista e a falta da assimetria na relação empregado e empresa

diario da manha

Em vi­gor des­de no­vem­bro do ano pas­sa­do, a re­for­ma tra­ba­lhis­ta es­tá pos­ta e inú­me­ras ques­tões re­la­ci­o­na­das a ela es­tão pre­sen­tes no dia a dia das em­pre­sas e dos pro­ces­sos na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. A mai­or par­te das aná­li­ses bus­cam ava­li­ar se a mu­dan­ça na le­gis­la­ção foi e tem si­do fa­vo­rá­vel ou con­trá­ria ao em­pre­ga­do e ao em­pre­ga­dor. En­tre­tan­to, se­rá es­se o me­lhor ân­gu­lo de aná­li­se?

Cer­ta­men­te, es­te não é me­lhor ca­mi­nho. É pre­ci­so fa­zer uma ava­li­a­ção crí­ti­ca so­bre dois prin­ci­pa­is pon­tos: a fal­ta de ou­tras im­por­tan­tes re­for­mas que de­ve­ri­am ter si­do re­a­li­za­das an­te­rior­men­te bem co­mo a ten­ta­ti­va da no­va le­gis­la­ção em re­du­zir a as­si­me­tria en­tre em­pre­ga­dos e em­pre­ga­do­res.

O pre­va­le­ci­men­to do ne­go­ci­a­do so­bre o le­gis­la­do, co­mo é sa­bi­do, foi uma das mu­dan­ças mais dis­cu­ti­das em re­la­ção à no­va le­gis­la­ção. A re­for­ma fez com que as ne­go­ci­a­ções en­tre em­pre­ga­dos e em­pre­ga­do­res, in­ter­me­di­a­da pe­los sin­di­ca­tos de su­as res­pec­ti­vas ca­te­go­ri­as, pas­sas­sem a va­ler mais do que o que é de­ter­mi­na­do pe­la lei em mui­tas hi­pó­tes­es. Tal mu­dan­ça, en­tre­tan­to, não de­ve­ria ter si­do fei­ta sem uma re­for­ma que ga­ran­tis­se que as vo­zes dos em­pre­ga­dos e dos em­pre­ga­do­res se­jam re­al­men­te ou­vi­das.

Ao mes­mo tem­po que é ine­gá­vel a im­por­tân­cia dos sin­di­ca­tos pa­ra a de­fe­sa dos di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res, o sin­di­ca­lis­mo bra­si­lei­ro se ca­rac­te­ri­za por ser vin­cu­la­do ao po­der es­ta­tal e são pou­cos os sin­di­ca­tos ho­je que atuam efe­ti­va­men­te re­pre­sen­tan­do as su­as res­pec­ti­vas ca­te­go­ri­as. A Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral as­se­gu­ra o di­rei­to à li­vre as­so­cia­ção dos tra­ba­lha­do­res por meio de uma au­to­ri­za­ção do po­der exe­cu­ti­vo, com o ob­je­ti­vo de que não ha­ja mais de uma en­ti­da­de tra­ba­lhis­ta ou pa­tro­nal re­pre­sen­tan­do uma ca­te­go­ria em uma mes­ma ba­se ter­ri­to­ri­al.

Es­ta au­to­ri­za­ção per­mi­te que os sin­di­ca­tos, co­mo faz em mui­tos mo­men­tos tam­bém o Es­ta­do, pos­sa co­brar os tra­ba­lha­do­res sem dar em tro­ca a de­vi­da con­tra­par­ti­da. Tra­ta-se de um pro­ble­ma que po­de­ria ser re­sol­vi­do por meio de uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que aca­bas­se com a uni­ci­da­de sin­di­cal, de mo­do que os sin­di­ca­tos pu­des­sem con­cor­rer en­tre si no mer­ca­do pe­la re­al re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de en­tre su­as res­pec­ti­vas ca­te­go­ri­as.

Ou­tra re­for­ma im­por­tan­te tra­ta-se da fis­cal. E que te­ria de ser re­a­li­za­da an­te­rior­men­te à tra­ba­lhis­ta. Atu­al­men­te, o prin­ci­pal cus­to da em­pre­sa na re­la­ção tra­ba­lhis­ta é a tri­bu­tá­ria. Uma re­for­ma fis­cal po­de­ria di­mi­nu­ir os im­pos­tos na con­tra­ta­ção de em­pre­ga­dos, ho­je um cus­to ao em­pre­ga­dor mai­or que o FGTS (Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço) e que be­ne­fí­ci­os co­mo as fé­rias, por exem­plo. A re­for­ma tra­ba­lhis­ta foi fei­ta com o ob­je­ti­vo de ge­rar mais em­pre­gos, mas co­mo is­so se­rá pos­sí­vel com in­ci­dên­cias tri­bu­tá­ri­as, sem as de­vi­das con­tra­par­ti­das pa­ra to­dos, que tor­nam a re­la­ção tra­ba­lhis­ta ex­tre­ma­men­te di­fí­cil?

Ou­tro ob­je­ti­vo da re­for­ma tra­ba­lhis­ta que de­ve ser cri­ti­ca­do é so­bre o equi­lí­brio e as­si­me­tria nas re­la­ções tra­ba­lhis­tas en­tre o em­pre­ga­do e o em­pre­ga­dor. Im­por­tan­te res­sal­tar, nes­te pon­to, que o que es­tá no tex­to da lei não ne­ces­sa­ria­men­te se efe­ti­va na prá­ti­ca. Não se­rão no­vas re­gras que irão mu­dar o fa­to de que o em­pre­ga­dor po­de mais e o em­pre­ga­do obe­de­ce.

Va­le fri­sar que o ar­ti­go 9º da CLT (Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho) não foi re­vo­ga­do e pos­sui o es­co­po de tor­nar nu­lo qual­quer ato do em­pre­ga­dor pra­ti­ca­do com o ob­je­ti­vo de des­vir­tu­ar, im­pe­dir ou frau­dar a apli­ca­ção da leis tra­ba­lhis­tas.

Do mes­mo mo­do, os prin­cí­pios do Di­rei­to do Tra­ba­lho não dei­xa­rão de ser le­va­dos em con­ta na prá­ti­ca. Com to­do o res­pei­to, se ele­men­tos pre­vis­tos nos ar­ti­gos 2º e 3º da CLT – co­mo a su­bor­di­na­ção, one­ro­si­da­de, pes­so­a­li­da­de e ha­bi­tu­a­li­da­de – es­ti­ve­rem pre­sen­tes em uma re­la­ção tra­ba­lhis­ta de um em­pre­ga­do con­si­de­ra­do au­tô­no­mo, te­nho a cer­te­za de que mui­tos ju­í­zes do tra­ba­lho re­co­nhe­ce­rão a exis­tên­cia des­sa re­la­ção.

So­bre es­se te­ma, de fa­to, hou­ve uma mu­dan­ça nas úl­ti­mas dé­ca­das do per­fil das em­pre­sas no mun­do pois em­pre­sas dei­xa­ram de ser gran­des li­nhas de pro­du­ção taylo­ris­tas pa­ra di­mi­nu­í­rem de ta­ma­nho e bus­ca­rem te­rem mais ve­lo­ci­da­de e ca­pa­ci­da­de de ges­tão. Mui­tos ges­to­res não fo­ram con­ver­ti­dos em em­pre­ga­dos, mas em pes­so­as ju­rí­di­cas so­bre as qua­is a re­for­ma bus­cou con­ce­der um tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do, os cha­ma­dos PJs ou MEIs.

Ou­tra si­tu­a­ção que po­de­mos ob­ser­var, en­tre­tan­to, con­sis­te no prin­cí­pio da con­di­ção mais be­né­fi­ca ao tra­ba­lha­dor. A no­va le­gis­la­ção, com a ideia do acor­da­do pre­va­le­ci­do so­bre o le­gis­la­do, po­de che­gar a vi­o­lar es­se prin­cí­pio ao não per­mi­tir que um tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal mais fa­vo­rá­vel ao tra­ba­lha­dor va­lha mais que o ins­tru­men­to co­le­ti­vo. É uma mu­dan­ça que jus­ti­fi­ca a pre­o­cu­pa­ção de co­le­gas e vo­zes im­por­tan­tes do mun­do ju­rí­di­co.

O que acon­te­ce é que to­da re­la­ção de tra­ba­lho ne­ces­si­ta de um equi­lí­brio. In­fe­liz­men­te, a pre­ten­sa su­per­pro­te­ção ao em­pre­ga­dor da re­for­ma tra­ba­lhis­ta aca­bou por ge­rar efe­ti­va­men­te, em mui­tos mo­men­tos, uma to­tal des­pro­te­ção. E se tor­nou uma ver­da­dei­ra ar­ma­di­lha pa­ra em­pre­sas e em­pre­ga­dos.

 

(Ri­car­do Pe­rei­ra de Frei­tas Gui­ma­rã­es, dou­tor, mes­tre e Es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo (PUC-SP), pro­fes­sor da pós-gra­du­a­ção da PUC-SP, elei­to pa­ra ocu­par a ca­dei­ra 81 da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Di­rei­to do Tra­ba­lho e só­cio fun­da­dor do es­cri­tó­rio Frei­tas Gui­ma­rã­es Ad­vo­ga­dos As­so­cia­dos)

 

tags:

Comentários