Opinião

Santo Antônio de Pádua – Um amado santo

diario da manha

San­to An­tô­nio de Pá­dua é o san­to mais ve­ne­ra­do e po­pu­lar do Oci­den­te. Em to­da Eu­ro­pa prin­ci­pal­men­te Por­tu­gal, quan­to nas Amé­ri­cas em es­pe­ci­al Amé­ri­ca do Sul seu no­me é acla­ma­do com en­tu­si­as­mo.

Na ver­da­de o no­me de San­to An­tô­nio era Fer­nan­do, fi­lho de pa­is no­bres e ri­cos. Con­tem­po­râ­neo de São Fran­cis­co de As­sis, tam­bém per­ten­ceu à or­dem fran­cis­ca­na on­de fa­zem vo­tos de po­bre­za, cas­ti­da­de e obe­di­ên­cia. Am­bos fi­lhos de fa­mí­lias bas­tan­te abas­ta­das e re­co­nhe­ci­da­men­te im­por­tan­tes. An­tô­nio nas­ceu em ber­ço de san­gue azul, sua mãe Ma­ria Te­re­sa de Tá­vo­ra era da fa­mí­lia re­al das As­tú­ri­as.

Fer­nan­do fu­tu­ro An­tô­nio nas­ceu em Lis­boa no dia 15 de agos­to de 1.195. Do la­do pa­ter­no ele per­ten­cia à no­tá­vel fa­mí­lia de Go­do­fre­do de Bu­lhões. Com­ple­tan­do 10 anos en­trou no Co­lé­gio dos Cô­ne­gos da Ca­te­dral, on­de se fez ad­mi­rar por sua pi­e­da­de an­gé­li­ca. Aos 15 anos re­nun­ci­an­do às van­ta­gens do mun­do, en­tre­gou-se sem re­ser­vas ao ser­vi­ço de Deus. San­to An­tô­nio é um San­to su­per mi­la­gro­so, ele in­ter­ce­de por seus de­vo­tos e te­nho pro­vas im­pres­sio­nan­tes de sua po­de­ro­sa in­ter­ces­são.

Ti­ve a ale­gria de vi­si­tar Pá­dua mais de uma vez, que é uma be­la ci­da­de uni­ver­si­tá­ria ita­li­a­na, dis­tan­te ape­nas 18 km de Ve­ne­za. Lá po­de se ver a lín­gua in­cor­rup­tí­vel, guar­da­da em um re­li­cá­rio de me­tal e cris­tal no al­to do al­tar. De­pois de 32 anos de sua mor­te, com ape­nas 36 anos de ida­de, fo­ram fa­zer os tras­la­dos dos res­tos mor­tais, en­tão en­con­tra­ram a lín­gua in­tac­ta, fres­ca, ver­me­lha co­mo de uma pes­soa vi­va.

Es­sa san­ta lín­gua que foi ins­tru­men­to de tan­tas ma­ra­vi­lhas, que con­ver­te­ra mi­lha­res de pe­ca­do­res e re­u­ni­ra em tor­no de­le os pei­xes do mar pa­ra con­fun­dir a in­di­fe­ren­ça hu­ma­na, es­sa lín­gua que se fi­ze­ra ou­vir em mui­tos idio­mas co­mo no dia de Pen­te­cos­tes, que pu­se­ra em fu­ga de­mô­ni­os, que res­sus­ci­ta­ra mor­tos, con­so­la­ra os tris­tes, afli­tos, cu­ra­ra tan­tas do­en­ças e ma­les hu­ma­nos, es­sa lín­gua que am­pa­ra­ra os po­bres, de­sam­pa­ra­dos, os do­en­tes, es­sa lín­gua que o Pa­pa cha­ma­ra de “Ar­ca do Tes­ta­men­to” on­de Deus pro­fe­ri­ra seus orá­cu­los, es­sa lín­gua que se re­du­zi­ra ao si­lên­cio, pa­ra nos en­si­nar a hu­mil­da­de, a re­nún­cia e a uni­ão com Deus, es­tá re­al­men­te en­tre nós. Po­de se ver ho­je a lín­gua per­fei­ta do San­to dos Po­bres. Em pre­sen­ça de fa­to tão ex­tra­or­di­ná­rio.

O se­rá­fi­co Bo­a­ven­tu­ra não con­te­ve a emo­ção, to­mou-a em su­as mãos e ex­cla­mou “lín­gua ben­di­ta que não ces­sas­te de lou­vor a Deus e que o fi­zes­te lou­var por um nú­me­ro in­fi­ni­to de al­mas, vê-se ago­ra quan­to sois pre­ci­o­sa di­an­te do Cri­a­dor”.

Os fa­mo­sos pã­es ben­tos de San­to An­tô­nio são dis­tri­bu­í­dos aos fi­éis após mis­sas e ora­ções nas igre­jas de­di­ca­das ao hu­mil­de fi­lho de São Fran­cis­co de As­sis. Is­so por­que San­to An­tô­nio saia aos ar­re­do­res das ci­da­des, le­van­do pã­es ao po­vo po­bre que mo­ra­va na­que­la épo­ca por gran­des ex­ten­sões nas ci­da­des eu­ro­pei­as.

Em Go­i­â­nia há vá­ri­as igre­jas e ca­pe­las de­di­ca­das e em hon­ra des­se gran­di­o­sís­si­mo san­to. Quem du­vi­dar de que ele se­ja o San­to dos mi­la­gres, ex­pe­ri­men­te pe­dir uma gra­ça com fé e te­rá gran­de sur­pre­sa: se­rá aten­di­do em pou­co tem­po. Na mais com­pli­ca­das si­tu­a­ções, os fran­cis­ca­nos pe­dem pa­ra ro­gar ao san­to que por seus mé­ri­tos in­ter­ce­de­rá a Je­sus a gra­ça pe­di­da.

Os fra­des fran­cis­ca­nos pe­dem a con­sci­ên­cia lim­pa, pro­mo­ver obras de ca­ri­da­de, per­do­ar as ofen­sas nun­ca vin­gar os ma­les re­ce­bi­dos per­do­ar a to­dos, pro­mo­ver a bon­da­de em to­dos atos com os se­me­lhan­tes e ser hu­mil­de no co­ti­dia­no. “Ele no fa­lha nun­ca”! di­zem seus de­vo­tos. A re­la­ção dos mi­la­gres que pra­ti­cou em vi­da, es­tão do­cu­men­ta­das após cri­te­ri­o­sa apro­va­ção da igre­ja, é de es­tar­re­cer e en­can­tar!

Em Lis­boa po­de-se vi­si­tar a ca­sa on­de nas­ceu, seus apo­sen­tos e em Pá­dua vi­si­ta-se tam­bém a Ba­sí­li­ca on­de es­tá seu tú­mu­lo e prin­ci­pal­men­te o re­li­cá­rio con­ten­do a lín­gua con­ser­va­da até ho­je. In­cor­rup­tí­vel atra­ves­san­do os sé­cu­los. Acho bas­tan­te in­te­res­san­te a La­da­i­nha de San­to An­tô­nio, mas por ser mui­to gran­de não tran­scre­vo aqui. Mas ilus­tro com o res­pon­so que tem sé­cu­los e fa­ma de gran­de va­li­da­de, bas­ta sem­pre e sem­pre con­fi­ar, ter fé. Ali­ás Je­sus dis­se que se ti­ver­mos fé, fa­ría­mos coi­sas que ele fez e até mai­o­res que is­so.

Je­sus dis­se tam­bém que se ti­vés­se­mos fé su­fi­ci­en­te, che­ga­rí­a­mos ao pé da mon­ta­nha e man­da­rí­a­mos que mu­das­se de lu­gar e as­sim acon­te­ce­ria.

 

RES­PON­SO

Sai­ba quem bus­ca mi­la­gres

Que os en­fer­mos sa­ra An­tô­nio

Afu­gen­ta o er­ro, a mor­te

Ca­la­mi­da­de e de­mô­nio

 

Pri­sões e ma­les lhe ce­dem

Sa­ú­de e coi­sas per­di­das

São aos man­ce­bos e aos ve­lhos

Por ele res­ti­tu­í­das

 

Ne­ces­si­da­des pe­ri­gos

Faz ces­sar en­tre os hu­ma­nos

Di­ga-o quem ex­pe­ri­men­tou

E mor­men­te os pa­de­ra­nos

 

Pri­sões e ma­les…

Gló­ria ao Pai, ao Fi­lho, ao Es­pí­ri­to San­to …

Pri­sões e ma­les lhe ce­dem…

Ro­gai por nós bem aven­tu­ra­do An­tô­nio pa­ra que se­ja­mos dig­nos das pro­mes­sas de Cris­to.

Ore­mos:

Oh Deus nós vos su­pli­ca­mos que ale­gre a vos­sa Igre­ja a so­le­ni­da­de Vo­ti­va do bem-aven­tu­ra­do An­tô­nio, vos­so Con­fes­sor e Dou­tor, pa­ra que for­ta­le­ci­da sem­pre com es­pi­ri­tua­is au­xí­li­os, me­re­ça go­zar os pra­ze­res eter­nos. Por Je­sus Cris­to nos­so Se­nhor. Amém

Ter­mi­no es­se sim­ples re­gis­tro so­bre um san­to de im­pres­sio­nan­te po­der e su­gi­ro que ex­pe­ri­men­tem bus­car sua in­ter­ces­são di­an­te de Je­sus, ele nun­ca fa­lha co­mo to­dos di­zem.

Só um de­ta­lhe: pre­ci­sa­mos ter fé – fo­ra dis­so na­da acon­te­ce. Tam­bém lem­brar “Sem obra a fé é mor­ta”. Que obra? A ca­ri­da­de não só em es­mo­las, mas a ca­ri­da­de de não jul­gar o pró­xi­mo, não ati­rar pe­dras, pra­ti­car a ca­ri­da­de em ações, ges­tos, pa­la­vras, ou­vi­dos.

 

(Au­gus­ta Fa­ro, po­e­ta, es­cri­to­ra, mem­bro da Aca­de­mia Fe­mi­ni­na de Le­tras e Ar­tes de Go­i­ás, Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, EBE – Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co de Go­i­ás e pi­o­nei­ra da po­e­sia in­fan­til em Go­i­ás.  Tem os li­vros “A Fri­a­gem” e “Bo­ca Ben­ta de Pai­xão” (con­tos e adul­tos) tra­du­zi­dos em in­glês, es­pa­nhol e ale­mão)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais