Opinião

Sonhos e exemplos

diario da manha

Os lei­to­res sa­bem que li­vros es­cri­tos por jor­na­lis­tas ten­dem a pro­vo­car lei­tu­ras agra­dá­veis e a não pro­vo­car ques­ti­o­na­men­tos in­te­lec­tu­ais. Dois li­vros lan­ça­dos em Bra­sí­lia es­te mês con­fir­mam a pri­mei­ra afir­ma­ção e des­men­tem a se­gun­da. O li­vro Bor­bo­le­tas e Lo­bi­so­mens, de Hu­go Stu­dart, é li­do com o pra­zer de uma boa re­por­ta­gem so­bre a Guer­ri­lha do Ara­gu­aia; o li­vro Pa­ra on­de vai a Igre­ja?, de Ger­son Ca­ma­rot­ti, en­tre­vis­ta cin­co car­de­ais bra­si­lei­ros pa­ra sa­ber on­de es­tá ca­mi­nhan­do a Igre­ja, sob o pa­pa­do de Fran­cis­co.

O li­vro de Stu­dart des­cre­ve a aven­tu­ra de jo­vens da ci­da­de em­bre­nha­dos na sel­va ama­zô­ni­ca, lu­tan­do pa­ra so­bre­vi­ver, der­ro­tar um po­de­ro­so exér­ci­to, fa­zer uma re­vo­lu­ção e im­plan­tar o so­ci­a­lis­mo. As du­as obras nos pro­vo­cam pa­ra o de­ba­te so­bre os dog­mas e seus fra­cas­sos de­vi­do à for­ça do tem­po, que ama­re­la to­dos os li­vros e su­as idei­as. Ca­ma­rot­ti nos pas­sa a aven­tu­ra de um pa­pa com 80 anos ten­tan­do fa­zer uma re­vo­lu­ção e atu­a­li­zar a Igre­ja Ca­tó­li­ca. Os nos­sos jo­vens usa­vam dog­mas cri­a­dos por Marx, Le­nin e Mao pa­ra der­ru­bar uma di­ta­du­ra e im­plan­tar o so­ci­a­lis­mo; Fran­cis­co e seus car­de­ais lu­tam pa­ra der­ru­bar pre­con­cei­tos ar­ra­i­ga­dos há sé­cu­los por in­ter­pre­ta­ções da Bí­blia.

A ide­o­lo­gia dos nos­sos guer­ri­lhei­ros não so­bre­vi­veu à du­ra­ção da pró­pria guer­ri­lha; di­an­te da ve­lo­ci­da­de co­mo ocor­ri­am as mu­dan­ças na re­a­li­da­de, su­as idei­as fi­ca­vam ve­lhas, en­quan­to eles lu­ta­vam por elas. No mes­mo tem­po em que eles lu­ta­vam pe­la re­vo­lu­ção so­ci­al, ou­tros jo­vens em uni­ver­si­da­des ao re­dor do mun­do fa­zi­am a re­vo­lu­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca que trans­for­ma­va o mun­do e fa­zia ob­so­le­tas as idei­as da re­vo­lu­ção guer­ri­lhei­ra; o ca­pi­ta­lis­mo en­con­tra­va fô­le­go, o Par­ti­do Co­mu­nis­ta da URSS se des­fa­zia e os lí­de­res chi­nes­es se pre­pa­ra­vam pa­ra no­vos tem­pos: glo­ba­li­za­ção, ro­bó­ti­ca, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­cial, cri­se eco­ló­gi­ca, es­go­ta­men­to do Es­ta­do, apar­ta­ção so­ci­al, en­ri­que­ci­men­to e in­di­vi­dua­lis­mo de par­te dos tra­ba­lha­do­res do se­tor mo­der­no.

O li­vro de Stu­dart nos per­mi­te per­ce­ber co­mo aque­les jo­vens que­ri­am fa­zer his­tó­ria, sem per­ce­ber o ru­mo que ela to­ma­va, in­de­pen­den­te­men­te de­les e dos mi­li­ta­res que en­fren­ta­vam. Mos­tra tam­bém o he­ro­ís­mo e a ca­pa­ci­da­de de so­nhar dos guer­ri­lhei­ros. O au­tor tra­ta da im­por­tân­cia dos so­nhos co­mo o ali­cer­ce pa­ra for­mar ca­da guer­ri­lhei­ro e uni-los na sel­va com ar­mas na mão. Is­so nos faz es­pe­cu­lar qua­is os so­nhos que mo­ti­va­ri­am os jo­vens de ho­je pa­ra lu­tar pe­la cons­tru­ção de um mun­do me­lhor, mais pa­cí­fi­co e mais jus­to, mais efi­ci­en­te e mais aco­lhe­dor.

Os jo­vens do Ara­gu­aia acha­vam que is­to era pos­sí­vel pe­la to­ma­da do po­der e a es­ta­ti­za­ção dos mei­os de pro­du­ção com o Es­ta­do con­tro­la­do pe­lo par­ti­do a ser­vi­ço do po­vo. Os jo­vens guer­ri­lhei­ros não sa­bi­am que não se con­se­gue fa­zer uma so­ci­e­da­de jus­ta sem ter uma eco­no­mia efi­ci­en­te. Des­co­briu-se que o Es­ta­do ser­ve sem­pre à mi­no­ria que o con­tro­la, se­jam in­dus­tri­ais, se­jam la­ti­fun­di­á­rios, ban­quei­ros, mi­li­ta­res, ju­í­zes ou ser­vi­do­res ci­vis, não im­por­ta o par­ti­do; des­co­briu-se tam­bém que pa­ra fi­car no po­der o par­ti­do e seus mi­li­tan­tes são ca­pa­zes de de­pre­dar o Es­ta­do, acei­tar pro­pi­nas, des­tru­ir a efi­ci­ên­cia da eco­no­mia, ten­tan­do en­ga­nar ao po­vo.

Eles nos de­ram o exem­plo de he­ro­ís­mo e de lu­ta a ser se­gui­do ho­je, com no­vas idei­as e no­vos mé­to­dos. Não mais as ar­mas, mas as ur­nas; não mais es­ta­ti­zar a eco­no­mia e a so­ci­e­da­de, mas pro­mo­ver a li­ber­da­de, cons­tru­in­do uma eco­no­mia efi­ci­en­te e as­se­gu­ran­do igual­da­de no aces­so à edu­ca­ção e à sa­ú­de, in­de­pen­den­te­men­te da ren­da e do en­de­re­ço da fa­mí­lia; res­pei­tan­do o meio am­bi­en­te; pro­mo­ven­do a ci­ên­cia e tec­no­lo­gia; sem cor­rup­ção e com de­mo­cra­cia; não só em seu pa­ís, mas em to­do o imen­so mun­do glo­bal de ho­je.

Stu­dart de­di­ca es­pa­ço à per­gun­ta que le­vou um jo­vem a sa­ir do acon­che­go con­for­tá­vel de sua fa­mí­lia de clas­se mé­dia em ci­da­des pa­ra em­bre­nhar-se na ma­ta inós­pi­ta, dis­pos­to a mor­rer e ma­tar. Sua res­pos­ta é de que fo­ram os so­nhos de mu­dar o mun­do com re­vo­lu­ção pa­ra cons­tru­ir uto­pia. Ca­ma­rot­ti co­me­ça ca­da en­tre­vis­ta per­gun­tan­do as ra­zões que le­va­ram o car­de­al ao sa­cer­dó­cio; de to­dos eles ou­viu que ti­nham so­nho de re­a­li­za­ção es­pi­ri­tual e tam­bém exem­plo de re­li­gi­o­sos e san­tos. Is­so nos le­va a per­gun­tar qual o so­nho pa­ra ins­pi­rar os jo­vens de ho­je à von­ta­de de mu­dar o mun­do, e em que exem­plo de vi­da se ba­se­a­ri­am pa­ra es­co­lher a lu­ta no lu­gar do con­for­to.

A prin­ci­pal ta­re­fa dos fi­ló­so­fos e dos po­lí­ti­cos de ho­je é pro­vo­car so­nhos co­le­ti­vos nos jo­vens pa­ra que eles quei­ram mu­dar o Bra­sil e o mun­do; e dar exem­plo de vi­da pa­ra le­gi­ti­mar os so­nhos.

 

(Cris­to­vam Bu­ar­que, se­na­dor pe­lo PPS-DF Ar­ti­go pu­bli­ca­do pe­lo  Jor­nal Cor­reio Bra­zi­li­en­se – 31/07/2018)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais