Opinião

Terapia do futuro

diario da manha

Vi­ve­mos uma épo­ca mui­to con­tur­ba­da, ple­na de apre­en­sões em to­dos os sen­ti­dos: cri­se eco­nô­mi­ca, mui­ta vi­o­lên­cia, res­pi­ra­mos me­do no ar que ina­la­mos. Lo­go nós, bra­si­lei­ros, que so­mos um po­vo ale­gre, sem­pre de bem com a vi­da, a tal pon­to que nos co­nhe­cem, lá fo­ra, co­mo o lu­gar on­de tu­do vi­ra piz­za…

Mas ago­ra, até a piz­za an­da es­cas­sa!

Ha­ve­rá uma for­ma de con­tro­lar ou mi­ni­mi­zar es­sa ten­dên­cia que nos ar­ras­ta pa­ra o des­gas­te fí­si­co, pa­ra a fá­cil exaus­tão, o de­sen­can­to, a des­mo­ti­va­ção?

Ne­ces­si­ta­mos, com ur­gên­cia, de equi­li­brar as emo­ções, de aqui­e­tar a men­te, mas tem que ser al­go mui­to aces­sí­vel, que se­ja rá­pi­do e ba­ra­to.

Não va­le pen­sar em afas­ta­men­to das obri­ga­ções, al­go ela­bo­ra­do em com­ple­xi­da­des que exi­jam mai­o­res gas­tos por­que não há re­cur­sos pa­ra bus­car na­da so­fis­ti­ca­do nem exó­ti­co.

Só po­de­mos con­tar co­nos­co mes­mos e com a enor­me ne­ces­si­da­de de res­tau­rar ener­gi­as pa­ra con­ti­nu­ar­mos fir­mes no ba­ten­te.

Re­cor­ra­mos a um mé­to­do an­ti­go que já deu e tem da­do cer­to, no de­cor­rer dos sé­cu­los: a Ar­te da Me­di­ta­ção. Re­cur­so pa­ra tran­qui­li­zar a men­te, as emo­ções e o cor­po.

Ire­mos nos aqui­e­tar pa­ra re­pen­sar a pró­pria vi­da, pa­ra de­sen­vol­ver a per­cep­ção de nós mes­mos; se­rá um trei­na­men­to sis­te­má­ti­co da aten­ção, quan­do de­sen­vol­ve­re­mos a con­cen­tra­ção e agu­ça­re­mos a per­cep­ção.

Pa­ra is­so, pro­cu­re re­pou­sar o cor­po e dei­xar a men­te aler­ta.

Es­sa téc­ni­ca es­tá sen­do usa­da na me­di­ci­na, com bas­tan­te êxi­to. Po­de ser fei­ta a qual­quer ho­ra.

É re­cur­so efi­caz pa­ra trei­na­men­to da aten­ção por­que de­ve ser ob­ser­va­do o rit­mo res­pi­ra­tó­rio, a ve­lo­ci­da­de, a den­si­da­de e a in­ten­si­da­de de­le; na­da irá afas­tar o pen­sa­men­to do rit­mo da res­pi­ra­ção.

Quan­do ca­mi­nhar, quan­do es­ti­ver se ali­men­tan­do, quan­do es­ti­ver con­cen­tra­do em al­gu­ma ati­vi­da­de, pro­cu­re per­ce­ber co­mo vo­cê res­pi­ra.

Não sig­ni­fi­ca que vo­cê irá in­ter­fe­rir no ato na­tu­ral da sua res­pi­ra­ção; é ape­nas im­por­tan­te es­tar li­ga­do ne­la, pois é uma for­ma de se dis­ci­pli­nar e apren­der a fi­xar o pen­sa­men­to, pa­ra evi­tar a dis­per­são.

Gas­te al­gum tem­po com vo­cê, pro­cu­ran­do per­ce­ber se tem ti­do mo­men­tos pa­ra cur­tir o bom hu­mor; se tem ri­do, so­zi­nho ou acom­pa­nha­do, se tem des­fru­ta­do de boa con­ver­sa, se tem se per­mi­ti­do ou­vir boa mú­si­ca, can­tar no ba­nhei­ro ou em ou­tro lu­gar qual­quer; se tem dan­ça­do, so­zi­nho ou com al­guém, afi­nal, se tem ali­men­ta­do a sua al­ma com bons in­gre­di­en­tes, com bo­as com­pa­nhi­as….

É épo­ca de lem­brar o que afir­mou Em­ma­nu­el, o guia es­pi­ri­tual de Chi­co Xa­vi­er, na car­ti­lha de edu­ca­ção emo­cio­nal e men­tal: Pen­sa­men­to e Vi­da, FEB Edi­to­ra 2013, ca­pí­tu­lo 1, O es­pe­lho da vi­da: “Tu­do se des­lo­ca e re­no­va sob os prin­cí­pios de in­ter­de­pen­dên­cia e re­per­cus­são. O re­fle­xo es­bo­ça a emo­ti­vi­da­de; a emo­ti­vi­da­de plas­ma a ideia; a ideia de­ter­mi­na a ati­tu­de e a pa­la­vra que co­man­dam as ações…

.”Nin­guém po­de ul­tra­pas­sar de im­pro­vi­so os re­cur­sos da pró­pria men­te, mui­to além do cír­cu­lo de tra­ba­lho em que es­ta­gia; con­tu­do, as­si­na­la­mos , to­dos nós, os re­fle­xos uns dos ou­tros, den­tro da nos­sa re­la­ti­va ca­pa­ci­da­de de as­si­mi­la­ção.

“Nin­guém per­ma­ne­ce fo­ra do mo­vi­men­to de per­mu­ta in­ces­san­te.

“Res­pi­ra­mos no mun­do das ima­gens que pro­je­ta­mos e re­ce­be­mos…

“O re­fle­xo men­tal mo­ra no ali­cer­ce da vi­da…

“Sin­to­nia é for­ça in­der­ro­gá­vel.” (…)

Tu­do is­so pa­ra ad­ver­tir que so­mos di­re­ta­men­te res­pon­sá­veis pe­la pró­pria paz de Es­pí­ri­to, des­de que te­nha­mos cri­té­rio na es­co­lha das pes­so­as com as qua­is con­vi­ve­mos pois es­ta­mos, cons­tan­te­men­te, in­flu­en­cian­do e sen­do in­flu­en­cia­dos pe­las per­so­na­li­da­des que nos cer­cam.

Já di­zi­am os nos­sos an­ti­gos que: “lei­tu­ra, ami­za­de e co­mi­da pre­ci­sam ter pro­ce­dên­cia es­co­lhi­da”.

Daí se con­clui que é ne­ces­sá­rio usar a prá­ti­ca da me­di­ta­ção , pa­ra ve­ri­fi­car­mos co­mo es­ta­mos ad­mi­nis­tran­do o es­tres­se. Quem me­di­ta tem me­nor ín­di­ce de an­sie­da­de, que é en­ten­di­do co­mo o ex­ces­so de fu­tu­ro e a au­sên­cia do pre­sen­te.

Quan­do Her­bert Ben­son, da Es­co­la de Me­di­ci­na de Har­vard, es­cre­veu um ar­ti­go na Har­vard Bu­si­ness Re­vi­ew re­co­men­dan­do que os em­pre­sá­rios per­mi­tis­sem que seus em­pre­ga­dos ti­ves­sem um pe­rí­o­do de fol­ga pa­ra fa­zer re­la­xa­men­to, hou­ve uma ava­lan­che de car­tas de pro­tes­to afir­man­do que o es­tres­se e a ten­são são es­sen­ci­ais pa­ra a efi­ci­en­te ad­mi­nis­tra­ção dos ne­gó­ci­os.

Da­ni­el Go­le­man, ou­tro pes­qui­sa­dor das emo­ções, afir­mou que pes­so­as que me­di­tam têm a aten­ção mais agu­ça­da e ren­dem mais no que pro­du­zem por­que a Me­di­ta­ção aper­fei­çoa a ha­bi­li­da­de de per­cep­ção e con­fe­re au­to con­tro­le.

Não te­nha dú­vi­da! Es­tá es­pe­ran­do o quê? Me­di­ta­ção é a te­ra­pia do fu­tu­ro.

 

(El­zi Nas­ci­men­to – psi­có­lo­ga clí­ni­ca e es­cri­to­ra / El­zi­ta Me­lo Quin­ta – pe­da­go­ga – es­pe­cia­lis­ta em Edu­ca­ção e es­cri­to­ra. São res­pon­sá­veis pe­lo Blog Es­pí­ri­ta: lu­zes­do­con­so­la­dor.com. Elas es­cre­vem no DM às sex­tas-fei­ras e aos do­min­gos. E-mail: iop­[email protected]­ta.com.br (062) 3251 8867)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais