Opinião

“A minha paz vos dou”

diario da manha

“Dei­xo-vos a paz, a mi­nha paz vos dou; não vo-la dou co­mo o mun­do a dá. Não se tur­be o vos­so co­ra­ção, nem se ate­mo­ri­ze.

Ou­vis­tes o que eu vos dis­se: Vou e vol­to pa­ra vós. Se me amás­seis, cer­ta­men­te vos ale­gra­rí­eis por eu ir ao Pai, por­que o Pai é mai­or do que eu.

E ago­ra vos dis­se, an­tes que acon­te­ça, pa­ra que, quan­do acon­te­cer, acre­di­te­is. Já não fa­la­rei mui­tas coi­sas con­vos­co, por­que vem o prín­ci­pe do mun­do. Ele na­da po­de con­tra mim, mas pa­ra que sai­ba o mun­do que amo o Pai e fa­ço co­mo o Pai me or­de­nou. Le­van­tai-vos! Va­mo-nos da­qui!”  (Evan­ge­lho de Jo­ão, cap. 14, vv. 27 a 31).

 

Sa­í­da do ce­ná­cu­lo

Ten­do Je­sus di­to is­so e de­pois de te­rem can­ta­do o hi­no, ele saiu com seus dis­cí­pu­los e, se­gun­do o cos­tu­me, di­ri­giu-se pa­ra a ou­tra mar­gem da tor­ren­te do Ce­dron, saí­ram pa­ra o Mon­te das Oli­vei­ras. (Evan­ge­lhos de: Ma­teus, cap. 26, v. 30 – Mar­cos, cap. 14, v. 26 – Lu­cas, cap. 22, v. 39 – Jo­ão, cap. 18, v. 1a).

 

A ca­mi­nho do Mon­te das Oli­vei­ras

A se­guir Je­sus lhes per­gun­tou: “Quan­do vos en­vi­ei sem bol­sa, nem al­for­je, nem al­par­cas, fal­tou-vos al­gu­ma coi­sa?”

Res­pon­de­ram eles: “Na­da”.

En­tão lhes dis­se Je­sus: “Ago­ra, po­rém, aque­le que ti­ver bol­sa, to­me-a; igual­men­te o al­for­je; e quem não ti­ver um fa­cão, ven­da o seu man­to e com­pre um. Pois eu vos di­go, é ne­ces­sá­rio que se cum­pra em mim o que es­tá es­cri­to: Ele foi con­ta­do en­tre os mal­fei­to­res. Por­que tem um fim o que me diz res­pei­to”.

Eles dis­se­ram-lhe: “Se­nhor, eis aqui dois fa­cões”.

Res­pon­deu Je­sus: “É o bas­tan­te!” (Evan­ge­lho de Lu­cas, cap. 22, vv. 35 a 38).

 

De­pois da ora­ção, lo­go de­pois da ceia pas­cal, o di­vi­no Mes­si­as dis­se as su­as úl­ti­mas pa­la­vras e de­pois saiu do ce­ná­cu­lo com os seus dis­cí­pu­los em di­re­ção ao Mon­te das Oli­vei­ras.

Ao de­mons­trar con­fi­an­ça com os dis­cí­pu­los, Je­sus re­co­men­dou a sua paz aos seus após­to­los: “Dei­xo-vos a paz, a mi­nha paz vos dou…”.

A paz do Cris­to é a paz da con­sci­ên­cia ilu­mi­na­da por in­ter­mé­dio do ple­no cum­pri­men­to dos de­ve­res de­sig­na­dos por Deus. É o sen­ti­men­to de bem-es­tar, de be­a­ti­tu­de es­pi­ri­tual, pro­ve­ni­en­tes de uma per­fei­ta sin­to­nia com o Eter­no. É, ain­da, a au­sên­cia de con­fli­to con­sci­en­cial por não cau­sar qual­quer da­no a ou­trem, além de ser a su­pre­ma fe­li­ci­da­de de quem vi­ve ní­vel su­pe­ri­or de evo­lu­ção in­te­lec­to-mo­ral.

Em­bo­ra a paz crís­ti­ca se­ja re­sul­ta­do de mui­tas con­quis­tas e lu­tas es­pi­ri­tua­is, é pos­sí­vel sen­tir as dul­cís­si­mas ema­na­ções des­sa su­bli­me paz ad­vin­das de quem ema­na amor, mi­se­ri­cór­dia, per­dão e hu­mil­da­de.

A paz do mun­do ge­ra ego­ís­mo e se de­te­rio­ra ver­ti­gi­no­sa­men­te; a paz de Je­sus re­con­for­ta e for­ta­le­ce a es­pe­ran­ça.

A paz do mun­do ado­e­ce, ge­ran­do inér­cia evo­lu­ti­va e in­di­fe­ren­ça di­an­te da ca­ri­da­de; A paz de Je­sus acal­ma e cu­ra.

A paz do mun­do en­fra­que­ce as ener­gi­as mo­ra­is, pos­si­bi­li­tan­do que­das de di­fí­cil re­pa­ra­ção; A paz de Je­sus ro­bus­te­ce o es­pí­ri­to pa­ra no­vos de­sa­fi­os evo­lu­ti­vos.

A paz de Je­sus é eter­na e ina­ba­lá­vel; a paz do mun­do é efê­me­ra e ame­dron­ta­da.

Mais uma vez, o Mes­si­as aler­tou os seus dis­cí­pu­los pa­ra o que ele ha­ve­ria de pas­sar, mas tam­bém os pre­pa­rou pa­ra os tes­te­mu­nhos que en­fren­ta­riam: “Não se tur­be o vos­so co­ra­ção, nem se ate­mo­ri­ze”.

O Mes­tre nos con­cla­ma à vi­gi­lân­cia das emo­ções.

O co­ra­ção sim­bo­li­za o cen­tro das for­ças emo­cio­nais, as qua­is de­vem per­ma­ne­cer em equi­lí­brio pa­ra me­lhor pro­du­ção es­pi­ri­tual em to­dos os se­to­res da vi­da.

Em re­la­ção ao me­do, em nos­sa obra Edu­ca­ção Emo­cio­nal, es­cla­re­ce­mos:

“O me­do tem sua ori­gem na ig­no­rân­cia, sem­pre ge­ra­do­ra de in­cer­te­zas ou de in­se­gu­ran­ças di­an­te do des­co­nhe­ci­do. Quan­do se co­nhe­ce bem al­go, pas­sa-se a res­pei­tá-lo, amá-lo, su­por­tá-lo e não a te­mê-lo. Exis­tem di­ver­sos ní­veis de ig­no­rân­cia, pro­por­ci­o­nan­do inú­me­ras ma­ni­fes­ta­ções de me­do.”

O di­vi­no Ra­bi pro­me­te o seu re­tor­no de­pois de seu mar­tí­rio in­fa­man­te e, mais uma vez, aler­ta os seus dis­cí­pu­los a res­pei­to da ale­gria em se cum­prir as de­ter­mi­na­ções do Pai Eter­no.

De­pois de can­ta­rem um hi­no, se­guin­do o cos­tu­me ju­dai­co, o Mes­tre e seus dis­cí­pu­los saí­ram do ce­ná­cu­lo ru­mo ao Mon­te das Oli­vei­ras, on­de cos­tu­mei­ra­men­te se re­co­lhia em ora­ções. De­ve­ria ser en­tre no­ve e dez ho­ras da noi­te. Pas­sa­ri­am pe­lo Va­le da Tor­ren­te do Ce­dron, on­de flu­í­am águas das chu­vas, sob as lem­bran­ças ví­vi­das da­que­la ceia ines­que­cí­vel.

A ca­mi­nho do Mon­te das Oli­vei­ras, o di­vi­no Mes­si­as mi­nis­trou su­bli­me li­ção de vi­gi­lân­cia es­pi­ri­tual. Ele lem­brou aos dis­cí­pu­los de su­as re­co­men­da­ções quan­do os en­viou ao mi­nis­té­rio apos­to­lar, ori­en­tan­do-lhes que não se pre­o­cu­pas­sem em le­var bol­sas, al­for­ges, al­par­cas ou qual­quer bem pa­ra a vi­a­gem. Di­an­te da­que­la re­co­men­da­ção apa­ren­te­men­te im­pos­sí­vel de ser pra­ti­ca­da, o Mes­tre in­da­gou-lhes: “Fal­tou-vos al­gu­ma coi­sas?” Eles res­pon­de­ram: “Na­da”.

Je­sus, en­tão, aler­tou aos seus dis­cí­pu­los que eles vi­ve­ri­am ou­tra re­a­li­da­de. Ele se­ria con­de­na­do à mor­te sem jul­ga­men­to, se­ria tor­tu­ra­do e cru­ci­fi­ca­do sem cle­mên­cia en­tre mal­fei­to­res, con­for­me pro­fe­ti­zou Isaí­as (53:12):

“Por is­so lhe da­rei a par­te de mui­tos, e com os po­de­ro­sos re­par­ti­rá ele o des­po­jo; por­quan­to der­ra­mou a sua al­ma na mor­te, e foi con­ta­do com os trans­gres­so­res; mas ele le­vou so­bre si o pe­ca­do de mui­tos, e in­ter­ce­deu pe­los trans­gres­so­res”.

A par­tir da­que­le mo­men­to Je­sus re­co­men­da aos dis­cí­pu­los que te­ri­am de le­var bol­sas, al­for­jes e até fa­cões por­que se­ri­am per­se­gui­dos im­pla­ca­vel­men­te por de­tra­to­res. No en­tan­to, es­sa li­ção é sim­bó­li­ca.

A bol­sa do re­cur­so fi­nan­cei­ro sim­bo­li­za o mé­ri­to pa­ra em­pre­en­der o tra­ba­lho es­pi­ri­tual. O al­for­je ou al­for­ge que guar­da os pro­vi­men­tos ma­te­ri­ais re­pre­sen­ta a con­sci­ên­cia ple­ni­fi­ca­da por vir­tu­des. O fa­cão que os pes­ca­do­res usa­vam, sim­bo­li­za a ação da ca­ri­da­de que sub­sti­tui a ca­pa da pas­si­vi­da­de ou da in­di­fe­ren­ça, o que lem­bra os en­si­nos do após­to­lo Pau­lo ao as­se­ve­rar:

“To­mai tam­bém o ca­pa­ce­te da sal­va­ção e o fa­cão do es­pí­ri­to, que é a pa­la­vra de Deus” (Efé­sios, 6:17).

“Por­que a pa­la­vra de Deus é vi­va e efi­caz, e mais cor­tan­te que qual­quer fa­ca de dois gu­mes, e pe­ne­tra até a di­vi­são en­tre a al­ma e o es­pí­ri­to, e das jun­tas e me­du­las, e é ap­ta pa­ra dis­cer­nir os pen­sa­men­tos e in­ten­ções do co­ra­ção’. (He­breus, 4:12).

A par­tir da­que­le mo­men­to, os dis­cí­pu­los de Je­sus de­ve­ri­am re­do­brar a vi­gi­lân­cia em to­dos os sen­ti­dos. Os dois fa­cões apre­sen­ta­dos, os qua­is fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra Je­sus, sim­bo­li­zam a cruz em sua ho­ri­zon­ta­li­da­de nos atos per­fei­tos en­tre os ho­mens e em sua ver­ti­ca­li­da­de por in­ter­mé­dio da ora­ção per­fei­ta com Deus.

No Mon­te das Oli­vei­ras Je­sus ex­pe­ri­men­ta­ria as an­gús­ti­as do so­fri­men­to mo­ral di­an­te da ig­no­rân­cia da Hu­ma­ni­da­de. Ele se­ria pre­so, hu­mi­lha­do, des­de­nha­do, tor­tu­ra­do e con­de­na­do a mor­te. Con­tu­do, a his­tó­ria do di­vi­no Mes­si­as não aca­ba­ria com o tri­un­fo da ini­qui­da­de e sim com a de­mons­tra­ção do po­der in­fi­ni­to de Deus, que ven­ce a mor­te e a dor com a res­sur­rei­ção do Es­pí­ri­to Imor­tal, em seu es­plen­dor, pa­ra que o mun­do apren­da que nun­ca a in­jus­ti­ça im­pe­ra­rá. A Jus­ti­ça sem­pre es­ta­rá pre­sen­te, ain­da que, apa­ren­te­men­te,  dê lu­gar às lou­cu­ras da ig­no­rân­cia e do de­sa­mor. Je­sus ven­ceu o mun­do e a ca­mi­nho do Mon­te das Oli­vei­ras ele nos con­vi­da a ven­cer­mos a nós mes­mos ao ex­pe­ri­men­tar­mos a sua Paz.

 

(Emí­dio Bra­si­lei­ro é edu­ca­dor, es­cri­tor e ju­ris­ta. É au­tor da obra “A Ca­mi­nho do De­ser­to”, pe­la AB Edi­to­ra. É mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia de Le­tras de Go­i­â­nia e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais