diario da manha
foto:divulgação

Não se en­ten­de, por po­bre­za, ter ou não ter di­nhei­ro, ter ou não ter pi­o­lhos no pró­prio cor­po. A po­bre­za não é uma coi­sa ma­te­ri­al: é uma bem aven­tu­ran­ça, “Bem-aven­tu­ra­dos os po­bres de es­pí­ri­to”. É uma ma­nei­ra de exis­tir, de pen­sar e de amar. É um dom do es­pí­ri­to. Po­bre­za quer di­zer de­sa­pe­go, li­ber­da­de, ver­da­de so­bre­tu­do.

En­trai nas ca­sas bur­gue­sas, ain­da que cris­tãs, e con­ven­cer-vos-ei da au­sên­cia da bem-aven­tu­ran­ça da po­bre­za. Os mó­veis, os ob­je­tos, tu­do, são es­pan­to­sa­men­te se­me­lhan­tes em to­das as ca­sas; são de­ter­mi­na­dos pe­la mo­da, pe­lo lu­xo, e não pe­la ne­ces­si­da­de, pe­la ver­da­de. Ha­via ur­na ve­lha me­sa, re­sis­ten­te, cô­mo­da, ri­ca de lem­bran­ças. Mas foi ne­ces­sá­rio co­lo­cá-la no po­rão e sub­sti­tuí-la inu­til­men­te por ou­tra que pos­sui so­men­te pre­ten­sões, des­ti­tu­í­da de sen­ti­do, cu­jo mé­ri­to se­rá de le­var o ami­go a co­men­tar: “É da mo­da”. Es­sa fal­ta de li­ber­da­de, ou an­tes, es­sa es­cra­vi­dão da mo­da é um dos de­mô­ni­os que con­ser­va pri­si­o­nei­ros gran­de nú­me­ro de cris­tã­os. Quan­to di­nhei­ro se sa­cri­fi­ca em seu al­tar! Is­to sem es­crú­pu­lo al­gum pe­lo bem que se te­ria po­di­do fa­zer. Ser po­bre de es­pí­ri­to quer di­zer li­ber­da­de e, em pri­mei­ro lu­gar, ser li­vre da­qui­lo que se de­no­mi­na mo­da.

Por que ad­qui­rir um co­ber­tor só por­que es­tá na mo­da? Ad­qui­ro um co­ber­tor por­que pre­ci­so de­le. Sem co­ber­tor meu fi­lho tre­me de frio. O pão, o co­ber­tor, a me­sa, o fo­go, são coi­sas ne­ces­sá­rias. O fa­to de nos ser­vir­mos de­las es­tá de acor­do com a von­ta­de de Deus. “To­do o res­tan­te pro­vém do ma­lig­no”, po­der-se-ia afir­mar, pa­ra­fra­se­an­do uma ex­pres­são de Je­sus a pro­pó­si­to da ver­da­de. O “res­tan­te” na­da mais é que a mo­da, o cos­tu­me, o lu­xo, a far­tu­ra, a ri­que­za, a es­cra­vi­dão, o mun­do. Não se pro­cu­ra o que é ver­da­dei­ro, mas o que agra­da aos ou­tros. Es­ta más­ca­ra tor­na-se ne­ces­sá­ria: sem ela não se po­de mais vi­ver. Tu­do se agra­va, po­rém, quan­do se tra­ta de “es­ti­lo”, e os gas­tos se tor­nam as­tro­nô­mi­cos. “Is­to é um Lu­ís XIV…, es­te ou­tro um bar­ro­co pu­ro…, aque­le… etc., etc! Pi­or ain­da quan­do a pre­o­cu­pa­ção de “es­ti­lo” pe­ne­tra na ca­sa dos ho­mens da Igre­ja, cha­ma­dos por vo­ca­ção a evan­ge­li­zar as po­bres.

A po­bre­za, po­rém, en­quan­to bem-aven­tu­ran­ça, não é so­men­te ver­da­de, li­ber­da­de e jus­ti­ça; é e con­ti­nua a ser amor in­fi­ni­to co­mo as per­fei­ções di­vi­nas. Po­bre­za é amor a Cris­to po­bre, is­to é, a acei­ta­ção de um li­mi­te. Je­sus po­dia mui­to bem ser ri­co; não pre­ci­sa­va es­ta­be­le­cer li­mi­tes aos pró­prios de­se­jos. Quis, pe­lo con­trá­rio, ser po­bre, pa­ra par­ti­ci­par da li­mi­ta­ção uni­ver­sal dos po­bres, pa­ra su­por­tar a fal­ta de al­gu­ma coi­sa e ex­pe­ri­men­tar na pró­pria car­ne, a pe­no­sa re­a­li­da­de que pe­sa so­bre o ho­mem que es­tá à pro­cu­ra do pão, e no pró­prio es­pí­ri­to, a ins­ta­bi­li­da­de con­ti­nua de quem na­da pos­sui. A ver­da­dei­ra bem-aven­tu­ran­ça, da qual o Evan­ge­lho fa­la, con­sis­te nes­sa po­bre­za au­tên­ti­ca, su­por­ta­da por amor.

É de­ma­si­a­do fá­cil fa­lar de po­bre­za es­pi­ri­tual, ex­pres­sar-se com pa­la­vras pi­as e não sen­tir a fal­ta de na­da, pos­su­in­do ca­sa pró­pria, a des­pen­sa bem abas­te­ci­da e de­pó­si­tos no ban­co. Não nos quei­ra­mos ilu­dir e não in­ver­ta­mos as coi­sas mais im­por­tan­tes que Je­sus dis­se. Po­bre­za é po­bre­za, e con­ti­nua a ser po­bre­za; não bas­ta fa­zer o vo­to de po­bre­za pa­ra ser po­bre de es­pí­ri­to.  Se amo de­ve­ras, co­mo po­de­rei su­por­tar que um ter­ço da hu­ma­ni­da­de se en­con­tre sob a ame­a­ça de pe­re­cer à fo­me, ao pas­so que eu con­ser­vo to­da a mi­nha se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de eco­nô­mi­ca? ,Agin­do des­ta for­ma, po­de­rei ser um bom cris­tão, mas não um san­to. E em nos­sos tem­pos alas­tra-se a in­fla­ção de bons cris­tã­os, ao pas­so que o mun­do ne­ces­si­ta de san­tos.

Sa­ber acei­tar a ins­ta­bi­li­da­de, co­lo­car-se, de quan­do em quan­do, nas con­di­ções de ter que di­zer “o pão nos­so de ca­da dia nos dai ho­je” com cer­ta ân­sia, de­vi­do ao fa­to de que a nos­sa des­pen­sa se en­con­tra va­zia; ter a co­ra­gem de dar sem me­di­da, por amor de Deus e do pró­xi­mo e, so­bre­tu­do, con­ser­var aber­ta, no po­bre céu de nos­sa al­ma, a gran­de ja­ne­la da fé vi­va na Pro­vi­dên­cia de um Deus oni­po­ten­te: eis o que é ne­ces­sá­rio.

 

(Luiz Augusto, padre da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus)

 

tags:

Comentários