Opinião

As novas regras de jornada de trabalho

diario da manha

Re­cen­te­men­te, o Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to edi­tou a Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va nº 2/2018, que tem por es­co­po re­gu­la­men­tar ques­tões ati­nen­tes à jor­na­da de tra­ba­lho dos ser­vi­do­res pú­bli­cos e seu con­tro­le, a pos­si­bi­li­da­de de com­pen­sa­ção de ho­rá­rio e a ins­ti­tu­i­ção de ban­co de ho­ras no ser­vi­ço pú­bli­co fe­de­ral.

Uma vez que a ins­tru­ção tra­ta de três gran­des te­mas, ca­da um de­les se­rá abor­da­do de for­ma es­tra­ti­fi­ca­da. O pri­mei­ro é a ques­tão re­la­ci­o­na­da à jor­na­da de tra­ba­lho. A ins­tru­ção re­for­ça a jor­na­da mí­ni­ma de 6 (seis) ho­ras di­á­rias, sen­do o má­xi­mo de 8 (oi­to) ho­ras, sen­do con­si­de­ra­das co­mo jor­na­da re­gu­lar as vi­a­gens a ser­vi­ço. Ade­mais, es­ta­be­le­ce o in­ter­va­lo pa­ra re­fei­ções, sen­do ve­da­do o seu fra­ci­o­na­men­to.

A no­va nor­ma apon­ta, em seu ar­ti­go 7º, o con­tro­le de fre­quên­cia pa­ra to­dos os ser­vi­do­res. Su­ce­de que o ar­ti­go 8º im­põe qua­is ser­vi­do­res se­rão dis­pen­sa­dos do con­tro­le ele­trô­ni­co. Des­ta­ca-se, nes­se par­ti­cu­lar, o in­ci­so IV do Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va, que dis­pen­sa Pro­fes­sor da Car­rei­ra de Ma­gis­té­rio Su­pe­ri­or do Pla­no Úni­co de Clas­si­fi­ca­ção e Re­tri­bu­i­ção de Car­gos e Em­pre­gos.

Com efei­to, ur­ge des­ta­car que os Do­cen­tes re­gi­dos pe­la Lei 12.772/12 não são ape­nas aque­les vin­cu­la­dos ao En­si­no Su­pe­ri­or. Há tam­bém os Do­cen­tes do Gru­po EBTT (En­si­no Bá­si­co, Téc­ni­co e Tec­no­ló­gi­co), que tam­bém de­sen­vol­vem fun­ções idên­ti­cas, in­clu­si­ve quan­to à ex­ten­são e pes­qui­sa. Nes­se sen­ti­do, a pró­pria AGU já se ma­ni­fes­tou, por meio de pa­re­cer (6282/2012), que os do­cen­tes não es­tão su­jei­tos a re­gis­tro de pon­to.

Aten­te-se pa­ra o fa­to de que não es­tá a se fa­lar em even­tual be­ne­fí­cio ao ser­vi­dor, mas sim a con­tin­gên­cia da ati­vi­da­de re­a­li­za­da. Por cer­to, a ins­tru­ção nor­ma­ti­va de­ve ser ana­li­sa­da, nes­se as­pec­to, de acor­do com o prin­cí­pio da iso­no­mia, ra­zão pe­la qual se a ati­vi­da­de exer­ci­da não re­ve­la pe­cu­li­a­ri­da­des, o con­tro­le de pon­to é a re­gra ge­ral. As­sim, a ex­clu­são dos Do­cen­tes do Gru­po EBTT da ex­ce­ção da ins­tru­ção não nos pa­re­ce con­ve­nien­te e nem le­gal.

Quan­to à com­pen­sa­ção de ho­rá­rio, cum­pre des­ta­car que a Cons­ti­tu­i­ção, em seu ar­ti­go 39, es­ta­be­le­ce que se apli­ca aos ser­vi­do­res pú­bli­cos o dis­pos­to no ar­ti­go 7º, XI­II, ou se­ja, a pos­si­bi­li­da­de de com­pen­sa­ção de ho­rá­rios. Su­ce­de que não há re­gu­la­men­ta­ção le­gal es­pe­cí­fi­ca pa­ra tan­to. A lei 8.112/90, em di­ver­sos ar­ti­gos, es­ta­be­le­ce a pos­si­bi­li­da­de de com­pen­sa­ção de ho­rá­rio, sem, con­tu­do, aden­trar nas mi­nú­cias de pro­ce­di­men­to de com­pen­sa­ção de ho­rá­rio.

Por exem­plo, o ar­ti­go 44, que tra­ta da per­da de re­mu­ne­ra­ção, pro­por­ci­o­nal ao atra­so, ex­ce­to em ca­sos de com­pen­sa­ção de ho­rá­rio, até o mês sub­se­quen­te ao da ocor­rên­cia:

“Art. 44.  O ser­vi­dor per­de­rá:

II – A par­ce­la de re­mu­ne­ra­ção di­á­ria, pro­por­ci­o­nal aos atra­sos, au­sên­cias jus­ti­fi­ca­das, res­sal­va­das as con­ces­sões de que tra­ta o art. 97, e saí­das an­te­ci­pa­das, sal­vo na hi­pó­te­se de com­pen­sa­ção de ho­rá­rio, até o mês sub­se­quen­te ao da ocor­rên­cia, a ser es­ta­be­le­ci­da pe­la che­fia ime­di­a­ta”.

A re­fe­ri­da com­pen­sa­ção fi­ca­ria a car­go de acor­do en­tre che­fia e ser­vi­dor, o que não qual­quer ga­ran­tia ou su­por­te à re­fe­ri­da me­di­da, a en­se­jar em no­tó­ria in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. A ins­tru­ção nor­ma­ti­va, nes­se par­ti­cu­lar, bus­ca es­ta­be­le­cer hi­pó­tes­es pa­ra com­pen­sa­ção, fi­xan­do pra­zo pa­ra ajus­te das ho­ras – mês sub­se­quen­te ao da sua ocor­rên­cia, bem co­mo o li­mi­te di­á­rio pa­ra tan­to (2 ho­ras).

Há tam­bém es­pe­cí­fi­ca re­gu­la­men­ta­ção quan­to à dis­pen­sa de com­pen­sa­ção, quan­do do com­pa­re­ci­men­to do ser­vi­dor, de seu de­pen­den­te ou fa­mi­liar às con­sul­tas mé­di­cas, odon­to­ló­gi­cas e a re­a­li­za­ção de exa­mes em es­ta­be­le­ci­men­tos de sa­ú­de, à luz do ar­ti­go 7º do De­cre­to 1.590/95.

Nes­se mes­mo sen­ti­do, a Ins­tru­ção bus­ca es­ta­be­le­cer re­gras pa­ra o Ban­co de Ho­ras. Em te­se, não pa­re­ce exis­tir um per­mis­si­vo le­gal pa­ra a exis­tên­cia de tal mo­da­li­da­de no ser­vi­ço pú­bli­co. Is­so pe­lo fa­to de quem nem a Cons­ti­tu­i­ção nem a Lei 8.112/90 es­ta­be­le­cem, em su­as re­gras apli­cá­veis ao ser­vi­dor, a exis­tên­cia de um ban­co de ho­ras. Ao que pa­re­ce, há uma ten­ta­ti­va de se ex­tin­guir o pa­ga­men­to da ho­ra ex­tra­or­di­ná­ria, à luz do ar­ti­go 73 da lei 8.112/90, e que en­con­tra eco no ar­ti­go 7º, XVI, da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral.

Com efei­to, as ho­ras ex­ce­den­tes que não te­nham si­do com­pen­sa­das não po­de­rão ser re­mu­ne­ra­das co­mo ho­ra ex­tra­or­di­ná­ria. E nem há um pra­zo es­pe­ci­fi­ca­do na Ins­tru­ção pa­ra que o ser­vi­dor sai­ba, de an­te­mão, até quan­do po­de uti­li­zar o sal­do po­si­ti­vo de seu Ban­co de Ho­ras.

A con­clu­são ló­gi­ca que se ex­trai é de que há uma vi­o­la­ção di­re­ta ao ar­ti­go 73 da Lei 8.112/90, que tra­ta das ho­ras ex­tra­or­di­ná­rias e mais, um lo­cu­ple­ta­men­to ilí­ci­to da Ad­mi­nis­tra­ção, que lan­ça mão da for­ça de tra­ba­lho do ser­vi­dor e não o re­mu­ne­ra da for­ma es­ta­be­le­ci­da em lei.

Em que pe­se exis­tir um li­mi­ta­dor de ho­ras no Ban­co, cer­to é que a sua não con­ver­são em ho­ra ex­tra­or­di­ná­ria le­va à con­clu­são de que a sua ins­ti­tu­i­ção ser­ve pa­ra bur­lar o re­gra­men­to le­gal. As­sim, ca­so se con­si­de­re vá­li­da a exis­tên­cia de um ban­co de ho­ras, não há a apre­sen­ta­ção de um fa­tor de dis­cri­mi­na­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre o por­quê da im­pos­si­bi­li­da­de de ban­co de ho­ras pa­ra jor­na­das re­du­zi­das.

A mes­ma si­tu­a­ção ocor­re na su­pos­ta re­gu­la­men­ta­ção do so­bre­a­vi­so. Com efei­to, o so­bre­a­vi­so, em in­ter­pre­ta­ção ana­ló­gi­ca da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta, de­ve­ria ser en­ten­di­do co­mo ho­ra de tra­ba­lho, à dis­po­si­ção, in­clu­si­ve com re­mu­ne­ra­ção di­fe­ren­ci­a­da. Con­tu­do, a su­pos­ta pos­si­bi­li­da­de de com­pen­sa­ção aca­ba por re­ti­rar es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca do so­bre­a­vi­so, à luz do ar­ti­go 244, § 2º, da CLT.

Tal me­di­da vai de en­con­tro ao que con­clu­iu o Tri­bu­nal de Con­tas da Uni­ão, no bo­jo do acór­dão nº 784/2016, do Ple­ná­rio, da Re­la­to­ria do Mi­nis­tro Vi­tal do Rê­go, cu­ja ori­en­ta­ção é no sen­ti­do de que o ser­vi­dor po­de sub­me­ter-se ao re­gi­me de so­bre­a­vi­so, sen­do pos­sí­vel a apli­ca­ção ana­ló­gi­ca da CLT e a re­mu­ne­ra­ção co­mo ser­vi­ço ex­tra­or­di­ná­rio, quan­do ex­ce­de­rem a jor­na­da nor­mal.

Va­le des­ta­car que a ins­tru­ção re­vi­veu al­guns as­pec­tos da Me­di­da Pro­vi­só­ria nº 792/2017, que não foi con­ver­ti­da em lei. A me­di­da tra­ta­va do Pla­no de De­mis­são Vo­lun­tá­ria de Ser­vi­do­res e tra­zia em seu bo­jo a pos­si­bi­li­da­de jor­na­da re­du­zi­da. No­va­men­te é de se ex­pli­ci­tar que, quan­to à re­du­ção de jor­na­da, há uma su­pos­ta in­com­pa­ti­bi­li­da­de com a ne­ces­si­da­de do ser­vi­ço.

Con­tu­do, por se tra­ta de dis­cus­são de âm­bi­to es­tri­ta­men­te ad­mi­nis­tra­ti­vo, a ques­tão que se re­ve­la tor­men­to­sa é a im­pos­si­bi­li­da­de de re­du­ção de jor­na­da, com re­mu­ne­ra­ção pro­por­ci­o­nal, de al­guns car­gos, lis­ta­dos no § 1º, do ar­ti­go 20 da Ins­tru­ção. Não há jus­ti­fi­ca­ti­va, den­tro da pró­pria nor­ma, a im­pe­dir a con­ces­são des­se di­rei­to àque­les ser­vi­do­res, o que tor­na a nor­ma des­mo­ti­va­da e des­co­nec­ta­da do ar­ti­go do re­gra­men­to le­gal apli­ca­do (ar­ti­gos 2º e 50 da Lei 9.784/99).

Tra­ta-se de uma aná­li­se pre­li­mi­nar. Cer­to que a dis­cus­são ain­da se es­ten­de­rá. No en­tan­to, a pre­sen­te ma­ni­fes­ta­ção ser­ve pa­ra apon­tar al­guns equí­vo­cos tra­zi­dos na pró­pria nor­ma e que têm po­ten­ci­al le­si­vo aos ser­vi­do­res.

 

(Ado­val­do Me­dei­ros Fi­lho. só­cio e in­te­gran­te do Gru­po de Pes­qui­sa de Ser­vi­dor Pú­bli­co do es­cri­tó­rio Mau­ro Me­ne­zes & Ad­vo­ga­dos)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais