diario da manha

“Do fun­do da ma­ta vir­gem nas­ceu aque­le me­ni­no re­tin­to, fi­lho do me­do da noi­te”. Foi com es­ta pri­mei­ra fra­se que Má­rio de An­dra­de pre­ci­sou de ape­nas seis di­as do ano de 1926 pa­ra es­cre­ver um clás­si­co da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra: Ma­cu­naí­ma.

Po­de­mos des­cre­ver es­te seu pro­ces­so de es­cri­ta co­mo uma ex­plo­são cri­a­ti­va. Foi al­go que sur­pre­en­deu a to­dos no ce­ná­rio li­te­rá­rio, in­clu­si­ve a ele mes­mo, mas não sur­giu do na­da.

Má­rio já vi­nha pes­qui­san­do nar­ra­ti­vas po­pu­la­res e in­dí­ge­nas ha­via al­gum tem­po. Ao fo­lhe­ar o li­vro de um et­nó­gra­fo ale­mão que con­ta­va mi­tos e len­das in­dí­ge­nas viu pe­la pri­mei­ra vez a pa­la­vra ma­cu­naí­ma, que sig­ni­fi­ca gran­de mal. Sem som­bra de dú­vi­da e sem pu­do­res, nos­so ge­ni­al es­cri­tor não he­si­tou em sur­ru­pi­ar da­li o no­me pa­ra sua obra, bem ao es­ti­lo de seu an­ti-he­rói.

Ja­ir Bol­so­na­ro, em uma ex­plo­são de ex­pec­ta­ti­va, tam­bém sur­pre­en­deu a to­dos – e in­clu­si­ve a ele mes­mo. E tam­bém ele não sur­giu do na­da pa­ra se ma­te­ri­a­li­zar no cen­tro das aten­ções po­lí­ti­cas bra­si­lei­ras e mun­di­ais.

Bol­so­na­ro veio se en­cor­pan­do aos pou­cos em seus vá­rios man­da­tos de de­pu­ta­do fe­de­ral, ten­do ago­ra por clí­max o con­tex­to do “nós con­tra eles”. Não é uma cau­sa, por­que nem ban­dei­ra com­ple­ta ele tem. Bol­so­na­ro é o sin­to­ma de um mal na­ci­o­nal de que pa­de­ce­mos to­dos. Co­mo tal, ele ca­pi­ta­li­za par­te das do­res e do res­sen­ti­men­to con­tra o que tem si­do cons­tru­í­do na re­la­ção do po­der pú­bli­co com a so­ci­e­da­de. Se vai vi­rar no­me de pre­si­den­te, só o tem­po di­rá, mui­to em bre­ve. De res­to, se nin­guém é per­fei­to, mui­to me­nos o se­ri­am os po­lí­ti­cos.

No fun­do da ma­ta es­cu­ra, Bol­so­na­ro é ape­nas um hu­ma­no des­tes que exis­tem pe­lo Bra­sil tan­tos quan­tos seus elei­to­res. A sua pro­je­ção na so­ci­e­da­de, as­sim co­mo a de ou­tros can­di­da­tos (em Go­i­ás, te­mos um Ka­ju­ru, can­di­da­to a se­na­dor, em São Pau­lo o Ti­ri­ri­ca, por exem­plos), re­fle­te um mal ci­vi­li­za­cio­nal de ce­pa mui­to an­ti­ga. Em­bo­ra ten­do es­ta­do sem­pre la­ten­te des­de a che­ga­da das pri­mei­ras ca­ra­ve­las, es­se mal se ma­ni­fes­ta em mai­or ou me­nor es­ca­la em di­fe­ren­tes mo­men­tos de nos­sas vi­das, es­pe­ci­al­men­te nos cur­tos pe­rí­o­dos elei­to­ra­is, em que se es­cu­tam nas ur­nas vo­zes do além.

Não há ne­le um úni­co ele­men­to que nos se­ja es­tra­nho. É o mal di­fu­so de que tem coi­sa po­dre on­de quer que te­nha o ho­mem. Te­mo que, con­for­me o ím­pe­to que ele se ma­ni­fes­te ago­ra, te­nha­mos que re­la­xar e fi­nal­men­te pas­sar de cor­po in­tei­ro por es­ta eta­pa, a que de for­ma al­gu­ma cha­ma­re­mos de de­grau, mas sim, de fa­tor com­pul­só­rio. A as­cen­são ci­vi­li­za­cio­nal con­ti­nu­a­ria de­pois des­ta eta­pa ser exau­ri­da. De­pois de já ter­mos tam­bém pas­sa­do pe­la eta­pa do mal da es­tre­la ver­me­lha.

Que fi­que bem cla­ro que Bol­so­na­ro é ape­nas um can­di­da­to. A ame­a­ça que nos ron­da é a in­di­fe­ren­ça do la­do do elei­tor e o ci­nis­mo do la­do dos po­lí­ti­cos. Os dois la­dos ago­ra se pre­pa­ram pa­ra se dar as mãos e com­ple­tar es­sa con­fi­gu­ra­ção hor­ren­da e ao mes­mo tem­po de­ma­si­a­da­men­te hu­ma­na, que vai nos atra­in­do tal qual um bu­ra­co ne­gro.

Ris­co ou opor­tu­ni­da­de, dá­di­va ou as­som­bro, é pre­ci­so res­pei­tar o fa­tor Bol­so­na­ro e o com­ba­li­do – mas ain­da de pé – pro­ces­so de­mo­crá­ti­co bra­si­lei­ro. Só ao cum­prir seu ri­to sa­be­re­mos se, em elei­to, te­re­mos no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da um re­si­den­te ir­ra­ci­o­nal, er­rá­ti­co e vi­ru­len­to, co­mo apon­ta ser sua pi­or fa­ce, ou al­guém a quem o po­der, que tu­do mu­da, po­de­ria mu­dar pa­ra me­lhor.

Nas mãos de Má­rio de An­dra­de, Ma­cu­naí­ma se tor­nou o he­rói am­bí­guo do nos­so Pa­ís. Aque­le ca­paz de fa­zer gran­des coi­sas que se ape­que­nam, cor­ren­do de nor­te a sul, apron­tan­do e cau­san­do re­bo­li­ços in­dis­tin­ta­men­te, sem se per­gun­tar por­quê ou a quem vai do­er. O tem­po mos­trou que nes­te per­so­na­gem for­te e tra­qui­nas es­tá de cer­ta for­ma en­car­na­do o es­pí­ri­to bra­si­lei­ro.

Nas mãos do des­ti­no, Bol­so­na­ro po­de se trans­for­mar no he­rói re­al de uma na­ção ca­pen­ga que se ima­gi­na­va um gi­gan­te. Ma­cu­naí­ma e Bol­so­na­ro têm tra­ços po­si­ti­vos (o mo­vi­men­to é um de­les) e tra­ços mar­ca­da­men­te ne­ga­ti­vos, que os tor­na im­pos­sí­veis de ser uma coi­sa só.

Sim, am­bos, são he­róis sem ne­nhum ca­rá­ter. Po­rém, se não ter ca­rá­ter é na vi­são do es­cri­tor ser mais li­ga­do à na­tu­re­za, na vi­são do elei­tor não ter ca­rá­ter é mais do que não ter ca­ra­te­rís­ti­cas pró­pri­as, é es­tar di­an­te de um ho­ri­zon­te aber­to, que traz com ele a di­fí­cil mas ne­ces­sá­ria cons­tru­ção de um en­te mais ver­da­dei­ro, por­que mais pró­xi­mo do bem e do mal.

O ver­da­dei­ro he­rói bra­si­lei­ro, se­ja Ma­cu­naí­ma, se­ja Bol­so­na­ro, é aque­le fei­to das com­bi­na­ções e das di­fe­ren­ças, das se­me­lhan­ças e dos opos­tos, for­man­do o amál­ga­ma do que so­mos nus e crus, do­ces e bár­ba­ros, e sem­pre aves­sos da mes­mi­ce.

A ca­pa des­te he­rói, se­ja na fic­ção ou no Pla­nal­to, de­ve co­brir a na­ção ain­da mais no­va que cer­tas tar­ta­ru­gas ma­ri­nhas e seu man­to re­fle­tir as vá­ri­as ca­ma­das e di­men­sões que a com­põ­em em ve­rí­di­cas con­tra­di­ções.

O pro­ces­so é elei­to­ral. Mas vi­ve­mos, de fa­to, kafki­a­na­men­te, a for­ma acen­tu­a­da de um con­to re­al, vi­vaz e agô­ni­co, mui­to per­to do ter­ror e tam­bém da li­ber­da­de, no qual de­sen­ro­la­mos nos­sas vi­das ten­do co­mo pa­no de fun­do in­de­fi­ni­ções lon­ge de ser re­sol­vi­das, al­gu­mas se­quer anun­ci­a­das. Tão in­fin­das e tão mis­te­ri­o­sas co­mo há de ser gran­de es­se nos­so Bra­sil de sur­pre­en­den­tes he­róis.

 

(Px Sil­vei­ra, Ins­ti­tu­to Ar­te­Ci­da­da­nia, pre­si­den­te. pxsil­vei­[email protected])

 

Comentários