Opinião

Comida tradicional, o ”escondidinho” tem origem humilde e nome vulgar

diario da manha

Tem­pos atrás, num res­tau­ran­te do cir­cui­to tu­rís­ti­co li­to­râ­neo nor­des­ti­no de­pa­rei-me, pe­la pri­mei­ra vez, com a ins­cri­ção em car­dá­pio de um dos sa­bo­ro­sos pra­tos tí­pi­cos de nos­sa cu­li­ná­ria, o “es­con­di­di­nho”. Até en­tão não en­con­tra­ra, por es­tas re­gi­ões cen­tra­is do Bra­sil, re­fe­rên­cia es­cri­ta so­bre o con­su­mo de tão apre­ci­a­da igua­ria, o que não sig­ni­fi­ca a au­sên­cia de sua prá­ti­ca na co­zi­nha go­i­a­na da­que­les tem­pos, ho­je bas­tan­te po­pu­lar. Na­que­la oca­si­ão, mi­nha ma­nia de in­ves­ti­gar a ori­gem e a ra­zão de ser dos fa­tos le­vou-me a pro­vo­car o aten­cio­so Chef de Co­zi­nha do ho­tel Cos­ta do Sa­u­i­pe Re­sort, a ver se ele sa­bia co­mo sur­gi­ra e o por­quê do no­me da de­li­cio­sa co­mi­da. Hu­mil­de e sin­ce­ra­men­te con­fes­sou-me ele a im­pos­si­bi­li­da­de de res­pos­ta, por ca­rên­cia to­tal de in­for­ma­ções a res­pei­to do as­sun­to. Ape­nas sa­bia que sur­gi­ra no Nor­des­te, in­for­ma­ção con­ti­da na In­ter­net.

Mas de re­pen­te o es­ta­lo da cu­ri­o­si­da­de foi acio­na­do em bus­ca do co­nhe­ci­men­to ca­ren­te e o pen­sa­men­to vo­ou aos tem­pos de in­fân­cia, ao re­ver a fi­gu­ra de mi­nha mãe na co­zi­nha pre­pa­ran­do a re­fei­ção do dia.  Ou­tro pra­to não era se­não o pu­rê de ma­ca­xei­ra – nos­sa tra­di­cio­nal man­di­o­ca man­sa – com a mis­tu­ra de car­ne se­ca des­fi­a­da de for­ma a ren­der o bas­tan­te pa­ra ali­men­tar os nu­me­ro­sos mem­bros da fa­mí­lia, só de fi­lhos uma dú­zia. Po­de­ria es­tar nes­te fa­to sin­ge­lo a ori­gem hu­mil­de do nos­so “es­con­di­di­nho”?

Vol­tei ao “Maî­tre de Cu­i­si­ne” pa­ra re­la­tar-lhe o que ima­gi­na­ra e lem­brei-me mais: na ho­ra da re­fei­ção, quan­do as pe­que­nas fa­ti­as de car­ne iam ra­le­an­do na pa­ne­la, a gen­te “ga­rim­pa­va” di­re­ta­men­te as pou­cas res­tan­tes até  qua­se de­sa­pa­re­ci­das. Aí sem­pre sur­gia den­tre nós al­guém a dis­pu­tar os úl­ti­mos pe­da­ci­nhos em meio à mas­sa far­ta e bem tem­pe­ra­da.  E a es­pe­ran­ça vi­nha ex­pres­sa em voz al­ta: – Tal­vez eu ain­da ache al­gum es­con­di­di­nho lá no fun­do da pa­ne­la! Não te­ria si­do es­ta ex­cla­ma­ção a ori­gem sim­ples e vul­gar do no­me?

O Chef do res­tau­ran­te fi­tou-me  nos olhos e, de­mons­tran­do sur­pre­sa e re­co­nhe­ci­men­to, fez-me a se­guin­te con­fis­são: – Que   ló­gi­ca e sur­pre­en­den­te con­clu­são! Ja­mais ha­via pen­sa­do nes­sa ver­são que vou in­se­rir no te­má­rio das mi­nhas pa­les­tras no  pró­xi­mo  cur­so de cu­li­ná­ria.

Apro­vei­tei o en­se­jo pa­ra acres­cen­tar-lhe que, na­que­la épo­ca, além do açaí com fa­ri­nha e pi­ra­ru­cu, a ba­se de nos­sa ali­men­ta­ção, do ca­fé da ma­nhã ao jan­tar, era a nu­tri­ti­va ma­ca­xei­ra. De­la pro­vi­nham a ta­pi­o­ca, o bo­lo de ma­ca­xei­ra (nos­so ma­né-pe­la­do), a go­ma do ta­ca­cá, o pol­vi­lho com a va­ri­e­da­de de bis­coi­tos, a ma­ca­xei­ra fri­ta, amas­sa­da ou co­si­da, se­pa­ra­da­men­te ou no co­si­dão pa­ra­en­se, o tu­cu­pi co­mo in­gre­di­en­te e tem­pe­ro de pra­tos di­ver­sos e, pa­ra tu­do e em tu­do, nos­sa in­su­pe­rá­vel e in­se­pa­rá­vel fa­ri­nha.

Nes­se qua­dro de pre­o­cu­pa­ção ali­men­tar di­á­ria, a mãe de fa­mí­lia se vi­ra­va em cri­a­ti­vi­da­de e eco­no­mia pa­ra fa­zer ren­der a ma­té­ria pri­ma dis­po­ní­vel. En­tão, nas­ceu o Escondidinho.

 

(Prof. Raymun­do Mo­rei­ra do Nas­ci­men­to, ad­vo­ga­do, jor­na­lis­ta e es­cri­tor)

Comentários