Opinião

Fotografia no jornal

diario da manha
foto:divulgação

Re­cém-for­ma­da em Edu­ca­ção Fí­si­ca pe­la Es­efe­go e re­cém-ca­sa­da, mi­nis­tra­va au­las de dan­ça-jazz, gi­nás­ti­ca e yo­ga, den­tre ou­tros lu­ga­res, nas Es­co­las Yu­fon de Go­i­â­nia e Bra­sí­lia di­ri­gi­das pe­la ele­gan­te e di­nâ­mi­ca Ni­ze de Frei­tas, fi­lha do pri­mei­ro pre­fei­to de Go­i­â­nia, Ve­ne­ran­do de Frei­tas. To­dos os fi­nais de ano co­mo ocor­re até os di­as atu­ais, as aca­de­mi­as ou es­co­las de dan­ça fa­zi­am per­for­man­ces dos tra­ba­lhos de­sen­vol­vi­dos no ano.

Na­que­le fi­nal de 1979, Ni­ze de Frei­tas con­vi­dou o íco­ne da dan­ça jazz, Ni­no Gio­va­net­ti, pa­ra co­re­o­gra­far e di­ri­gir o es­pe­tá­cu­lo Bub­bling Brown Su­gar, a ser re­a­li­za­do no Te­a­tro Go­i­â­nia. O show con­ta­va com a par­ti­ci­pa­ção do cor­po do­cen­te e dis­cen­te da aca­de­mia Yu­fon.

Gio­va­net­ti era pos­su­i­dor de um cur­rí­cu­lo in­ve­já­vel pa­ra os que li­da­vam com a dan­ça, es­pe­ci­al­men­te o jazz, a pai­xão e a es­pe­cia­li­da­de da­que­la jo­vem pro­fes­so­ra. Di­re­tor, pro­fes­sor e pre­si­den­te da Aca­de­mia Jazz de Bal­let Ni­no Gio­va­net­ti, no Rio de Ja­nei­ro, ele era um dos mais re­qui­si­ta­dos bai­la­ri­nos e co­re­ó­gra­fos do Bra­sil. Foi um dos in­tro­du­to­res do Jazz em nos­so pa­ís. Fez cur­sos em vá­rios lu­ga­res da Eu­ro­pa, da Amé­ri­ca La­ti­na e dos Es­ta­dos Uni­dos. Na Eu­ro­pa, foi o 1º bai­la­ri­no na Cia de Lu­ci­a­no Lu­ci­an­ni. Mo­rou e apre­sen­tou-se em Ro­ma, dan­çou no Mé­xi­co e nos EEUU com Mar­tha Gra­nham.

No Bra­sil, foi o 1º bai­la­ri­no pa­ra Car­los Man­ga, e, na TV Ex­cel­si­or/Rio, dan­çou com “fe­ras” co­mo Vil­ma Ver­mont, Le­nie Da­le, Be­te Fa­ria e Da­vid Du­pré. Atuou na tem­po­ra­da do Bal­let Jazz pa­ra qua­tro ins­tru­men­tos ao la­do de Ru­dolf Nu­reyev e Mar­got Fon­teyn. Co­re­o­gra­fou pa­ra a gran­de mai­o­ria das emis­so­ras de TV do ei­xo Rio de Ja­nei­ro – São Pau­lo. Na ex­tin­ta TV Tupy, atuou em pro­gra­mas com Bi­bi Fer­rei­ra, Mo­a­cir Fran­co e Chi­co Ani­sio. Foi di­re­tor e co­re­ó­gra­fo de shows de Maysa, Eli­ze­te Car­do­so, Wil­son Si­mo­nal, Mar­cos Val­le e Pau­lo Sér­gio Val­le.

Par­ti­ci­pou, co­mo con­vi­da­do de Da­lal As­char, da 1ª per­for­man­ce no Bra­sil. Ao la­do de Ni­na Ver­thi­ni­na e He­le­ni­ta As He­arp, atuou no 1º Fes­ti­val de co­re­ó­gra­fos no Mu­seu de Ar­te Mo­der­na. In­te­grou o elen­co da no­ve­la glo­bal Dan­cing Days. Ni­no foi di­re­tor te­sou­rei­ro e o fun­da­dor do Sin­di­ca­to dos Pro­fis­si­o­nais da Dan­ça do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro. Fun­dou, ain­da, o Con­se­lho Bra­si­lei­ro de Dan­ça, atra­vés da UNES­CO. Foi o co­re­ó­gra­fo da es­co­la de Sam­ba Im­pé­rio Ser­ra­no. Gio­va­net­ti, que nas­ceu em São Pau­lo em 1933, con­ti­nuou atu­an­te em sua aca­de­mia no Rio de Ja­nei­ro até fa­le­cer em 26 de no­vem­bro de 2008 em Goyta­ca­zes.

Vol­tan­do ao show pro­du­zi­do por Ni­no Gio­va­net­ti em Go­i­â­nia:  res­sal­ta­mos que os pro­fes­so­res e alu­nos da Es­co­la Yu­fon fi­ca­ram en­can­ta­dos com a pre­sen­ça fre­quen­te da­que­le íco­ne, nas idas e vin­das en­tre Rio de Ja­nei­ro e Go­i­â­nia, pa­ra a di­re­ção e mon­ta­gem do es­pe­tá­cu­lo go­i­a­no. Quan­do se au­sen­ta­va, os pro­fes­so­res eram os res­pon­sá­veis pe­los inú­me­ros e in­can­sá­veis en­sai­os das co­re­o­gra­fi­as ide­a­li­za­das pe­lo no­bre co­re­ó­gra­fo. Na úl­ti­ma vez em que es­te­ve em nos­sa ca­pi­tal, an­tes do show, no en­saio ge­ral, a pro­fes­so­ra não se con­te­ve. Ti­e­te. Pe­diu a ele pa­ra ti­ra­rem uma fo­to jun­tos. Ima­gi­nou (re­cém-ca­sa­da com um ma­ri­do ciu­men­to) uma fo­to con­ven­cio­nal ao la­do de um ído­lo. Que na­da! Ele di­ri­giu a fo­to­gra­fia ori­en­tan­do-a: “co­lo­que a per­na di­rei­ta aqui” (ela, num sal­to, co­lo­cou a per­na fle­xio­na­da na al­tu­ra da cin­tu­ra de­le), e, se­gu­ran­do-a pe­la cin­tu­ra, su­ge­riu que ela ele­vas­se a per­na e o bra­ço es­quer­dos pa­ra o al­to, en­quan­to fa­zia o mes­mo com o bra­ço di­rei­to. Ela pen­sa­va na an­sie­da­de e no or­gu­lho de es­tar, li­te­ral­men­te, nos bra­ços da­que­le pa­tri­mô­nio ar­tís­ti­co in­ter­na­ci­o­nal… E o fo­tó­gra­fo: clic! Clic! Clic.

Ah! – Con­jec­tu­rou – de­pois aguar­do o mo­men­to ade­qua­do pa­ra mos­trar as fo­tos e sua ale­gria ao ma­ri­do ciu­men­to. Di­as de­pois (ela ain­da não ti­nha vis­to as fo­to­gra­fi­as), che­gan­do à Es­co­la Yu­fon  pa­ra as au­las do pe­rí­o­do ma­tu­ti­no, to­dos es­ta­vam eu­fó­ri­cos. Pa­ra sua sur­pre­sa, es­ta­va lá, enor­me, es­tam­pa­da na pá­gi­na do jor­nal, com o Ni­no Gio­va­net­ti, num Pas de Deux, es­te­ti­ca­men­te per­fei­to e har­mo­ni­o­so. Usa­ram a fo­to­gra­fia pa­ra a di­vul­ga­ção ma­ci­ça do show em Go­i­â­nia.  Fi­cou mais uma vez or­gu­lho­sa e ain­da mais an­sio­sa. Não ti­nha, ain­da, mos­tra­do as fo­to­gra­fi­as e nem abor­da­do o as­sun­to com o ma­ri­do. Eis que, pa­ra sua mai­or sur­pre­sa, ele foi ex­tre­ma­men­te com­pre­en­si­vo. Apro­vou e ad­mi­rou as per­for­man­ces ar­tís­ti­cas da pro­fes­so­ra-bai­la­ri­na, e, per­ce­ben­do o de­sem­pe­nho e o en­can­ta­men­to da es­po­sa pe­la dan­ça par­ti­ci­pou, mais ati­va­men­te, sem pos­ses­si­vi­da­de, do tra­ba­lho de­la, en­quan­to pro­fes­so­ra de jazz, co­re­ó­gra­fa e bai­la­ri­na. E a uni­ão en­tre os dois se for­ta­le­ceu.

Ela sou eu.

 

(Eli­za­beth Cal­dei­ra Bri­to, es­cri­to­ra aca­dê­mi­ca, den­tre ou­tras, da Aca­de­mia Fe­mi­ni­na de Le­tras e Ar­tes de Go­i­ás. Cri­a­do­ra e or­ga­ni­za­do­ra da pá­gi­na do­mi­ni­cal do Di­á­rio da Ma­nhã, Ofi­ci­na Po­é­ti­ca. [email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais