diario da manha

Há 196 anos o Bra­sil tor­nou-se in­de­pen­den­te, ofi­ci­al­men­te de Por­tu­gal, Es­se fei­to che­gou ao Bra­sil pe­la ação de D. Pe­dro I em 7 de se­tem­bro de 1822. A In­de­pen­dên­cia do Bra­sil sig­ni­fi­cou que o Bra­sil dei­xou de ser uma co­lô­nia por­tu­gue­sa, tor­nan­do um Es­ta­do Na­ci­o­nal.

O pre­ce­den­te de to­do o mo­vi­men­to pa­ra que o Bra­sil se tor­nas­se uma na­ção li­vre, te­ve iní­cio na eco­no­mia, ten­do em vis­ta a aber­tu­ra dos por­tos pa­ra os in­gles­es à co­mer­cia­li­za­ção com o Bra­sil. In­te­res­ses que mo­ti­va­ram a in­de­pen­dên­cia do Bra­sil. Tra­ta­dos da Fran­ça com Por­tu­gal fo­ram que­bra­dos e o Bra­sil pas­sou a ser qua­se uma me­tró­po­le de Por­tu­gal, po­rém com man­dos e des­man­dos por­tu­gues­es. Es­te foi um pon­to cha­ve pa­ra a in­de­pen­dên­cia do nos­so Pa­ís. No en­tan­to, nos­sa li­ber­da­de cus­tou mui­to ca­ro aos co­fres bra­si­lei­ros, bem sa­be­mos que a in­de­pen­dên­cia só ocor­reu pe­los ar­ran­jos po­lí­ti­cos. Na re­a­li­da­de foi fei­to um acor­do po­lí­ti­co pa­ra es­sa in­de­pen­dên­cia, sen­do que o Bra­sil te­ve que pa­gar 2 mil li­bras es­ter­li­nas co­mo in­de­ni­za­ção pa­ra Por­tu­gal e D. Pe­dro foi co­ro­a­do o pri­mei­ro go­ver­nan­te do no­vo es­ta­do cha­ma­do Bra­sil. En­di­vi­dou-se com o Rei­no Uni­do, pa­ra pa­gar o tri­bu­to exi­gi­do co­mo in­de­ni­za­ção pa­ra a li­ber­da­de do Bra­sil. Por que ocor­reu is­to? A no­va na­ção não ti­nha o di­nhei­ro exi­gi­do pe­la co­roa por­tu­gue­sa e a In­gla­ter­ra em­pres­tou o re­cur­so. As­sim, o Bra­sil nas­ce, com uma dí­vi­da com a In­gla­ter­ra. O pa­ís ini­ciou com alie­na­ção des­sa dí­vi­da enor­me. As­sim, a In­de­pen­dên­cia ocor­reu, sem a par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar, na es­tru­tu­ra da so­ci­e­da­de cons­ti­tu­í­da pe­los in­te­res­ses dos la­ti­fun­di­á­rios, da bur­gue­sia in­gle­sa e da clas­se mé­dia.

Tra­go pa­ra o nos­so con­tex­to aque­le mo­men­to que pa­re­ce atu­al. Só que mes­mo que o nos­so pa­ís te­nha ca­mi­nha­do des­de aque­le ano de 1822, até a pre­sen­te da­ta, in­va­di­do pe­los in­te­res­ses po­lí­ti­cos e mi­di­á­ti­cos, ho­je po­de­mos nos sen­tir li­vres ao di­rei­to de es­co­lher; de ser li­vres pe­la par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar, atra­vés do vo­to. Es­te é o nos­so trun­fo pa­ra di­zer não aos abu­sos ori­un­dos de in­te­res­ses par­ti­cu­la­res. Va­mos es­co­lher ser li­vres, não ape­nas de Por­tu­gal, mas das vá­ri­as for­mas opres­so­ras da cor­rup­ção e do des­ca­so com o po­vo do qual fa­ço par­te, da na­ção que me per­ten­ce, já que aqui vi­vo, te­nho uma lín­gua que com­bi­na o ín­dio na­ti­vo de nos­sas ter­ras, com os so­fri­dos es­cra­vos. Es­te é o nos­so mai­or bem, nos­sa he­ran­ça, nos­sa cul­tu­ra, nos­sa his­tó­ria, que foi per­me­a­da de san­gue e dor.

Uma his­tó­ria que aca­ba de ser en­ter­ra­da nas cin­zas do Mu­seu Na­ci­o­nal no Rio de Ja­nei­ro. 20 mi­lhões de itens de his­tó­ria se es­vaí­ram em cha­mas, no do­min­go pas­sa­do. O mun­do to­do cho­rou pe­la tra­gé­dia, cau­sa­da pe­la fal­ta de con­sci­ên­cia do po­der pú­bli­co.  Des­de 2015 já es­ta­va sen­do so­li­ci­ta­da uma re­for­ma e na­da se fez. Em 2018 só fun­cio­na­va com o mí­ni­mo ne­ces­sá­rio. E ago­ra nos­so 7 de se­tem­bro, cu­ja his­tó­ria foi tra­zi­da pe­la fa­mí­lia re­al que ha­bi­tou o Pa­lá­cio Im­pe­ri­al do Bra­sil, o en­tão Mu­seu Na­ci­o­nal, não tem his­tó­ria es­cri­ta pa­ra co­me­mo­rar a In­de­pen­dên­cia. Va­mos en­tão co­me­çar uma no­va his­tó­ria? Sim. Tal­vez a his­tó­ria sem a luz dos fei­tos de nos­sos an­ces­tra­is. Mui­to tris­te, es­te des­fe­cho pa­ra o meu tex­to de co­me­mo­ra­ção da In­de­pen­dên­cia do Bra­sil! Um des­ca­so com a cul­tu­ra eva­di­da dos so­nhos po­lí­ti­cos! Co­mo cons­tru­ir uma na­ção sem pre­ce­den­tes de pes­qui­sa, de his­tó­ria? Co­mo co­nhe­cer sem bus­cas? Es­ta­mos ór­fã­os da mai­or ri­que­za que es­ta­va guar­da­da no Mu­seu e que foi cons­ti­tu­í­da por pes­so­as que co­nhe­cem o va­lor da cul­tu­ra na­ci­o­nal e que se es­vaiu pe­lo des­ca­so, pe­la cor­rup­ção.

Pe­ço a Deus pe­los des­ti­nos do nos­so que­ri­do Pa­ís! Pá­tria ama­da Bra­sil! Pe­ço tam­bém a Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, Pa­dro­ei­ra do Bra­sil que nor­teie os nos­sos fu­tu­ros go­ver­nan­tes, so­bre­tu­do, que nor­teie nos­sas de­ci­sões de vo­tar­mos em pes­so­as que sai­bam con­du­zir com ze­lo nos­sas ter­ras, nos­sa gen­te! Que a nos­sa que­ri­da pá­tria Bra­sil, acor­de nes­te 7 de se­tem­bro de 2018, com no­vas es­pe­ran­ças, pa­ra o re­co­me­ço de uma no­va his­tó­ria de in­de­pen­dên­cia.

Ao en­se­jo que­ro cum­pri­men­tar meu que­ri­do ne­to, Ní­co­las, que com­ple­ta nes­te 7 de se­tem­bro 8 anos. Que es­sa cri­an­ça pos­sa vis­lum­brar um pa­ís com mui­tas vi­tó­rias e pos­sa con­tar lin­das his­tó­ri­as de paz, de hu­ma­ni­da­de e de pro­gres­so. Que ela co­mo to­das as ou­tras cri­an­ças do Bra­sil pos­sam can­tar com to­da pro­pri­e­da­de que já “rai­ou o sol da li­ber­da­de, no ber­ço es­plên­di­do do Bra­sil”

 

(Cé­lia Va­la­dão Su­pe­rin­ten­den­te de Ha­bi­ta­ção e Re­gu­la­ri­za­ção Fun­di­á­ria, Can­to­ra e Ba­cha­rel em Di­rei­to)

Comentários