Opinião

Michael Jackson

diario da manha

Se es­ti­ves­se vi­vo Mi­cha­el Jackson com­ple­ta­ria es­te ano ses­sen­ta anos de ida­de. Há anos atrás apre­cia­va pou­cos can­to­res de rock. Fa­zia de­les um ju­í­zo de va­lor ne­ga­ti­vo. Al­guns me açoi­ta­vam os ou­vi­dos com seus to­ques, que mais pa­re­ci­am ru­í­dos do que sons mu­si­cais. A ex­ce­ção, na­que­les tem­pos, era Ja­mes Brown, o pa­dri­nho do soul ame­ri­ca­no. Tam­bém, era uma len­da. Na sua bri­lhan­te car­rei­ra, des­fi­la­ram es­cân­da­los, e mais de 800 mú­si­cas gra­va­das. Sa­be-se que não te­ve sos­se­go nem após a sua mor­te, aos 73 anos, uma vez que a dis­pu­ta por sua he­ran­ça fez com que seu cor­po fi­cas­se in­se­pul­to por qua­se dois mes­es pa­ra ser en­ter­ra­do. Ho­je, “Mr. Dyna­mi­te”, des­can­sa em paz. Não sei o que acon­te­ceu com o le­ga­do do “Rei do Pop”, Mi­cha­el Jackson. Quan­do fa­le­ceu eu vi pe­la TV o der­ra­dei­ro tri­bu­to a ele pres­ta­do, em Los An­ge­les. En­trou pa­ra a his­tó­ria da mú­si­ca co­mo uma das mais co­mo­ve­do­ras ho­me­na­gens a um as­tro que foi pa­ra a eter­ni­da­de dei­xan­do um mon­te de per­gun­tas não res­pon­di­das. Seus fi­lhos fo­ram con­ce­bi­dos na­tu­ral­men­te? Por que es­con­dia seu ros­to com vá­ri­as más­ca­ras e pa­nos? Es­tra­nho. Mui­ta es­tra­nhe­za foi pa­ra o tú­mu­lo com ele. No fi­nal do tri­bu­to, que a mí­dia cha­mou de “showne­ral”, to­dos os que o ho­me­na­ge­a­ram su­bi­ram ao pal­co do Sta­ples Cen­ter e can­ta­ram “We Are the World” e “He­al the World”, du­as be­lís­si­mas can­ções mes­si­â­ni­cas que mar­ca­ram os mo­men­tos de fi­lan­tro­pia de Mi­cha­el. Não se po­de es­que­cer de que “Nós so­mos o mun­do”, – o gran­de su­ces­so in­ter­na­ci­o­nal, foi gra­va­do em 1985, pa­ra an­ga­ri­ar fun­dos às ví­ti­mas da fo­me na Etió­pia. Ape­sar de su­as vá­ri­as fa­ces e vi­das, to­das chei­as de sur­pre­sas, de po­lê­mi­cas, há que se no­tar sua so­li­da­ri­e­da­de, su­as ini­ci­a­ti­vas fi­lan­tró­pi­cas, na sua mai­o­ria, vol­ta­das pa­ra as cri­an­ças. Afir­ma-se que do­ou mais de 300 mi­lhões de dó­la­res pa­ra obras de ca­ri­da­de, sen­do que até ho­je foi a mai­or do­a­ção fei­ta por uma úni­ca pes­soa no mun­do. Em 1992, Mi­cha­el cri­ou a “He­al the World Foun­da­ti­on”, com a fi­na­li­da­de de aju­dar cri­an­ças de paí­ses po­bres. Ha­ja vis­ta que, em 1984, re­ce­beu o Prê­mio Pre­si­den­ci­al Hu­ma­ni­tá­rio das mãos do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ro­nald Re­a­gan, na Ca­sa Bran­ca. Foi um pai na­da con­ven­cio­nal. Mas, era ama­do. Cau­sa­ram emo­ções as pa­la­vras fi­nais de sua fi­lha Pa­ris Mi­cha­el Ka­the­ri­ne, que ao pe­gar o mi­cro­fo­ne dis­se: “Des­de que nas­ci, meu pai foi o me­lhor pai que se po­de ima­gi­nar, e que­ro di­zer que te amo mui­to”. Quan­to a mim, que não dei­xo de as­sis­tir es­sas ce­ri­mô­ni­as fú­ne­bres, me emo­ci­o­nei quan­do a atriz Bro­oke Shi­elds, aque­la be­la jo­vem que no pas­sa­do fez o pa­pel prin­ci­pal de “La­goa Azul”, cu­jos olhos ma­re­ja­vam-se-lhe en­quan­to fa­la­va, dis­se que a can­ção fa­vo­ri­ta de Jackson era “Smi­le”, mú­si­ca te­má­ti­ca do fil­me “Tem­pos Mo­der­nos”, de Char­les Cha­plin, ro­da­do em 1936. Mas, a emo­ção mai­or veio em se­gui­da: Jer­mai­ne Jackson, ir­mão de Mi­cha­el, en­to­ou a mú­si­ca le­van­do a lá­gri­mas os mi­lha­res de fãs pre­sen­tes. E, as­sim, foi o úl­ti­mo ade­us do mai­or ído­lo da his­tó­ria da mú­si­ca pop mun­di­al, que, se es­ti­ves­se vi­vo se­ria um se­xa­ge­ná­rio.

 

(Lu­iz Au­gus­to Pa­ra­nhos Sam­paio, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás da Aca­de­mia Ca­ta­la­na de Le­tras e da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res. E-mail: lui­zau­gus­to­sam­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais