Opinião

O mercado de trabalho na era dos bots e da IA

diario da manha

Há al­guns anos, des­de que es­trei­ta­mos o re­la­ci­o­na­men­to com a tec­no­lo­gia, as dú­vi­das so­bre o quan­to is­so im­pac­ta­ria re­al­men­te em nos­sas vi­das per­mei­am em ro­das de con­ver­sa e as men­tes de mui­tas pes­so­as. O que aca­ba, o que se re­no­va, qua­is opor­tu­ni­da­des sur­gem?

E, em tem­pos in­cer­tos co­mo o que vi­ve­mos atu­al­men­te, com o de­sa­fi­a­dor ce­ná­rio eco­nô­mi­co que nos en­vol­ve em cer­ta pre­o­cu­pa­ção, é co­mum o re­ceio de que pes­so­as se­jam sub­sti­tu­í­das por má­qui­nas. É cer­to que, em pou­cos anos, mui­tas das ati­vi­da­des ho­je exer­ci­das por hu­ma­nos se­jam re­a­li­za­das por elas, de for­ma mais rá­pi­da e mais ba­ra­ta.

Mas, as­sim co­mo mui­tos eco­no­mis­tas, acre­di­to que mui­tas pro­fis­sões sur­gi­rão des­sas mu­dan­ças. Pa­ra a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­cial fun­cio­nar, por exem­plo, é ne­ces­sá­ria a ação hu­ma­na, pois as má­qui­nas pre­ci­sam de pro­fis­si­o­nais pa­ra apre­en­der e com­pre­en­der o que as pes­so­as fa­lam.

E é aí que en­tram as no­vas pro­fis­sões. Por trás de um chat­bot, por exem­plo, há di­ver­sos pro­fis­si­o­nais, co­mo os lin­guis­tas com­pu­ta­cio­nais, que vêm sen­do bas­tan­te re­qui­si­ta­dos pe­las de­sen­vol­ve­do­ras de so­lu­ções. For­ma­dos em di­ver­sas áre­as, co­mo le­tras, jor­na­lis­mo e áre­as afim, eles são res­pon­sá­veis por en­ri­que­cer a fer­ra­men­ta, tra­ba­lhan­do a par­te de con­te­ú­do e en­ten­di­men­to da má­qui­na. Mas há ain­da os ci­en­tis­tas de da­dos, cu­ra­do­res de co­nhe­ci­men­to, trei­na­do­res de bots, re­da­to­res, den­tre ou­tros. As pes­so­as não de­vem te­mer uma in­va­são ro­bó­ti­ca com re­ceio de não te­rem mais es­pa­ço no mer­ca­do de tra­ba­lho. En­xer­go es­sa tec­no­lo­gia co­mo uma re­a­dap­ta­ção do ser hu­ma­no na re­la­ção com o em­pre­go.

No Bra­sil, exis­tem cer­ca de 17 mil bots, que re­gis­tram um trá­fe­go men­sal de 800 mi­lhões de men­sa­gens, se­gun­do o Ma­pa do Ecos­sis­te­ma Bra­si­lei­ro de Bots, pro­du­zi­do pe­lo Mo­bi­le Ti­me. E qua­is as con­se­quên­cias do cres­ci­men­to ver­ti­gi­no­so des­se mer­ca­do? Es­tu­dos apon­tam que 50% da for­ça de tra­ba­lho se­rá sub­sti­tu­í­da até 2050; as em­pre­sas re­du­zi­rão cer­ca de U$ 8 bi em seus cus­tos anua­is até 2022; ha­ve­rá au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de; se­rá a re­vo­lu­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho! Mas, as per­gun­tas que fi­cam: e o de­sem­pre­go? O ser hu­ma­no fi­ca­rá oci­o­so?

Pro­fis­si­o­nais da área já tra­çam al­gu­mas re­a­ções des­sa re­vo­lu­ção di­gi­tal, en­tre as qua­is es­tão os pro­gra­mas de re­qua­li­fi­ca­ção pa­ra pro­fis­sões com ris­co de au­to­ma­ção, adap­ta­ções na le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta, re­du­ção e fle­xi­bi­li­za­ção da jor­na­da de tra­ba­lho e im­pos­tos pa­ra uti­li­za­ção de ro­bôs.

Ou­tro pon­to im­por­tan­te a ser ob­ser­va­do é que, ape­sar de já no­tar­mos al­gu­mas sub­sti­tui­ções no tra­ba­lho, os ro­bôs não con­se­guem in­cor­po­rar al­guns va­lo­res do ser hu­ma­no. Na com­pa­ra­ção ho­mem-má­qui­na, os ro­bôs co­me­tem me­nos er­ros, ge­ram me­nos cus­tos, tra­ba­lham 24×7, são mais ágeis em exe­cu­ção de ta­re­fas re­pe­ti­ti­vas e pre­ci­sam de me­nos trei­na­men­to. Já os ho­mens têm a ca­pa­ci­da­de de cri­ar e ino­var, a fa­ci­li­da­de em li­dar com pes­so­as e a ha­bi­li­da­de com ta­re­fas mais com­ple­xas.

O que po­de­mos con­clu­ir com tu­do is­so? Que os ro­bôs es­tão tra­zen­do uma re­vo­lu­ção ao mer­ca­do de tra­ba­lho e que, ca­da vez mais, a ca­pa­ci­ta­ção e o de­sen­vol­vi­men­to de no­vas ha­bi­li­da­des se­rão a cha­ve pa­ra as pes­so­as se man­te­rem ati­vas no mer­ca­do.

 

(Cas­sia­no Mas­chio é Di­re­tor Co­mer­cial da In­ben­ta, em­pre­sa que au­xi­lia o re­la­ci­o­na­men­to on­li­ne das mar­cas com seus cli­en­tes)

Comentários