Opinião

Os rios do cerrado e as consequências do desaparecimento

diario da manha

O cer­ra­do de­ve ser vis­to co­mo um Sis­te­ma Bi­o­ge­o­grá­fi­co, não só com­pos­to de ve­ge­ta­ção, mas um con­jun­to de ele­men­tos in­ter­de­pen­den­tes, cu­ja mo­di­fi­ca­ção em qual­quer um des­ses, de­sen­ca­deia mo­di­fi­ca­ções nos de­mais. A ve­ge­ta­ção va­ria de um  gra­dien­te to­tal­men­te aber­to, co­mo as cam­pi­nas, até am­bi­en­tes som­bre­a­dos com as man­chas de ma­ta, pas­san­do por uma va­ri­e­da­de de mui­tas for­mas in­ter­me­di­á­rias, mas to­das in­ter­de­pen­den­tes. Es­sa li­ga­ção se dá tam­bém com o so­lo, com a água, com os ani­mais, com a am­pli­tu­de tér­mi­ca di­á­ria, com a ge­o­mor­fo­lo­gia e as­sim por di­an­te, to­das são elos de uma mes­ma cor­ren­te. A jun­ção de al­guns des­ses ele­men­tos foi fa­tor pri­mor­di­al de ocu­pa­ção hu­ma­na, des­de os an­ces­tra­is in­dí­ge­nas até a con­tem­po­ra­ne­i­da­de. Os le­mas que gui­a­ram a con­quis­ta do ter­ri­tó­rio qua­se sem­pre fo­ram a for­ça, a ga­nan­cia e o des­res­pei­to ide­o­ló­gi­co, dei­xan­do sem­pre ras­tros de pro­fun­da vi­o­lên­cia e des­res­pei­to aos ele­men­tos  com­po­nen­tes do sis­te­ma.

Es­tu­dos re­fe­ren­tes ao se­qües­tro e fi­xa­ção de dió­xi­do de car­bo­no por for­mas ve­ge­ta­cio­nais de­mons­tram a im­por­tân­cia e a re­la­ção di­re­ta que o Cer­ra­do tem exer­ci­do ao lon­go da sua his­tó­ria evo­lu­ti­va pa­ra o equi­lí­brio da vi­da no pla­ne­ta Ter­ra. No mes­mo sen­ti­do, es­tu­dos de Ge­o­tec­nia apon­tam o va­lor dos len­çóis fre­á­ti­cos, ar­te­si­a­nos e aqüí­fe­ros, ori­un­dos do Cer­ra­do, pa­ra a pe­re­ni­da­de das prin­ci­pa­is ba­cias hi­dro­grá­fi­cas da Amé­ri­ca do Sul.

En­tre­tan­to, a ocu­pa­ção hu­ma­na de­sor­de­na­da, de­cor­ren­te de pro­gra­mas de po­lí­ti­cas pú­bli­cas equi­vo­ca­das, que co­lo­cam o Cer­ra­do co­mo gran­de fron­tei­ra de ex­pan­são agrí­co­la e eco­nô­mi­ca, tem cri­a­do um pa­no­ra­ma as­sus­ta­dor, de di­men­sões nun­ca ob­ser­va­das na His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de.

Nes­se con­tex­to, o Cer­ra­do foi e é re­cor­ta­do por inú­me­ras es­tra­das, rios são re­pre­sa­dos, mon­ta­nhas apla­i­na­das, ve­ge­ta­ção der­ru­ba­da, rom­pen­do o equi­lí­brio da ca­deia ali­men­tar e, co­mo con­se­qüên­cia, ani­mais são le­va­dos a ex­tin­ção, co­mu­ni­da­des ru­ra­is de­ses­tru­tu­ra­das de for­ma avas­sa­la­do­ra e ao cres­ci­men­to rá­pi­do e de­sor­de­na­do dos po­los ur­ba­nos.

Ge­ral­men­te, os res­pon­sá­veis pe­la im­plan­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas não le­vam em con­si­de­ra­ção o “tem­po da na­tu­re­za” em seus pla­ne­ja­men­tos; tam­pou­co con­si­de­ram a di­nâ­mi­ca da Eco­lo­gia do Cer­ra­do. Por es­ta ra­zão são in­ca­pa­zes de en­ten­der as­pec­tos da sua his­tó­ria evo­lu­ti­va, cu­jo tem­po é me­di­do pe­los pa­drões es­ta­be­le­ci­dos pe­la Ge­o­lo­gia, e cal­cu­la­do em mi­lha­res, mi­lhões e até bi­lhões de anos an­tes do tem­po pre­sen­te.

Se es­te ce­ná­rio con­ti­nu­ar per­sis­tin­do, den­tro de um tem­po mais cur­to que pos­sa­mos ima­gi­nar po­de­re­mos pre­sen­ci­ar um qua­dro de­so­la­dor, con­for­me nos apon­tam da­dos e ob­ser­va­ções atu­ais.

No Sis­te­ma Bi­o­ge­o­grá­fi­co do Cer­ra­do, as águas sub­ter­râ­ne­as se  acu­mu­lam di­fe­ren­te­men­te nos di­ver­sos sub­sis­te­mas.

Nos Sub­sis­te­mas de Cam­pos, tam­bém co­nhe­ci­dos pe­las de­no­mi­na­ções de Cha­pa­dões ou Cam­pi­nas Ta­bu­la­res, o len­çol de água é pro­fun­do e cons­ti­tui-se no gran­de ali­men­ta­dor dos aquí­fe­ros. E, de­pen­den­do da na­tu­re­za do so­lo, a água das chu­vas que é in­fil­tra­da se des­lo­ca de for­ma mais ou me­nos rá­pi­da em di­re­ção aos aquí­fe­ros. Nos cha­pa­dões de ori­gem la­cus­tre, a in­fil­tra­ção é mais len­ta e de­pen­de ex­clu­si­va­men­te das for­mas ve­ge­ta­cio­nais na­ti­vas.

Nos Sub­sis­te­mas de Cer­ra­do ‘stric­to sen­su’ e Cer­ra­dão, si­tu­a­dos nos in­ter­flú­vi­os, a água da chu­va, que se in­fil­tra no so­lo, for­ma um len­çol fre­á­ti­co ri­co e abun­dan­te e tam­bém pro­fun­do. Gran­de par­te das águas plu­vi­ais es­cor­re, pa­ra o lei­to dos rios de acor­do com a de­cli­vi­da­de dos ter­re­nos, on­de o es­tra­to de gra­mí­ne­as e ar­bus­tos na­ti­vos é den­so, não há pro­ces­sos acen­tu­a­dos de ra­vi­na­men­tos; o con­trá­rio ocor­re quan­do apa­re­cem man­chas que ca­rac­te­ri­zam áre­as des­nu­da­das.

Nos Cer­ra­dos e Cer­ra­dões, si­tu­a­dos em em áre­as com de­cli­ves mais acen­tu­a­dos, não há for­ma­ção de len­çol fre­á­ti­co. As águas plu­vi­ais es­cor­rem com ve­lo­ci­da­de pa­ra o lei­to dos cur­sos d’águas.

No sub­sis­te­ma de Ma­tas, o len­çol fre­á­ti­co é abun­dan­te e sub-su­per­fi­ci­al, em fun­ção do ca­rá­ter om­bró­fi­lo, que di­mi­nui o im­pac­to da in­so­la­ção e da se­ra­pi­lhei­ra que pro­te­ge o so­lo. A re­de hi­dro­grá­fi­ca que aí se for­ma é ca­rac­te­ri­za­da por pe­que­nos cór­re­gos e mui­to ri­ca. Sua ori­gem e ali­men­ta­ção es­tão na de­pen­dên­cia di­re­ta dos len­çóis fre­á­ti­cos aí exis­ten­tes.

Nas Ma­tas Ci­li­a­res, o pa­no­ra­ma é si­mi­lar; a di­fe­ren­ça é que o len­çol fre­á­ti­co ali­men­ta di­re­ta­men­te o cur­so d’água mais pró­xi­mo, atra­vés do es­co­a­men­to rá­pi­do.

Nas Ve­re­das, em fun­ção do sis­te­ma ra­di­cu­lar das plan­tas e do ca­rá­ter do so­lo hú­mi­co, tur­fo­so e às ve­zes ar­gi­lo­so, o len­çol é abun­dan­te e su­per­fi­ci­al, for­man­do pe­que­nas la­go­as e sen­do res­pon­sá­vel pe­las nas­cen­tes dos cur­sos d’águas do cer­ra­do, cu­ja mor­fo­lo­gia se apre­sen­ta co­mo um an­fi­te­a­tro.

Uma vez re­ti­ra­da a co­ber­tu­ra ve­ge­tal na­ti­va, em qual­quer sub­sis­te­ma de cer­ra­do, tem-se iní­cio um pro­ces­so de de­si­qui­lí­brio, que ma­ni­fes­ta nas for­mas se­guin­tes. O pri­mei­ro len­çol a se­car é o que se en­con­tra nos sub­sis­te­mas de Ma­tas, Ma­tas Ci­li­a­res e Ve­re­das. O tem­po pa­ra a fi­na­li­za­ção des­te pro­ces­so, de acor­do com ob­ser­va­ções, si­tua-se en­tre dois a cin­co anos. Nas Ve­re­das, por se tra­tar de um len­çol su­per­fi­ci­al, o pro­ces­so de de­sa­pa­re­ci­men­to se­rá mui­to ace­le­ra­do; tal­vez não che­gue a al­can­çar o pe­rí­o­do de dois anos. Nos Ca­pões ou man­chas de ma­tas mais ho­mo­gê­ne­as, ti­po as que de­fi­ni­am em ou­tros tem­pos o cha­ma­do Ma­to Gros­so Go­i­a­no, a re­de de dre­na­gem ca­rac­te­ri­za­da por pe­que­nos cór­re­gos, tam­bém se­rá ex­tin­ta no pra­zo de dois a cin­co anos; dei­xan­do nos lo­ca­is, os ca­mi­nhos se­cos, que se­rão avo­lu­ma­dos por pro­ces­sos ero­si­vos co­los­sais, em ca­da es­ta­ção chu­vo­sa, de­pen­den­do da gê­ne­se dos so­los.

Nos Cer­ra­dos e Cer­ra­dões si­tu­a­dos nos in­ter­flú­vi­os, os len­çóis se­ca­rão no pra­zo má­xi­mo de cin­co a oi­to anos. Ha­ve­rá a acen­tu­a­ção dos pro­ces­sos de ra­vi­na­men­to, cu­jas ero­sões se­rão ca­pa­zes de es­cul­pir no so­lo si­nis­tras ci­ca­tri­zes rui­ni­for­mes.

A re­ti­ra­da to­tal da co­ber­tu­ra ve­ge­tal afe­ta­rá, tam­bém de for­ma de­ci­si­va, a já re­du­zi­da re­car­ga dos aqüí­fe­ros, cu­jas re­ser­vas che­ga­rão a um ní­vel crí­ti­co, pois as águas plu­vi­ais que con­se­gui­rem pe­ne­trar atra­vés do so­lo se­rão de ime­di­a­to ab­sor­vi­das por es­tes, da­do aos seus es­ta­dos de ari­dez em fun­ção da in­so­la­ção. A pou­ca umi­da­de re­ti­da se eva­po­ra­rá de for­ma rá­pi­da de­vi­do às mes­mas cau­sas. No iní­cio, os pro­ble­mas ori­un­dos des­sa si­tu­a­ção ten­ta­rão ser con­tor­na­dos com a cons­tru­ção de bar­ra­men­tos, atra­vés de cur­vas de ní­veis e pe­que­nos açu­des, pa­ra re­ter as águas das chu­vas. En­tre­tan­to, os am­bi­en­tes que sur­gem des­se pro­ces­so, ori­gi­na a ar­gi­li­ci­fi­ca­ção e a con­se­quen­te im­per­me­a­bi­li­za­ção do fun­do dos po­ços, que, as­so­cia­da à for­te in­so­la­ção, re­sul­ta­rá nu­ma ação de nu­la efi­cá­cia.

O pri­mei­ro aqüí­fe­ro a ter su­as re­ser­vas di­mi­nu­í­das se­rá o Uru­cu­ia, até o qua­se to­tal de­sa­pa­re­ci­men­to, se­gui­do do aqüí­fe­ro Bam­buí e do aqüí­fe­ro Gua­ra­ni. O pra­zo pa­ra fi­na­li­za­ção des­te pro­ces­so, de acor­do com da­dos de Ge­o­tec­nia atu­ais, de­ve­rá com­pre­en­der um pe­rí­o­do si­tu­a­do en­tre 15 a 25 anos.

Com o de­sa­pa­re­ci­men­to do len­çol fre­á­ti­co, se­gui­do da di­mi­nu­i­ção drás­ti­ca da re­ser­va dos aqüí­fe­ros, os rios ini­ci­a­rão um pro­ces­so de di­mi­nu­i­ção da pe­re­ni­da­de, os­ci­lan­do sem­pre pa­ra me­nos, en­tre uma es­ta­ção chu­vo­sa e ou­tra e de­sa­pa­re­cen­do qua­se que por com­ple­to na es­ta­ção se­ca. Es­te fa­to afe­ta­rá pri­mei­ro os pe­que­nos cur­sos d’água, de­pois os de mé­dio por­te e em se­gui­da os gran­des rios.

Os fe­nô­me­nos ocor­ri­dos nos cha­pa­dões cen­tra­is do Bra­sil, em fun­ção do de­sa­pa­re­ci­men­to do cer­ra­do, afe­ta­rão de for­ma di­re­ta vá­ri­as par­tes do con­ti­nen­te.

A par­te sul da ca­lha do rio Ama­zo­nas, re­pre­sen­ta­da pe­los bai­xos cha­pa­dões, te­rá uma re­de de dre­na­gem in­sig­ni­fi­can­te no que diz res­pei­to ao vo­lu­me d’água, uma vez que os gran­des aflu­en­tes da mar­gem di­rei­ta que tem su­as nas­cen­tes e seus ali­men­ta­do­res si­tu­a­dos no cer­ra­do, dei­xa­rão de exis­tir ou te­rão seus vo­lu­mes di­mi­nu­í­dos de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va nos cur­sos su­pe­ri­o­res e mé­di­os. Os gran­des aflu­en­tes do rio Ama­zo­nas, pe­la sua mar­gem di­rei­ta, se­rão ali­men­ta­dos ape­nas nos seus cur­sos in­fe­rio­res, fa­to que re­du­zi­rá em mais de 80% su­as va­zões, is­to em fun­ção de es­ta­rem na de­pen­dên­cia di­re­ta do len­çol fre­á­ti­co, que de­pen­de da ve­ge­ta­ção si­tu­a­da nu­ma ba­se cra­tô­ni­ca.

A flo­res­ta equa­to­ri­al dei­xa­rá de exis­tir na sua con­fi­gu­ra­ção ori­gi­nal, sen­do pau­la­ti­na­men­te sub­sti­tu­í­da por uma ve­ge­ta­ção ra­la ti­po caa­tin­ga, sal­pi­ca­da em al­guns lo­ca­is, por es­pé­ci­es de plan­tas adap­ta­das a um am­bi­en­te mais se­co.

O va­le do Par­naí­ba, en­glo­ban­do a ba­cia ge­o­ló­gi­ca Par­naí­ba-Ma­ra­nhão, se­rá in­va­di­do na di­re­ção sul/nor­te por du­nas are­no­sas se­cas, pro­ve­ni­en­tes da for­ma­ção Uru­cu­ia, exis­ten­te no Ja­la­pão e Cha­pa­da das Man­ga­bei­ras. E, na di­re­ção nor­te/sul, por se­di­men­tos are­no­sos li­to­râ­ne­os, da For­ma­ção Poty que ca­rac­te­ri­zam os Len­çóis Ma­ra­nhen­ses e Pi­au­i­en­ses, que em vir­tu­de de con­di­ções fa­vo­rá­veis te­rão fa­ci­li­da­de de tran­spor­te eó­li­co em di­re­ção ao in­te­ri­or. Os atu­ais po­ços jor­ran­tes do va­le do Gur­guéia dei­xa­rão de ser flu­en­tes, mas uma ou ou­tra pe­que­na fon­te con­ti­nu­a­rá exis­tin­do de for­ma pre­cá­ria.

Com o de­sa­pa­re­ci­men­to dos prin­ci­pa­is aflu­en­tes do rio São Fran­cis­co, pe­la sua mar­gem es­quer­da, que cor­tam o are­ni­to Uru­cu­ia, a au­sên­cia de ali­men­ta­ção cons­tan­te, as­so­cia­da ao as­so­re­a­men­to, con­tri­bu­i­rão pa­ra o de­sa­pa­re­ci­men­to do gran­de rio, nos seus as­pec­tos ori­gi­nais. Per­ma­ne­ce­rão al­gu­mas la­go­as e ca­cim­bas on­de o ter­re­no ti­ver ca­rac­te­rís­ti­ca ar­gi­lo­sa, ou ou­tra ro­cha im­per­me­a­bi­li­zan­te ori­gi­ná­ria da me­ta­mor­fo­se do cal­cá­rio Bam­buí.

A Caa­tin­ga que já ca­rac­te­ri­za par­te do cur­so in­fe­ri­or do rio São Fran­cis­co avan­ça­rá um pou­co mais em di­re­ção ao nor­te, tran­si­cio­nan­do pau­la­ti­na­men­te pa­ra a for­ma­ção de uma gran­de área de­sér­ti­ca, que cer­ta­men­te abran­ge­rá o cen­tro, o oes­te, o sul da Ba­hia e nor­te e cen­tro de Mi­nas Ge­ra­is.

A re­gi­ão da Ser­ra da Ca­nas­tra per­ma­ne­ce­rá com al­guns ele­men­tos ori­gi­nais, co­mo uma es­pé­cie de en­cla­ve ge­o­e­co­ló­gi­co, com cli­ma su­bú­mi­do.

Nas áre­as cor­res­pon­den­tes aos for­ma­do­res e bor­das da Ba­cia Hi­dro­grá­fi­ca do Pa­ra­ná, as de­sin­te­gra­ções in­ten­sas dos are­ni­tos Bo­tu­ca­tu e Bau­ru – que já for­ma­ram, na re­gi­ão du­ran­te os pe­rí­o­dos Tri­ás­si­co e Cre­tá­ceo, gran­des de­ser­tos, abran­gen­do um pe­rí­o­do de tem­po com­pre­en­di­do en­tre 245 a 70 mi­lhões de anos an­tes do tem­po atu­al, com pe­que­nas va­ri­a­ções tem­po­ra­is– acor­da­rão de um so­no pro­fun­do, ex­pan­din­do seus grãos de areia, em vá­ri­as di­re­ções, pro­vo­can­do ero­sões co­los­sais, as­so­re­a­men­to e acú­mu­los de se­di­men­tos na con­fi­gu­ra­ção de du­nas. Do cur­so mé­dio da Ba­cia do Pa­ra­ná, até a par­te su­pe­ri­or de seus aflu­en­tes, ha­ve­rá mui­tas áre­as de­sér­ti­cas, se­pa­ra­das por for­ma­ções ro­cho­sas os­ten­tan­do ve­ge­ta­ção de ca­rac­te­rís­ti­cas ári­das e se­mi-ári­das.

A sub-ba­cia do rio Pa­ra­gu­ai, ali­men­ta­da pe­lo aqüí­fe­ro Gua­ra­ni, so­fre­rá as mes­mas con­se­qüên­cias das de­mais re­gi­ões hi­dro­grá­fi­cas do Cer­ra­do, trans­for­man­do o atu­al Pan­ta­nal Ma­to-gros­sen­se nu­ma área de de­ser­tos are­no­sos, tal co­mo já ocor­reu na re­gi­ão du­ran­te o Ple­is­to­ce­no Su­pe­ri­or, on­de ali exis­tia o de­ser­to do Gran­de Pan­ta­nal.

Lo­go após o de­sa­pa­re­ci­men­to por com­ple­to das co­mu­ni­da­des ve­ge­tais na­ti­vas, fa­to que po­de­rá ocor­rer en­tre cin­co  anos, a agro­in­dús­tria te­rá seus di­as de gran­de apo­geu em ter­mos de pro­du­ti­vi­da­de. Os nú­cle­os ur­ba­nos cri­a­dos ou di­na­mi­za­dos co­mo su­por­tes des­tas ati­vi­da­des atin­gi­rão tam­bém seu apo­geu em ter­mos de au­men­to de­mo­grá­fi­co e em ter­mos de ofer­tas e opor­tu­ni­da­des de ser­vi­ços de na­tu­re­za di­ver­sa.

Pas­sa­do cer­to tem­po, con­ta­do em al­guns pou­cos anos, es­ta re­a­li­da­de ex­pe­ri­men­ta­rá um gra­ve pro­ces­so de mo­di­fi­ca­ção. A pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la co­me­ça­rá a di­mi­nu­ir as­sus­ta­do­ra­men­te, cau­san­do on­das de de­mis­sões nas em­pre­sas es­ta­be­le­ci­das. Is­to acon­te­ce­rá por­que a água dos len­çóis sub­ter­râ­ne­os não é mais su­fi­ci­en­te pa­ra sus­ten­tar a pro­du­ção no sis­te­ma de ro­ta­ti­vi­da­de de an­tes. Não há água pa­ra fa­zer fun­cio­nar os pi­vôs cen­tra­is. A ati­vi­da­de agrí­co­la so­bre­vi­ven­te se res­trin­gi­rá à épo­ca da es­ta­ção chu­vo­sa.

Os so­los, ou­tro­ra pre­pa­ra­dos in­ten­si­va­men­te pa­ra os cul­ti­vos, se­rão ocu­pa­dos em pe­que­nas par­ce­las, dei­xan­do ex­pos­ta uma gran­de su­per­fí­cie des­nu­da. Da mes­ma for­ma, as pas­ta­gens que sus­ten­ta­vam a pe­cu­á­ria en­con­tra­rão afe­ta­das, pro­vo­can­do a re­du­ção pau­la­ti­na do re­ba­nho.

Es­ta si­tu­a­ção co­me­ça­rá a re­fle­tir de for­ma vi­sí­vel nos po­los ur­ba­nos. Ha­ve­rá ra­ci­o­na­men­to de água, em fun­ção da di­mi­nu­i­ção da va­zão dos rios, que por sua vez pro­vo­ca­rá a re­du­ção do ní­vel dos re­ser­va­tó­rios. O ra­ci­o­na­men­to de ener­gia elé­tri­ca tam­bém se­rá im­pos­to pe­las mes­mas cau­sas. O de­sem­pre­go e os ser­vi­ços, an­tes mais.far­tos e va­ri­a­dos, afun­da­rão nu­ma cri­se sem pre­ce­den­tes.

Es­te fa­to pro­vo­ca­rá o au­men­to de pes­so­as oci­o­sas e va­di­as nas ci­da­des, si­tu­a­ção que cri­a­rá enor­mes em­ba­ra­ços so­ci­ais de­sa­gra­dá­veis. Há a in­ten­si­fi­ca­ção da cri­mi­na­li­da­de de to­das as es­pé­ci­es, des­de pe­que­nos fur­tos, sa­ques, as­sal­tos e as­sas­si­na­tos. A pros­ti­tu­i­ção se ge­ne­ra­li­za­rá, tra­zen­do con­se­qüên­cias con­si­de­rá­veis pa­ra a sa­ú­de pú­bli­ca, que se apre­sen­ta­rá ca­da vez mais de­ca­den­te.

Os ser­vi­ços pú­bli­cos, in­clu­in­do a edu­ca­ção, por fal­ta de ar­re­ca­da­ção e ma­nu­ten­ção co­me­ça­rão a bei­rar o ca­os.

De­pois de apro­xi­ma­da­men­te cer­to tem­po con­ta­do em anos,  a au­sên­cia de água nos rios cri­a­rá uma pai­sa­gem de­so­la­do­ra. Áre­as ou­tro­ra ocu­pa­das pe­las la­vou­ras se­rão ca­rac­te­ri­za­das ago­ra por for­mas ve­ge­ta­cio­nais ras­tei­ras e exó­ti­cas, tí­pi­cas de for­ma­ções de­sér­ti­cas, com um ci­clo ve­ge­ta­ti­vo mui­to cur­to.

Gran­de par­te dos cam­pos agrí­co­las aban­do­na­dos, sem a co­ber­tu­ra ve­ge­tal ne­ces­sá­ria pa­ra fi­xar o so­lo, pas­sa­rá du­ran­te al­gu­mas épo­cas do ano a ser as­so­la­do por ven­tos e tem­pes­ta­des for­tes, em ex­ten­sões qui­lo­mé­tri­cas, que .cri­a­rão uma at­mos­fe­ra es­cu­ra car­re­ga­da de grãos fi­nos de po­ei­ra, res­tos de adu­bos e ou­tros pro­du­tos in­sa­lu­bres e no­ci­vos à sa­ú­de.

Se­rá pos­sí­vel ain­da avis­tar um ou ou­tro ser hu­ma­no vi­ven­te, uti­li­zan­do água em­po­ça­da, pro­va­vel­men­te de chu­vas e exer­cen­do pe­que­nas ati­vi­da­des de sub­sis­tên­cia. Tam­bém se­rá pos­sí­vel en­con­trar uma ou ou­tra fa­mí­lia des­gar­ra­da e so­li­tá­ria, so­bre­vi­ven­do de res­tos que ain­da po­de­rão ser ob­ti­dos. Os mais bem si­tu­a­dos eco­no­mi­ca­men­te mi­gra­rão pa­ra ou­tras par­tes.

Os po­los ur­ba­nos se­rão as­so­la­dos por di­ver­sas epi­de­mi­as, que pro­vo­ca­rão ín­di­ces alar­man­tes de mor­ta­li­da­de. A mai­o­ria da po­pu­la­ção su­cum­bi­rá, di­an­te da mi­sé­ria cres­cen­te.

 

(Al­ta­ir Sa­les Bar­bo­sa é pes­qui­sa­dor do CNPq, dou­tor em An­tro­po­lo­gia e Ar­que­o­lo­gia pe­lo Ins­ti­tu­to Smithso­nian (Was­hing­ton, DC)

tags:

Comentários