Opinião

Pecuária 4.0 chegou para ficar

diario da manha

A con­ver­gên­cia in­te­gral de tec­no­lo­gi­as en­tre os mun­dos fí­si­co, di­gi­tal e bi­o­ló­gi­co se­rá a quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al. A cha­ma­da in­dús­tria 4.0 dá seus pri­mei­ros pas­sos e já co­me­ça a mo­di­fi­car os pro­ces­sos pro­du­ti­vos, eta­pas da ca­deia de va­lor e de dis­tri­bui­ção ao re­dor do pla­ne­ta. Ela faz uso da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­cial, ro­bó­ti­ca, big da­ta, ma­nu­fa­tu­ra adi­ti­va, bi­o­lo­gia sin­té­ti­ca e sis­te­mas ci­ber-fí­si­cos.

São tec­no­lo­gi­as no­vas, mas que não são to­tal­men­te des­co­nhe­ci­das do pú­bli­co. In­te­li­gên­cia ar­ti­fi­cial, por exem­plo, es­tá pre­sen­te nos no­vos softwa­res e apli­ca­ti­vos, in­clu­si­ve no Fa­ce­bo­ok. Ma­nu­fa­tu­ra adi­ti­va é o mes­mo que im­pres­são 3D. In­ter­net das coi­sas é co­nec­tar ob­je­tos à in­ter­net, co­mo as no­vas ge­la­dei­ras, apa­re­lhos de ar con­di­cio­na­do e até fe­cha­du­ras.

No cam­po, on­de a tec­no­lo­gia cos­tu­ma de­mo­rar um pou­co mais pa­ra de­sem­bar­car, os pe­cu­a­ris­tas já es­tão se me­xen­do. Ao la­do de con­sul­to­res e de ges­to­res de gran­des fa­zen­das do pa­ís, acom­pa­nhei de per­to o de­sen­vol­vi­men­to e a evo­lu­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as pa­ra a pe­cu­á­ria. Há dez anos atrás, o de­sa­fio era a co­le­ta pre­ci­sa de da­dos no cam­po. Pa­ra tor­nar is­so pos­sí­vel, foi ne­ces­sá­rio es­ta­be­le­cer no­vas ro­ti­nas ope­ra­ci­o­nais, re­sol­ver pro­ble­mas lo­gís­ti­cos de sin­cro­ni­za­ção de da­dos, iden­ti­fi­car e adap­tar hardwa­res ca­pa­zes de re­sis­tir às con­di­ções do cam­po e, prin­ci­pal­men­te, ca­pa­ci­tar a mão-de-obra que – ape­sar de ex­pe­ri­en­te no ma­ne­jo – nun­ca ti­nha te­cla­do num com­pu­ta­dor. O Lan­ça­men­to do TGC (Tec­no­lo­gia de Ges­tão de Con­fi­na­men­to), em 2007, foi um mar­co do iní­cio da ino­va­ção no se­tor. O con­tro­le pre­ci­so dos da­dos re­du­ziu os ris­cos da ope­ra­ção, me­lho­rou a ro­ti­na de tra­ba­lho e au­men­tou a efi­ci­ên­cia dos pro­ces­sos. Até ho­je o softwa­re é o mais uti­li­za­do pe­los con­fi­na­men­tos do Bra­sil e pro­ces­sa mais 3,5 mi­lhões de ca­be­ças anual­men­te.

Des­de o lan­ça­men­to do TGC, a GA vem ino­van­do com o de­sen­vol­vi­men­to de softwa­res e ser­vi­ços que con­tri­bu­í­ram pa­ra im­pul­si­o­nar a es­ca­la­da tec­no­ló­gi­ca da pe­cu­á­ria no Bra­sil e abrir a por­tei­ra do mer­ca­do pa­ra a cha­ma­da Pe­cu­á­ria 4.0. Ho­je, já exis­tem pro­pri­e­da­des ru­ra­is in­ves­tin­do nes­sa ten­dên­cia e que co­me­çam a apre­sen­tar nú­me­ros im­pres­sio­nan­tes.

Uma das gran­des re­fe­rên­cias em con­fi­na­men­to no Bra­sil, a Agro­pas­to­ril Cam­pa­nel­li, pas­sou por uma rá­pi­da evo­lu­ção da sua es­tru­tu­ra e, prin­ci­pal­men­te, da sua ges­tão da in­for­ma­ção sob a di­re­ção do afi­ci­o­na­do por tec­no­lo­gia e ino­va­ção Vic­tor Cam­pa­nel­li.

A par­tir de 2015, a em­pre­sa fa­mi­liar co­me­çou um pro­ces­so de im­plan­ta­ção de uma so­lu­ção mais ro­bus­ta e in­te­gra­da pa­ra ges­tão do con­fi­na­men­to in­clu­in­do a ras­tre­a­bi­li­da­de do re­ba­nho, a au­to­ma­ção da fa­bri­ca­ção e o for­ne­ci­men­to da ra­ção com lei­tu­ra ele­trô­ni­ca dos co­chos. Es­sas so­lu­ções tor­na­ram a pre­sen­ça de chips, lei­to­res de có­di­go de bar­ras, tags de RFID, pai­néis de led, ta­ble­tes e in­ter­net co­muns no am­bi­en­te ru­ral e par­te da ro­ti­na dos fun­cio­ná­rios. A co­le­ta e pro­ces­sa­men­to pre­ci­so dos da­dos trou­xe ou­tra ino­va­ção pa­ra o cam­po: o Bu­si­ness In­tel­li­gen­ce, mais co­nhe­ci­do co­mo BI ou pai­nel de ges­tão à vis­ta. Es­sa fer­ra­men­ta trans­for­ma da­dos bru­tos em in­for­ma­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas e úte­is pa­ra a aná­li­se do ne­gó­cio e vem sen­do es­tra­té­gi­ca na iden­ti­fi­ca­ção de opor­tu­ni­da­des. O uso des­sas tec­no­lo­gi­as per­mi­tiu ao pe­cu­a­ris­ta au­men­tar sua ren­ta­bi­li­da­de ao ga­nhar efi­ci­ên­cia na ope­ra­ção e es­ca­la de pro­du­ção. Foi exa­ta­men­te, o que acon­te­ceu com a Agro­pas­to­ril Pas­cho­al Cam­pa­nel­li S/A, com se­de em Be­be­dou­ro (SP) de on­de sa­em pa­ra o aba­te, em mé­dia, 55 mil bois por ano e que fa­tu­rou o to­tal de R$ 250 mi­lhões em 2016.

E co­mo ino­va­ção e re­vo­lu­ção são si­nô­ni­mos, a Pe­cu­á­ria 4.0 se con­so­li­da no sur­gi­men­to de no­vas tec­no­lo­gi­as. Pa­ra ter mais con­tro­le dos cus­tos, oti­mi­zar a área e os equi­pa­men­tos e me­lho­rar as mar­gens de lu­cro, os em­pre­sá­rios ru­ra­is têm di­ver­si­fi­ca­do o ne­gó­cio in­te­gran­do os di­fe­ren­tes sis­te­mas pro­du­ti­vos nu­ma mes­ma fa­zen­da. Pa­ra is­so, pre­ci­sam ge­ren­ci­ar des­de a es­ta­ção de mon­ta até o aba­te pas­san­do pe­la des­ma­ma, evo­lu­ção do re­ba­nho, nu­tri­ção e tu­do is­so atra­vés das pes­so­as. Con­tro­lar pro­fun­da­men­te tan­tos ma­ne­jos e pro­ces­sos di­fe­ren­tes com cen­tros de cus­to e opor­tu­ni­da­des de re­tor­no dis­tin­tos, é o gran­de de­sa­fio des­se mo­de­lo.

Per­ce­ben­do es­sa ten­dên­cia de evo­lu­ção do mer­ca­do, a GA ini­ciou em 2016 o de­sen­vol­vi­men­to de uma pla­ta­for­ma pa­ra aten­der as ne­ces­si­da­des de pon­ta a pon­ta de um ne­gó­cio com­ple­to. É a tec­no­lo­gia da Pe­cu­á­ria 4.0 na sua ver­são 360º. O Ecos­sis­te­ma GA, que se­rá lan­ça­do pa­ra o mer­ca­do ofi­ci­al­men­te em ou­tu­bro, en­glo­ba a ges­tão de cria, re­cria e en­gor­da a pas­to e TIP já con­ta com o pro­ces­sa­men­to de mais de 450 mil ca­be­ças em IATF; mais de 500 mil ca­be­ças de re­cria con­ta­bi­li­zan­do mais de 2,7 mi­lhões de ma­ne­jos ope­ra­ci­o­nais. O Eco é uma pla­ta­for­ma hí­bri­da de al­ta per­for­man­ce que efe­tua a co­le­ta de da­dos off-li­ne em cam­po e faz a sin­cro­ni­za­ção au­to­má­ti­ca de mi­lha­res de in­for­ma­ções no ban­co de da­dos on­li­ne na se­de em pou­cos mi­nu­tos.

De­sen­vol­vi­da por uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar de es­pe­cia­lis­tas na área agrá­ria, em en­ge­nha­ria me­ca­trô­ni­ca, es­ta­tís­ti­ca e con­ta­bi­li­da­de, o Ecos­sis­te­ma GA com­pre­en­de lin­gua­gens de pro­gra­ma­ção avan­ça­das, in­te­gra­do a di­fe­ren­tes hardwa­res, com­pa­tí­vel com sis­te­mas de BI e ERP, com mais de 250 re­la­tó­rios de aná­li­ses de da­dos, além de um pai­nel com grá­fi­cos ge­ra­dos em tem­po re­al dos in­di­ca­do­res es­co­lhi­dos pe­lo ges­tor.

A Pe­cu­á­ria 4.0 che­gou pa­ra fi­car. E não es­tou fa­lan­do de “vir­tu­a­li­da­des” que não ma­te­ri­a­li­zam re­sul­ta­dos e sim de tec­no­lo­gi­as fá­ceis de ope­rar e aces­sí­veis fi­nan­cei­ra­men­te aos pe­que­nos, mé­di­os e gran­des pro­du­to­res.

Quem es­ti­ver pre­pa­ra­do pa­ra fa­zer a ges­tão da in­for­ma­ção da ma­nei­ra cor­re­ta vai sa­ir na fren­te de um se­tor que de­ve ter um au­men­to de 45 mi­lhões de to­ne­la­das anua­is no con­su­mo de car­ne até 2026, se­gun­do o Ra­bo­bank. Por is­so, ter em mãos softwa­res mo­der­nos de con­tro­le de ga­do que ofe­re­çam se­gu­ran­ça na ho­ra da to­ma­da de de­ci­sões com fo­co na efi­ci­ên­cia e ren­ta­bi­li­da­de do ne­gó­cio ho­je te­rá o fu­tu­ro da ati­vi­da­de ga­ran­ti­do.

 

(Pau­lo Mar­ce­lo Di­as, di­re­tor de Ino­va­ção e De­sen­vol­vi­men­to da Ges­tão Agro­pe­cu­á­ria (GA))

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais