Opinião

Pedro Papiri: grande homem na história de Santa Cruz de Goiás

San­ta Cruz de Go­i­ás can­ta pa­ra­béns a um se­nhor, nas­ci­do aos 14 di­as do mês de se­tem­bro de 1918. Ain­da, cri­an­ça, ar­re­ba­ta­do de seu con­ví­vio na­tu­ral, fo­ra tra­zi­do de Pra­dos/Mi­nas Ge­ra­is pa­ra San­to An­tô­nio da Es­pe­ran­ça (Rio do Pei­xe) dis­tri­to de San­ta Cruz de Go­i­ás, pe­la fa­mí­lia Men­don­ça. Um mês vi­a­jan­do, em car­ro de boi. Aqui se apor­tou, se in­te­grou.

Uni­mo-nos pa­ra co­me­mo­rar! Ho­me­na­ge­ar o nos­so ir­mão!

No nos­so ima­gi­ná­rio vis­lum­bra­mos o nas­ci­men­to des­se ser de luz. Seu Pe­dro, Pe­dro Pa­pi­ri, co­mo ca­ri­nho­sa­men­te o cha­ma­mos es­tá sem­pre sor­ri­den­te, dis­pos­to a pro­se­ar; ca­da olhar que ele lan­ça vem re­ga­do de um con­ta­gi­an­te sor­ri­so.

Fez um tra­je­to de vi­da in­ter­cam­bi­an­do o tra­ba­lho na ro­ça e o apre­ço aos san­tos de sua de­vo­ção. “Tra­ba­lhou co­mo re­ti­rei­ro, ser­ra­lhei­ro, car­rei­ro. Tu­do que uma fa­zen­da exi­gia, ele fa­zia”, as­sim, afir­ma Lu­ís Fer­nan­do, em seu Re­la­tó­rio so­bre os re­ma­nes­cen­tes de qui­lom­bo­las da re­gi­ão do Mu­cam­bo/Rio do Pei­xe/San­ta Cruz de Go­i­ás. Nos in­ter­va­los da li­da, di­á­ria, se di­ri­gia aos con­se­lhei­ros es­pi­ri­tua­is de on­de ti­ra­va ener­gia pa­ra tri­lhar os ru­mos que lhe fo­ram im­pos­tos.

Seu ros­to en­ter­ne­ci­do, seu lar­go sor­ri­so emol­du­ra a pai­sa­gem cul­tu­ral e re­li­gi­o­sa de San­ta Cruz de Go­i­ás. Ca­bis­bai­xo, trô­pe­go, tran­qui­lo. Pre­sen­ça mar­can­te nos fol­gue­dos re­li­gi­o­sos: al­gu­mas ve­zes, car­re­gan­do a “cruz san­ta”, nas pro­cis­sões; ou­tras ve­zes, des­pin­do-se do per­so­na­gem Pe­dro, e re­ves­tin­do-se do per­so­na­gem “Be­ne­di­to, o san­to!”, cu­ja cor e tra­je­tó­ria se as­se­me­lham. Nos­sa Se­nho­ra do Ro­sá­rio, foi e, é, jun­to a São Be­ne­di­to, a in­ter­ces­so­ra com quem tan­to con­ta­va e con­ta nas ho­ras de afli­ções.

Pe­dro Mi­guel Ar­can­jo, nos­so es­ti­ma­do Pe­dro Pa­pi­ri, o co­lo­no, traz al­ti­vez na al­ma e ri­gi­dez na pal­ma de ca­da mão. Mãos ca­le­ja­das de­vi­do ao atri­to ge­ra­do pe­la ro­bus­tez do ca­bo da en­xa­da ou ou­tro ins­tru­men­to de tra­ba­lho. Não fre­quen­tou es­co­las, mas tem a sa­be­do­ria de cem anos (so­bre) vi­vi­dos!  Mar­cas do pas­sa­do es­tam­pam seu sem­blan­te pen­sa­ti­vo. Per­ce­be-se uma nos­tal­gia mo­men­tâ­nea, cu­jo re­fle­xo emi­te, ima­gi­na­ria­men­te, re­cor­da­ções de seu pai e sa­u­da­des do úte­ro de sua mãe, – cu­ja fi­ni­tu­de ocor­re­ra em seu par­to – uma le­gi­ti­ma afri­ca­na que, cer­ta­men­te, fo­ra “trans­for­ma­da em coi­sa”: “pro­pri­e­da­de dos do­nos de ter­ra” da­que­le tem­po.

“De­ci­frar o co­ti­dia­no des­se gran­de ho­mem na his­tó­ria cul­tu­ral san­ta­cru­za­na, em­ba­ra­lha­do à  his­tó­ria de Go­i­ás e do Bra­sil, den­tro dos pre­cei­tos da es­cra­va­tu­ra ,é vi­a­jar na amál­ga­ma en­tre “o sin­cre­tis­mo so­ci­al e os ele­men­tos cul­tu­ra­is dís­pa­res, ori­gi­ná­rios de di­fe­ren­tes vi­sões do mun­do”. “So­mos igua­is”, po­rém, “a imen­sa de­si­gual­da­de de­mons­tra a re­a­li­da­de ar­bi­trá­ria des­te dis­cur­so”.

Seu tran­spor­te era o ca­va­lo. Seus mé­di­cos, os cu­ran­dei­ros. Sua ca­ma, mui­tas ve­zes, o cer­ra­do. No­ve fi­lhos em um ca­sa­men­to ar­ran­ja­do.

“Lem­bra-se do ban­guê?”— Per­gun­ta ca­bis­bai­xo: – “Eu car­re­guei mui­tos ami­gos na­qui­lo!”.

A vo­cê, Pe­dro, o nos­so ca­ri­nho, a nos­sa gra­ti­dão e o nos­so res­pei­to!

Pa­ra­béns!!!

 

(Fá­ti­ma Pa­ra­gu­as­sú: his­to­ri­a­do­ra, mu­si­cis­ta, pes­qui­sa­do­ra, se­cre­tá­ria ge­ral da Ada­sanc: As­so­cia­ção dos Ami­gos de San­ta Cruz- fa­ti­[email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais