diario da manha

É pró­prio do ho­mem quei­xar-se. Até pa­re­ce que, quan­to mais se mos­tra in­sa­tis­fei­to e re­vol­ta­do, mai­or se­rá o pú­bli­co pa­ra ou­vi-lo e com ele con­cor­dar.

A quei­xa mai­or é qua­se sem­pre em re­la­ção ao tra­ba­lho. Co­lo­ca-se co­mo um po­bre coi­ta­do, ex­plo­ra­do, que pre­ci­sa ser so­cor­ri­do co­mo ví­ti­ma do des­gas­te des­pen­di­do no dia a dia.

Na ver­da­de, o que ocor­re na mai­o­ria das ve­zes po­de, ser um dis­far­ce de pre­gui­ça em­bu­ti­da nu­ma von­ta­de de usu­fru­ir sem es­for­ço.

Mas exis­tem pes­so­as que gos­tam do que fa­zem, que agra­de­cem o es­ta­rem ocu­pa­das com al­go que as re­a­li­za; es­tas po­dem se con­si­de­rar fe­li­zes.

O tra­ba­lho cos­tu­ma de­sen­vol­ver e tam­bém re­cru­des­cer a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al,  des­fa­zen­do há­bi­tos in­gê­ni­tos, aque­les que tra­ze­mos de vi­das pas­sa­das: ati­vi­da­de inú­til que gos­ta­mos de cul­ti­var. Tra­ba­lhar mi­ni­mi­za as ten­dên­cias no­ci­vas do pre­té­ri­to,  que fa­zem es­tag­nar an­te o ne­ces­sá­rio pro­gres­so evo­lu­ti­vo.

O há­bi­to de ser­mos ser­vi­dos co­mo tam­bém o des­ca­so em re­la­ção à Lei da Evo­lu­ção re­fle­tem a ig­no­rân­cia da im­por­tan­te lei que nos pre­si­de o des­ti­no: a lei do tra­ba­lho.

Es­ta lei na­tu­ral es­tá bem de­li­ne­a­da nas ques­tões 674 a 685 de O Li­vro dos Es­pí­ri­tos, FEB Edi­to­ra, 2012.

Nes­tas on­ze re­fe­rên­cias en­con­tra­mos da­dos ori­en­ta­do­res que con­sci­en­ti­zam des­de a ne­ces­si­da­de do tra­ba­lho ao equi­lí­brio do re­pou­so, in­for­man­do que to­da ocu­pa­ção útil é tra­ba­lho.

In­fe­liz­men­te,  es­tão dis­tan­ci­a­dos des­ta re­a­li­da­de aque­les que des­co­nhe­cem o pra­zer de aten­der o ou­tro, de­fen­den­do o di­rei­to de não fa­zer na­da.  Es­ta ati­tu­de re­tar­da o pro­gres­so in­di­vi­dual e co­le­ti­vo.

Em­ma­nu­el, na obra Ca­mi­nho, Ver­da­de e Vi­da, Co­le­ção Fon­te Vi­va, FEB Edi­to­ra, 2014, no ca­pí­tu­lo in­ti­tu­la­do tra­ba­lho,  afir­ma que Je­sus veio nos ar­ran­car da “mor­te no er­ro” com a ben­ção do tra­ba­lho que ele de­no­mi­na mo­vi­men­to in­ces­san­te da vi­da. Re­ve­la-nos que o Pai não ces­sa de ser­vir em sua obra eter­na de amor e sa­be­do­ria em fa­vor de sua de­di­ca­ção à hu­ma­ni­da­de. Tan­to que é bas­tan­te cla­ra sua co­lo­ca­ção no evan­ge­lho de Jo­ão 5:7 –  “Meu Pai tra­ba­lha até ago­ra, eu tam­bém tra­ba­lho .”

Pe­los re­la­tos tra­zi­dos do pla­no es­pi­ri­tual, ve­mos que, quan­to mais evo­luí­do é o Es­pí­ri­to, mais ele tra­ba­lha.

Con­vém lem­brar a si­tu­a­ção dos que de­se­jam in­ten­sa­men­te ter as opor­tu­ni­da­des de pres­tar o ser­vi­ço de quem pre­en­che o te­sou­ro das ho­ras em ocu­pa­ções úte­is.

Há os im­pe­di­dos pe­las in­jun­ções da vi­da;  o ca­so de quem se acha aco­me­ti­do por le­sões ce­re­bra­is ou pre­so na tor­tu­ra da imo­bi­li­da­de ou ain­da re­fém dos pro­ces­sos ob­ses­si­vos, sem o co­man­do do pró­prio des­ti­no.

Em mai­or nú­me­ro con­tam-se os que que­rem ig­no­rar os gran­des be­ne­fí­ci­os pro­du­zi­dos pe­lo tra­ba­lho, pe­la so­li­da­ri­e­da­de e pe­la to­le­rân­cia,  co­mo re­cur­sos ne­ces­sá­rios ao equi­lí­brio emo­cio­nal.

Exis­tem van­ta­gens que be­ne­fi­ci­am, mais di­re­ta­men­te, às pes­so­as que so­fre­ram de­sas­tres fa­tais co­mo mu­ti­la­ções, se­ja por aci­den­tes que atin­gem o cor­po fí­si­co ou os que são ví­ti­mas da ca­lú­nia ou da des­mo­ra­li­za­ção e se vol­tam pa­ra a cri­mi­na­li­da­de, mo­ral­men­te ar­ra­sa­dos, cul­ti­van­do a en­fer­mi­da­de da al­ma, de­sa­ni­ma­dos e de­pri­mi­dos, ali­men­ta­dos pe­la for­ça do ódio e da re­vol­ta.

É ho­ra de lem­brar o “Vin­de a mim, vós que es­tais de­ses­pe­ra­dos e afli­tos, que eu vos ali­vi­a­rei”…

A pa­la­vra de Je­sus faz com que os mús­cu­los pa­ra­lí­ti­cos vi­brem em no­va vi­da;  o tô­nus or­gâ­ni­co cir­cu­le, res­sur­gin­do o equi­lí­brio no cos­mo ce­lu­lar por­que ocor­re a li­ber­ta­ção das con­sci­ên­cias hu­ma­nas.

O con­vi­te do Mes­tre ti­ra o en­fer­mo do lei­to de pro­va­ções, er­guen­do-o pe­la fé, pa­ra ca­mi­nhar ru­mo à li­ber­ta­ção de su­as pró­pri­as som­bras. Is­so por­que Ele se en­che de com­pai­xão e res­pei­to às su­as cri­a­tu­ras.

Sem ques­ti­o­nar quan­to às cau­sas das afli­ções que ator­men­tam o ho­mem por­que já as co­nhe­ce,  au­xi­lia e cu­ra por bem com­pre­en­der os pro­ble­mas e as lu­tas de ca­da um.

Daí de­du­zir, sem me­do de er­rar: quem não tra­ba­lha, atra­pa­lha!

 

(El­zi Nas­ci­men­to, psi­có­lo­ga clí­ni­ca e es­cri­to­ra/El­zi­ta Me­lo Quin­ta, pe­da­go­ga, es­pe­cia­lis­ta em Edu­ca­ção e es­cri­to­ra. São res­pon­sá­veis pe­lo Blog Es­pí­ri­ta: lu­zes­do­con­so­la­dor.com. Elas es­cre­vem no DM às sex­tas-fei­ras e aos do­min­gos.  E-mail: iop­[email protected]­ta.com.br  (062) 3251 8867)

Comentários