Opinião

Uma história que impulsiona a construção da cidadania

diario da manha

Ape­sar de ser prer­ro­ga­ti­va Cons­ti­tu­ci­o­nal, a ci­da­da­nia ain­da é uma di­fí­cil con­quis­ta pa­ra os bra­si­lei­ros. O di­rei­to de uma edu­ca­ção dig­na, sa­ú­de mo­de­lo e a to­tal in­clu­são so­ci­al em to­dos os ser­vi­ços de in­te­res­se pú­bli­co são ga­ran­ti­as fun­da­men­tais pa­ra que as pes­so­as se tor­nem pro­bas e ad­qui­ram o tí­tu­lo de ci­da­dã­os, da­que­les que go­zam ver­da­dei­ra­men­te do exer­cí­cio ple­no des­se di­rei­to.

Es­sa é uma das atri­bu­i­ções das or­ga­ni­za­ções so­ci­ais – que nas­ce­ram na dé­ca­da de 1990 e vêm se ex­pan­din­do por to­do o Pa­ís. As or­ga­ni­za­ções so­ci­ais, ou OSs, co­mo são co­nhe­ci­das, são as­so­cia­ções pri­va­das com per­so­na­li­da­de ju­rí­di­ca pró­pria, sem fins lu­cra­ti­vos que re­ce­bem re­cur­sos fi­nan­cei­ros do Es­ta­do com o ob­je­ti­vo de pres­tar ser­vi­ços de re­le­vân­cia ao in­te­res­se pú­bli­co, le­van­do a qua­li­da­de que o ci­da­dão tan­to am­bi­cio­na e me­re­ce.

Foi pen­san­do na pro­mo­ção dos me­ca­nis­mos de in­clu­são so­ci­al e o au­xí­lio na cons­tru­ção da ci­da­da­nia, que o Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Tec­no­ló­gi­co e Hu­ma­no (Id­tech) foi fun­da­do, no dia 5 de se­tem­bro de 2005. Ao lon­go des­ses 13 anos de atu­a­ção em Go­i­ás, o Ins­ti­tu­to vem ge­ren­ci­an­do pro­je­tos de co­o­pe­ra­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca nos seg­men­tos de as­sis­tên­cia so­ci­al, edu­ca­ção, cul­tu­ra, sa­ú­de, pro­te­ção e con­ser­va­ção do meio am­bi­en­te, in­clu­são di­gi­tal e so­ci­al.

Foi com es­se fo­co de ges­tão que o Id­tech im­plan­tou a Cen­tral de Aten­di­men­to ao Ci­da­dão – Te­le­con­sul­ta,  que aten­de usu­á­rios do Sis­te­ma úni­co de Sa­ú­de (SUS) no agen­da­men­to de con­sul­tas. O ser­vi­ço é fei­to por co­la­bo­ra­do­res trei­na­dos, que, há 12 anos, aten­dem o usu­á­rio SUS com aten­ção, cui­da­do e res­pei­to.

Se­le­ci­o­na­do pa­ra ge­rir o Hos­pi­tal Es­ta­du­al Al­ber­to Ras­si – HGG em 2012, o Ins­ti­tu­to, com fo­co na as­sis­tên­cia hu­ma­ni­za­da, in­se­riu a uni­da­de na lis­ta dos me­lho­res hos­pi­tais pú­bli­cos do pa­ís e, ho­je, pos­sui o se­lo de acre­di­ta­ção ONA 3, gra­ças ao seu mo­de­lo mo­der­ni­za­do de ges­tão. Com ex­po­si­ções de ar­tes nas pa­re­des, mú­si­cas nos cor­re­do­res, ori­en­ta­ções e pa­les­tras pa­ra quem aguar­da uma con­sul­ta, o HGG vem sen­do re­co­nhe­ci­do por ser uma uni­da­de hos­pi­ta­lar hu­ma­ni­za­da. To­dos es­ses pro­je­tos, so­ma­dos à equi­pe e à es­tru­tu­ra, são o que fa­zem do Id­tech uma ins­ti­tu­i­ção res­pei­ta­da em to­do o Cen­tro-Oes­te.

Ou­tro pro­je­to que de­mons­tra a nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de na in­clu­são, es­pe­ci­al­men­te de even­tos cul­tu­ra­is, é o Pla­teia So­ci­al que, por meio de par­ce­rias com ou­tras en­ti­da­des, ga­ran­te es­pa­ços pa­ra pes­so­as que nun­ca ti­ve­ram aces­so ao te­a­tro, ci­ne­ma ou mu­seu.

Co­mo re­sul­ta­do do su­ces­so des­ses 13 anos de ges­tão nu­ma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da, re­cen­te­men­te, o Id­tech as­su­miu dois no­vos de­sa­fi­os. O pri­mei­ro foi a con­quis­ta da ges­tão que in­clui co­or­de­nar e exe­cu­tar a po­lí­ti­ca de san­gue do He­mo­cen­tro de Go­i­ás. E, a se­gun­da, foi a con­quis­ta da con­cor­rên­cia pú­bli­ca pa­ra ad­mi­nis­trar o Cen­tro de Aten­di­men­to So­ci­o­e­du­ca­ti­vo (Ca­se) de Aná­po­lis, que re­ce­be ado­les­cen­tes pa­ra cum­prir me­di­das so­ci­o­e­du­ca­ti­vas de in­ter­na­ção. A prin­ci­pal pro­pos­ta do Id­tech pa­ra o Ca­se de Aná­po­lis é a rein­ser­ção ple­na dos ado­les­cen­tes em con­fli­to com a lei ao con­jun­to so­ci­al. E, com o He­mo­cen­tro, tor­ná-lo, as­sim co­mo já é o HGG, um cen­tro de re­fe­rên­cia em to­do o pa­ís.

 

(Jo­sé Cláu­dio Ro­me­ro, co­or­de­na­dor exe­cu­ti­vo do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Tec­no­ló­gi­co e Hu­ma­no Id­tech GIF89a)

Comentários