Opinião

1968, o ano que não terminou. O inverno da primavera

diario da manha

Em meio aos so­nhos de li­ber­da­de e au­to­a­fir­ma­ção so­be­ra­na os tche­cos ou­sa­ram as­pi­rar um mo­men­to de re­flo­res­ci­men­to de sua so­ci­e­da­de.

A cha­ma­da Pri­ma­ve­ra de Pra­ga, com seu re­for­mis­mo, ten­tou sa­ir da bi­po­la­ri­da­de po­lí­ti­ca, ide­o­ló­gi­ca e mi­li­tar que di­ta­vam as re­gras da ge­o­po­lí­ti­ca mun­di­al.

Sua po­si­ção es­tra­té­gi­ca no ma­pa, que di­vi­dia a Eu­ro­pa, ja­mais se­ria ne­gli­gen­ci­a­da, uma vez que a dis­pu­ta se da­va de for­ma fe­roz, e ne­nhum la­do ad­mi­ti­ria a per­da de qual­quer pal­mo de chão.

No dia 20 de agos­to de 1968 as rá­di­os de Pra­ga e de to­da a Tche­cos­lo­vá­quia anun­ci­a­vam o que já era es­pe­ra­do. Tro­pas da URSS ocu­pa­vam to­do ter­ri­tó­rio pá­trio; a pri­ma­ve­ra e su­as am­bi­ções de um jo­go po­lí­ti­co de am­bi­gui­da­de che­ga­vam ao fim.

As for­ças mi­li­ta­res mos­tra­vam a su­pre­ma­cia e o po­de­rio do blo­co so­ci­a­lis­ta ao mun­do, e de­cla­ra­vam, fir­me­men­te, que não ad­mi­ti­ri­am a in­ge­rên­cia do blo­co ca­pi­ta­lis­ta e nem a in­su­bor­di­na­ção de qual­quer mem­bro de sua es­fe­ra de in­flu­ên­cia e do­mí­nio.

O in­ver­no ri­go­ro­so che­ga­ra à pri­ma­ve­ra.

Os trau­mas de du­as guer­ras mun­di­ais e o po­de­rio bé­li­co do Krem­lin ar­re­fe­ce­ram a re­sis­tên­cia, que era inú­til e ir­ra­ci­o­nal.

En­tre­tan­to, mo­vi­dos por pai­xões al­guns tche­cos re­sis­ti­ram nos pri­mei­ros di­as do frio in­ten­so e da pai­sa­gem de­so­la­do­ra do in­ver­no que se im­pu­nha.

Os lí­de­res da pri­ma­ve­ra fo­ram pre­sos, os ex­pur­gos ar­qui­te­ta­dos no Par­ti­do Co­mu­nis­ta fo­ram sus­pen­sos, um acor­do de re­a­li­nha­men­to foi fei­to, e o res­ta­be­le­ci­men­to da ge­o­po­lí­ti­ca na po­la­ri­za­ção dos blo­cos an­ta­gô­ni­cos foi man­ti­do.

Era 1968. O ano das con­vul­sões, da mu­dan­ça de pa­ra­dig­mas, da con­tes­ta­ção, da mu­dan­ça com­por­ta­men­tal; o ano das pai­xões.

A Tche­cos­lo­vá­quia e sua pri­ma­ve­ra ines­pe­ra­da e bre­ve che­ga­ram ao fim, co­mo vá­rios ou­tros mo­vi­men­tos que mar­ca­ram 1968 que, por in­ge­nui­da­de, des­pre­za­ram a for­ça da or­dem es­ta­be­le­ci­da.

Con­tu­do, o que se dei­xa de li­ção não fo­ram os ide­ais so­ci­a­lis­tas, mas os mé­to­dos mui­tos dos qua­is au­to­ri­tá­rios de Mos­cou que, pe­la for­ça do pro­ces­so his­tó­ri­co, com a ame­a­ça cons­tan­te dos ame­ri­ca­nos se vi­ram obri­ga­dos a lu­tar tam­bém no ter­ri­tó­rio da for­ça.

En­fim o in­ver­no che­gou.

 

(Hen­ri­que Mat­thi­e­sen, ba­cha­rel em Di­rei­to, jor­na­lis­ta)

 

Comentários