Opinião

A criação do bode expiatório: o antipetismo

diario da manha

Re­né Gi­rard (1923-2015), pen­sa­dor e fi­ló­so­fo fran­cês, o mai­or sá­bio que co­nhe­ci na mi­nha vi­da e es­te­ve com te­ó­lo­gos da li­ber­ta­ção no Bra­sil em 1990, de­di­cou gran­de par­te de sua vas­ta obra a es­tu­dar a vi­o­lên­cia, es­pe­ci­al­men­te a ne­ces­si­da­de de uma so­ci­e­da­de, de cri­ar um bo­de ex­pi­a­tó­rio (ver O bo­de ex­pi­a­tó­rio 1982).

Por es­se me­ca­nis­mo do bo­de ex­pi­a­tó­rio, a po­pu­la­ção é le­va­da a des­car­re­gar a cor­rup­ção que es­tá di­fu­sa e con­cen­tra­da nos gran­des cor­rup­tos e cor­rup­to­res nas cos­tas de um só, do PT, com a fi­na­li­da­de de es­con­der a pró­pria cor­rup­ção. Com is­so, to­da a so­ci­e­da­de pas­sa a es­que­cer os re­ais cor­rup­tos e a pen­sar que que ela es­tá so­men­te no PT no qual se des­pe­ja to­da a rai­va e o ódio. É fei­to bo­de ex­pi­a­tó­rio já tes­te­mu­nha­do na Bí­blia. Os he­breus pu­nham em ci­ma de um bo­de to­dos os pe­ca­dos e mal­fei­tos do po­vo e o en­vi­a­vam pa­ra o de­ser­to pa­ra lá ex­pi­ar até mor­rer de fo­me. E as­sim qua­se to­das as so­ci­e­da­des fa­zi­am al­go se­me­lhan­te.

En­tre nós hou­ve um tem­po em que o bo­de ex­pi­a­tó­rio eram os sub­ver­si­vos, de­pois os co­mu­nis­tas (con­ti­nua ain­da ho­je), em se­gui­da os jo­vens ne­gros das fa­ve­las, su­pos­ta­men­te li­ga­dos ao cri­me e às dro­gas, os gays e os da LBGT. So­bre eles se trans­fe­re a vi­o­lên­cia im­plí­ci­ta na so­ci­e­da­de. Nes­te mo­men­to o bo­de ex­pi­a­tó­rio é o PT e Lu­la. Ne­les se põe to­da a cor­rup­ção, em­bo­ra qua­se to­dos os par­ti­dos, al­guns mais que o PT, par­ti­ci­pa­ram da cor­rup­ção.

Com o apoio do apa­re­lho re­pres­si­vo do Es­ta­do, de boa par­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, não ex­cluí­da par­te do pró­prio STF, da clas­se me­dia e es­pe­ci­al­men­te da mi­dia pri­va­da, fez-se es­sa se­le­ti­vi­da­de quan­to à cor­rup­ção. Ao PT se jo­ga to­da cul­pa pe­los ma­les atu­ais do Bra­sil, quan­do os prin­ci­pa­is cau­sa­do­res se es­con­dem cri­an­do um bo­de ex­pi­a­tó­rio.

Mas o que ver­da­dei­ra­men­te es­tá por trás do an­tipe­tis­mo, sob pre­tex­to de com­ba­te à cor­rup­ção é o ódio ao ex-pre­si­den­te Lu­la, um ope­ra­rio que lo­grou che­gar ao cen­tro do po­der. A clas­se do­mi­nan­te e as oli­gar­quias tra­di­cio­nais, her­dei­ras da men­ta­li­da­de da Ca­sa Gran­de, ja­mais acei­ta­ram que al­guém da Sen­za­la che­gas­se ao Pla­nal­to. Cul­ti­va­ram e cul­ti­vam ódio e des­pre­zo aos po­bres, an­tes jo­ga­do so­bre os es­cra­vos. Co­mo po­de um po­bre fre­quen­tar o mes­mo es­pa­ço so­ci­al que eles: na es­co­la. na uni­ver­si­da­de, nos shop­pings, nos avi­ões?

Es­tes eram es­pa­ços de ex­clu­si­vi­da­de dos en­di­nhei­ra­dos que vi­ve­ram sem­pre de pri­vi­lé­gios, sem sen­so da igual­da­de de to­dos, ba­se de qual­quer de­mo­cra­cia. Acres­ce ain­da aque­les que nun­ca re­co­nhe­ce­ram hu­ma­ni­da­de e dig­ni­da­de nos po­bres e ne­gros e ne­gras sem fa­lar dos in­dí­ge­nas e qui­lom­bo­las.

Ago­ra es­se ódio, la­ten­te nas oli­gar­quias e as­su­mi­do, em par­te, pe­la clas­se me­dia as­sus­ta­da, con­ta­mi­nou, não sem aju­da das igre­jas neo-pen­te­cos­tais te­le­vi­si­vas, par­te da po­pu­la­ção po­bre.

Aqui re­si­de a ra­íz pri­mei­ra do an­tipe­tis­mo. Há ódio e rai­va re­cal­ca­dos em pes­so­as que se di­zem “de bem” e se con­fes­sam cris­tãs. É um cris­tia­nis­mo me­ra­men­te cul­tu­ral, de fa­cha­da, mas eti­ca­men­te an­ti-cris­tão.

A mí­dia em­pre­sa­ri­al que nun­ca se deu bem com a de­mo­cra­cia e que nu­tre um so­be­ra­no des­pre­zo pe­lo “po­vão” ou “po­vi­nho”, ou “ra­lé” na ex­pres­são téc­ni­co-pro­vo­ca­ti­va de Jes­sé Sou­za, jo­gou um pa­pel de­ci­si­vo na di­fu­são do an­ti-pe­tis­mo e do ódio.

Pa­ra o an­tipe­tis­mo va­le­ram to­dos os mei­os. Bas­ta ver os blogs. os twit­ters e os fa­ce­bo­oks sem fa­lar do in­con­tro­lá­vel meio do What­sApp que cri­ou re­des de di­fa­ma­ção e fake news con­tra o PT e o can­di­da­to Had­dad.

Ago­ra sa­be­mos que mi­lhões de men­sa­gens fal­sas, fo­ram fi­nan­cia­das por em­pre­sas pri­va­das que, se­gun­do a no­va le­gis­la­ção, é cri­me de cai­xa dois.

Mas es­ta é a ló­gi­ca da po­lí­ti­ca re­gi­da pe­lo con­cei­to do bo­de ex­pi­a­tó­rio, po­lí­ti­ca de ódio e de agres­são do ou­tro. As­sim co­mo exis­te o bul­ling nas es­co­las, ago­ra o bul­ling co­le­ti­vo é con­tra PT. Mas há que re­sis­tir à es­sa ig­no­mí­nia. A so­ci­e­da­de in­tei­ra de­ve fa­zer uma re­vi­são de seus an­ti-va­lo­res, de sua cor­rup­ção co­ti­di­na.

O Sin­di­ca­to dos Pro­cu­ra­do­res da Fa­zen­da (Sinprofaz) re­la­ta que até o dia 18/9/2018 cer­ca de 450 bi­lhões de re­ais fo­ram so­ne­ga­dos, par­ti­cu­lar­men­te pe­las gran­des em­pre­sas. Nos úl­ti­mos 10 anos elas dei­xa­ram de pa­gar 1,8 tri­lhões de re­ais. Es­sa não é a gran­de cor­rup­ção? Quem vai con­tra ela? Que faz o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e o pró­prio STF?

Se par­te des­ta dí­vi­da fos­se co­bra­da, não se pre­ci­sa­ria ne­nhu­ma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia É mais fá­cil e cô­mo­do cri­ar um bo­de ex­pi­a­tó­rio, o PT, e des­tar­te es­con­der a cor­rup­ção que gras­sa na so­ci­e­da­de, até no co­ti­dia­no do su­bor­no a po­li­ci­ais de trân­si­to.

Re­jei­ta­mos es­ta ló­gi­ca do bo­de ex­pi­a­tó­rio por ser se­le­ti­va, in­jus­ta, de­su­ma­na e pro­fun­da­men­te an­ti-éti­ca, co­mo de­nun­ci­a­va sem­pre Re­né Gi­rard.

 

(Le­o­nar­do Boff, fi­ló­so­fo, te­ó­lo­go e co-edi­tor do li­vro Re­né Gi­rard com te­ó­lo­gos da li­ber­ta­ção,Vo­zes 1991)

Comentários