Opinião

A deificação em “Maya”, do saudoso Ursulino Leão

diario da manha

Não sou crí­ti­co li­te­rá­rio. Apre­cio, en­tre­tan­to, re­se­nhar li­vros. É o que eu fa­ço, al­gu­mas ve­zes, em mi­nhas crô­ni­cas. Ho­je, ex­cep­cio­nal­men­te, te­ce­rei bre­ves con­si­de­ra­ções ana­lí­ti­cas acer­ca do li­vro “Maya”, de meu con­fra­de da AGL Ur­su­li­no Le­ão, re­cen­te­men­te fa­le­ci­do. É um fa­to in­con­tes­tá­vel. Ele, ao lan­çar so­bre­di­to ro­man­ce em 1949, quan­do alu­no do ter­cei­ro ano do cur­so de Di­rei­to em Be­lo Ho­ri­zon­te, apro­vei­tou-se des­sa si­tu­a­ção fac­tu­al co­mo re­si­den­te na pen­são da Ro­sá­lia, e pro­du­ziu, co­mo ele mes­mo ex­pli­cou no pró­lo­go da se­gun­da edi­ção (1975) que é “um li­vro de jo­vem, ela­bo­ra­do de um ja­to nas ho­ras que an­te­ce­di­am o jan­tar”. Um pe­que­no re­la­to: em 1986, li de sua la­vra, Pra­ça da Ve­re­da Mai­or, ro­man­ce com­pos­to de in­ter­po­la­ções nas qua­is faz des­fi­lar o per­so­na­gem cen­tral Go­do­fre­do, ser­vi­dor pú­bli­co, mais um des­ses an­dan­tes de nos­sas ur­bes, mais uma “des­sas exis­tên­cias na som­bra”. Con­fes­so que o sor­vi aos pou­cos. Gos­tei de­mais. Em 1981, foi a vez de ca­ir em mi­nhas mãos Ro­do­via Pre­fe­ren­ci­al, on­de apre­sen­ta con­tos de um re­a­lis­mo im­pres­sio­nan­te, ti­pos hu­ma­nos nu­ma mos­tra de que o au­tor sa­be li­dar com obras fic­tas, to­das im­preg­na­das de um po­der de nar­ra­ção de va­lor in­com­pa­rá­vel. Ago­ra, so­li­ci­tam-me que es­cre­va al­go so­bre Maya. Não o li nos idos de cin­quen­ta, uma vez que a ida­de me­nor não me per­mi­tia. Em 1949, por exem­plo, con­ta­va ape­nas com on­ze anos de ida­de e cur­sa­va a pri­mei­ra sé­rie gi­na­si­al no Ate­neu D. Bos­co. Fi-lo bem de­pois. Acho que em 1977, na se­gun­da edi­ção lan­ça­da pe­los Ir­mãos Ori­en­te, edi­to­res bas­tan­te con­si­de­ra­dos na­que­la épo­ca. Ao es­cre­ver Maya, in­du­bi­ta­vel­men­te Ur­su­li­no Le­ão abriu es­pa­ço pa­ra seu dé­but no uni­ver­so li­te­rá­rio. Em­bo­ra jo­vem e es­tre­an­te, já pos­su­ía o dom na­tu­ral, ina­to, pa­ra ima­gi­nar, cri­ar, per­so­na­gens que se al­te­ram num pal­co fic­tí­cio. A obra, é to­da ela do­ta­da de um re­a­lis­mo crí­ti­co e, ao mes­mo tem­po, lí­ri­co, na qual se su­ge­re a pre­sen­ça do au­tor, ora co­mo nar­ra­dor, ora co­mo Her­ma­no, seu al­ter-ego. Ape­sar dos ob­stá­cu­los – prin­ci­pal­men­te por cau­sa do fa­tor tem­po – não de­sis­ti da em­pre­sa. Mãos à obra, por­tan­to. O ro­man­ce pos­sui mui­tas fa­ce­tas que não dei­xam de ofe­re­cer es­pa­ços mi­di­á­ti­cos aos crí­ti­cos li­te­ra­is. O au­tor, tal­vez de pro­pó­si­to, se uti­li­za do no­me do Ser Su­pre­mo mais de uma cen­te­na de ve­zes, nu­ma amos­tra­gem de que, des­de aque­la épo­ca, já nu­tria seu acen­tu­a­do amor à Igre­ja Ca­tó­li­ca Apos­tó­li­ca Ro­ma­na, fé cris­tã que o acom­pa­nha até ho­je. Co­mo acon­te­ceu co­mi­go, que pas­sei do­ze anos com os pa­dres sa­le­sia­nos, co­mo alu­no e pro­fes­sor, Ur­su­li­no não se es­que­ceu de sua con­di­ção de ser um dos ex alie­vi de D. Bos­co. Lo­go no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, pe­la fa­la de Her­ma­no nos dá, por meio de me­tá­fo­ra, uma ex­pli­ca­ção so­bre a li­ber­da­de do ho­mem. E o faz da se­guin­te ma­nei­ra:

(…)

Her­ma­no não fa­la­va nun­ca de sua ca­sa. Ale­ga­va não com­pre­en­der mui­to bem por­que o ho­mem de­via ter um lar.

O ho­mem, di­zi­am-lhe sem­pre, era o ser li­vre. Nem Deus o quis pri­var da li­ber­da­de. E Deus era o man­da-chu­va do mun­do. E seu cri­a­dor. Um dia, en­te­di­a­do, ele co­me­çou a brin­car com bar­ro, na sua ola­ria. Nos quin­tais do céu, Je­o­vá ha­via man­da­do cons­tru­ir uma, pa­ra fa­bri­car te­lhas e com elas con­ser­tar go­tei­ras no pur­ga­tó­rio. Brin­can­do, su­as mãos in­fi­ni­ta­men­te ido­sas fi­ze­ram uma tra­ves­su­ra dig­na de boa-sur­ra. Cri­a­ram o Ho­mem! Um bo­ne­co de bar­ro, me­ti­do a mui­ta coi­sa. Mas Je­o­vá se ar­re­pen­deu da brin­ca­dei­ra. Ven­do o que fa­ria o bo­ne­co, sa­í­do de si em mo­men­to de té­dio, ati­rou-o num mon­te enor­me de bar­ro. E lá o dei­xou. Li­vre.

(…)

No ca­pí­tu­lo se­gun­do, o au­tor, no pa­pel do “eu nar­ra­dor”, dis­cor­ren­do so­bre o ví­cio de Ma­no­el açou­guei­ro, ou­tro per­so­na­gem que tem gran­de ob­sti­na­ção pe­la ca­cha­ça, e que em­bri­a­ga­do caía so­bre as ca­dei­ras, dan­do pon­ta­pé nos mó­veis, ba­ban­do no­jen­ta­men­te, um es­tor­vo pa­ra sua es­po­sa Eme­ren­ci­a­na (Me­ré), e, tam­bém, pa­ra sua fi­lha Si­bi­la, as­sim se re­fe­re à ce­na:

(…)

– Abre a por­ta, Me­ré! Abre a por­ta, bru­a­ca! Me­ré! Me­ré!…

Aque­les gri­tos lhe trans­mi­ti­am um pa­vor in­des­cri­tí­vel. Em­bru­lha­va-se mais e vi­ra­va pa­ra o can­to. Fe­cha­va os olhos. Fe­cha­va-os e via a mãe le­van­tar-se, cal­çar os chi­ne­los e ir es­can­ca­rar a por­ta. Sem res­mun­gar. Nem ao me­nos sus­pi­rar. Tam­bém, que enér­gi­ca era sua pro­ge­ni­to­ra! Seu Ma­no­el, com­ple­ta­men­te em­be­be­da­do, po­dia xin­gar, que­brar lou­ças, es­mur­rar pa­re­des. Mas nun­ca ou­sa­ra tris­car em do­na Me­ré. Ela, sem di­zer na­da, me­tia-o na ca­ma e en­fi­a­va-lhe pe­la bo­ca um chá es­pe­ci­al de an­te­mão pre­pa­ra­do. De­pois ia à mis­sa. E, co­mo uma es­tá­tua, o tem­po to­do de jo­e­lhos, pe­dia a Deus que lhe cu­ras­se o ma­ri­do. Pe­dia que ti­ves­se dó da Si­bi­li­nha. Agar­ra­va-se com San­ta Mô­ni­ca que, mãe de gran­de far­ris­ta, ava­li­a­ria me­lhor o seu so­fri­men­to. E co­chi­cha­va com San­to Agos­ti­nho, ad­ver­tin­do-lhe que co­mo já ha­via con­se­gui­do aban­do­nar o ví­cio e abra­çar a vir­tu­de, des­se ao Ma­no­el a re­cei­ta mi­la­gro­sa.

(…)

No ex­cer­to aci­ma, o au­tor não ti­tu­be­ou e, sem pes­ta­ne­jar, cha­mou San­to Agos­ti­nho (354-430) de gran­de far­ris­ta, afir­man­do que, ao de­pois, ha­via con­se­gui­do aban­do­nar o ví­cio e abra­çar a vir­tu­de.

To­dos sa­bem, e Ur­su­li­no tam­bém, que San­to Agos­ti­nho era um es­pí­ri­to ir­re­qui­e­to e se­den­to da ver­da­de. En­ve­re­dou por vá­ri­as cor­ren­tes fi­lo­só­fi­cas e sei­tas até abra­çar o cris­tia­nis­mo. In­cur­sio­nou pe­la vi­da amo­ro­sa, e vi­veu por mui­to tem­po com uma mu­lher. Am­bos ti­ve­ram um fi­lho. Até ho­je não se sa­be o no­me des­sa se­nho­ra que San­to Agos­ti­nho amou e por ela era foi ama­do. No ca­pí­tu­lo quar­to, pe­la bo­ca de Her­ma­no, em alu­são à so­ci­e­da­de, as­sim pro­fli­ga, fa­lan­do no­va­men­te so­bre o Ser Su­pre­mo:

(…)

Co­mo eu, não! Na­da te­nho con­tra a so­ci­e­da­de… A so­ci­e­da­de é um po­tro ma­nho­so… só der­ru­ba quem não lhe co­nhe­ce a téc­ni­ca dos pu­los… As mi­nhas in­vec­ti­vas con­tra es­te po­tro são ape­nas di­le­tan­tis­mo… pa­ra es­tar com a car­to­la da mo­da. Os meus ran­co­res, o cân­cer que pro­li­fe­ra em mim, to­da mi­nha re­vol­ta, só tem uma ori­gem. A ori­gem das ori­gens: Deus. Mil e uma ve­zes pre­fi­ro Ju­li­a­no, o Após­ta­ta, a San­to Agos­ti­nho e Iná­cio Lo­yo­la! Ser der­ro­ta­do por Ele, sa­ben­do-o po­de­ro­so à in­fi­ni­ta po­tên­cia – uma vi­tó­ria! Sa­bê-lo in­fi­ni­ta­men­te bon­do­so e res­pon­sa­bi­li­zá-lo pe­la mi­nha des­di­ta – a gló­ria! Mun­di­al­men­te ado­rá­vel e hu­ma­na­men­te te­mi­do e não o te­mer, nem ado­rá-lo – um pra­zer! Sa­bê-lo de­fen­di­do pe­los me­lho­res cé­re­bros que co­nhe­ço e pe­los ir­re­tor­quí­veis ar­gu­men­tos que os sé­cu­los ve­ne­ram e não lhes pro­por­ci­o­nar a opor­tu­ni­da­de de de­fen­dê-lo – uma se­du­ção!

(…)

Até pa­re­ce que o au­tor, pon­do de la­do sua fé cris­tã, co­lo­cou na voz de Her­ma­no pa­la­vras que ul­tra­jam a Deus e aos san­tos, pre­fe­rin­do fi­car com Ju­li­a­no, o Apos­ta­ta, im­pe­ra­dor ro­ma­no (361-363), que fi­cou cé­le­bre pe­la pre­ten­são de har­mo­ni­zar a cul­tu­ra e a jus­ti­ça com os va­lo­res da an­ti­ga re­li­gi­ão pa­gã de Ro­ma. Não é ver­da­de. Mais à fren­te, no ca­pí­tu­lo quin­to, nu­ma be­la me­tá­fo­ra acer­ca da ori­gem das mon­ta­nhas, o eu-nar­ra­dor ex­pli­ca a Ma­ria do Ro­sá­rio:

(…)

– Sa­be de uma coi­sa, eu te­nho uma te­o­ria so­bre a ori­gem das mon­ta­nhas.

– Mui­to bem!… Ve­ja­mos o que nos ofe­re­ce es­ta ca­be­ci­nha – aper­tei-a en­tre as mãos – em sub­sti­tui­ção ao vul­ga­rís­si­mo La­pla­ce…

Ela riu e ime­di­a­ta­men­te se fez sé­ria, re­pro­van­do de brin­ca­dei­ra a mi­nha zom­ba­ria.

– Não se­ja mau – con­ti­nuou – e ou­ça. Pres­te aten­ção, hein! Quan­do a ter­ra, nos pri­mei­ros tem­pos, es­ta­va se en­du­re­cen­do, um be­bê de qua­tro mes­es, o fi­lho do gran­de po­de­ro­so Deus, um deu­si­nho tra­ves­so de de­dos bem lon­gos e fi­nos veio até cá, mon­ta­do num co­me­ta. O gran­de Deus pos­su­ía uma ca­va­la­ri­ça de co­me­tas, ou­tra de ven­tos. Che­gan­do aqui, o pe­que­no deus se pôs a fa­zer có­ce­gas no ven­tre e nas axi­las da ter­ra, com seus de­dos com­pri­dos e há­beis. A po­bre­zi­nha se con­tor­cia to­da, num cor­co­ve­ar fra­go­ro­so que de­sa­tou ri­so in­fan­til do deu­zi­to. E que o le­vou a pro­lon­gar por mui­to tem­po sua in­dig­na dis­tra­ção…

As­sim, foi gra­ças à con­vul­são pro­vo­ca­da por es­se mo­le­que di­vi­no em re­creio, que sur­gi­ram, na su­per­fí­cie da ter­ra, dan­tes li­sa co­mo um la­go, as cor­di­lhei­ras, os mon­tes e a nos­sa ser­ra!”

(…)

O con­fi­te­or deo do au­tor vem no ca­pí­tu­lo se­te, no qual de­mons­tra sua li­ga­ção atá­vi­ca com o he­rô­ni­mo Her­ma­no. Fa­la, en­tão, de sua cren­ça em Deus:

(…)

Ho­je re­sol­vi co­lar mi­nha al­ma nu­ma lâ­mi­na de aná­li­se. Fa­rei o pos­sí­vel pa­ra sa­ber ao cer­to o que sin­to por Her­ma­no. Acho que te­nho o co­ra­ção sa­tu­ra­do de sen­ti­men­tos in­com­pa­tí­veis, des­co­ne­xos, bons e maus, em em­bri­ão, ma­du­ros e em de­cre­pi­tu­de. Uma es­pé­cie de ar­ca de noé do sen­ti­men­to hu­ma­nos. Não sei bem qual des­tes é o que me se­pa­ra de Her­ma­no. Sei que é al­go di­fe­ren­te, po­de­ro­so, in­do­má­vel e in­cóg­ni­to. Eu creio em Deus. Sou cris­tão. Na ro­da de meus ami­gos al­guns até me cha­mam de pu­ri­ta­no. Mas acho, tal­vez não te­nha mui­to de amor ao pró­xi­mo o fun­do de mi­nhas re­la­ções com Her­ma­no.

(…)

Ou­tros ex­cer­tos, nos qua­is o au­tor, por ele mes­mo ou por meio de per­so­na­gens, ex­pres­sa sua ca­to­li­ci­da­de:

(…)

A sex­ta-fei­ra san­ta se ar­ras­tou len­ta­men­te. E a noi­te veio an­tes, com de­dos em­pe­li­ca­dos, min­guan­do ain­da mais a cha­ma ro­sa­da do sol. Tal­vez an­sio­sa por se mos­trar de lu­to fe­cha­do, no en­ter­ro do Su­se­ra­no de To­das As Lu­zes.

Fui à pro­cis­são. A pro­cis­são do Se­nhor Mor­to, não há me­lhor te­ra­pêu­ti­ca pa­ra os amo­le­ci­men­tos da fé. Pa­ra mim é de gran­de efei­to. As mar­chas fú­ne­bres. Os sen­ti­men­tos pu­ro e ro­bus­to dos pri­mei­ros cris­tã­os, guar­da­do nos cân­ti­cos to­can­tes da li­tur­gia. As ve­lhi­nhas cur­va­das, de véu à ca­be­ça, des­fi­an­do as con­tas do ro­sá­rio. As fi­lei­ras va­ci­lan­tes das ve­las de ce­ra. O Cris­to Mor­to. E a Vir­gem que cho­rou, com os olhos bai­xos. Mul­ti­dão res­pei­to­sa, pro­cu­ran­do so­frer a dor do Mes­tre, no cor­po mun­da­no e na al­ma re­bel­de.

(…)

Eu que te­nho li­do mui­tos li­vros de au­to­res cris­tã­os, ja­mais ti­nha vis­to uma des­cri­ção da Se­ma­na San­ta tão be­la co­mo es­ta.

Cri­ti­can­do os ca­tó­li­cos, is­to é aque­les que não se­guem cor­re­ta­men­te as re­gras ecle­siás­ti­cas, pe­la voz do co­mu­nis­ta Ed­son Cas­ca­du­ra, as­sim se ex­pres­sa:

(…)

– Já sei. Que­ro di­zer, quan­do afir­mo ine­xe­qüí­vel a pro­i­bi­ção da Igre­ja, que o es­pí­ri­to de sua lei, a pró­pria lei en­fim, já que a Igre­ja se diz mís­ti­ca, é acin­to­sa­men­te vi­o­la­da pe­las ter­ri­nas fu­me­gan­tes das su­cu­len­tas pei­xa­das bur­gue­sas, pe­los soi­di­sant ca­tó­li­cos, que, com al­guns “Deus me per­doa” por di­ges­ti­vo, co­mem o seu bi­fe e pe­lo res­to, que quer co­mer, mas não o tem… en­ten­di­do?

O au­tor, por meio de seu al­ter-ego Her­ma­no, re­me­mo­ra sua vi­da de jo­vem in­ter­no no gi­ná­sio An­chi­e­ta, em Sil­vâ­nia, di­ri­gi­do pe­los sa­le­sia­nos, on­de as­sis­tia à li­tur­gia da Se­ma­na San­ta. Ve­jam que be­las lo­cu­ções:

(…)

Her­ma­no co­me­çou a con­ver­sar com a bo­ca cheia.

– Ago­ra mes­mo es­ta­va me lem­bran­do da Se­ma­na San­ta, no in­ter­na­to on­de es­tu­dei. In­te­res­san­te! Pou­cas ve­zes me re­cor­do des­se tem­po. Vo­cês, com es­sa his­tó­ria de Igre­ja, pe­ni­tên­cia, ba­ca­lhau, são res­pon­sá­veis por is­so. In­te­res­san­te!… a al­ma da gen­te guar­da tu­do… que es­tú­pi­da ocu­pa­ção! Du­ran­te a Se­ma­na San­ta ía­mos à Ma­triz as­sis­tir às prin­ci­pa­is ce­ri­mô­ni­as re­li­gi­o­sas do dia. Aque­las mais so­le­nes cu­jo ri­tu­al com­pli­ca­do exi­gia a sun­tu­o­si­da­de de uma Igre­ja e não a hu­mil­da­de de nos­sa ca­pe­la. Ce­ri­mô­ni­as len­tas chei­as de in­cen­so e de mi­nú­cias. (…) Mas há um fa­to: o can­to exer­cia uma gran­de in­flu­ên­cia so­bre mim. E, lon­ge de me ati­çar a de­vo­ção, de me fa­zer pre­li­bar as do­çu­ras do céu, me iso­la­va do am­bi­en­te. E me pu­nha a ima­gi­nar cou­sas, obran­do an­tro­po­mor­fis­mos, ab­sur­dos. Re­a­li­zan­do, me­lho­ran­do. Mas sem­pre agar­ra­do à ter­ra, co­mo o ca­ra­mu­jo à sua con­cha. O som do ór­gão era ca­vo e bo­ni­to…

Aqui es­tá o que pu­de es­cre­ver so­bre Maya. Po­de­ria fa­zê-lo mui­to mais, pois a obra de Ur­su­li­no tem o tim­bre da mo­der­ni­da­de, ha­ja vis­ta a enor­me quan­ti­da­de de tro­pos. Ao lê-la vê­em-se uma enor­me quan­ti­da­de de cons­tru­ções fra­se­o­ló­gi­cas, me­tá­fo­ras lin­das, al­gu­mas de­las, em­bo­ra pe­can­do pe­la ex­ces­si­vi­da­de do es­ti­lo bar­ro­co, ofe­re­cem ao lei­tor o ce­ná­rio vi­vi­do pe­lo au­tor nu­ma épo­ca pós Es­ta­do No­vo, em ple­no go­ver­no do Ma­re­chal Du­tra (1946-1951), em cu­ja ges­tão se deu a er­ra­di­ca­ção do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Bra­si­lei­ro, cu­jos re­fle­xos o au­tor bus­cou mos­trar por meio de su­as idéi­as con­trá­ri­as a es­se re­gi­me, idéi­as es­tas que até ho­je per­du­ra­vam na sua for­ma­ção de­mo­crá­ti­ca.

Maya, in­du­bi­ta­vel­men­te, en­ri­que­ce so­bre­ma­nei­ra o pa­tri­mô­nio cul­tu­ral da li­te­ra­tu­ra anhan­gue­ri­na.

 

(Lu­iz Au­gus­to Pa­ra­nhos Sam­paio, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás da Aca­de­mia Ca­ta­la­na de Le­tras e da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res. E-mail: lui­zau­gus­to­sam­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais