Opinião

A falácia da contabilidade internacional

diario da manha

A “con­ta­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal” im­pos­ta pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral de Con­ta­bi­li­da­de ao meio con­tá­bil tem sus­ci­ta­do mui­tas dú­vi­das nos alu­nos e nos pro­fis­si­o­nais da con­ta­bi­li­da­de so­bre a obri­ga­ção ou não de apli­car es­tas nor­mas em su­as em­pre­sas, pois mui­tos dos seus pro­nun­ci­a­men­tos con­tra­ri­am as leis bra­si­lei­ras, e, pe­la nos­sa le­gis­la­ção, nin­guém é obri­ga­do a fa­zer ou dei­xar de fa­zer al­gu­ma coi­sa se­não em vir­tu­de de lei.

É im­por­tan­te re­gis­trar que não exis­te “con­ta­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal”. Em ca­da pa­ís, o con­ta­dor tem que obe­de­cer às nor­mas le­gais de on­de atua. Não há um tra­ta­do in­ter­na­ci­o­nal fir­ma­do en­tre os go­ver­nos cons­ti­tu­í­dos es­ta­be­le­cen­do nor­mas úni­cas de con­ta­bi­li­da­de que obri­gue os paí­ses sig­na­tá­rios a cum­pri­rem as mes­mas nor­mas con­tá­beis na ela­bo­ra­ção de su­as de­mons­tra­ções con­tá­beis.

O que se cha­ma co­mu­men­te de “con­ta­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal” ou de “nor­mas in­ter­na­cio­nais de con­ta­bi­li­da­de” é, na ver­da­de, um con­jun­to de pro­nun­ci­a­men­tos de­no­mi­na­do de Nor­mas In­ter­na­cio­nais de Re­la­tó­rios Fi­nan­cei­ros (IFRS), edi­ta­do pe­lo Con­se­lho de Nor­mas In­ter­na­cio­nais de Con­ta­bi­li­da­de (Iasb), uma en­ti­da­de pri­va­da (que qual­quer um po­de­ria cons­ti­tu­ir) for­ma­da por en­ti­da­des da pro­fis­são con­tá­bil de al­guns paí­ses, não re­co­nhe­ci­da pe­los go­ver­nos.

O ob­je­ti­vo des­ta en­ti­da­de é ori­en­tar os in­ves­ti­do­res que ne­go­ci­am nas bol­sas de va­lo­res mo­bi­liá­rios. Pa­ra tan­to, edi­ta os seus pró­prios pro­nun­ci­a­men­tos, vi­san­do uni­for­mi­zar os pro­ce­di­men­tos con­tá­beis pa­ra que os re­sul­ta­dos eco­nô­mi­cos se­jam apu­ra­dos da mes­ma for­ma.

Co­mo já di­to, as nor­mas de con­ta­bi­li­da­de (IFRS) edi­ta­das pe­lo Iasb e ra­ti­fi­ca­das pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral de Con­ta­bi­li­da­de (CFC) não são de cum­pri­men­to obri­ga­tó­rio por­que não exis­te tra­ta­do in­ter­na­ci­o­nal obri­gan­do os paí­ses a cum­pri­rem is­to.

A Lei 11.638/2007, ao tra­tar das nor­mas in­ter­na­cio­nais da con­ta­bi­li­da­de, de­ter­mi­na que quem edi­ta es­tas nor­mas é a Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­rios (CMV), e não o Iasb ou o Con­se­lho Fe­de­ral de Con­ta­bi­li­da­de (CFC). Diz, ain­da, que es­tas nor­mas de­vem ser aque­las ado­ta­das nos prin­ci­pa­is mer­ca­dos de va­lo­res mo­bi­liá­rios. Des­ta for­ma, as nor­mas con­tá­beis ado­ta­das pe­las com­pa­nhi­as que ne­go­ci­am nas bol­sas de va­lo­res mo­bi­liá­rios são de­fi­ni­das pe­la CVM, e não pe­lo CFC. O CFC tem a obri­ga­ção de se pre­o­cu­par com a con­ta­bi­li­da­de bra­si­lei­ra.

É im­por­tan­te tam­bém re­gis­trar que a Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­rios não po­de fir­mar con­vê­nio com o CFC pa­ra tra­tar da con­ta­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal, pois, con­for­me a Lei 6.385/76 (art. 10A), as en­ti­da­des com quem a CVM po­de­rá ce­le­brar con­vê­nio não de­vem ser ex­clu­si­va­men­te com­pos­tas por pro­fis­si­o­nais con­tá­beis.

Por­tan­to, o Con­se­lho Fe­de­ral de Con­ta­bi­li­da­de, em vez de con­si­de­rar as nor­mas de con­ta­bi­li­da­de (IFRS) edi­ta­das pe­lo Iasb co­mo nor­mas-pa­drão, de­ve­ria dar co­nhe­ci­men­to aos pro­fis­si­o­nais e es­tu­dan­tes de con­ta­bi­li­da­de so­bre as par­ti­cu­la­ri­da­des das con­ta­bi­li­da­des ado­ta­das em ca­da pa­ís. As­sim, se o Con­ta­dor qui­ser com­pa­rar as de­mons­tra­ções con­tá­beis de uma em­pre­sa bra­si­lei­ra às de uma nor­te-ame­ri­ca­na, por exem­plo, bas­ta fa­zer a de­vi­da aná­li­se e com­pa­ra­ção en­tre elas e sa­be­rá on­de es­tão as di­fe­ren­ças. Ago­ra, im­por uma nor­ma edi­ta­da por um ór­gão pri­va­do, cu­ja apli­ca­ção não é man­da­tó­ria, é pres­tar um des­ser­vi­ço aos pro­fis­si­o­nais con­tá­beis.

 

(Sa­lé­zio Da­gos­tim, con­ta­dor, pes­qui­sa­dor con­tá­bil, pro­fes­sor da Es­co­la Bra­si­lei­ra de Con­ta­bi­li­da­de – Ebracon, pre­si­den­te da As­so­cia­ção de Pro­te­ção aos Pro­fis­si­o­nais Con­tá­beis do RS – Apro­con Con­tá­bil-RS e só­cio da Da­gos­tim Con­ta­do­res As­so­cia­dos (P. Ale­gre/RS) – sa­le­[email protected]­gos­tim.com.br)

tags:

Comentários