Opinião

A safadeza e a molecagem do Congresso para vergonha dos probos representantes

diario da manha

O ma­gis­tra­do de es­col e ar­ti­cu­lis­ta do DM Li­be­ra­to Pó­voa em seu ar­ti­go de 29/08/18 re­ver­be­ra as ma­ze­las da­que­les que de­ve­ri­am dar o exem­plo. O Rei Le­ar se egres­so da pe­ça de Shakes­pe­a­re fi­ca­ria mais atô­ni­to ain­da di­an­te da nos­sa re­a­li­da­de. Nun­ca atin­gi­mos a me­lhor par­te. A in­ter­net nos traz no­vi­da­des que nos des­tro­çam. A ple­to­ra de ad­je­ti­va­ção des­se mag­nus pre­tor da ma­gis­tra­tu­ra que se abes­pi­nha a ca­da de­cla­ra­ção de em­bus­te tra­zi­dos pe­las re­des so­ci­ais que não dei­xam na­da es­con­di­do, com­ba­te es­ses ar­ri­vis­tas de ma­no­bras ra­ta­tu­í­nas. A no­tí­cia de que a nos­sa ama­da Câ­me­ra Fe­de­ral de­ci­diu gas­tar R$ 400 mi­lhões pa­ra com­prar um pré­dio no­vo (obra to­tal es­ti­ma­da em R$ 1 bi­lhão) a par­tir de agos­to de 2016, com ga­bi­ne­tes pa­ra de­pu­ta­dos, foi uma de­ci­são da me­sa di­re­to­ra, co­man­da­da pe­lo de­ca­den­te de­pu­ta­do Eduar­do Cu­nha, que de he­rói vi­rou ban­di­do, in­for­ma. O pro­ble­ma do Bra­sil é o des­per­dí­cio e a cor­rup­ção. Fal­tam mé­di­cos nos hos­pi­tais. ‘’. Nin­guém ig­no­ra que no Bra­sil não há di­nhei­ro pa­ra a com­pra de re­mé­di­os, de ma­te­ri­al bá­si­co pa­ra aten­di­men­to, ins­ta­la­ções de de­cen­tes, pa­ga­men­to de mé­di­cos. Ora, os de­pu­ta­dos de Bra­sí­lia já pos­su­em de­ze­nas de mor­do­mi­as e es­pa­ços ma­ra­vi­lho­sos de tra­ba­lho, en­quan­to áre­as es­sen­ci­ais da sa­ú­de pú­bli­ca es­tão so­fren­do de ne­ces­si­da­des bá­si­cas‘’, de­nun­cia es­se ilus­tre dou­to com as­ser­ti­vi­da­de na co­bran­ça. Es­se sa­lo­mô­ni­co ar­ti­cu­lis­ta que não pa­ga de vi­van­dei­ra, ca­li­bra a sua ver­ve pa­ra mal­si­nar es­sa tur­ba mal­ta de sa­far­da­nas, se­qui­o­sos de si­ne­cu­ras e pre­ben­das. ‘’É mui­ta sa­fa­de­za! É mo­le­ca­gem de­mais! ’’ Só mes­mo um pu­si­lâ­ni­me fi­ca­ria co­ni­ven­te com a mo­le­ca­gem des­sa ca­ter­va que as­sal­ta o Erá­rio pú­bli­co. Pas­ma mes­mo ver ex-mi­nis­tros e ex-se­cre­tá­rios do Es­ta­do di­vi­din­do a cor­nu­có­pia do po­der, as­som­bra mes­mo es­sas si­ne­cu­ras nos in­tes­ti­nos da na­ção. É coi­sa de em­bus­tei­ros in­fra-hu­ma­nos: ‘’ um ci­da­dão ter que con­tri­bu­ir com a Pre­vi­dên­cia, ao lon­go de trin­ta e cin­co anos, pa­ra ter di­rei­to a re­ce­ber uma pen­são-es­mo­la, en­quan­to de­pu­ta­dos ne­ces­si­tam de um ou dois man­da­tos, e al­guns mem­bros do Go­ver­no, con­for­me o ca­so, que, pa­ra te­rem o di­rei­to de co­brar pen­são má­xi­ma pre­ci­sam uni­ca­men­te do ju­ra­men­te de pos­se ‘’, vo­ci­fe­ra es­se ju­ris­ta ex­pe­ri­en­te no ris­ca­do. A sua fai­na in­dô­mi­ta, ho­je uma le­gen­da de lu­tas no fa­nal das lu­tas li­ber­tá­ri­as, é um con­tun­den­te li­be­lo con­tra to­das as in­jus­ti­ças pra­ti­ca­das na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca que es­pe­zi­nha a apo­sen­ta­do­ria das vi­ú­vas e apo­sen­ta­dos, além de man­te­rem os seus mi­lha­res de as­po­nes e ba­te-paus com sa­lá­ri­os so­nha­dos pe­los mais qua­li­fi­ca­dos téc­ni­cos que ga­nham mais do que ofi­ci­ais ge­ne­ra­is e ci­en­tis­ta que en­gran­de­cem o Bra­sil. Es­se aque­du­to de cor­rup­ção me­re­ce um es­tu­do te­ra­to­ló­gi­co. A mal­ver­sa­ção do Erá­rio pú­bli­co, em to­da a Amé­ri­ca La­ti­na, é uma gan­gre­na con­tra as ins­ti­tu­i­ções de­mo­crá­ti­cas. Co­mo di­zia A.Lin­coln: ‘’Po­de-se en­ga­nar a to­dos por al­gum tem­po; a al­gu­mas pes­so­as o tem­po to­do. Mas não se po­de en­ga­nar a to­dos por to­do o tem­po ‘’. Co­mo en­si­nou o sá­bio Ma­ci­el, as con­se­quên­cias vêm de­pois. “ E o pi­or é que não se vis­lum­bra uma so­lu­ção pa­ra es­te nos­so Bra­sil sem lí­de­res, on­de os pre­ten­sos ‘’sal­va­do­res da pá­tria’’ en­sai­am re­a­ções ape­nas até o mo­men­to em que os con­cha­vos por bai­xo do pa­no mos­tram que, na ver­da­de, nos­sos re­pre­sen­tan­tes, com mi­cros­có­pi­cas ex­ce­ções, não pas­sam de re­fi­na­dos vi­ga­ris­tas, afir­ma es­se afir­ma ju­ris­ta sem­pre re­fer­to de sa­ben­ça ju­rí­di­ca. Nes­se pa­ís em que “so­mos o úni­co ca­so de de­mo­cra­cia em que con­de­na­dos por cor­rup­ção le­gis­lam con­tra ju­í­zes que os con­de­na­ram, va­le ci­tar ou­tra má­xi­ma: ”To­do ju­iz tem o réu que me­re­ce”.

 

(Ed­val­do Ne­po­mu­ce­no, es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais