diario da manha

Quan­do se afu­ni­lam os fa­tos pa­ra de­sem­bo­car no dia da elei­ção, tam­bém se con­cen­tram as bai­xa­ri­as das cam­pa­nhas. A ca­da dia que pas­sa, as­sis­ti­mos des­con­so­la­dos a um ver­da­dei­ro fes­ti­val de ata­ques pes­so­ais, que ocu­pam qua­se to­do o ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to.

Es­co­la­do em elei­ção, pos­to que pas­sei por to­dos os car­gos na Jus­ti­ça Elei­to­ral, pos­so di­zer “de ca­dei­ra” que, não ob­stan­te o ce­ná­rio atu­al, já hou­ve sen­sí­vel evo­lu­ção no que con­cer­ne às cam­pa­nhas. E o exem­plo é ter eu si­do um ne­ó­fi­to can­di­da­to a de­pu­ta­do es­ta­du­al e não so­fri um só ata­que de quem quer que se­ja pa­ra en­la­me­ar mi­nha hon­ra. Se­gu­ra­men­te na­da acha­ram no meu pra­tras­men­te.

Nos­so Có­di­go Elei­to­ral, de as­pec­to pa­le­o­zói­co, cla­ma por uma ur­gen­te e pro­fun­da mo­di­fi­ca­ção, pa­ra ade­quar-se à evo­lu­ção da so­ci­e­da­de, de sor­te a ser um di­plo­ma le­gal pe­re­ne, que ape­nas ser­ve de re­fe­rên­cia, pois, na ver­da­de, a Jus­ti­ça Elei­to­ral é di­ri­gi­da à for­ça de re­so­lu­ções, que vêm bem ao sa­bor dos ca­su­ís­mos que re­gem os plei­tos.

Nas elei­ções pas­sa­das ha­via cer­tas coi­sas que, gra­ças a Deus, su­mi­ram do pa­no­ra­ma das cam­pa­nhas.

Uma de­las era aque­la fal­ta de ver­go­nha que con­sis­tia em o ser­vi­dor pú­bli­co afas­tar-se do car­go, com re­mu­ne­ra­ção, des­de o re­gis­tro da can­di­da­tu­ra até após as elei­ções. Ob­ser­va­va-se que ha­via “can­di­da­tos” que ti­nham dois, três, cin­co vo­tos, num cla­ro ates­ta­do de que ape­nas usa­vam do car­go pa­ra ti­rar uma li­cen­ça re­mu­ne­ra­da.

Em um dos en­con­tros da Jus­ti­ça Elei­to­ral (eu Pre­si­den­te do TRE), pro­pus que, a per­sis­tir es­sa li­cen­ça re­mu­ne­ra­da, o can­di­da­to que não ob­ti­ves­se uma vo­ta­ção mí­ni­ma (que nem me lem­bro mais qual era), se­ria obri­ga­do a res­sar­cir o Erá­rio ao fim da li­cen­ça. Evi­den­te­men­te que não po­de ser cre­di­ta­do à mi­nha pro­pos­ta, mas o fa­to é que não exis­te mais es­sa fi­gu­ra, aca­ban­do com a far­ra dos eter­nos can­di­da­tos que se afas­ta­vam ape­nas pa­ra fa­zer cam­pa­nha pa­ra os ou­tros.

Evo­lu­iu tam­bém a Jus­ti­ça Elei­to­ral ao pro­i­bir os cha­ma­dos “showmí­cios”, as ca­mi­se­tas e os brin­des. Is­to trou­xe um freio ao po­der eco­nô­mi­co, ni­ve­lan­do os can­di­da­tos, pois to­do mun­do pas­sou a ter os mes­mos di­rei­tos, com­pe­tin­do, nes­se as­pec­to, em pé de igual­da­de.

An­tes, os mais abas­ta­dos tra­zi­am, a pe­so de ou­ro, du­plas fa­mo­sas pa­ra ar­re­ba­nha­rem o po­vo em tor­no de um pa­lan­que, e hou­ve mui­tos ca­sos em que o ape­lo po­pu­lar le­vou à elei­ção de ar­tis­tas, jo­ga­do­res de fu­te­bol e ra­di­a­lis­tas, que, sem o mí­ni­mo ti­que de po­lí­ti­cos, ocu­pa­ram o lu­gar de al­guém que po­de­ria ser mais bem apro­vei­ta­do no Par­la­men­to.

No To­can­tins, na mi­nha épo­ca de TRE, até se en­sai­ou a can­di­da­tu­ra do pa­go­dei­ro Va­vá a de­pu­ta­do por en­co­men­da de Si­quei­ra Cam­pos, e a de­sis­tên­cia de sua can­di­da­tu­ra di­an­te da pro­i­bi­ção dos “showmí­cios” ape­nas veio cor­ro­bo­rar que can­to­res, ra­di­a­lis­tas e jo­ga­do­res de fu­te­bol eram ape­nas cha­ma­riz de vo­tos pa­ra, ele­gen­do-os, en­gor­dar a le­gen­da e au­men­tar os quo­ci­en­tes par­ti­dá­rio e elei­to­ral. Ago­ra, es­ta far­ra tam­bém aca­bou.

A pro­i­bi­ção de brin­des, ca­mi­se­tas, “bot­tons” e ou­tras coi­si­nhas que des­ni­ve­la­vam as cam­pa­nhas e da­vam for­ça ao po­der eco­nô­mi­co aca­ba­ram por ten­tar co­lo­car os can­di­da­tos em pé de igual­da­de, dan­do um so­pro de de­mo­cra­cia às cam­pa­nhas.

Mas ain­da fal­ta mui­ta coi­sa pa­ra co­lo­car as elei­ções no seu ver­da­dei­ro sen­ti­do. Uma de­las é a pro­pa­gan­da elei­to­ral. Não se­rá sur­pre­sa se nas pró­xi­mas elei­ções (se os de­pu­ta­dos e se­na­do­res ti­ve­rem a co­ra­gem de mu­dar) a pro­pa­gan­da se res­trin­gir – co­mo nos paí­ses adi­an­ta­dos – a di­vul­gar as pro­pos­tas dos par­ti­dos e dos can­di­da­tos, pro­i­bin­do, ter­mi­nan­te­men­te, os ata­ques pes­so­ais, que nes­tas elei­ções en­la­me­a­ram as cam­pa­nhas. Em vez de apre­sen­ta­rem pro­pos­tas de go­ver­no, os can­di­da­tos ocu­pam 90% de seu tem­po me­xen­do na fe­ri­da alheia, le­van­tan­do de­fun­tos an­ti­gos, di­fa­man­do os ad­ver­sá­rios e es­que­cen­do-se de le­var ao elei­tor as pro­pos­tas. E, à fal­ta de pro­pos­tas, pre­fe­rem, já na un­dé­ci­ma ho­ra, com­prar vo­tos.

O TSE de­ve­ria res­trin­gir a pro­pa­gan­da ao seu sen­ti­do ver­da­dei­ro, não per­mi­tin­do, de for­ma al­gu­ma, que os pro­nun­ci­a­men­tos saís­sem da pla­ta­for­ma elei­to­ral pa­ra aden­trar a vi­da pes­so­al, sob pe­na de cas­sa­ção da can­di­da­tu­ra dos ofen­so­res. Com is­to, dar-se-ia um fim à po­dri­dão que le­va a pú­bli­co as­sun­tos que fe­rem a pri­va­ci­da­de do ci­da­dão, num au­tên­ti­co fes­ti­val de bai­xa­ria. E a pró­pria Jus­ti­ça Elei­to­ral se­ria be­ne­fi­ci­a­da, pois não pre­ci­sa­ria mais con­ce­der o di­rei­to de res­pos­ta nem ti­rar do ar pro­gra­mas ofen­si­vos. Além do que, com is­to, sa­ber-se-ia quem tem o me­lhor pla­no. Os even­tua­is ata­ques pes­so­ais, que ocor­rem de par­te a par­te, se­ri­am re­sol­vi­dos na Jus­ti­ça co­mum.

De­ve­ri­am tam­bém as pes­qui­sas ater-se aos pla­nos de go­ver­no e ser mui­to fis­ca­li­za­das, pois, co­mo o bra­si­lei­ro não sa­be vo­tar, ain­da é da­que­la épo­ca em que é le­va­do a vo­tar no lí­der das pes­qui­sas, por­que “não quer per­der o seu vo­to”. Não sa­ben­do da for­ça que tem pa­ra mo­di­fi­car as coi­sas atra­vés do su­frá­gio.

As re­des so­ci­ais vêm en­tu­pin­do os es­pa­ços com ver­da­dei­ros ab­sur­dos: es­tes di­as, Had­dad re­sol­veu eli­mi­nar a cor ver­me­lha de seu par­ti­do, sub­sti­tuin­do-a pe­las co­res ver­de e ama­re­lo (que são as de Bol­so­na­ro). Mas o ob­je­ti­vo, tal­vez, se­ja ca­ti­var o elei­tor ou – o que é mais pro­vá­vel – con­fun­di-lo: tão lo­go se ope­rou a mu­dan­ça das co­res, ma­ni­fes­tan­tes pe­tis­tas, tra­ja­dos de ca­mi­se­tas ver­de-ama­re­las e em­pu­nhan­do a Ban­dei­ra Na­ci­o­nal, pro­mo­ve­ram uma pas­se­a­ta pe­las ru­as do Re­ci­fe, dis­tri­buin­do ca­pim, nu­ma su­ja in­si­nua­ção de que Bol­so­na­ro es­ta­va tra­tan­do o so­fri­do po­vo nor­des­ti­no de bur­ros.

Só que os or­ga­ni­za­do­res da pas­se­a­ta não con­ta­vam com a es­per­te­za dos nor­des­ti­nos: um re­ci­fen­se te­ve a ca­dên­cia de ano­tar to­das as pla­cas dois ve­í­cu­los que os­ten­ta­vam as co­res de Bol­so­na­ro, as fai­xas com pa­la­vras de or­dem e a Ban­dei­ra Na­ci­o­nal, foi ao De­tran e iden­ti­fi­cou os do­nos dos ve­í­cu­los: to­dos per­ten­ci­am a mi­li­tan­tes pe­tis­tas. Pu­ra bai­xa­ria! Es­tou com meu ami­go e aba­li­za­do ad­vo­ga­do Na­tha­na­el La­cer­da: “Es­quer­dis­ta é bur­ro: de­vi­am ter fei­to a pas­se­a­ta com car­ro­ça, pois car­ro­ça não tem pla­ca!”. E além dis­so, fi­ca­va mais ade­qua­do aos or­ga­ni­za­do­res.

Ho­je, em vez de apre­sen­tar uma pro­pos­ta, um can­di­da­to ata­ca o ou­tro, fi­lho se re­be­la con­tra o pai, ami­za­des se des­fa­zem, a hon­ra é en­la­me­a­da, tu­do em no­me da ga­nân­cia do po­der.

Che­ga de bai­xa­ria!

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do. li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários