Opinião

Acupuntura e depressão

diario da manha

As os­ci­la­ções de hu­mor são con­si­de­ra­das nor­mais nos se­res hu­ma­nos, um dia, sem ne­nhu­ma ra­zão acor­da­mos dis­pos­tos, chei­os de pla­nos e com von­ta­de de es­tu­dar­mos, tra­ba­lhar, de es­tar com as pes­so­as que­ri­das; nou­tro, tam­bém sem ne­nhu­ma ra­zão, acor­da­mos me­lan­có­li­cos, sem von­ta­de de sa­ir da ca­ma, que­ren­do fi­car qui­e­tos e so­zi­nhos. Des­de que não in­ten­sas tais os­ci­la­ções não re­pre­sen­tam do­en­ça.O di­ag­nós­ti­co de de­pres­são é da­do quan­do a os­ci­la­ção no sen­ti­do da me­lan­co­lia se tor­na mais cons­tan­te ou pro­fun­do.De­ve­mos ter em con­ta que de­pres­são não é um sin­to­ma, de­pres­são é um di­ag­nós­ti­co mé­di­co.

Os sin­to­mas vi­ven­cia­dos pe­las pes­so­as di­ag­nos­ti­ca­das com de­pres­são po­dem ser de tris­te­za, apa­tia, fal­ta de âni­mo pa­ra a re­a­li­za­ção das ati­vi­da­des di­á­rias, so­no não re­pa­ra­dor ou di­fi­cul­da­de pa­ra co­me­çar a dor­mir, des­per­ta­ra mui­to ce­do e fi­car pen­san­do com pe­sar no que se tem pa­ra fa­zer, von­ta­de de fi­car qui­e­to e iso­la­do, im­pa­ci­ên­cia, ir­ri­ta­bi­li­da­de, sen­sa­ção de que se es­tá do­en­te mas sem en­ten­der o que es­tá de fa­to acon­te­cen­do, me­do de mor­rer, me­do de per­der o pa­tri­mô­nio ou a se­gu­ran­ça, den­tre ou­tros.

Atu­al­men­te di­vi­di­mos a de­pres­são em epi­só­di­os de­pres­si­vos, quan­do os sin­to­mas aci­ma são pon­tu­ais e re­la­ci­o­na­dos com per­das: de tra­ba­lho, de ca­sa­men­to, de um en­te pró­xi­mo, de uma ex­pec­ta­ti­va não re­a­li­za­da. E em tran­stor­nos de­pres­si­vos, quan­do os epi­só­di­os se tor­nam re­cor­ren­tes e as cau­sas de­sen­ca­de­an­tes não são bem es­ta­be­le­ci­das.

Se­gun­do da­dos re­cen­tes da OMS, o Bra­sil tem o mai­or nú­me­ro de pes­so­as so­fren­do de de­pres­são na Amé­ri­ca La­ti­na, jun­to com a Ucrâ­nia, Aus­trá­lia e Es­ta­dos Uni­dos apre­sen­ta a mai­or ta­xa de de­pres­são na po­pu­la­ção mun­di­al – 5,9% ou cer­ca de 11,5 mi­lhões de pes­so­as.

O tra­ta­men­to con­ven­cio­nal pa­ra de­pres­são es­tá ba­se­a­do na as­so­cia­ção de an­ti­de­pres­si­vos e an­sio­lí­ti­cos e nos ca­so mais se­ve­ros an­ti­de­pres­si­vos, es­ta­bi­li­zan­tes do hu­mor e an­sio­lí­ti­cos. Em ter­mos far­ma­co­ló­gi­cos os an­ti­de­pres­si­vos atuam na se­ro­to­ni­na, um neu­ro­trans­mis­sor, es­ti­mu­lan­do sua pro­du­ção ou ini­bin­do sua re­cap­ta­ção na si­nap­se.

Es­tu­dos re­cen­tes em re­la­ção ao me­ca­nis­mo de ação da acu­pun­tu­ra de­mons­tram que os lo­ca­is on­de são in­se­ri­das as agu­lhas – pon­tos de acu­pun­tu­ra – são ri­cos em ter­mi­na­ções ner­vo­sas e cé­lu­las do sis­te­ma imu­ne. A es­ti­mu­la­ção des­ses lo­ca­is pe­la in­ser­ção da agu­lha, via me­ca­nis­mo bi­o­quí­mi­co e ner­vo­so au­men­ta a se­cre­ção de neu­ro­trans­mis­so­res a exem­plo das en­dor­fi­nas e da se­ro­to­ni­na, da no­ra­dre­na­li­na e da do­pa­mi­na. Des­se mo­do a acu­pun­tu­ra se con­fi­gu­ra co­mo um meio fi­si­o­ló­gi­co de se es­ti­mu­lar a li­be­ra­ção des­sas sub­stân­cia sem a pre­sen­ça dos sin­to­mas co­le­ta­ri­as atri­bu­í­dos aos an­ti­de­pres­si­vos, tais co­mo so­no­lên­cia, di­mi­nu­i­ção da aten­ção, etc.

Os an­ti­de­pres­si­vos de­mo­ram de 10 a 15 di­as pa­ra atu­a­rem no or­ga­nis­mo, a as­so­cia­ção des­ses com a es­ti­mu­la­ção pe­la acu­pun­tu­ra, em mi­nha ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, di­mi­nui o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra a ação pro­mo­ven­do uma me­lho­ra mais pre­co­ce do hu­mor.

Na clí­ni­ca pri­va­da, nos am­bu­la­to­ri­ais pú­bli­cos – SUS, ou em am­bu­la­tó­rios on­de são mi­nis­tra­dos cur­sos de es­pe­cia­li­za­ção em Me­di­ci­na Tra­di­cio­nal Chi­ne­sa – Acu­pun­tu­ra, os re­sul­ta­dos trem si­do bas­tan­te pro­mis­so­res tan­to co­mo mé­to­do ex­clu­si­vo, nos epi­só­di­os de­pres­si­vos le­ves, co­mo em as­so­cia­ção com os me­di­ca­men­tos psi­qui­á­tri­cos es­pe­cí­fi­cos, nos ca­sos de tran­stor­nos mais se­ve­ros acom­pa­nha­dos ou não de sin­to­mas psi­có­ti­cos.

Im­por­tan­te lem­brar que o di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to pe­la Me­di­ci­na Tra­di­cio­nal Chi­ne­sa – Acu­pun­tu­ra de­ve sem­pre ser re­a­li­za­do por mé­di­co, so­men­te es­se pro­fis­si­o­nal es­ta ca­pa­ci­ta­do a ela­bo­rar di­ag­nós­ti­cos com ba­ses nas du­as me­di­ci­nas, na Tra­di­cio­nal Chi­ne­sa e na Oci­den­tal Mo­der­na.

 

(Lu­iz Sam­paio, mé­di­co acu­pun­tu­ri­a­tra, psi­qui­a­tra e di­re­tor de Pro­te­ção ao Pa­ci­en­te do Co­lé­gio Mé­di­co Bra­si­lei­ro de Acu­pun­tu­ra (CMBA))

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais