diario da manha

A arit­mé­ti­ca da des­tru­i­ção do meio am­bi­en­te é pa­ra­do­xal: a Hu­ma­ni­da­de cria ar­ma­di­lhas con­tra si mes­ma e de­pois atri­bui ao “po­der ar­bi­trá­rio” de Deus ou ao des­ti­no as ca­tás­tro­fes glo­bais que ocor­rem. Es­tá em nós a ca­pa­ci­da­de de con­ser­var a vi­da.

Nos­so bra­do é es­te: Edu­car. Pre­ser­var. So­bre­vi­ver. Hu­ma­na­men­te tam­bém so­mos Na­tu­re­za.

P.S.  Cla­ro que sou a fa­vor do pro­gres­so. Sem ele, es­ta­rí­a­mos no tem­po da pe­dra las­ca­da. En­tre­tan­to, que nin­guém se ilu­da. O pro­gres­so hu­ma­no tem si­do, ca­da vez mais, o da des­tru­i­ção, por cau­sa da des­vai­ra­da ga­na de acu­mu­lar di­nhei­ro e po­der. É a lu­ta pe­lo do­mí­nio do pla­ne­ta, cus­te o que cus­tar. E vai cus­tan­do mi­lhões de vi­das dos pre­ci­o­sos fi­lhos de Deus.

 

Arit­mé­ti­ca da so­bre­vi­vên­cia

É no­tó­rio que o ins­tin­to hu­ma­no de so­bre­vi­vên­cia nos re­co­men­da um de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co so­li­dá­rio e sus­ten­tá­vel, que a to­dos in­clua. Me­ta ou­sa­da, que re­quer ade­são ge­ral.

Se bem es­cla­re­ci­do e edu­ca­do des­de o ber­ço, qual­quer um po­de co­la­bo­rar. Ima­gi­ne­mos uma fa­mí­lia. No iní­cio de sua for­ma­ção, os res­pon­sá­veis abas­te­cem o lar, pro­por­ci­o­nan­do ali­men­to, edu­ca­ção, ves­ti­men­tas etc. aos fi­lhos, ne­tos, so­bri­nhos, en­te­a­dos, ir­mãos, pri­mos. Con­tu­do, até as cri­an­ças, quan­do de­vi­da­men­te ins­tru­í­das, pres­tam ex­pres­si­vo ser­vi­ço à eco­no­mia da ca­sa. Pe­que­nos ges­tos, co­mo não dei­xar a luz ace­sa des­ne­ces­sa­ria­men­te nem a tor­nei­ra aber­ta du­ran­te a es­co­va­ção dos den­tes, fa­zem gran­de di­fe­ren­ça. Pa­ra vi­su­a­li­zar o ex­ce­len­te re­sul­ta­do des­sas me­di­das sim­ples, bas­ta so­má-las ao to­tal de re­si­dên­cias no pla­ne­ta. Te­re­mos, as­sim, uma boa ini­ci­a­ti­va e mais bi­lhões de ou­tras.

 

(Jo­sé de Pai­va Net­to, jor­na­lis­ta, ra­di­a­lis­ta e es­cri­tor. pai­va­net­[email protected]www.bo­a­von­ta­de.com)

Comentários