Opinião

As Cartas de amor escritas

diario da manha

A dor que sin­to é tão gran­de! A fal­ta que o meu ami­go, Pro­fes­sor Bit­ten­court, me fa­rá, não con­si­go, ain­da, aqui­la­tar.

Te­i­lhard de Char­din, fa­mo­so pa­dre je­suí­ta fran­cês, no dia 18 de mar­ço de 1934 es­cre­ve a um ami­go, di­re­ta­men­te de Pe­quim (Let­tres de Voya­ge-1923-1955, Pa­ris), dan­do no­ti­cia do fa­le­ci­men­to do po­e­ta Da­vid­son Black, a quem ele, Char­din, de­vo­ta­va imen­sa ami­za­de e de­vo­ção:

“Es­cre­vo-lhe pa­ra dar-lhe mai­o­res de­ta­lhes so­bre uma tra­gé­dia: Da­vid­son Black mor­reu su­bi­ta­men­te, on­tem à noi­te de pa­ra­da car­dí­a­ca. Seu co­ra­ção es­ta­va em mau es­ta­do já há al­gum tem­po. Há cin­co se­ma­nas  ti­ve­mos um aler­ta; mas es­pe­ra­va-se uma me­lho­ra. Po­rém, o de­sen­la­ce se pre­ci­pi­tou. Black se sen­tia me­lhor na apa­rên­cia. Ele es­ta­va fa­lan­do com ve­e­mên­cia com al­guns ami­gos, sem­pre cheio de pro­je­tos. Al­guns mi­nu­tos mais tar­de mor­reu. Foi uma be­la mor­te, re­ple­ta de élan. Mas uma va­zio ter­rí­vel…mas que coi­sa ab­sur­da, apa­ren­te­men­te, é a vi­da…tão ab­sur­da que se sen­te re­jei­ta­do por uma fé per­se­ve­ran­te e de­ses­pe­ra­da. É com Black que eu pen­sa­va, que eu ama­va e que  eu pla­ne­ja­va meu tra­ba­lho. No de­ses­pe­ro que so­bre­veio após a mor­te de Black, den­tro da es­ton­te­an­te at­mos­fe­ra que en­vol­via sua mor­te, eu ju­rei, di­an­te do cor­po do meu ami­go, lu­tar, mais do que nun­ca, pa­ra dar uma es­pe­ran­ça ao tra­ba­lho”.

Na sex­ta-fei­ra, 26 de se­tem­bro, lo­go no co­me­ço da tar­de, re­ce­bi do pro­fes­sor Bit­ten­court o seu, qua­se di­á­rio  e.mail:

“Mi­nha cor­dial sa­u­da­ção; sin­to fal­ta da nos­sa ha­bi­tu­al cor­res­pon­dên­cia vir­tu­al. Nos úl­ti­mos di­as não te­nho me sen­ti­do bem e pre­ci­so sa­ber o que es­tá acon­te­cen­do co­mi­go; ho­je à tar­de vou ao en­con­tro do meu mé­di­co. Aguar­da­mos seu re­gres­so!”

Nes­ta mes­ma tar­de o Pro­fes­sor Bit­ten­court mor­ria!

Qual a se­me­lhan­ça en­tre es­tes dois epi­só­di­os?  Em am­bos hou­ve a cru­el­da­de do acon­te­ci­men­to ines­pe­ra­do!

Cho­ro a mor­te do ami­go que­ri­do que par­tiu; não o per­de­mos por­que fi­ca a sua imor­tal idéia; sa­be­mos, co­mo ele sem­pre re­pe­tia, que os de­síg­nios do Cri­a­dor fo­ram es­ta­be­le­ci­dos com mui­ta an­te­ce­dên­cia, po­rém, co­me­ten­do um des­li­ze com a  fé, pre­ci­so re­pe­tir um tre­cho dos Ser­mões de Vi­ei­ra:

“Por que não te­rão tam­bém os anos o que tem o ano? O ano tem tem­po pa­ra as flo­res e tem­po pa­ra os fru­tos. Por que não te­rá tam­bém o seu ou­to­no a vi­da?”

O se­nhor não ti­nha o di­rei­to de par­tir ago­ra Pro­fes­sor Bit­ten­court; nes­ta vi­a­gem que fiz, cum­pri o que lhe pro­me­ti: es­ti­ve na ci­da­de on­de John Stein­beck mo­rou por mui­tos anos, bis­bi­lho­tei os lu­ga­res por on­de ele an­dou, com­prei li­vros an­ti­gos que ele es­cre­veu, fiz fo­to­gra­far-me jun­to ao seu bus­to.

Pa­ra quem vou nar­rar es­tes acon­te­ci­men­tos ago­ra? Pa­ra quem vou en­vi­ar a fo­to­gra­fia? Com quem, da­qui pa­ra fren­te, na ca­la­da da noi­te, so­men­te com a com­pa­nhia do meu com­pu­ta­dor, irei dis­cu­tir as­sun­tos tão eclé­ti­cos co­mo fa­zí­a­mos?

Ao ou­vi-lo fa­lar com tan­ta fé so­bre a re­li­gi­ão ca­tó­li­ca apren­di, com o se­nhor, que ter fé não pres­su­põe acu­mu­lo de cul­tu­ra, mas sim o ne­ces­sá­rio en­ga­ja­men­to que ope­ra além da ra­zão, ou até mes­mo con­tra a pró­pria ra­zão.

O se­nhor vi­nha sen­do a al­ma fi­du­ci­al que pre­ci­sa­va, e ago­ra? Com quem vou con­ti­nu­ar a dis­cu­tir o as­sun­to que in­ter­rom­pe­mos acer­ca da ma­ra­vi­lho­sa cor­res­pon­dên­cia que o pen­sa­dor ca­tó­li­co Al­ceu de Amo­ro­so Li­ma man­ti­nha com a sua fi­lha, a ma­dre Ma­ria Te­re­za?

Ain­da ago­ra ve­jo, pos­ta­da em lu­gar pri­vi­le­gi­a­do da mi­nha es­tan­te, vi­gi­an­do mi­nhas ações e meus pen­sa­men­tos, a pro­te­to­ra de nós am­bos, San­ta Te­re­zi­nha do Me­ni­no Je­sus.

Ela, te­nho cer­te­za, es­tá lhe pro­te­gen­do nes­te no­vo mun­do de lu­mi­no­si­da­de; con­ti­nu­a­rei mi­nha ca­mi­nha­da, trom­ban­do com as mi­nhas lem­bran­ças, com sa­u­da­de de tu­do que vai fi­can­do pa­ra trás; com sa­u­da­de do se­nhor!

Mi­nha al­ma, nes­te mo­men­to de tan­ta emo­ção, so­fre a ten­ta­ção do pe­ca­do da in­ve­ja; mi­nha al­ma sen­te in­ve­ja da­que­les que pos­su­em a ca­pa­ci­da­de de sa­ber re­tra­tar com as pa­la­vras que, de­bal­de as pro­cu­ro e não as en­con­tro. Re­tra­tar o sen­ti­men­to de pai­xão que ema­na do meu es­pí­ri­to.

Pe­ço ao meu ami­go Go­e­the pa­ra aju­dar-me:

“Os úl­ti­mos com­pa­nhei­ros de uma lon­ga jor­na­da têm mais coi­sas a di­zer um ao ou­tro”

Meu re­la­ci­o­na­men­to afe­ti­vo com o Prof. Bit­ten­court é de re­cen­te era, apro­xi­ma­mos nas re­u­ni­ões cul­tu­ra­is da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, em­bo­ra, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, acom­pa­nha­va-o, à dis­tân­cia, há mui­to tem­po. Sua crô­ni­ca se­ma­nal no Di­á­rio da Ma­nhã, que lia com as­si­du­i­da­de e, prin­ci­pal­men­te, com mui­to pra­zer, era a di­re­triz das mi­nhas mo­vi­men­ta­ções no mun­do das le­tras.

A par­tir da­que­le en­con­tro, dei­xa­mos que a em­pa­tia me­di­as­se o nas­ci­men­to de uma gran­de ami­za­de que se tor­nou ex­ten­si­va à sua dig­na fa­mí­lia, mor­men­te a sua que­ri­da es­po­sa, se­nho­ra Ve­ne­ran­da.

Des­can­se em paz meu ami­go Pro­fes­sor Bit­ten­court!

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais