Opinião

Batista Custódio e “A revolução dos fujões”

diario da manha

O mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor leu na edi­ção de se­gun­da-fei­ra, dia “23”, na pri­mei­ra pá­gi­na o ar­ti­go “A re­vo­lu­ção dos fu­jões”, do edi­tor-ge­ral des­te ma­tu­ti­no van­guar­dis­ta, o jor­na­lis­ta Ba­tis­ta Cus­tó­dio? Eu li e fi­quei em­bas­ba­ca­do, es­pe­ci­al­men­te com a pri­mei­ra fra­se e, aí, ló­gi­co, o es­cre­vi­nha­dor não se con­te­ve, afi­nal, sem­pre em­pe­nhou a sua “sus­pei­ta­da” pa­la­vra de hon­ra que, ja­mais, ja­mais, ja­mais omi­ti­ria coi­sa al­gu­ma do mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor, ló­gi­co, na­da que “ele” achas­se sig­ni­fi­ca­ti­vo, mes­mo que, pa­ra tan­to, co­mo já o fez e, di­ver­sas ve­zes, fa­ça-me re­la­tar se­gre­dos in­con­fes­sá­veis, des­mo­ra­li­zan­do-me di­an­te da fa­mí­lia e ami­gos, ri­di­cu­la­ri­zan­do-me di­an­te dos lei­to­res e lei­to­ras, im­pon­do-me um co­ti­dia­no sô­fre­go, vi­su­al­men­te li­mi­ta­do, pa­ra as­sis­tir, pa­ra apren­der, um pou­co mais so­bre o mun­do, as re­la­ções hu­ma­nas e, es­pe­ci­al­men­te, fa­mi­lia­res, pa­ra ele, ap­ti­dões im­pres­cin­dí­veis pa­ra gal­gar à po­si­ção de “es­cri­tor”, en­tão, ago­ra, co­mo se fos­se uma en­ti­da­de, in­cor­po­ra-me per­me­an­do-me com um sos­laio, gri­tan­do, or­de­nan­do-me pa­ra que eu fa­ça jus ao tí­tu­lo, mas, an­tes, só mais uma coi­sa, gos­ta­ria de men­ci­o­nar que pen­sei, du­ran­te as inú­me­ras re­lei­tu­ras, re­ti­rar do tex­to a pa­la­vra “sus­pei­ta­da”, quan­do fa­lei so­bre a mi­nha pa­la­vra de hon­ra e, con­fes­so, a prin­cí­pio, cul­pei o es­cre­vi­nha­dor por não con­se­guir apa­gá-la, de­le­tá-la, pois, ele, o es­cre­vi­nha­dor, pa­re­ce odi­ar aque­les que ele ape­li­dou de “Tai­zi­nhos ” – aque­les que, se­gun­do ele, nun­ca le­ram, se­quer, um li­vro na vi­da – nem da Bí­blia – e fi­cam ar­ro­tan­do pseu­do­cul­tu­ra – mas, con­fes­so, sen­ti que com­pac­tuo com es­te ódio, não por eles, pe­los tais “Tai­zi­nhos”, mas, pe­la ig­no­rân­cia, a pre­gui­ça men­tal de­les, bem, vol­te­mos pa­ra o po­e­ta das le­tras que, no prin­cí­pio do ar­ti­go “A re­vo­lu­ção dos fu­jões”, acu­sa os três po­de­res de cons­ti­tu­í­rem uma fren­te na­ci­o­nal que ma­ni­pu­la, alie­na, ob­nu­bi­la a men­te do po­vo, ló­gi­co, ob­je­ti­van­do a per­ma­nên­cia no po­der.

Bem, no si­te des­te ma­tu­ti­no van­guar­dis­ta, no “dm.di­gi­tal”, o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor en­con­tra­rá, fa­cil­men­te, o be­lís­si­mo ar­ti­go des­se es­tu­pen­do oc­to­ge­ná­rio, pre­so du­ran­te o a di­ta­du­ra ci­vil e mi­li­tar, o nos­so des­te­mi­do “edi­tor-ge­ral” Ba­tis­ta Cus­tó­dio. Até.

 

(Hen­ri­que Gon­çal­ves Di­as, jor­na­lis­ta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais